Triangulação para abastecer caixa dois do PT | Fábio Campana

Triangulação para abastecer caixa dois
do PT

De Leila Suwwan:

A quebra de sigilo bancário na investigação do caso Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo) rastreou a triangulação financeira realizada para, supostamente, abastecer um caixa dois do PT nas eleições de 2002.

A análise preliminar das movimentações da consultoria Mizu, considerada uma da fachadas do esquema, revela que cheques contabilizados internamente pela consultoria como doações ao PT não chegavam diretamente ao partido. Esses valores voltaram à Bancoop, que, por sua vez, repassava o dinheiro ao PT.


O objetivo desse caminho tortuoso, segundo a investigação, seria mascarar a doação ao PT e dificultar o rastreamento dos recursos. Para o Ministério Público de São Paulo, o sistema “mascarava doações eleitorais ilegais”, feitas a partir de saques em dinheiro.

A partir de um controle bancário interno, fornecido por uma testemunha que trabalhou na empresa Mizu Gerenciamento e Serviços S/C Ltda, a promotoria buscou o destino de seis cheques, quase sequenciais, emitidos em outubro de 2002 e registrados como “Doação P.T.”

Descobriu-se que os números, datas e valores dos cheques conferiam com o extrato da conta. Foram achados os verdadeiros destinatários, já que as contas do PT não registravam essa receita. Três dos cheques, totalizando R$ 14.450, foram destinados de volta à Bancoop. Dois não foram encaminhados, e um, recebido por pessoa física, cujo nome é mantido em sigilo.


23 comentários

  1. claudemir ribeiro
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 15:14 hs

    PTzada,caixa2 do Cassio,caixa2 do Lerner,vocês fazendo isso,não acredito.bando de hipocritas.

  2. BANCOOP: DENÚNCIA VAZIA
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 15:39 hs

    O mensalão da Veja

    Caiu a casa do jornalismo político

    Por Gustavo Barreto em 11/03/2010, no Consciência.Net

    É no mínimo curioso que o promotor de Justiça José Carlos Blat, fonte primária da “reportagem” da VEJA contra o PT no último domingo (edição de 10/03/2010), já tenha pedido à própria VEJA ressarcimento por danos morais no valor de R$ 20 mil, alegando que a revista extrapolou o direito de liberdade de informação e violou a sua honra, ao qualificá-lo como “pioneiro da era dos promotores heróis”.

    A matéria que causou o litígio entre Blat e VEJA é de 5 de fevereiro de 2006, sob o título “Intocável sob suspeita”, e sustento ser importante começar por este relato para chegar ao caso atual da BANCOOP. Abordava processos administrativos aos quais o promotor respondia no Ministério Público de São Paulo. Blat perdeu: “(…) Duarte Camacho [juiz da 4ª Vara Cível de São Paulo] entendeu que a revista apenas noticiou um inquérito verídico que envolvia uma figura pública”. Cabia recurso.

    Relatou o juiz na sentença de dezembro de 2008: “Os procedimentos administrativos narrados na reportagem são verdadeiros. A reportagem divulgou a notícia dos procedimentos administrativos respondidos pelo autor porque o autor é um profissional que, freqüentemente, está na mídia em razão do seu trabalho”. E ainda: “O magistrado ressaltou que, assim como os grupos criminosos que o promotor combate estão expostos aos holofotes da mídia, Blat também deveria estar acostumado a ser notícia”. (Última Instância, via JusBrasil, dez/2008)

    ACUSAÇÕES CONTRA BLAT

    [Revista VEJA, “Intocável sob suspeita”, edição 1943, de 15/02/2006]

    Na edição citada, os “procedimentos administrativos respondidos pelo autor”, segundo o juiz, são os seguintes:

    ACUSAÇÃO 1: “(…) Em 1998, entrou para o Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do qual foi afastado em 2004, em circunstâncias confusas. A Corregedoria o investigava por uma tentativa de livrar-se de multas no Detran e por um episódio estranho em que um carro oficial do Gaeco foi apreendido fora da cidade de São Paulo – com um criminoso ao volante. No fim de 2004, a Corregedoria do Ministério Público decidiu levar essas investigações a fundo. Ouviu o depoimento de onze pessoas, entre elas quatro promotores. Com base nesses depoimentos e em documentos levantados, a Corregedoria disse ter encontrado indícios de crimes mais graves.”

    ACUSAÇÃO 2: “(…) As primeiras investigações contra Blat colocaram em xeque suas ações contra desmanches de veículos roubados. Promotores afirmaram que uma seguradora de veículos indicava quais locais deveriam ser invadidos e quem deveria ser preso. Nessas ações três funcionários dessa seguradora apresentavam-se como peritos. Todo o estoque era apreendido e, em vez de seguir para a polícia, a maior parte das peças era desviada para um depósito de terceiros.”

    ACUSAÇÃO 3: “(…) Blat também foi acusado de proteger o contrabandista chinês Law Kin Chong, preso em São Paulo. Em 2002, quando participou de uma força-tarefa antipirataria, ele teria dirigido o foco da investigação somente contra os pequenos contrabandistas, deixando Law livre para atuar. Uma advogada que trabalhava para o contrabandista visitava Blat periodicamente no Gaeco.”

    ACUSAÇÃO 4: “(…) As investigações descobriram ainda que Blat mora num apartamento de Alfredo Parisi, que já foi condenado por bancar o jogo do bicho. Blat admite que, antes de se tornar promotor, foi sócio do filho de Ivo Noal, outro banqueiro do bicho, numa loja de conveniência – o que não é crime.”

    ACUSAÇÃO 5: “(…) Os bens do promotor também entraram na mira da Corregedoria. Segundo os depoimentos, Blat comprou de uma só tacada dois carros importados e blindados. A Corregedoria recebeu uma denúncia de que um apartamento no Guarujá também seria de Blat. Mais tarde, descobriu-se que, na verdade, estava em nome do ex-sogro do promotor, René Pereira de Carvalho, um procurador de Justiça. Carvalho tentou pagar 200 000 reais em dinheiro vivo, mas, diante da recusa da vendedora, usou cheques administrativos. A origem dos recursos não foi esclarecida. Por isso foi aberto um inquérito específico sobre seu patrimônio.”

    A Revista VEJA conclui:

    “(…) Sobre Blat pesam também as seguintes suspeitas: usar veículos e pessoal do Gaeco para interesses pessoais, negociar com um delegado a liberação de seu pai, que teria sido preso em flagrante por armazenar bens roubados, abuso de autoridade, truculência e suspeita de enriquecimento ilícito. É possível que Pinho esteja correto, e que nenhum crime tenha sido cometido. No entanto, por muito menos, políticos e empresários são duramente investigados pelo Ministério Público paulista – é o caso do ministro da Fazenda, Antonio Palocci. Enquanto seu destino no Ministério Público não é definido, Blat já traça outros planos. Disse a VEJA: “Eu me desiludi com o Ministério Público. Estou pensando em me candidatar a deputado federal”.

    Isso foi em 2006. Blat estava pensando em virar político, oficialmente.

    Agora, em 2010, Blat diz outra coisa, conforme nota no site Consultor Jurídico:

    “Estou fazendo meu trabalho. Um trabalho técnico. E não tenho nenhuma simpatia por partido algum. Não sou tucano nem petista, nem nada (…) É sempre a mesma coisa. O que acontece é que quando você investiga um caso envolvendo um partido A, eles te acusam de trabalhar para o partido B. Na verdade, eu só trabalho para o Ministério Público”.

    Resta saber por qual partido o promotor estava “pensando” em se candidatar. Ou então precisa avisar urgentemente que, para se candidatar, é preciso ter partido.

    SOBRE A REPORTAGEM DO BANCOOP

    A reportagem de VEJA é até engraçada ao deduzir que já é lugar comum petista saindo por aí com dinheiro na meia, na cueca etc.: “(…) Os depoimentos colhidos pelo MP indicam que o esquema de desvio de dinheiro da Bancoop obedeceu a uma trajetória que já se tornou um clássico petista. Começou para abastecer campanhas eleitorais do partido e acabou servindo para atender a interesses particulares de petistas.” (p.74)

    O “clássico petista” é, entre outras expressões, uma das que me faz pensar por que pessoas com massa cinzenta (responsável por processar a informação no cérebro) ainda leem VEJA. Seria desinteresse pela política? A revista é inútil, um mero panfleto político, financiada por um segmento empresarial-partidário e que só age em prol de seus interesses particulares.

    É óbvio que qualquer cidadão com senso ético deseja a punição de todo e qualquer corrupto e, especificamente neste caso, também a Justiça às famílias que investiram pesado no sonho de ter uma casa própria. Mas acreditar que a solução é transformar todo e qualquer problema em plataforma eleitoral é uma piada de mau gosto. Jornalismo marrom, nada mais do que isso.

    A “reportagem” nem sequer ouviu os acusados. É absolutamente inacreditável. No mínimo, os leitores inteligentes (e não creio que são todos) da revista gostariam de saber o que falam os acusados. E por que VEJA não considerou entrevistá-los? Simples: por que a “reportagem” poderia cair. Por que VEJA teme o contraditório?

    Eu fui atrás desta informação. A BANCOOP emitiu uma nota, disponível aqui.

    O primeiro parágrafo é uma vergonha para os jornalistas, a classe: “A BANCOOP (Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo) não foi ouvida em momento algum pelos jornalistas responsáveis pela matéria da revista “VEJA”, em clara violação a princípio elementar de ética jornalística (…)”. Ouvir isso de bancários dá um certo desconforto… corretíssimos, exigem ética.

    Um dos trechos mais importantes para subsidiar a investigação jornalística (se tivesse ocorrido): “A matéria é extremamente fantasiosa quanto aos fatos, como demonstra a informação de que teriam sido emitidos, para saque em dinheiro, cheques nominais à própria BANCOOP em valor total superior a R$ 31 milhões. Na verdade, há uma intensa movimentação bancária entre contas da própria BANCOOP, já que cada empreendimento da cooperativa, por força inclusive do Acordo Judicial celebrado com o Ministério Publico, tem conta bancária específica, sendo necessária a transferência de recursos utilizados para o custeio das respectivas obras (…)”.

    Além disso, segundo informa a BANCOOP (e ninguém questionou publicamente), já foram entregues 84% das unidades prometidas. Quanto às demais, a BANCOOP admite publicamente que houve problemas administrativos em 2003 e 2004. Depois que eu li, de curiosidade (devido à repercussão), a matéria da VEJA, fiquei com a sensação de que milhões de pessoas estavam morando debaixo das pontes, tudo por culpa da BANCOOP. A revista fala em “um dos mais espantosos esquemas de desvio de dinheiro perpetrados pelo núcleo duro do Partido dos Trabalhadores”.

    O site Consultor Jurídico fez o mínimo: o dever de casa de ouvir os lados.

    É muito importante que se apure a transferência dos 31 milhões de reais, neste caso em questão, ou outras supostas irregularidades encontradas. Sabendo que o promotor e a revista VEJA devem enfrentar a Justiça, caso seja um factóide ou uma jogada política.

    No entanto, é preciso registrar que, quando o caso envolveu José Roberto Arruda – cujo Governo do Distrito Federal está com R$ 894 milhões sob suspeita -, a mesma revista VEJA decidiu estampar na capa uma mulher seminua, para ilustrar a matéria “O fim do efeito sanfona”, este terrível problema que atinge milhares de brasileiros.

    O motivo? Já denunciamos aqui em outra oportunidade: parte do mensalão foi diretamente para a VEJA. Foram R$ 442 mil para a compra de exemplares da revista, sem licitação…

  3. OSSOBUCO
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 15:41 hs

    Matéria da Leila Suwwan da Folha? Ah, então é mentira!

  4. FHC-RORIZ
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 15:44 hs

    FHC confirma ter recebido Roriz em sua casa em São Paulo

    O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) confirmou nesta quarta-feira ter recebido em sua casa, em São Paulo, o ex-governador do Distrito Federal Joaquim Roriz (PSC).

    “Ele bateu na porta de casa, como eu vou fechar a porta para ele”, disse FHC na ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), onde deu palestra.

    Roriz foi comunicar a FHC sua disposição em concorrer ao governo do DF nas eleições de outubro.

    Segundo reportagem publicada pelo jornal “O Estado de S.Paulo*, defensores da candidatura do governador José Serra (PSDB) querem vê-lo coligado com o PSC na eleição presidencial, mas não querem nem ouvir falar em aliança com Roriz.

    “Nosso acordo com o PSC é nacional e não diz respeito às eleições estaduais”, disse o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra ( PE), ao saber da visita de Roriz a FHC.

    De acordo com a reportagem, tucanos querem distância do ex-governador após o escândalo de corrupção que atingiu o DF e o governo do sucessor de Roriz, José Roberto Arruda (sem partido).

  5. INCONFORMADO
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 15:53 hs

    “O MAIOR CASTIGO PARA AQUELES QUE NãO SE INTERESSAM POR POLíTICA, É QUE SERãO GOVERNADOS PELOS QUE SE INTERESSAM.”

    PARA QUEM NãO SABE, A ESCOLHA DE SOFIA é A HISTóRIA DE UMA MãE JUDIA NO CAMPO DE CONCENTRAçãO NAZISTA DE AUSCHWITZ, QUE é FORçADA POR UM SOLDADO ALEMãO A ESCOLHER ENTRE O FILHO E A FILHA QUAL SERá EXECUTADO E QUAL SERá POUPADO. SE ELA SE RECUSASSE A ESCOLHER, OS DOIS SERIAM MORTOS. ELA ESCOLHE O MENINO, QUE é MAIS FORTE E TEM MAIS CHANCES DE SOBREVIVER, PORéM NUNCA MAIS TEM NOTíCIAS DELE. A QUESTãO é TãO TERRíVEL QUE O TíTULO SE CONVERTEU EM SINôNIMO DE DECISãO QUASE IMPOSSíVEL DE SER TOMADA.

    RODRIGO CONSTANTINO 17/12/2009
    SERRA OU DILMA? A ESCOLHA DE SOFIA.

    _“Tudo que é preciso para o triunfo do mal é que as pessoas de bem nada façam.” (Edmund Burke)_

    Agora é praticamente oficial: José Serra e Dilma Rousseff são as duas opções viáveis nas próximas eleições.

    Em quem votar?

    Esse é um artigo que eu não gostaria de ter que escrever, mas me sinto na obrigação de fazê-lo.

    Os antigos atenienses tinham razão ao dizerem que assumir qualquer lado é melhor do que não assumir nenhum?”

    Mas existem momentos tão delicados e extremos, onde o que resta das liberdades individuais está pendurado por um fio, que talvez essa postura idealista e de longo prazo não seja razoável.

    Será que não valeria a pena ter fechado o nariz e eliminado o Partido dosTrabalhadores Nacional-Socialista em 1933 na Alemanha, antes que Hitler pudesse chegar ao poder?

    Será que o fim de eliminar Hugo Chávez justificaria o meio deplorável de eleger um candidato horrível, mas menos louco e autoritário?

    São questões filosóficas complexas. Confesso ficar angustiado quando penso nisso.

    Voltando à realidade brasileira, temos um verdadeiro monopólio da esquerda na política nacional. PT e PSDB cada vez mais se parecem.

    Mas existem algumas diferenças importantes também. O PT tem mais ranço ideológico, mais sede pelo poder absoluto, mais disposição para adotar quaisquer meios – os mais abjetos – para tal meta.

    O PSDB parece ter mais limites éticos quanto a isso. O PT associou-se aos mais nefastos ditadores, defende abertamente grupos terroristas, carrega em seu âmago o DNA socialista. O PSDB não chega a tanto.

    Além disso, há um fator relevante de curto prazo: o governo Lula aparelhou a máquina estatal toda, desde os três poderes, passando pelo Itamaraty, STF, Polícia Federal, as ONGs, as estatais, as agências reguladoras, tudo! O projeto de poder do PT é aquele seguido por Chávez na Venezuela, Evo Morales na Bolívia, Rafael Correa no Equador, enfim, todos os comparsas do Foro de São Paulo .

    Se o avanço rumo ao socialismo não foi maior no Brasil, isso se deve aos freios institucionais, mais sólidos aqui, e não ao desejo do próprio governo. A simbiose entre Estado e governo na gestão Lula foi enorme. O estrago será duradouro. Mas quanto antes for abortado, melhor será: haverá menos sofrimento no processo de ajuste.

    Justamente por isso acredito que os liberais devem olhar para este aspecto fundamental, e ignorar um pouco as semelhanças entre Serra e Dilma. Uma continuação da gestão petista através de Dilma é um tiro certo rumo ao pior. Dilma é tão autoritária ou mais que Serra, com o agravante de ter sido uma terrorista na juventude comunista, lutando não contra a ditadura, mas sim por outra ainda pior, aquela existente em Cuba ainda hoje. Ela nunca se arrependeu de seu passado vergonhoso; pelo contrário, sente orgulho. Seu grupo Colina planejou diversos assaltos. Como anular o voto sabendo que _esta_ senhora poderá ser nossa próxima presidente?! Como virar a cara sabendo que isso pode significar passos mais acelerados em direção ao socialismo “bolivariano”?

    Entendo que para os defensores da liberdade individual, escolher entre Dilma e Serra é como uma escolha de Sofia.Anular o voto, desta vez, pode significar o triunfo definitivo do mal. Em vez de soco na cara ou no estômago, podemos acabar com um tiro na nuca.

    Dito isso, assumo que votarei em Serra, Meu voto é anti-PT acima de qualquer coisa. Meu voto é contra o Lula, contra o Chávez, que já declarou abertamente apoio a Dilma. Meu voto não é a favor de Serra.

    E, no dia seguinte da eleição, já serei um crítico tão duro ao governo Serra como sou hoje ao governo Lula. Mas, antes é preciso retirar a corja que está no poder. Antes é preciso desarmar a quadrilha que tomou conta de Brasília. Só o desaparelhamento de
    petistas do Estado já seria um ganho para a liberdade, ainda que momentâneo.

    RESPEITO MEUS COLEGAS LIBERAIS QUE DISCORDAM DE MIM E PRETENDEM ANULAR O VOTO. MAS ESPERO TER SIDO CONVICENTE DE QUE O MOMENTO PEDE UM PACTO TEMPORáRIO COM A BARBáRIE, COMO úNICA CHANCE DE SALVAR O QUE RESTA DA CIVILIZAçãO

    – O QUE NãO é MUITO.

    “A chave misteriosa das desgraças que nos afligem, é esta e só
    esta: a ignorância popular, mãe da servilidade e da miséria.” -Rui
    Barbosa-
    “Uma nação que confia em seus direitos, em vez de confiar em seus
    soldados, engana-se a si mesma e prepara a sua própria queda.” -Rui
    Barbosa-

  6. MUNDO DA VOLTA....
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 16:03 hs

    ESTE É O BARCO DO OSMAR???/….. PO…. BASTANTE NÉ???

  7. Roy
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 16:06 hs

    Não sei como ainda tem gente que vota nesses caras do PT. Dizem que em 02/01/2011, day after, Lula se desfilia. POR QUE? NÃO AGUENTA MAIS TANTA BANDALHA do partido.

  8. salete cesconeto de arruda
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 16:33 hs

    SU POS TA MEN TE !
    Já notaram como as notícias que se referem ao PT não esperam por comprovação? E se não comprovadas fica o tudo pelo nada?
    E quantas vezes os tesoureiros do mensalão do PSDB e do DEM foram convocados?
    Sei.
    Vão ser.
    Próxima da eleição que o PT já aprendeu a lição.
    Tem mais: NOTICIA BOA SOBRE O GOVERNO LULA NÃO É DADA COM MANCHETES GARRAFAIS E VEM SEMPRE COM UM MAS….
    Marolinha!
    Criador de Marajás só aceita compradores de mandatos que rasgam a constituição o tepetão do congresso. E pensar que teve gente da imprensa tentando dizer que Lula faria o que o FHC fez. Pois é. Não fez. Então quem mais se parece como Chaves? Qualquer um dos dois.
    Pois é.
    E tem bobo que acredita em tudo o que lê na VEJA que encalha nas bancas e outros que se dizem grandes e vendiam o Brasil para os americanos. Quem sustentou a ditadura no Brasil? Tem mais. Tem mais…
    Mas como a roda do tempo gira – deixemos que os jovens pobres, quase todos negros, quase todos pobres… APRESENTEM A CONTA!

  9. DINHEIRO SUJO NO CAIXA 2 DO PT
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 16:36 hs

    Não estou supreso.

    Um partido de faixada, com transferências de faixada, movimentando valores em caixa 2 (“recurso não contabilizado” como preleciona um dos companheiros de Ali Babá)…

    Desde quando isto é novidade?

    Novidade será o Ministério Público mandar para cadeia estes corruptos…

  10. OSSOBUCO
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 16:40 hs

    POR QUE O PIG NÃO FAZ A CABEÇA DE MAIS NINGUÉM

    Os analistas políticos, e de resto todos os brasileiros que se interessam por política, se perguntam há tempos: por que os grandes cartéis da mídia brasileira se frustram a cada investida para fragilizar e derrubar o governo Lula? Desde 2003, as estruturas de poder encasteladas nos grandes grupos midiáticos, fracassaram em todas as tentativas de sabotar o governo.

    Tais tentativas, diga-se, aumentaram muito de intensidade a partir da decisão do governo Lula em mudar os critérios de repartição da verba federal para a comunicação institucional. Grupos como Folha, Globo, Veja, Estadão, descobriram, desolados, que à proporção que suas verbas publicitárias diminuíam, aumentava a participação de pequenos grupos e outros grupos regionais que nunca tiveram acesso a recursos federais passaram a tê-lo.

    Reside aí a picada mortal do governo Lula nos cartéis da velha mídia. Tudo o que veio depois, o combate encarniçado a toda e qualquer iniciativa do governo federal e a guerra sem quartel que esses grupos passaram a mover contra Lula, foram nada mais que a reação à medida incial do governo. Teorias conspiracionistas de alguns petistas vêem no mensalão de 2005, uma aliança oportunista entre o dândi tucano Daniel Dantas e esses grupos de mídia, já ai, em 2005, desesperados com a trajetória cadente de seus balancetes, concomitante com uma outra queda, essa mais letal ainda: a queda no poder de formar, deformar e contra-informar opiniões, verdadeira ‘bala de prata’ da velha mídia e que era costumeiramente usada.

    Como nada está tão ruim que não possa piorar, esses grupos midiáticos entraram em desespero quando tiveram confirmação de que o governo Lula realmente irá implementar um programa de universalização de acesso à banda larga, o PNBL, gerido pelo competente César Alvarez. Em virtude disso, o convescote midiático havido no Instituto Millenium, em São Paulo (onde mais poderia medrar essas iniciativas golpistas?), talvez seja o baile da Ilha Fiscal dos grandes grupos midiáticos brasileiros. Enquanto a bala de prata do PIG (tentativas reiteradas de criar crises artificiais para sangrar Lula e Dilma) não tem sido eficaz, a ‘bala de prata’ do governo Lula (descentralização das verbas de comunicação mais a universalização de acesso à banda larga), consubstanciada na democratização e acesso à informação, pode dizimar os grandes grupos midiáticos (ou no mínimo, forçá-los a fazerem comunicação de forma ética e com equidade). E de quebra, liquidar com a oposição (PSDB/DEM/PPS) que, por ingenuidade, má-fé ou vício de origem, tem embarcado em todas as aventuras golpistas da velha mídia.

  11. Marcos Pop
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 17:44 hs

    Meu nome é Lula e eu desconheço as notícias de roubo do PT. Por isso a imprensa que divulga isso não presta. Precisamos o modelo Venezuela de Hugo Chaves, onde quem critica o governo vai imediatamente pra cadeia. E a imprensa existente só a oficial. PP, PTB, PSC, apóiem o PT e vcs verão o que virá no futuro para vcs e para o Brasil. Quem viver verá!

  12. quarta-feira, 24 de março de 2010 – 18:09 hs

    E o quê o PT faz que não é sujo ?????????

  13. salete cesconeto de arruda
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 21:08 hs

    Os demais partidos são tão LIMPINHOS – né?!
    Santa ingenuidade.
    Como pode?
    LEIA BRASIL NUNCA MAIS!
    Faz ver mais claro.

  14. Alemão
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 22:24 hs

    Não dá pra dizer que os outros partidos são limpos, mas o PT se atirou com muita gana em assaltar os cofres públicos.Toda aquela história de ética era conversa pra boi dormir, pois jamais se viu nesse país uma quadrilha tão organizada em desvios e corrupção como essa que taí no poder há 7 anos.Agora tem essa de ressuscitar o cadaver da Telebrás, que é pro Dirceuzinho et caterva levar mais uns caraminguás do nosso dinheiro.

  15. jose
    quinta-feira, 25 de março de 2010 – 9:20 hs

    A todos que defendem o pt:

    – A Bancoop fez o que com o dinheiro? Cadê o dinheiro dos trabalhadores que lá investiram suas economias?

    Só para traçar um paralelo: foi mais ou menos o que aconteceu aqui com um consórcio e um político, vcs lembram? Á época vcs todos vociferavam e pediam a prisão dele (eu também pedia); esta é a diferença: crime é crime, não importa quem o cometeu, a punição tem que vir.

    E todos, os partidos, sem exceção, tem suas falcatruas e o pt é apenas isto, mais um partido interessado apenas no poder.

    E quanto a um besteira de “vender o País”, não me lembro de ter visto nenhum petista criticar a PRIVATIZAÇÃO DE NOSSAS RODOVIAS BR 116 E BR376/101 PELO SR. LULA.

    E tenh certeza que se fosse um governo da oposição, todos os petistas estariam gritando contra o aumento d dívida pública, que aliás nenhum de vcs comenta também…e esta conta, nós também pagaremos…

    E só p/ o ossobuco: achou algo que desminta o caso nassif/bndes?

  16. OSSOBUCO
    quinta-feira, 25 de março de 2010 – 10:26 hs

    A diferença é que o pedágio do Lula é infinitamente mais barato do que os pedágios do Lerner e do FHC!

    Quanto ao caso Nassif, achei sim, mas avaliei que você não iria se interessar pelo conteúdo das matérias que pesquisei – afinal vc só lê o Reinaldo Azevedo – elas são compridas e explicam o caso, tive acesso aos argumentos dos dois lados, fui atrás do contraditório.

    O Nassif, para mim, ainda é um dos jornalistas mais sérios da nossa imprensa, critica tanto o PT quanto o PSDB.

  17. CAIXA 2 DO SERRA
    quinta-feira, 25 de março de 2010 – 10:27 hs

    Custo de obras do Serra dá saudade do Maluf

    O Conversa Afiada reproduz e-mail do amigo navegante Stanley Burburinho (quem será Stanley Burburinho, esse caçador de corruptos ?):

    No dia 22/03 o Globo publicou uma matéria sobre as obras que o Serra inaugurou à distância. Fiz as contas com os valores anunciados por ele e fiquei assustado com os valores que encontrei. Por favor, façam as contas e me avisem se estou enganado:

    Serra inaugura placas de obras ‘à distância’

    1 – “(…) Para a recuperação dos 10,5 quilômetros das estradas o governo paulista investiu R$ 3 milhões.(…)”

    Comentário meu – Stanley: o governo de SP gastará por Km recuperado (e não construído) mais de R$ 285.000,00. Custará R$ 285,00 por metro recuperado.

    2 – “(…) Semana que vem, Serra vai à abertura das três novas faixas da Marginal Tietê, a principal via expressa de São Paulo, que cruza a cidade de leste a oeste, com 22 quilômetros de extensão. A obra custou R$ 1,3 bilhão, e tem previsão de reduzir em 40% o tempo de viagem. (…)”

    Comentário meu – Stanley: a obra custou mais de R$ 59 milhões por Km. Cada metro de estrada custou R$ 59.000,00.

    3 – “(…) O tucano também vai cortar a fita inaugural do trecho sul do Rodoanel, que consumiu R$ 4,7 bilhões. A intervenção, com 61,4 quilômetros de extensão, fará com que caminhões que deixam o interior com destino ao Porto de Santos não precisem mais passar pela capital paulista.
    (…)”

    Comentário meu – Stanley: a obra custou R$ 76,54 milhões por Km. Cada metro custou R$ 76.540,00

  18. SUJEIRA
    quinta-feira, 25 de março de 2010 – 10:29 hs

    OS TUCANOS SÃO MAIS SOFISTICADOS

    O ex-ministro do STF Francisco Rezek, no meio de um tiroteio envolvendo ações da Valepar, holding que controla a Vale, renunciou ao Tribunal Arbitral.
    Rezek tinha votado a favor do Opportunity na disputa. Só que teria de se declarar impedido na votação, por já ter advogado para Daniel Dantas, uma das partes, e omitiu esta informação.

  19. DESCASO TUCANO
    quinta-feira, 25 de março de 2010 – 10:35 hs

    Apenas 1% das escolas do Zé Alagão Serra tem bom nível.

    Segundo o Jornal Agora, na pág. A8, só 32 escolas atingem meta de nota do Governo.

    Apenas dois colégios da capitral de São Paulo estão entre os melhores.

    Para a Folha da província de São Paulo, o resultado é a consagração do governo do Zé Alagão: 32 escolas estaduais atingem nível top aparece na C5.

    Como se sabe, os filhos de ricos que votam nos tucanos de São Paulo frequentam escolas pagas.

    Logo, aos pobres de pais muitas vezes de origem nordestina, Zé Alagão dedica as piores escolas.

    Faltam professor, estrutura, segurança e estímulo, dizem os alunos da escola Recreio São Jorge, a segunda pior que fica em Guarulhos, na Zona Leste.

    A Zona Leste se caracteriza pelos alagões que glorificam a administração tucana de São Paulo.

    Quem paga os PSDB – Os Piores Salários Do Brasil ?

    É por isso que a polícia do Zé Alagão bate em professor na cara do Zé Alagão.

    Esse é o procedimento pedagógico e democrático que o Zé Picareta trata os professores do Estado de São Paulo.

    Os professores estão em greve, os policiais, e os funcionários da saúde explicam ao Zé Alagão como vivem com o salário refeição diário de R$ 4.

    O governo do terceiro tucano desta dinastia de coronéis termina como um fim de feira.

  20. OSSOBUCO
    quinta-feira, 25 de março de 2010 – 10:59 hs

    por Eduardo Guimarães, no Cidadania. com

    Acabo de ter uma percepção do quadro político que vai se formando e esse quadro aponta para uma verdadeira demolição eleitoral da oposição ao governo Lula nas eleições deste ano. Os indícios que tenho colhido em meus negócios mostram um furacão eleitoral se aproximando, formado por uma situação de euforia econômica que se apodera do país.

    Hoje pela manhã, estive com dois jovens industriais. São irmãos, a segunda geração de uma empresa familiar com 45 anos de atividade. Descendentes de italianos e residentes em um dos redutos mais conservadores de São Paulo, o bairro da Móoca, são capitalistas convictos que integram fielmente o perfil do eleitor do PSDB hoje, de forte inclinação direitista, inclusive ao ponto de poder ser qualificado de direita e não meramente de centro-direita.

    Com esses empresários, você tem o pacote completo da direita mais radical paulista-paulistana, oriunda de famílias antigas na região, de forte perfil conservador e proprietárias de sólidos negócios, além da situação econômica bastante consolidada e confortável. Chamam o Bolsa Família de “assistencialista”, acham que a corrupção explodiu no país, são contrários às cotas para negros etc.

    Evito de conversar sobre política com empresários com os quais tenho negócios. Adotei essa regra faz muito tempo. Desde os anos 1990. Porém, nunca deixo de dizer minhas posições em relação ao que acho que deve ser feito no Brasil. Sempre digo que um país tão pobre e desigual não vai para frente e, aliás, a classe empresarial paulista, em boa medida, concorda com essa premissa.

    O que varia são as visões dos empresários sobre como se deve fazer para resolver esses problemas. A maioria acha que há que “ensinar a pescar em vez de dar o peixe”. Trata-se do velho chavão da direita para dizer que não quer distribuir renda de jeito nenhum, que os pobres é que devem se virar e produzirem a própria renda.

    Mas não se pode negar que esses empresários específicos que menciono descendem de uma família de imigrantes italianos que veio para o Brasil com uma mão na frente e outra atrás e enriqueceu trabalhando duro, passando por dificuldades imensas, e que são pessoas honestíssimas, cumpridoras de seus deveres e dos mínimos detalhes dos acordos que fazem.

    Foi por isso que me surpreendi quando, em nossa reunião desta quarta-feira, entoaram, com maior ênfase, uma melodia doce para estes ouvidos progressistas, uma cantiga que venho ouvindo dos vários empresários com os quais tenho contato, sendo alguns de empresas de maior porte.

    A situação do negócio deles que me relataram, repito, não é a primeira que vejo parecida, mas foi exposta de uma forma absolutamente eufórica. Estão implantando o terceiro turno na fábrica de 140 funcionários porque as vendas não param de crescer. E dizem que não conseguem mais contratar ninguém pagando menos de mil reais por mês. Nem para faxina.

    Vários empresários já me relataram falta de mão-de-obra, sobretudo um pouco mais especializada, como torneiros mecânicos, vendedores, técnicos de informática, auxiliares contábeis etc. Há previsão de que, nos próximos meses, os salários a oferecer terão que aumentar. O empresariado terá que começar a disputar empregados a tapa.

    Aí vem a surpresa, pois. Um dos empresários que mencionei me disse hoje, diante do irmão, que tinha uma “boa notícia” para mim, de que seria “obrigado a votar em Dilma”. Fiquei surpreso. Perguntei por que essa seria uma “boa notícia” exclusivamente para mim. Ele me respondeu que já tinha percebido que sou “petista”.

    Sem dizer que sim, nem que não, perguntei por que ele seria “obrigado” a votar em Dilma. Respondeu-me que não dava pra arriscar o processo de crescimento “violento” que vige na economia, que não dava para arriscar mudar uma rota que está lhe enchendo os bolsos de dinheiro e que, apesar de não gostar deste governo, já não daria mais para mudar de rota porque sabe-se lá o que pode mudar na economia se quem se diz o oposto deste governo vencer a eleição.

    Esse, pois, é o fenômeno que acho que passará a crescer com muita força nos próximos meses. Se se puder tomar o meus segmento de atividade como parâmetro, penso que, na hora de digitar o número do candidato na urna eletrônica, o que pesará, para o eleitor, será a intenção de manter tudo como está, porque tudo está indo bem para cada vez mais gente hoje, em todas as classes sociais e regiões do país.

    Com a sensação de segurança e de euforia econômica, com o poder aquisitivo que não pára de aumentar, com os negócios indo de vento em popa, acontecerá com o eleitorado brasileiro o mesmo que aconteceu durante a votação no Congresso nacional da entrada da Venezuela no Mercosul.

    Apesar dos discursos inflamados contra Hugo Chávez e contra a inserção da Venezuela no acordo de livre comércio do Cone Sul, os que pagam a conta do festim ideológico da direita, os empresários, disseram a tucanos e demos que poderiam discursar o quanto quisessem, mas não ao ponto de impedir que faturem a montanha de dinheiro que a adesão do país lhes propiciaria.

    Não há ideologia ou preconceito que resista a dinheiro no bolso. Sendo este governo de “comunistas” (como diz a direita mais exaltada) ou não, fica valendo aquela boa e velha máxima de que, “pagando bem, que mal tem?”.

  21. CAIXA 2 DO SERRA
    quinta-feira, 25 de março de 2010 – 11:47 hs

    Polícia prende três executivos da Alstom no Reino Unido
    Publicidade

    da Folha Online

    A polícia prendeu nesta quarta-feira três executivos da multinacional francesa Alstom no Reino Unido por suspeita de pagar propina para obter vantagens em contratos.

    A Alstom nega a prisão. Segundo a empresa, policiais estiveram em alguns escritórios da Alstom no Reino Unido, questionando os executivos locais, que foram liberados pouco depois sem indiciamento.

    “A polícia aparentemente está executando mandados de busca a pedido da Justiça Federal da Suíça. A Alstom tem sido investigada pela Justiça Suíça há mais de três anos pela suspeita de pagamento de propina. Por consequência deste quadro, os escritórios da Alstom na Suíça e na França já foram procurados nos últimos anos. A Alstom está cooperando com as autoridades britânicas”, diz nota da empresa.

    Brasil

    No Brasil, a multinacional é investigada sob suspeita de ter pago comissões ilegais a políticos para obter contratos com o Metrô, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e a área de energia.

    O Ministério Público investiga a suspeita de superfaturamento do 11º aditamento do contrato do Metrô para a compra de 16 trens, totalizando R$ 609,5 milhões.

    O conselheiro Antonio Roque Citadini, do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado) de São Paulo, considerou irregular o contrato. A empresa teria usado um contrato de 1992 fazer a aquisição em 2007, já no governo de José Serra (PSDB).

    Para o conselheiro, o Metrô deveria ter feito nova licitação, pois o contrato de 1992 só permitia novas aquisições até 1997, conforme prevê a Lei de Licitações.

  22. jose
    quinta-feira, 25 de março de 2010 – 15:10 hs

    Ossito, já te disse: não leio reinaldo azevedo, ele é fraco demais….mande os links com os “contraditórios” e explica aí o contratinho do nassif “comprado pelo pt” com a tv do franklin…

    Outra coisa: não perguntei se o pedágio é caro ou barato, perguntei o que vc acha de vender uma estrada a um grupo espanhol…acho qualquer pedágio caro, afinal pagamos impostos aos montes, inclusive os específicos IPVA e CIDE e mesmo assim TEMOS QUE PAGAR PARA ANDAR NAS ESTRADAS QUE O LULA PRIVATIZOU…

    E vc ainda deve as explicações sobre a Bancoop e o dinheiro que sumiu…as outras explicações sobre mensalão, banda larga, dólares na cueca, dossie dos aloprados, lulinh, genro do lula, compadre do lula, a ong da lurian, o churrasqueiro, enfim, estas vc deixa pra outro dia…

  23. OSSOBUCO
    sexta-feira, 26 de março de 2010 – 12:21 hs

    José, você não lê o que eu posto no blog, tem o contraditório para essas questões. Aliás, vc como outros não querem ler, por exemplo o caso Bancoop é um tiro no pé do promotorzinho do Serra, tem um monte de informações que não chegam na grande mídia, tem muita mentira publicada que não são justificadas pelos jornais.
    Só gostaria que vc tivesse a mesma boa vontade para Serra, FHC e trupe.
    A interferência maligna do Dantas no processo de privatização do governo dos tucanos é a maior imoralidade já vista, etc,etc,etc ….
    Eu voto em Dilma e você votará em Serra, respeito suas opiniões, embora não concorde com elas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*