Serra chama para campanha mesmo grupo que o ajudou 4 anos atrás | Fábio Campana

Serra chama para campanha mesmo grupo que o ajudou 4 anos atrás

De Catia Seabra, na Folha de S.Paulo

O pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, deixou ontem o governo de São Paulo. Agora, se dedica à delicada tarefa de desenhar sua estrutura de campanha sem provocar um desmonte da equipe do Estado e da Prefeitura de São Paulo.

Para o comitê financeiro, planeja indicar o tesoureiro da sua campanha a governador, o ex-ministro José Gregori, hoje no município. Confirmada a escolha, reproduzirá, em 2010, boa parte da equipe de 2006: para a coordenação administrativa, o ex-secretário estadual José Henrique Reis Lobo; na comunicação, Luiz Gonzaléz; e, no jurídico, Ricardo Penteado.

Além do coordenador-geral da campanha, o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, o secretário estadual de Meio Ambiente, Xico Graziano, e o presidente da SPTuris, Caio Carvalho, serão escalados para o comitê: Graziano para o programa de governo, e Carvalho para a organização de eventos.

“Minha tarefa é apresentar propostas inovadoras, já que o PT se apropriou das nossas”, disse Graziano na quarta-feira, um dia depois de convidado.

Mas, para além da estrutura formal, um time recrutado por Serra já se reunia, há seis meses, toda segunda-feira, religiosamente, na mesa do ex-ministro Andrea Matarazzo.

Nesses jantares, que invadiam a madrugada à espera de Serra, foi traçada boa parte da estratégia da pré-campanha, da data para renúncia do pré-candidato ao desenho de palanques nos Estados. Foi num desses encontros que o ex-chefe da Casa Civil Aloysio Nunes Ferreira informou a disposição de tentar o Senado, abrindo mão de disputar o governo paulista.

Deles participavam Guerra e o hoje governador Alberto Goldman. Um dos principais articuladores políticos de Serra, o deputado federal Jutahy Magalhães viajava diretamente da Bahia para as reuniões.

Cada integrante cumprirá uma missão na campanha. Além da interlocução com o empresariado –seja para quebrar resistências ao candidato ou busca de apoio financeiro–, Matarazzo e o ex-presidente da Emplasa Márcio Fortes assumem também outras tarefas.

Artífice do acordo com Fernando Gabeira (PV) no Rio, Márcio Fortes trabalhará por Serra no Estado. Matarazzo atuará informalmente na coordenação-geral da campanha.

Para o diálogo com o empresariado, os dois contarão com a ajuda do ex-deputado Ronaldo Cezar Coelho. Já Eduardo Graeff atua no conteúdo de comunicação pela internet.

Sua participação revela um nó da campanha: a velha dissonância entre Brasília e São Paulo. Homem da confiança de Serra, mas alvo de tucanos desde 2006, Gonzaléz pretende concentrar em São Paulo toda a estrutura de comunicação, sem ingerência política.

O comando do PSDB insiste em criar um núcleo de comunicação. Os dois grupos serão, geograficamente, separados. Em São Paulo, deve funcionar a logística da campanha; em Brasília, o comando político.
Para o comitê financeiro, planeja indicar o tesoureiro da sua campanha a governador, o ex-ministro José Gregori, hoje no município. Confirmada a escolha, reproduzirá, em 2010, boa parte da equipe de 2006: para a coordenação administrativa, o ex-secretário estadual José Henrique Reis Lobo; na comunicação, Luiz Gonzaléz; e, no jurídico, Ricardo Penteado.

Além do coordenador-geral da campanha, o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, o secretário estadual de Meio Ambiente, Xico Graziano, e o presidente da SPTuris, Caio Carvalho, serão escalados para o comitê: Graziano para o programa de governo, e Carvalho para a organização de eventos.

“Minha tarefa é apresentar propostas inovadoras, já que o PT se apropriou das nossas”, disse Graziano na quarta-feira, um dia depois de convidado.

Mas, para além da estrutura formal, um time recrutado por Serra já se reunia, há seis meses, toda segunda-feira, religiosamente, na mesa do ex-ministro Andrea Matarazzo.

Nesses jantares, que invadiam a madrugada à espera de Serra, foi traçada boa parte da estratégia da pré-campanha, da data para renúncia do pré-candidato ao desenho de palanques nos Estados. Foi num desses encontros que o ex-chefe da Casa Civil Aloysio Nunes Ferreira informou a disposição de tentar o Senado, abrindo mão de disputar o governo paulista.

Deles participavam Guerra e o hoje governador Alberto Goldman. Um dos principais articuladores políticos de Serra, o deputado federal Jutahy Magalhães viajava diretamente da Bahia para as reuniões.

Cada integrante cumprirá uma missão na campanha. Além da interlocução com o empresariado –seja para quebrar resistências ao candidato ou busca de apoio financeiro–, Matarazzo e o ex-presidente da Emplasa Márcio Fortes assumem também outras tarefas.

Artífice do acordo com Fernando Gabeira (PV) no Rio, Márcio Fortes trabalhará por Serra no Estado. Matarazzo atuará informalmente na coordenação-geral da campanha.

Para o diálogo com o empresariado, os dois contarão com a ajuda do ex-deputado Ronaldo Cezar Coelho. Já Eduardo Graeff atua no conteúdo de comunicação pela internet.

Sua participação revela um nó da campanha: a velha dissonância entre Brasília e São Paulo. Homem da confiança de Serra, mas alvo de tucanos desde 2006, Gonzaléz pretende concentrar em São Paulo toda a estrutura de comunicação, sem ingerência política.

O comando do PSDB insiste em criar um núcleo de comunicação. Os dois grupos serão, geograficamente, separados. Em São Paulo, deve funcionar a logística da campanha; em Brasília, o comando político.


4 comentários

  1. Polêmico
    domingo, 4 de abril de 2010 – 19:18 hs

    Mesmo grupo para ter o mesmo destino de 4 anos atraz.
    Para perder mais uma eleição.
    Fora PSDB.
    Fora Serra.

  2. ildo baldo
    domingo, 4 de abril de 2010 – 20:07 hs

    SERA QUE OS AMIGOS DO ARUDA QUE ELE TINHA ESCOLHIDO PARA VICE DELE SERA QUE VAI MANTER A PROPOSTA

  3. Anônimo
    domingo, 4 de abril de 2010 – 21:13 hs

    É mesmo? E ele ganhou alguma coisa além de experiência?

  4. Troiano
    segunda-feira, 5 de abril de 2010 – 21:48 hs

    Pois, é, Polêmico, Ildo Baldo e Anonimo…..vocês não querem perder as tetas do PT, não é mesmo? Mas, isso acaba viu???

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*