PSB decide que Ciro não vai disputar Presidência | Fábio Campana

PSB decide que Ciro não vai disputar Presidência

Da Folha de S. Paulo

O PSB deve anunciar na próxima terça-feira que o deputado federal Ciro Gomes não será candidato a presidente da República. Até lá, o partido cumprirá um ritual para dar a Ciro uma saída honrosa: formalmente, fará uma consulta sobre o apoio político à candidatura de Ciro nos Estados.

Como a maioria dos diretórios opinará por uma aliança com o PT, caberá ao governador de Pernambuco e presidente da sigla, Eduardo Campos, anunciar a retirada de Ciro.

Ciro foi avisado ontem, em reunião com a cúpula partidária, de que as conversas com a campanha de Dilma Rousseff avançaram e que o PSB entregou ao PT uma lista de cinco Estados em que espera alguma contrapartida dos aliados.

Foram relatados vários casos regionais em que caciques que antes manifestavam apoio à candidatura própria já estão se acertando com o PT. Além disso, a queda do deputado nas pesquisas foi usada como argumento de que sua candidatura não deverá ser decisiva para haver um segundo turno, como o próprio Ciro sustentava.
O “álibi” da direção do PSB para retirar Ciro serão as respostas dos Estados, que deverão ser entregues por escrito até segunda-feira. Na conversa, o deputado se comprometeu a aceitar a decisão do partido, mas reafirmou sua vontade de ser candidato. “Ele nos disse que vai acatar a decisão. Se for para não ser candidato, vai acatar. Vai ficar feliz? Não, mas vai acatar”, disse Eduardo Campos, que conversou com Ciro juntamente com o vice-presidente Roberto Amaral.
Na véspera, emissários do PSB entregaram ao coordenador político da campanha de Dilma Rousseff (PT), Fernando Pimentel, uma lista de exigências para um acordo nacional.
Ela envolve desde apoio a candidatos do PSB, em Estados como Piauí e Amapá, até a tolerância do PT com lugares onde Dilma teria dois palanques, como São Paulo, Espírito Santo e Rio Grande do Sul. Nesses lugares, o PSB quer que o PT “libere” partidos da base aliada, como PC do B e PR, para apoiar candidatos socialistas, garantindo-lhes tempo de TV.
“Discutimos as situações nos Estados. O Ciro se mostrou compreensivo. Ele me pediu para apressar a decisão do partido e eu marquei essa reunião para o dia 27”, relatou Campos.
Ciro disse compreender as escolhas políticas locais, mas ponderou que, talvez, a estratégia de Lula -de optar por uma polarização imediata entre Dilma e o tucano José Serra- esteja errada. Ele comunicou que, caso a decisão seja tirá-lo da disputa, ele fará uma viagem ao exterior e, na volta, decidirá em quais campanhas estaduais do partido pretende ajudar.
No final do dia, a assessoria de Ciro divulgou nota em que diz que ele “continua candidato” e que “jamais desistirá”. “Se o seu partido decidir por não apresentar candidatura própria, que assuma o ônus da decisão, que ele respeitará.” Foi uma declaração retórica.
À direção da sigla, ele disse se sentir premido a dar uma satisfação a seus eleitores -depois de ter sido candidato a presidente duas vezes e hoje estar com cerca de 10% das intenções de voto. “Não quero que pensem que cedi aos caprichos do PT, ou do presidente Lula”, disse, na reunião.

Colaborou ANDREZA MATAIS, da Sucursal de Brasília


6 comentários

  1. Senivaldo Santana
    sexta-feira, 23 de abril de 2010 – 11:24 hs

    Tenho certeza que o prefeito da capital Curitiba Dr Luciano Ducci ,com as bençao do Severino Araujjo Cacique Psb ,aqui na Paraná vem com o partido dos trabalhadores seguindo a orientaçao da Nacional

  2. Duval Simões Araújo-Londrina
    sexta-feira, 23 de abril de 2010 – 12:19 hs

    23/04/2010 – 09h49 FOLHA ONLINE
    Ciro diz que Lula “navega na maionese” e que presidente se acha o “todo-poderoso”
    …Ciro ainda reforçou a ideia de que sua candidatura “trata-se de uma missão estratégica, que não será desempenhada por mais ninguém”. Ele diz acreditar que sua presença entre os presidenciáveis ajudaria a colocar em pauta durante os debates questões a serem enfrentadas nos primeiros anos de mandato do novo presidente.
    “Em 2011 ou 2012, o Brasil vai enfrentar uma crise fiscal, uma crise cambial. Como estamos numa fase economica e aparentemente boa, a discussão fica escondida. Mas precisa ser feita.”
    Segundo ele, Serra teria mais condições de enfrentar essa crise negociando uma coalizão com o PMDB.

  3. injuriado
    sexta-feira, 23 de abril de 2010 – 13:27 hs

    É uma pena o Ciro fora do páreo, logo agora que neu estava disposto a votar n’ele…….Não manda no partido, é forte mas vai ficar sem nada…

  4. Lorena Meyers
    sexta-feira, 23 de abril de 2010 – 14:59 hs

    Ciro fez um papelão.
    Deixou-se levar pelas massagens de ego dos petistas, “convidado especial para as obras do São Francisco”, “melhor nome para a disputa ao governo de SP”, “conselheiro e companheiro de todas as horas” e tal, e foi cozido em banha morna.
    No final, ficou com seu domicílio eleitoral transferido para São Paulo e pendurado no pincel (só se tocou que SP não é o Amapá e os paulistas jamais aceitariam um governador paraquedista muito tarde).
    Não admira que tenha se transformado no campeão de rejeição mesmo sem ser candidato.

    Caiu no canto da sereia barbuda.

  5. LEONEL TUCUNARÉ
    sexta-feira, 23 de abril de 2010 – 17:16 hs

    Lorena, você acertou na mosca ao mudar o nome de sapo para sereia.

  6. Homero Azevedo
    sexta-feira, 23 de abril de 2010 – 18:00 hs

    Com a guerrilheira não vou nem morto.
    Pena o Ciro ter sido traído, quando se dedicou ao governo Lula.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*