Corrupção no Brasil custa até R$ 69,1 bilhões por ano, diz a Fiesp | Fábio Campana

Corrupção no Brasil custa até R$ 69,1 bilhões por ano, diz a Fiesp

Elaine Patricia Cruz da Agência Brasil

O preço da corrupção custa para o Brasil entre R$ 41,5 e R$ 69,1 bilhões por ano. A estimativa é de um estudo divulgado pelo Departamento de Competitividade e Tecnologia da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp).

De acordo com o relatório Corrupção: Custos Econômicos e Propostas de Combate, o custo com a corrupção representa entre 1,38% a  2,3% do Produto Interno Bruto (PIB). O dinheiro, se investido em educação, por exemplo, poderia ampliar de 34,5 milhões para 51  milhões o número de estudantes matriculados na rede pública do ensino fundamental, além de melhorar as condições de vida do brasileiro.

“O custo extremamente elevado da corrupção no Brasil prejudica o aumento da renda per capita, o crescimento e a competitividade do país, compromete a possibilidade de oferecer à população melhores condições econômicas e de bem-estar social e às empresas melhores condições de infraestrutura e um ambiente de negócios mais estável”, diz o estudo da Fiesp.

O relatório aponta também que, se o desvio de verbas no país fosse menor, a quantidade de leitos para internação nos hospitais públicos
poderia subir de 367.397 para 694.409. O dinheiro desviado também poderia atender com moradias mais de 2,9 milhões de famílias e levar saneamento básico a mais de 23,3 milhões de domicílios.

Para a área de infraestrutura, o relatório calcula que se não houvesse tanta corrupção, 277 novos aeroportos poderiam ser construídos no país. A precariedade dos  terminais é um dos maiores problemas para a realização da Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

O estudo também revela, citando informações da organização não governamental (ONG) Transparência Internacional, que o país conseguiu reduzir a corrupção, mas não foi suficiente para tirá-lo, em 2009, da 75ª colocação em um ranking de 180 países.

O relatório da Fiesp propõe como medidas de combate à corrupção uma reforma política que, entre outras coisas, estabeleça regras e procedimentos transparentes para o controle do financiamento de campanhas eleitorais; uma reforma do judiciário, com medidas que reduzam a percepção da impunidade e que punam mais rapidamente os
casos de corrupção; uma reforma administrativa, que reduza as nomeações para cargos de confiança, o poder de barganha no jogo político e a captação de propinas nas estatais; além de reformas fiscal e tributária, que aumentem o controle sobre os gastos públicos e evitem o pagamento de propinas.


8 comentários

  1. sexta-feira, 14 de maio de 2010 – 13:06 hs

    Absurdo

  2. claudemii
    sexta-feira, 14 de maio de 2010 – 13:24 hs

    SR FABIO CAMPANA NAO SEI SR TEM CONHECIMENTO, NA PROXIMA SEGUNDA FEIRA HAVERA UM JANTAR, ONDE O SENADOR OSMAR DIAS, VAI COMUNICAR AOS SEU ALHIADOS, QUE CANDIDATISSIMO AO GOVERNO DO ESTADO. ALIAS DIGA SE DE PASSAGEM , JAP ODE SE CONSIDERAR GOVERNADOR DO PARANA, POR QUEO OUTRO CANDIDATO O DO PSDB, ESTA DESSEPERADO, ELE E SUA TURMINHA, OFERECENDO TUDO AO OSMAR DIAS. QUE PENA BETO RICHA, VC PERDEU A GRANDE CHANCE DE SUA VIDA, DE CUMPRIR O SEU MANDATO ATE O FIM.

  3. Silvano Andrade
    sexta-feira, 14 de maio de 2010 – 13:37 hs

    O ideal seria constituir uma força de elite dentro da gloriosa Policia Federal com a incumbência de capturar, neutralizar e rastrear os bens de políticos e magistrados corruptos.

  4. Silvano Andrade
    sexta-feira, 14 de maio de 2010 – 13:38 hs

    faltou a caricatura do lerner, fhc…

  5. Daniel Pereira
    sexta-feira, 14 de maio de 2010 – 15:20 hs

    Li o estudo.
    Isso é mera estimativa.
    Corrupto que se preze não passa na FIESP para carimbar a graninha surrupiada.
    Mas acredito que, aos poucos, estamos andando.
    Imprensa livre (e com responsabilidade) e Estado forte: esse é o remédio.

  6. Borduna
    sexta-feira, 14 de maio de 2010 – 15:29 hs

    Olha, essa FIESP é o fim da picada. Deveria ser fechada. Quem corrompe os políticos se não as empresas? Quem superfatura as obras pra gerar recursos de caixa dois e pagar corruptos? AS EMPRESAS DA FIESP, ora. Pooooooooooooooorra ,o proble tá em casa, resolvam pois, e parem de colocar o mico no ombro do Estado. Parem vcs de oferecer propina que a corrupção acaba. Mas pelo contrário, a concorrência das empresas nas licitações não se dá pelo menor preço, mas é pela maior propina. Vão se catá. Não estou defendendo os corruptos, mas quero chamr a tenção pros corruptores, que são o mal maior.

  7. ILDO BALDO
    sexta-feira, 14 de maio de 2010 – 16:20 hs

    DECES 69% 50%É DO DEM E PSDB

  8. Zangado
    sexta-feira, 14 de maio de 2010 – 17:38 hs

    Faz quanto tempo que essas Fiesps da vida andam propondo a mesma coisa e ca corrupção campeia … O primeiro item desssas medidas deveria ser: não financiar candidatos ficha suja !

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*