Ambiguidade sobre Banco Central é marca dos pré-candidatos | Fábio Campana

Ambiguidade sobre Banco Central é marca dos pré-candidatos

Análise de Fernando Dantas, do Estado de S.Paulo

A ambiguidade parece ser a marca registrada das posições dos pré-candidatos em relação ao Banco Central.

O BC, na verdade, ocupa uma posição curiosa no imaginário dos políticos e da maior parte da população. Por um lado, trata-se de um grupo de tecnocratas sisudos, dominado pelo mercado financeiro, e responsável direto pelas altíssimas taxas de juros nacionais. Obcecado com a inflação, o BC mostra-se frio e distante em relação ao drama do desemprego, e não pode ver crescimento sem pisar no freio.

Por outro lado, o BC é responsável por manter a inflação em níveis civilizados há mais de uma década, garantindo o espetacular aumento recente do poder de compra dos mais pobres. Além disso, seria preciso muita má-fé para negar o prestígio e a confiança internacional trazidos pela atuação do BC brasileiro.

Diante dessa dicotomia, os candidatos dedicam-se, em graus variados, a um curioso exercício de morde e assopra quando o tema é o BC.

Serra, como era de se esperar, é o que mais morde. É claro, como ele diz, que o BC erra, mas uma “autonomia dentro de certos parâmetros”, que inclua se deixar influenciar pela “proximidade” com o Executivo não é, definitivamente, autonomia operacional de verdade. Nesta, o BC persegue, sem se submeter à opinião de ninguém, metas de inflação definidas pelo governo.

Dilma, por sua vez, definiu como “importantíssima” a autonomia do BC no governo Lula, mas, em entrevista a Isto É, disse que, até o final do governo dela, “nós” (Executivo e BC) terão condições de olhar simultaneamente a inflação e o emprego. A implicação parece ser a de que hoje o BC sacrifica o emprego no altar do combate à inflação, e que algo será feito em relação a isto. Embora Dilma, taticamente, tenha optado por assoprar no momento, nota-se que os dentes estão lá, preparados para a eventual mordida.

Marina defendeu enfaticamente a independência “não-institucional” do BC. Ora, se é tão bom assim, por que não a fazer por lei? É que políticos e sociedade ainda mantêm em relação ao BC uma mistura de suspeição e respeito.


5 comentários

  1. VLemainski-Cascavel-PR
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 18:29 hs

    A política do banco central não deixa de ser uma ação entre amigos cujos grandes privilegiados são os bancos e o próprio governo. Se existe inflação causada por demanda, o que resolve realmente é o aumento da produção, que derruba os preços. Aumento de juros é somente um paliativo. Está corretíssimo o Serra em sua opinião quando diz que o BC não é a Santa Sé.

  2. antonio carlos
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 20:14 hs

    A independência do Banco Central deveria ser um dos temas centrais da campanha política. Mas não será. E não será porque o assunto é espinhoso, difícil de abordar, e mais difícil ainda de entender. As economias desenvolvidas tem os seus BCs independentes, mas também contam com o poder Judiciário independente. E quem quer o poder Judiciário independente neste País? Quem quer o BC independente. ACarlos

  3. Caio S
    terça-feira, 11 de maio de 2010 – 21:25 hs

    Só posso dizer que o Serra só falou o que sempre disse, ou alguém se surpreendeu com a fala? Talvez com o modo meio ríspido, mas com o conteúdo só se fosse um fora da realidade.

    Quanto a Dilma, bem essa é a verdadeira biruta de aeroporto, sair defendendo o BC foi, no mínimo, ridículo.

    Marina, alguém sabia o que ela pensava???

  4. BC Ninho de raposas
    quarta-feira, 12 de maio de 2010 – 9:25 hs

    Falácia, nada mais que isso. O BC independente é conversa fiada das economias avançadas para países de imbecís como o Brasil. Por que devo eu acreditar na sabedoria desses boçais que vem dos grandes bancos para dirigir a instituição em prol do país? É como colocar a raposa para cuidar do galinheiro, e é por isso mesmo que os bancos brasileiros são campeões mundiais de rentabilidade. Qual a importancia dessa discussão para a grande massa de ineptos? Seria muito mais interessante que estivessem a discutir quais os planos para habitação e saúde, dois problemas que vem sendo adiados a décadas. Acordem, essa discussão é só para inglês ver!

  5. RST
    quarta-feira, 12 de maio de 2010 – 10:26 hs

    Mas quanta hipocrisia hein? O Serra cuspindo no prato que comeu? não foi a turma do psdb que instaurou o BC independente, a mando do FMI quando eram governo? E quem mandava no Brasil era o FMI?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*