Temer diz que haverá acordo entre PMDB e PT no Paraná | Fábio Campana

Temer diz que haverá acordo entre PMDB e
PT no Paraná

O presidente do PMDB acredita que em São Paulo e Pernambuco a aliança é difícil, mas Paraná e Santa Catarina verão acordo da base governista

Da Agência Estado no Estadão

O presidente nacional do PMDB e da Câmara dos Deputados, Michel Temer, afirmou hoje que pretende “trazer para a aliança nacional (com o PT) a maioria do partido em São Paulo”, o que significaria apoiar as candidaturas de Dilma Rousseff à Presidência da República e do senador Aloizio Mercadante (PT-SP) ao governo paulista. A posição de Temer é contrária à do presidente estadual do PMDB, o ex-governador Orestes Quércia, que defende o apoio ao PSDB, representado pelos pré-candidatos José Serra e Geraldo Alckmin. Quércia, inclusive, já teve o nome lançado como pré-candidato ao Senado por essa coalizão tucana.

Apesar de admitir que há possibilidade de intervenção no diretório do PMDB paulista, Temer afastou uma ação deste gênero. “(A intervenção) não é tradição do PMDB. O que nós vamos fazer é trazer para a aliança (com o PT) a maior parte do PMDB de São Paulo e acho isso viável. Sinto que há uma possibilidade grande do apoio de prefeitos, lideranças e delegados” afirmou o deputado e nome mais cotadod na legenda para ser o vice de Dilma na disputa presidencial.

Temer, que visita a Agrishow, feira de equipamentos agrícolas em Ribeirão Preto (SP), comentou as negociações entre PMDB e o PT nas disputas de outros Estados. Em Pernambuco, o presidente nacional do PMDB considerou que não há possibilidade de acordo entre os dois partidos. Naquele Estado, o PMDB deve indicar o senador Jarbas Vasconcelos, com o apoio do DEM e do PSDB, e o PT deve apoiar o atual governador Eduardo Campos (PSB). “Não vemos isso em Santa Catarina e no Paraná, onde teremos um acordo”, disse.

Já em Minas Gerais, Temer avaliou que uma decisão sairá na próxima semana e que caminha para uma chapa com o ex-ministro das Comunicações Hélio Costa (PMDB), com o candidato a vice do PT. Temer avaliou ainda que os embates no Pará, entre Ana Júlia Carepa (PT) e Jader Barbalho (PMDB), e na Bahia, entre Jaques Wagner (PT) e Geddel Vieira de Lima (PMDB), deverão ao menos dar palanques duplos para Dilma.

Já em Mato Grosso do Sul, onde o governador André Puccinelli (PMDB) ameaça apoiar o tucano José Serra (PSDB) à Presidência, caso o governo e o partido fomentem um palanque duplo com seu inimigo e ex-governador Zeca do PT, Temer acredita em uma solução inusitada: a ausência de Dilma e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha eleitoral. “A tese é o palanque duplo ao inverso; se a Dilma e o Lula não forem a Mato Grosso do Sul, quem sabe o André Puccinelli faz a campanha dele por conta própria, sem dar palanque para ninguém”, avaliou.

Temer afirmou ainda que o PMDB irá trazer o equilíbrio para a aliança com o PT, inclusive com uma posição moderada na elaboração do plano de governo. “O PT tem seu plano de governo, o PMDB trabalha num plano que será mais moderado; vamos juntar os dois e o PMDB fará o papel de equilíbrio da coalizão”, disse.


8 comentários

  1. sexta-feira, 30 de abril de 2010 – 21:44 hs

    Os PTistas então vão tem um caixote para a Dlimazia contar mentiras ?? kkkkkkkk

  2. tico
    sexta-feira, 30 de abril de 2010 – 22:08 hs

    O Pmdb e prostituta de governo teve com Fhc e agora com o Lula, a maior prova e que o Pmdb foi vice de Serra em 2002 eo trairam votando no Lula e agora vão fazer o mesmo vão por o temer de vice da Dilma e vão tudo com o Serra.

  3. Austragésilo
    sábado, 1 de maio de 2010 – 9:38 hs

    Claro! Sem dúvida!
    Temer tem razão: sempre tem acordo quando se trata do PMDB. Afinal, um partido de interesses pessoais, de grupos, associados, vinculados, consorciados e que aparece sempre, atrás das maracutais perpetradas contra o erário.

    Acordo é a palavra-chave. Com lideranças de peso e currículo que mais parece prontuário.

    PMDB é o maior partido do país. Em todos os sentidos. Inclusive no sentido da mão boba…

  4. Calunga
    sábado, 1 de maio de 2010 – 13:39 hs

    A única vantagem de ter o PNDB como aliado é o tempo de TV que ele proporciona ao candidato, porque a fidelidade nesse partido não existe e nunca existiu.

  5. Calunga
    sábado, 1 de maio de 2010 – 13:40 hs

    Leia-se PMDB.

  6. Eduardo
    sábado, 1 de maio de 2010 – 14:39 hs

    O Temer não apitada nada no Pmdb.

  7. Eliane Maria Martins
    sábado, 1 de maio de 2010 – 16:50 hs

    Só de olhar pra cara desse sujeito já elimina qualquer idéia que me passasse pela mente de votar em Dilma.
    Vai que a coitada tem uma recaída da doença. Já pensou Temer presidente por 4 anos? Xô, satanás!

  8. pirata
    domingo, 2 de maio de 2010 – 19:52 hs

    Vai a merda “temer” e ptzada

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*