Brasil tem mais de um milhão de viciados | Fábio Campana

Brasil tem mais de um milhão de viciados

Consumo no País é uma epidemia já comparada à epidemia de aids no continente africano

Da Agência Brasil

O número de usuários de crack hoje no Brasil está em torno de 1,2 milhão e a idade média para início do uso da droga é 13 anos. Os dados foram apresentados ontem pelo psiquiatra Pablo Roig, durante o lançamento da Frente Parlamentar Mista de Combate ao Crack, na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Roig é especialista no tratamento dedependentes do crack. O número é uma estimativa feita com base emdados do censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Os especialistas presentes na audiência apontaram que os países gastam de 0,5% a 1,3% do PIB com o combate e tratamento ao uso de droga.

O consumo de crack no País é comparada a uma epidemia. De longe, é a droga que mais se alastra, atingindo atualmente todas as camadas da sociedade.

Na semana passada, durante audiência com a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Paraná, o deputado federal Alceni Guerra (DEM-PR), membro da frente paralamentar, comparou o consumo de crack no Brasil à aids. “A epidemia do crack aqui só perde para a epidemia da aids na África”, comentou.

A Frente Parlamentar recém-criada pretende discutir propostas emergenciais que impeçam o crescimento do uso da droga no país, assim como as formas de tratar os dependentes. A Câmara de Curitiba também criou uma Frente Parlamentar para o mesmo tipo de discussão e propostas na Capital.

A Secretaria Municipal de Saúde de Curitriba mantém os Centros de Atendimento Psico-Social (Caps) que, entre outras, faz o atendimento aos dependentes químicos. Em 2009, em média, 7% das pessoas que procuravam uma das unidades do Caps na cidade todos os meses o fazia para tentar deixar o crack.

O avanço do crack tem despertado ações de todos os lados. No início da semana o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) discutiu diretrizes de uma campanha nacional de prevenção ao uso de drogas, em especial do crack, que será lançada em breve. O foco será a pevenção. A fase inicial da campanha prevê uma campanha publicitária com foco na prevenção. Uma segunda etapa deverá definir métodos para que o trabalho se perpetue, tendo os juízes como agentes de mobilização de entidades civis, profissionais que já atuam nessa área de combate às drogas e cidadãos interessados em desenvolver esse trabalho com os jovens.

O governo federal também prepara um um plano nacional interministerial de combate ao uso de drogas, solicitado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo o ministro, não há um prazo para que o plano seja lançado, mas deve sair “o mais rápido possível”. O projeto está sendo elaborado por várias pastas, entre elas os ministérios da Saúde, Educação e Justiça.

Abril no Paraná foi o mês do crack. Em trinta dias, foram apreendidos prataicamente a mesma quantidade da droga que nos três primeiros meses do ano. Até o dia 30 de abril, foram apreendidos no Estado 617 mil pedras da droga.

Na foto, criança fuma crack no Rio de Janeiro.


21 comentários

  1. LEO
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 11:08 hs

    É SÓ TRATAR VICIADO COMO BANDIDO QUE AS COISAS MUDAM DE FIGURA….ALIÁS, O QUE NOSSAS AUTORIDADES ESTÃO FAZENDO PRA ACABAR COM A BANDIDAGEM????
    EU SÓ ESTÕU VENDO LEIS PRA BENEFICIAR BANDIDO, ENQUANTO O TRABALHADOR, O PAI DE FAMÍLIA E O CIDADÃO DE BEM NÃO RECEBEM BENEFÍFIO ALGUM.
    BANDIDO BOM É BANDIDO MORTO ENTERRADO EM PÉ PRA OCUPAR MENOS ESPAÇO.
    BANDIO TEM QUE TRABALHAR E PAGAR PELOS CRIMES QUE COMETE.

  2. Silvano Andrade
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 11:15 hs

    Pena de morte e/ou prisão perpétua aos traficantes…tanto peixão quanto bagrinhos…dúvido que não acabe esta epidemia maldita.

  3. TUKU NARE
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 12:03 hs

    LEO seu demente, tu deves ser um traficante, essa desgraça que assola nossa
    juventude, e fruto de traficantes anonimos, que nunca chega a ser preso, de vez em quando a policia apresenta alguns bagrinhos, e os prende para dar satisfaçao
    a sociedade, e mostrar serviço. enguanto o trafico corre solto, com a finalidade de encher o bolso de poucos, e liquidar com os nossos jovens.

  4. JUSTO VERÍSSIMO
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 12:14 hs

    Perguntem ao Tarso Genro e o Carlos Minc como é que se trata o consumidor de drogas.

    O Carlos Minc participou pela segunda vez de passeata pela liberalização da maconha.

    O Tarso acha que consumidor não é contraventor.

  5. luis tormenta
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 12:43 hs

    ESTA É A RAZÃO DE TANTOS CRIMES NO NOSSO ESTADO E NA CAPITAL, ALIÁS GOVERNADOR PESSUTÃO DIGA A QUE VEIO POIS A NOSSA SEGURANÇA VAI DE MAL A PIOR, HOJE CEDO QUEM PASSAVA NA PRAÇA CARLOS GOMES AQUI NA NOSSA CAPITAL PRESENCIOU UM CRIME HORRÍVEL, MÃOS A OBRA GOVERNADOR E TERÁ O NOSSO MAIOR APOIO.

  6. Jaferrer
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 12:48 hs

    Com a incompetência federal em estabelecer políticas públicas para o setor (e diga-se de passagem, para qualquer setor) e diretrizes para os estados, a tendência é piorar cada vez mais.

  7. Sérpico
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 12:56 hs

    É necessário que haja um combate sério ao tráfico. Na Vila Nossa Sra. da Luz o tráfico trabalha à luz do dia e ninguém incomoda. A Policia MIlitar só aparece pra pegar propina e o “patrão”, o tal de Éder, está riquíssimo e estuda Direito na Universidade Santa Cruz e só anda de carro importado. Alguma coisa está errada!

  8. Raul Maleatto
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 13:39 hs

    Um país em que a miséria impera, os jovens acabam se desiludindo com a vida, também pela influências de ausência de valores, e acabam experimentando drogas, seja para escape ou para estar na “tendência”.

    Lamentável, mas a falta de educação e de oportunidades é uma das causas desse grande número de viciados. Uma pena, mas a questão não é só combate aos traficantes, mas também investimento em políticas públicas de educação etc.

  9. LEO
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 14:12 hs

    ao tucú nake….eu dei a solução, se voce tem outra melhor, estou esperando pra ver….voce falo…falou…falou mas não deu a solução pro problema…….vamos estou esperando inteligentão.

  10. jovem
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 15:35 hs

    SEUS FEZES

  11. Jacarezinho
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 16:01 hs

    Erasmo Garanhão quando financeiro do governo Richa, aumentou a arrecadação sem perseguir ou aterrorrizar nenhum contribuinte. Apenas mexeu na máquina arrecadatória, remanejando os seus agentes, quebrando panelinhas. Sabe-se que a polícia, a banda podre, nem se importa com o olerite. O grosso mesmo vem das máquinas caça-niqueis, do traficante da esquina, do dono do prostíbulo, do bicheiro, do muambeiro. Dr. Serpa, a dica é de grátis.

  12. observando
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 16:29 hs

    Sou contra a pena de morte. Sou a favor ao abate…
    Vimos combate no centro da cidade, não vemos nas
    entradas de cidades, nas rodoviárias, nos aeroportos. (pontos estratégicos). Se a droga não entra, a droga não será vendida …
    “Ou a droga(*) abaixa ou acaba”
    (*) Pedágio … 3 batidinhas na madeira, credo!

  13. ▄▀▄†Ψ REQUEIJÃOΨ†▄▀▄™
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 17:07 hs

    Até o FHC falou que é para descriminalizar, tem gente ainda quer quer tratar viciado como bandido este só que esquece que café e açucar também são drogas. Aí , como distinguir o “Bandido”?. Ser negro, pobre., morar no mocó… Se trata de não de julgar bandido como viciado; mas negro, pobre e morador de mocó de bandido.

  14. Jango
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 18:38 hs

    Falando sério. É louvável que se adote melhores métodos de prevenção e de cuidados aos viciados em crack. Todavia, se não for adotado meios de punição diferenciados ao traficante e/ou financiador do crack pouco adiantará. O óbvio e que poucos percebem é que o tráfico é, hoje, uma empresa, ás vezes com ramificações internacionais. O crack tem fulminante efeito viciante e é aí que o traficante e/ou o seu financiador tem lucro e freguesia garantida. Sua especificidade requer tratamento legal e repressivo adequado a ela, pela alta lesividade pessoal, familiar e social. O pobre viciado paga seu vívio com a morte, levando ao descalabro a família e a sociedade. Os dados estão aí, só não vê quem não quer ver. Vão em qualquer delegacia deste país e responderão: depois que entrou o crack perdemos o controle ! Então, os meios legais e repressivos adotados para outras drogas são água com açúcar para o traficante e/ou financiador do crack. Porisso ele prospera a olhos vistos e a sociedade degrada a passo largo. Logo teremos, entre as efemérides, o “Mes do Crack” – só falta definir o mes, parece que Abril é uma boa data ! Acorda sociedade ! Acordem autoridades !

  15. PAULO
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 18:57 hs

    Tem que se juntar com o CABEIRA

  16. O PISSITTI
    quinta-feira, 6 de maio de 2010 – 19:00 hs

    A MAIORIA DOS VICIADOS SAO FILHOS DE TUBAROES E NAO ESSES DESGRAÇADOS E MISERAVEIS QUE ANDAM SE DROGANDO NA RUA…….MASSSSSSSS COM CERTEZA A CADEIA VAI SOBRAR PARA ESSA GALERA AI DE CIMA.

  17. Marcos Calonga
    sexta-feira, 7 de maio de 2010 – 8:35 hs

    Será que essa praga é pior do que os políticos deste país!?!?!?!?!?!
    Esses também se alastram de forma muito rápida, corrompem famílias, agridem a sociedade, corroem o estado, e deixam um prejuízo difícil de mensurar para toda a sociedade!!!

  18. Reinoldo Hey
    sexta-feira, 7 de maio de 2010 – 9:12 hs

    Um milhão? Só no Paraná há bem mais que isso. Palavra de quem trabalha diretamente com famílias carentes e desestruturadas, cujos filhos são alvos fáceis para as investidas danosas dos traficantes.
    Concluí recentemente um curso pela Universidade de Brasilia UnB sobre o tema “drogas” e posso lhes garantir: há um segundo poder no país e , por consequência, uma segunda constituição. Por exemplo:R$ 5,00 de dívida( valor de “uma pedra”) é pena de morte.
    Há conivência de comerciantes, participação indireta de autoridades e um sistema organizado que , inclusive, elege vereadores, deputados etc., alguns formados em Direito ( curso pago pelo sistemão) cuja missão é defender as causas crime organizado. Que tal um bandido juiz? Será que existe?
    Detalhe: quem falar demais tem encontro marcado com o J.C.
    É realmente lamentável!!!

  19. Reinoldo Hey
    sexta-feira, 7 de maio de 2010 – 9:22 hs

    Em tempo: exagerei na citação do número de viciados no Paraná: minhas pesquisas envolviam a rota da droga pelas fronteiras, daí o número apresentado que, de fato , é o número nacional.Não há dados oficiais no estado, mas posso garantir que a quantidade real de viciados no Brasil ultrapassa ( e muito) um milhão.
    Valeu!

  20. joilson
    terça-feira, 2 de novembro de 2010 – 17:41 hs

    projetos destinatos a saúde tais como a canpanha de prevenção contra as drogas devem ser analizadas com carater de emergencia

  21. Pedro Hey Branco
    quinta-feira, 25 de junho de 2015 – 8:49 hs

    Caro Fabio, informações vindas do Pablo Roig são altamente comprometidas. Ele é um dono da GREENWOOD, onde várias atrocidades contra pacientes são realizadas, de cárcere privado à tortura psicológica, entre outros crimes.

    Segue o link com as denúncias (tudo verdade, infelizmente):

    http://www.midiaindependente.org/pt/red/2009/02/441643.shtml

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*