Curitiba registra maior inflação para abril desde 2005, um índice de 0,86% | Fábio Campana

Curitiba registra maior inflação para abril desde 2005, um índice de 0,86%

Do HoraH News

O custo de vida em Curitiba, medido pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) foi de 0,86%, em abril – o maior desde 2005 para este mês. O acumulado do ano (janeiro a abril) está em 2,10%, também superior ao registrado no mesmo período do ano passado. O cálculo foi realizado pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes).

A maior pressão na inflação de abril veio de Alimentos e Bebidas com alta de 1,61%, representando um terço do índice geral. As altas mais significativas vieram de: batata-inglesa (47,34%), leite pasteurizado (8,43%) e refeição fora de casa (1,64%). Alguns destaques com queda de preços no mês foram: café em pó (-2,87%), e tomate (-7,23%).

O segundo grupo a elevar o índice foi o Vestuário que subiu 2,82%. Este grupo apresentou como principais influências os seguintes itens: blusa feminina (13,14%), sapato feminino (8,81%) e calça comprida feminina (4,89%). Com queda de preços no mês apareceu com destaque: conjunto infantil (saia/bermuda/short) (-12,86%).

Os combustíveis deixaram de apresentar quedas sucessivas e, com isso, passaram a não impedir que o índice subisse. O etanol caiu 4,06% e a gasolina subiu 1,55%. Na primeira prévia do mês o etanol havia baixado em 21,68% e a gasolina -6,28%. Com alta, contribuíram ainda: automóvel de passeio nacional zero km (2,13%), conserto de veículos (3,01%), automóvel de passeio e utilitário usados (0,71%) e corrida de táxi (10,97%). A passagem aérea baixou 6,50%.

No grupo Habitação a variação foi de 0,67%. Destaques para a alta de 2,71% em condomínio e de 0,77% em aluguel de moradia. Em seguida, também com aumento, Saúde e Cuidados Pessoais (0,83%). Os itens mais influentes no grupo foram: o aumento de 9,69% no medicamento antiinflamatório, as quedas nos preços das sessões de psicólogo e fisioterapeuta (-2,72%) e nos honorários médicos de obstetrícia (-11,91%).

Único grupo com queda, Artigos de Residência baixou 0,57%. Influenciaram neste resultado: televisão (–3,70%), carpete (-6,95%), móvel para sala – mesa/cadeiras (-5,89%) e móvel para sala – estante (-6,93%). Po último, Despesas Pessoais com variação de 0,21%, onde destacou-se aumento em excursão turística (9,01%).

Para o cálculo da inflação, o Ipardes coleta, mensalmente, em Curitiba, cerca de 60 mil preços de produtos consumidos por famílias que ganhavam de um a 40 salários mínimos, ou seja, de R$ 510,00 a R$ 20.400,00.


2 comentários

  1. Estamos de Olho
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 15:57 hs

    GENTE ESTÃO APRONTANDO EM CIMA DE NÓS

    Vejam a situação da Grécia. Gastaram o que não tinham para organizar as Olimpíadas em 2004. Estamos no mesmo caminho.
    Os juros já começaram a aumentar, inflação aumentado, e o “lulinha” só falando em investimentos, sem nem ter dinheiro para pagar as aposentadorias, lógico da Plebe – nunca do funcionalismo público.
    GASTAR E ROUBAR QUANTO PARA ORGANIZAR AS OLIMPÍADAS E A COPA DO MUNDO – É O COMEÇO DO FIM.

  2. salete cesconeto de arruda
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 16:51 hs

    Economia em crescimento gera inflação e somada a alguns especuladores de sempre mais as variáveis de cada região… normal!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*