Serra lança candidatura, pede fim de divisões e diz que Brasil não tem dono | Fábio Campana

Serra lança candidatura, pede fim de divisões e diz que Brasil não tem dono

Celebração. Serra listou avanços no País nos últimos 25 anos, mas não deixou de lado ataques indiretos ao presidente Lula e a sua adversária, Dilma Russeff

Da AE

Lançado pré-candidato à Presidência da República ontem, em Brasília, o ex-governador José Serra apresentou-se como o “pós-Lula” que se propõe a trabalhar pela união do País. Em críticas indiretas ao atual governo, o tucano destacou que o Brasil “não tem dono” e voltou a usar a expressão que “pode mais”, dando assim o mote da campanha.


12 comentários

  1. OSSOBUCO
    domingo, 11 de abril de 2010 – 12:35 hs

    O DISCURSO DE MISTER SERRA

    Mr. Serra disse ontem que “o Brasil não tem dono”.

    Eu discordo: o Brasil tem dono sim, Mr. Serra. Os donos somos nós, todos os brasileiros.

    Quem não tem dono, Mr. Serra, é FEOFÓ de bêbado e de político entreguista.

  2. Laertes
    domingo, 11 de abril de 2010 – 12:38 hs

    Parece discurso de candidato a vereador! Fraquíssimo!

  3. Paulo Fonte Nova
    domingo, 11 de abril de 2010 – 12:40 hs

    Serra é sinônimo de corrupção e violência.
    Clique aqui para ver que o Brasil tem sim dono, ao contrário do que disse Serra, é o povo: “O Brasil tem dono: o Brasileiro – Contraponto ao Serra”: http://gmpconsult.com.br/blogdolen/

  4. CWB
    domingo, 11 de abril de 2010 – 12:49 hs

    ELE DEVERIA LEMBRAR AO SEU PATRÃO, FHC DE MELLO, DE QUE O BRASIL NÃO TEM DONO. O REFERIDO SENHOR SE COMPORTOU COMO SENHOR DE ENGENHO SULISTA AO VENDER OU DAR DE PRESENTE EMPRESAS BRASILEIRAS DE SUCESSO, E MAIS NÃO CONSEGUIU PELA PRESSÃO POPULAR!
    VAMOS NOS ARRISCAR A PERDER O RESTO?
    QUEM SERIA A PRÓXIMA, A PETROBRAS????

  5. domingo, 11 de abril de 2010 – 14:06 hs

    Se não tem dono, podem dar para os amigos, como aconteceu no governo deles!

    JS

  6. domingo, 11 de abril de 2010 – 14:20 hs

    Segundo as boas línguas, SERRA foi um fenômeno na mídia pelo seu inteligente e de união………..entonces: Serra Nelles!

  7. domingo, 11 de abril de 2010 – 18:38 hs

    EU TIVE A SATISFAÇÃO DE CONHECER O SR JOSÉ SERRA PESSOALMENTE, , , PENA QUE FOI EM UMA HORA IMPRÓRIA, FOI NO VELÓRIO DE UM GRANDE LIDER POLITICO PARANAENSE,,,,,MAS FIQUEI IMPRESSIONADO POIS EU ME DIRIGI AO SEGURANÇA E PERGUNTEI SE PODERIA FALAR COM O SERRA? //ELE SE DIRIGIU AO MESMO E ME APONTOU ,,E LOGO O SERRA VEIO AO MEU ENCONTRO ME INDAGANDO O QUE EU QUERIA// EU RESPONDI SÓ QUERIA CONHECE-LO PESSOALMENTE E TROCAR UMAS PALAVRAS NO QUE ELE ME ATENDEU COM MUITA ATENÇÃO,,,FALAMOS UMS CINCO MINUTOS , E EU FIQUEI CONTENTE COM O DIALOGO QUE TIVEMOS NOS POUCOS MINUTOS.

  8. Polêmico
    domingo, 11 de abril de 2010 – 18:51 hs

    Por isso o Brasil não deve mais cair nas mãos do PSDB que não sabe administrar.
    Dilma Presidente.
    Fora Serra.
    Fora PSDB e seus aliados.

  9. domingo, 11 de abril de 2010 – 20:12 hs

    No lançamento da pré-candidatura de José Serra, onde estava FHC?

    A) Lendo Augusto Comte atrás das cortinas
    B) No banheiro, pois lhe deram um laxante
    C) Com uma jornalista da Globo
    D) Ensaiando o “Rebolation”: final da festa
    E) “Com um pé na cozinha”

  10. domingo, 11 de abril de 2010 – 20:35 hs

    Comprovado que Aécio tentou influenciar ministro do STJ

    Prova que faltava para confirmar envolvimento de Aécio no escândalo “mensalão do DEM” veio com a informação do ministro Fernando Gonçalves

    Logo que estourou o escândalo de corrupção no Distrito Federal, o fato ficou nacionalmente conhecido como “mensalão do DEM”. Em depoimento à Polícia Federal, o denunciante Durval Barbosa informou que José Roberto Arruda lhe confidenciou que teria pedido ao governador Aécio Neves que intercedesse junto ao ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Fernando Gonçalves, por ser o mesmo de Minas Gerais.

    O intuito seria conseguir “informações privilegiadas” a respeito das investigações da Polícia Federal envolvendo o esquema de corrupção montado pelo governador Arruda.

    Devido à grande influencia do governador mineiro sobre a mídia estadual e nacional, este fato praticamente só foi noticiado pelo Novojornal, caindo em seguida no esquecimento, até que o ministro Fernando Gonçalves informasse que havia sido procurado pelo secretário de governo e principal homem de confiança do governador Aécio Neves, Danilo de Castro.

    “A declaração do ministro confirma o teor da denúncia de Duval Barbosa, demonstrando que Aécio Neves teria em clara exploração de prestígio praticado o crime de prevaricação e condescendência criminosa”, afirma um ministro aposentado do STJ, que acrescenta: “Se o governador Aécio Neves tem o poder de saber a tramitação de um processo que corre em segredo de justiça contra outra pessoa, imagina qual é o seu poder em relação a ele mesmo? Isto comprova a falência do atual modelo da justiça brasileira”.

    Esta afirmativa comprova a tese noticiada pelo Novojornal de que no Brasil os responsáveis pela implantação da Nova República montaram um esquema capaz de garantir-lhes total impunidade.

    Independentemente de qualquer coisa, cabe uma pergunta:

    Porque Aécio estaria interessado em ajudar Arruda a saber o que estava sendo investigado?

    Aécio, meses antes de estourar o escândalo, encontrara-se com Arruda para tratar da compra da Companhia de Energia do Distrito Federal pela Cemig e convidá-lo para ser vice em sua chapa à Presidência da República.

    É publico que o secretário de Obras do Distrito Federal, repartição onde circula o maior volume de recursos e comprovadamente a relação com os empreiteiros, é a mais promíscua possível, além de ser ocupada por indicação do PSDB, partido do governador Aécio Neves.

    Arruda leu inquérito antes de a PF lançar ação contra ele

    Na véspera da Operação Caixa de Pandora, José Roberto Arruda já conhecia em detalhes 200 páginas do inquérito que a Polícia Federal havia preparado sobre o mensalão do DEM.

    O Ministro Fernando Gonçalves teria após contato de Danilo de Castro “liberado a papelada” para advogados do então governador do Distrito Federal no dia 26 de novembro.

    A PF, que havia se programado para efetuar a busca de provas no dia 1º de dezembro, teve de se antecipar. Não se sabe que prejuízos a liberação pode ter causado à operação.

    A PF encontrou cópias dos documentos liberados pelo STJ na casa do então chefe de gabinete de Arruda.

    Eram planilhas de gastos e notas fiscais do suposto caixa dois da campanha eleitoral de 2006. Estavam em um envelope com o timbre do tribunal.

    Um inquérito foi aberto para apurar se houve vazamento. O caso está sob responsabilidade da área de inteligência da superintendência do órgão. Não por outro motivo que o ministro informou que Danilo de Castro teria ligado para ele solicitando acesso às investigações.

    Arruda está preso desde o dia 11 na Superintendência da Polícia Federal. Ontem, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu o julgamento do pedido de liberdade de Arruda.

    Não há previsão de quando o caso será levado ao plenário da Suprema Corte. O adiamento foi solicitado pelo advogado Nélio Machado.

    “Muitos fatos novos ainda aparecerão”, afirma um dos principais interlocutores de Durval Barbosa. Prestes a sair do Governo de Minas, desta forma perdendo o Fórum Privilegiado, Aécio Neves deverá ser convocado a depor na Polícia Federal para explicar sua participação no caso.

    Cópia do depoimento feito à Polícia Federal em Brasília por Durval Barbosa, informando a participação do governador mineiro Aécio Neves no intuito de conseguir com o ministro Fernando Gonçalves, do STJ, informações sobre as investigações da PF

  11. domingo, 11 de abril de 2010 – 20:40 hs

    Da série lobo em pele de cordeiro— votos e abstenções de José Serra na Constituinte em relação aos seguintes pontos:

    a) votou contra a redução da jornada de trabalho para 40 horas;

    b) votou contra garantias ao trabalhador de estabilidade no emprego;

    c) votou contra a implantação de Comissão de Fábrica nas indústrias;

    d) votou contra o monopólio nacional da distribuição do petróleo;

    e) negou seu voto pelo direito de greve;

    f) negou seu voto pelo abono de férias de 1/3 do salário;

    g) negou seu voto pelo aviso prévio proporcional; h) negou seu voto pela estabilidade do dirigente sindical;

    i) negou seu voto para garantir 30 dias de aviso prévio; j) negou seu voto pela garantia do salário mínimo real;

  12. emerson palhares
    segunda-feira, 12 de abril de 2010 – 23:20 hs

    vamos parar dilmavezcom isto !

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*