Agricultores marcham rumo a Curitiba, após ocuparem pedágio | Fábio Campana

Agricultores marcham rumo a Curitiba, após ocuparem pedágio

Da Gazeta do Povo

Cerca de 800 trabalhadores rurais na região Norte do Paraná chegaram a Curitiba no final da manhã desta quarta-feira (12). Mais cedo, o mesmo grupo ocupou a praça de pedágio de São Luiz do Purunã, na região dos Campos Gerais, por três horas e meia. Os agricultores estão acampados no ginásio de esportes do Tarumã e prometem realizar uma manifestação em frente à sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na quinta-feira (13).

Os trabalhadores rurais integram a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e a ação faz parte do movimento nacional Grito da Terra Brasil. Estão programadas manifestações nesta terça-feira em vários estados e na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. No Paraná, os agricultores saíram dos municípios de Porecatu, Bela Vista do Paraíso e Alvorada do Sul, todas na região Norte, na noite de terça-feira (11) em 16 ônibus.

O coordenador do Contag Cláudio Fernandes afirma que os manifestantes são famílias acampadas que esperam ser assentadas pelo Incra. O grupo pede a desapropriação de oito áreas, além lonas plásticas e a instalação de escolas itinerantes nos assentamentos. “São famílias que ainda sonham em ter seu pedacinho de terra”, afirma.

Protesto em São Luiz do Purunã

Os agricultores da Contag ocuparam a praça de pedágio na BR-277 entre 7 horas e 10h30 desta quarta. O grupo fechou dez das 12 cancelas nos dois sentidos da rodovia. Além disso, os manifestantes liberaram a passagem dos motoristas pelas outras duas cancelas sem o pagamento da tarifa.


4 comentários

  1. paranagua
    quarta-feira, 12 de maio de 2010 – 16:05 hs

    ESTE CARAS SAO TUDO PTZADA, SAO UM ATRASO PARA O PARANÁ.
    O PT AINDA FAZ FESTA PARA ESTA CORJA E DA DINHEIRO.
    CADEIA NELES…

  2. quarta-feira, 12 de maio de 2010 – 17:06 hs

    O coordenador do Contag Cláudio Fernandes afirma que os manifestantes são famílias acampadas que esperam ser assentadas pelo Incra. O grupo pede a desapropriação de oito áreas, além lonas plásticas e a instalação de escolas itinerantes nos assentamentos. “São famílias que ainda sonham em ter seu pedacinho de terra”, afirma.

    De acordo com a afirmação do Coordenador…..

    DIRIA MOS QUE SEM TERRA DO MST MARCHAM RUMO A CURITIBA

    leia artigo:
    MST E OS “PROBLEMAS QUE SE ACUMULAM” ATRAVÉS DO CRIME

  3. Porecatu
    quarta-feira, 12 de maio de 2010 – 18:09 hs

    Esses são os mesmo criminosos que, na região de Porecatu, têm causado imensos prejuízos, invadindo fazendas produtivas, agredindo e expulsando moradores, incendiando canaviais e equipamentos agrícolas, causando severos prejuízos ao meio-ambiente, em áreas de preservação permanente, enfim, sempre de forma violenta, e que, hoje vivem flanando pelo Paraná afora, fazendo protestos que trazem aborrecimento a todos.
    É bom registrar uma inovação, os criminosos, estes, do MST, estão usando herbicidas em grande quantidade , para dessecação e destruição de canaviais, e todo mundo (autoridades do governo estadual, alguns deputados, e prefeitos dos diversos municípios) ri, riem à toa, a bandeiras desplegadas!
    Até quando seremos obrigados a aceitar tudo isso, centenas de atos criminosos perpetrados por esses bandos que pairam acima da lei?
    Onde está o Estado? e as leis, descumpridas no cotidiano, para que servem?
    Em tempo, nos próximos dias haverá festa numa das propriedades invadidas, com convidados especiais (deputados, funcionários do INCRA, representantes da Igreja Católica et caterva), que virão para constatar o “sucesso” da sua empreitada macabra.

  4. Interessado
    quarta-feira, 12 de maio de 2010 – 20:06 hs

    NÃO SÃO TRABALHADORES RURAIS, SÃO APENAS CRIMINOSOS QUE DEVERIAM ESTAR NA CADEIA.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*