MST cobra de Pessuti assentamento para 5 mil famílias | Fábio Campana

MST cobra de Pessuti assentamento para 5 mil famílias

O governador do Paraná, Orlando Pessuti (PMDB), reuniu-se hoje com cerca de 700 militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) de todo o Estado. Além de Pessuti, outros membros do governo e representantes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) também participam da audiência. Desde a terça-feira (13), os sem-terra realizam uma série de mobilizações em Curitiba.

Pessuti afirmou seu apoio à reforma agrária. “Essa luta é legítima. Tanto o ex-governador Roberto Requião quanto eu sempre trabalhamos para que esses agricultores fossem incluídos e beneficiados pelas nossas políticas públicas”, disse o governador. “Ouvimos as reivindicações para estudar a forma de ajudá-los, já que as questões de assentamento são de competência do Governo Federal.”

O movimento cobra que as áreas onde cerca de cinco mil famílias – aproximadamente 20 mil pessoas – estão acampadas em todo o Estado sejam revertidas à reforma agrária, tornando-se assentamentos do MST. Os militantes exigem assistência técnica para as famílias assentadas e ampliação da infraestrutura, como crédito-habitação e renegociação de dívidas. Outra reivindicação é a implantação de mais escolas de níveis fundamental e médio, e que promovam cursos profissionalizantes. Segundo a assessoria de imprensa, mais de 17 mil pessoas vivem em assentamentos do movimento no Paraná.


11 comentários

  1. Palhaço
    sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 16:38 hs

    …é o Bob utilizando sua “massa de manobra”…

    – Invadem e depredam postos de pedágio (e dizem não ter carro).
    – Invadem e depredam centro de pesquisa agrícola…(prá quê ?)
    Tudo a mando do Duce.
    Agora vão incomodar o que der o Pessuti…em represália pela mudança do secretariado…

    Mas a conta no final é sempre nossa !
    Isto é certo…

  2. Ditão
    sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 16:43 hs

    Tá na cara que quem mandou conhece bem o pessoal do MST… Precisa dizer quem foi????

  3. Felipe
    sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 17:05 hs

    Ai ai ai….

    MST e o significado da palavra “vadiagem” dá na mesma.

    Pessuti, contrata alguém para ficar escutando e recebendo reinvidicações por escrito.

    Mas só para receber e dizer que tudo está “tramitando” !

  4. Albanês
    sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 17:18 hs

    Foi o próprio Pessuti que chamou o MST para conversar.

  5. META A BORRACHJA
    sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 17:25 hs

    pESSUTÃO META A BORRACHA NESTES VAGABUNDOS QUEM TEM QUE SER VALORIZADO É O TRABALHADOR, NÃO ESTE BANDO DE PAU DAGUA E BADERNEIRO..

  6. Interessado
    sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 17:27 hs

    E os mandados de reintegração de posse deferidos pela Justiça e até hoje não cumpridos pelo Governo do Paraná, como é que ficam, Senhor Governador?
    Vai descumpri-los e às suas obrigações também, no mesmo modelo do bufão que se foi e não deixou saudade?
    O Paraná continuará ao talante de despotazinhos de terceira categoria, assim deslustrando a sua história gloriosa de trabalho e de respeito à lei?
    O sr. Stédile continuará como comensal do governador?
    Responda, sr. Pessuti, vai ou não cumprir ordens judiciais?

  7. TUKU NARE
    sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 19:12 hs

    Se alguem fizesse um teste, com esses supostos agricultores, apresentando-lhes um PE DE CARRAPICHO,sao capazes de confundir, com couve, ou alface
    e ate come-lo. o nosso verdadeiro agricultor, pela o peito, come veneno, quando trabalha de empregados de grandes agricultores, nao reclamam, vao carregando suas cruzes, do geito que vida quer.
    e esses supostos agricultures, ficam ai como certos politicos, passando como leitoes para mamar deitados.
    Ha se esses coitados fosse da minha querida Patagonia.

  8. TO LIGADO!
    sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 19:29 hs

    Deviam assenta-los no Afeganistão e no Iraque. Bando de sem vergonhas!

  9. Alessandro T
    sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 22:24 hs

    Enquanto eu trabalhava na última quarta-feira, correndo entre o Tribunal e Varas da Justiça, passei bem no meio desses vagabundos enfileirados, atrasando a vida dos contribuintes que, diga-se de passagem, financiam contra a vontade este movimento criminoso.
    MST tem que acabar, e cada um daqueles que cometeu crime tem que ser punido com rigor.

  10. Zé da Roça
    sexta-feira, 16 de abril de 2010 – 22:29 hs

    Eis estilo Pessuti de governar: aberto, democrático e corajoso !Longe do estilo requião:autoritário, covarde, muitas vezes omisso, que não respeita e tampouco conversa com ninguém !!!!!!Quem sabes somente consigo mesmo, diante do espelho do “palácio” !

    Problemas existem para serem enfrentados e resolvidos, nem que sejapor si mesmo, método Requião de enfrentá-los !!!!!!!!!

    Siga em frente Pessutão, eis o estilo que resgata o período saudoso do governo Richa, aberto, franco, participativo e democrático !!!! !

    Governar pode ser definido como a arte de gerenciar conflitos e interesses diversos !!!!!!

    Quem disso não sabe, não merece a cadeira e não o trono, como soava ver Requião, de governador do Paraná !!!!!!

    Avante Paraná !!!!!!!!

  11. Sergio
    sábado, 17 de abril de 2010 – 10:52 hs

    Prá que assentar mais, se a maioria dos antigos assentados já depredaram seus lotes, venderam e estão de novo acampados?
    Como um governador pode dar ouvidos a um grupo de baderneiros, que nem identidade jurídica possui? Inclusive seu chefe da casa civil teve sua propriedade invadida tempos atrás por essa “gente”.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*