Popularidade de Lula bate recorde, mostra Datafolha | Fábio Campana

Popularidade de Lula bate recorde, mostra Datafolha

Fernando Canzian na Folha de São Paulo

A nove meses de deixar o cargo e em campanha aberta para eleger a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) sua sucessora, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva atingiu no final de março a sua melhor avaliação desde que assumiu a Presidência, em janeiro de 2003: 76% da população consideram seu governo ótimo ou bom.

O recorde na avaliação positiva para um presidente no Brasil desde que o Datafolha iniciou esses levantamentos, em 1990, aparece como contraponto a um aumento para nove pontos na vantagem entre o candidato à Presidência da oposição, José Serra, e Dilma.

Esta foi a terceira pesquisa consecutiva, agora realizada entre 25 e 26 de março, em que o Datafolha registrou oscilação positiva nos índices de ótimo e bom concedidos pela população ao presidente Lula.

Ao longo dos últimos sete anos, os resultados positivos na avaliação do presidente vêm coincidindo, ano a ano, com a melhora nos indicadores econômicos e sociais do país.

Mesmo entre os mais escolarizados e ricos, que no início do governo tinham grandes doses de prevenção contra o governo Lula, a popularidade do presidente avançou.

Só entre agosto de 2009 e agora, a avaliação positiva de Lula saltou nove pontos, de 67% para os 76% atuais.

Já nos últimos três anos, Lula aumentou em 26 pontos a sua popularidade. Hoje, apenas 20% consideram seu governo regular e 4%, ruim ou péssimo.

Tendo Dilma como candidata, Lula manteve a tendência de crescimento na popularidade entre as mulheres. Também pela terceira vez seguida, a aprovação a seu governo cresceu nesse segmento da população, passando de 71% para 75%.

Mas, de acordo com resultados da pesquisa Datafolha divulgados ontem, as intenções de voto em favor de Dilma para a eleição presidencial deste ano oscilaram negativamente um ponto no último mês. A ministra tem agora 27%.

Já o candidato tucano, José Serra, voltou a abrir vantagem sobre a petista. A diferença em relação à candidata, que era de quatro pontos no mês passado, passou agora para nove pontos. Serra tem hoje 36% das intenções de voto.

Além de ter avançado no segmento feminino da população, a avaliação do presidente cresceu também entre as pessoas com mais de 60 anos. Subiu seis pontos, de 67% para 73%.

Mas um dos maiores saltos na avaliação positiva de Lula captado pela pesquisa se deu entre as famílias que têm renda superior a dez salários mínimos (R$ 5.100,00). Foram 12 pontos percentuais de aumento, de 56% para 68%.

No início do governo Lula, nesse mesmo segmento da população apenas 36% consideravam a gestão do petista como ótima ou boa. De lá para cá, o aumento é de expressivos 32 pontos percentuais.

O salto é ainda maior, de 34 pontos, entre os que ganham menos, até cinco salários mínimos (R$ 2.550,00). A aprovação ao presidente nessa parcela da população alcança hoje 77%.

Mas, apesar do crescimento também entre os brasileiros com ensino superior (de 65% para 70%) e entre os que ganham mais de dez salários mínimos, (56% para 68%) é nesses segmentos que o governo Lula continua tendo as suas piores taxas de aprovação.

O mesmo ocorre nas regiões Sul e Sudeste, onde 69% das pessoas consideram o governo ótimo ou bom.

Esse percentual sobe a 87% no Nordeste. Na região, não somente a renda da população aumenta a um ritmo maior do que na média do país como é para onde se dirige grande parcela dos benefícios do programa Bolsa Família.


20 comentários

  1. Damaceno
    domingo, 28 de março de 2010 – 10:04 hs

    Hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha!
    E ainda tem um ínfima parcela que não quer acreditar que Lula tem sido o melhor presidente que este país já teve!
    Bem, como diz o velho ditado: PIOR CEGO É AQUELE QUE NÃO QUER VER!
    Agora, vamos à choradeira dos desmamados:

  2. alex ribeiro
    domingo, 28 de março de 2010 – 10:10 hs

    isso mostra que temos 76% de desocupados no Brasil

  3. rst
    domingo, 28 de março de 2010 – 10:26 hs

    E ainda a oposição tem esperanças de ganhar a eleição prá presidente.Quando o povão souber que a Dilma é candidata do Lula, vai ser primeiro turno. É aguardar pra ver.

  4. rst
    domingo, 28 de março de 2010 – 10:53 hs

    Do blog Cidadania.com
    Caso Datafolha promete

    Se você, leitor, chegou de Marte agora, permita-me atualizá-lo sobre um escândalo que promete ser rumoroso entre os setores mais politizados da população. No último sábado, o instituto Datafolha, pertencente à Folha de São Paulo, publicou uma pesquisa sobre a sucessão presidencial que surpreendeu a todos, inclusive àqueles que beneficiou.

    Como Dilma Rousseff vem crescendo em todas as pesquisas de intenção de voto para presidente e seu adversário José Serra vem caindo, Márcia Cavallari, do Ibope, João Francisco Meira, do Vox Populi, Mauro Paulino, do Datafolha, e Ricardo Guedes, do instituto Sensus, reunidos publicamente em São Paulo na semana passada em evento da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisas, concordaram que a candidata petista é hoje a favorita para ganhar as eleições de 2010.

    De repente, porém, aparece essa pesquisa Datafolha mostrando queda da petista (dentro da margem de erro) e considerável subida do tucano. O resultado foi tão surpreendente que, em sua coluna deste domingo na Folha, o colunista Clóvis Rossi diz assim que não entendeu nada:

    “O resultado da pesquisa mais recente, ontem publicada, é um denso mistério, ao menos para mim. Não consigo encontrar uma explicação forte para o fato de José Serra ter subido quatro pontos em um mês”.

    Não foi por outra razão que, no mesmo sábado em que a pesquisa “sui generis” foi divulgada, o diretor do Datafolha tentou explicar o inexplicável com o velho clichê de que “pesquisas são um retrato do momento” etc.

    Já neste domingo, a Folha publica um editorial pretendendo explicar mais do que a pesquisa “estranha”, mas o futuro, ou seja, o que outras pesquisas deverão mostrar.

    “SÃO SURPREENDENTES, ainda que não constituam reversão categórica nas tendências do eleitorado, os números da pesquisa do Datafolha sobre sucessão presidencial, divulgados ontem(…)”.

    Mais sincero – ou descuidado – que Rossi, outro colunista da Folha, o Kennedy Alencar, explicou, na internet, a situação que levou o jornal mais engajado na candidatura do PSDB à Presidência a literalmente estuprar o seu Datafolha. Segundo ele, sem essa pesquisa o lançamento iminente da candidatura tucana à Presidência ocorreria em clima de “velório”.

    A pressa da Folha em “explicar”, não a sua pesquisa “maluca”, mas os resultados de outros institutos que deverão contrariá-la em breve, denota que o partidarismo pode ter causado um dano muito sério a um dos pilares de sua sustentação no mercado. O Datafolha é – ou era – um diferencial desse veículo de comunicação.

    Penso que o efeito pretendido pela Folha e por José Serra ao engendrarem essa aparente farsa estatística poderá ser conseguido, só que parcial e inicialmente. Os leigos acreditarão na reação de Serra, bem como parte dos tucanos, dos seus aliados em outros partidos e de financiadores de campanha identificados com o projeto eleitoral da direita.

    Todavia, duvido de que outros institutos, além do Ibope, aceitarão se envolver nessa farsa. Daí as insistentes “explicações” da Folha para o tsunami estatístico que vem por aí e que deverá fazer este assunto retornar à pauta política em breve. Não percam, portanto. Será divertidíssimo.

  5. Osmar Santos
    domingo, 28 de março de 2010 – 11:18 hs

    Meu caro, o Data da Folha (da província) de São Paulo registra que 40% dos eleitores não sabem que Dilma é candidata do Lula. Isso significa mais de 40.000.000 de eleitores. Sabe o que significa, né????

  6. TUKU NARE
    domingo, 28 de março de 2010 – 11:30 hs

    Ouuuuuuuuuu, ALEX RIBEIRO nos os restolhos, nao concordamos mais com pessoas como VC, voce deve ser de outro planeta, e muito mal imformados, pois os TERRORISTAS deste pais, sao pessoas que so sabem mamar nos cofres publicos desde que esses pais, foi descoberto e explorado pela pior CASTA QUE TINHA EM PORTUGAL, tudo que nao prestava veio para ca. e me desculpe antecipadamente, PESSOAS COMO VC, so podem ser descendente daquela leva………………………..
    saiado teu mundinho, evar visitar uma CADEIA, estao cheia de irmaos, que nao tiveram a oportunidade, de apreender algum oficio,
    porque A BURGUESIA, a qual VC. DEVE PERTENCER, ou e um chupa cabra dessa laia, sempre desviaram o dinheiro do povo
    SE VOCE NAO SABE O QUE SE PASSA NO PAIS PROCURE SE INFORMAR, OU VOCE E TAMBEM DA MINHA TERRINHA,
    a patagania, onde a SURUBADA, E os desamparados, entram so com o TIZIL.
    Hoje a INSTITUIÇAO NO BRASIL DE MAIOR CREDIBILIDADE
    E A POLICIIA FEDERAL, que graças ao LULA, TRABALHA SEM O RABO PREZO, E faz PIRIPAK ate pros pro LULA.
    ALEX, saia do teu berço explendido, e algo de bom.
    OLHA AQUI CARA, o PT SO ASSUSTA VOCES, PORQUE PARA A CLASSE TRABALHADORA, o nosso partidodaqui para frente sera as pessoas, como DILMA, PESSUTI, GLEISY, FLAVIO ARNS, e outros, espera para ver.
    e as raposas e nao adianta o BETO, Vir SERRAR em nosso galinheiro, que nos vamos proteger………………………………….

  7. Riograndino Paranhos
    domingo, 28 de março de 2010 – 11:41 hs

    As esquerda sempre foi mestre em criar mitos, uns até verdadeiros e outros de barro. Hoje estão colhendo o fruto de seus grandes mestres Stalin e Goebbels que transformavam verdades em mentiras e de tanto mentir criavam fatos. Lulla é o mais perfeito exemplo desta brilhante técnica.Não desceu do palanque um minuto durante seus dois mandatos. Ficou poucos dias trabalhando no planalto, o resto do tempo dá-lhe midia. A rede Globo deu-lhe um cobertura admiravel. Seus assessores de comunicação moldaram a atual imagem brilhantemente. Não admitem contestação. Criaram a UNANIMIDADE. Tá aí: foi criado o “pai dos pobres” DEUS FOI REIVENTADO” O homem fez tudo, é responsavel por tudo de bom. O ruim esquece-se. Antes de mim o caos. As poucas palavras contra são isoladas e ridicularizadas. Opiniões como a retratada na pesquisa contestadas são levadas ao ridiculo. Nada pode macular a imagem. Esta sempre foi a tatica dos comunista, os quais não sei porque não gostam de serem chamados assim, se dizem SOCIALISTAS ou ESQUERDITAS ou HUMANISTAS. porque?
    Tenho medo de quando a conta chegar. Toda imagem de barro não resiste ao tempo. E o Brasil fora a propaganda, e agora atuando como potência mundial, distriBuindo caras benesses em troca da criação da imagem do GRANDE ESTADISTA E SEMI-Deus , continua o mesmo com um povo sofrido e explorado com nova elite se privilegiando de tudo e ignorando tudo o que não presta. A semi-escravidão campeia no mercado de trabalho.
    Tenho medo de quando a conta chegar e já sei quem vai pagar. “Nunca na historia deste país” um presidente ficou tão longe do trabalho e sempre presente na mídia. O que me impressiona é a mudança de hábitos: Lula não gosta mais da nossa pinga, fato que eu adimirava, hoje só bebe e recomenda uísque do bom para acompanhar os excelentes charutos cubanos.
    BRASIL VOCE MERECE.

  8. Tina
    domingo, 28 de março de 2010 – 11:49 hs

    Damaceno e rst,aguardem : Dilma eleita , nos sentiremos na Venezuela ! Na mão de uma ladra terrorita que nunca lutou pela democracia e sim pela implantação do mais “burro” comunismo no Brasil. Aguardem….

  9. Divanir
    domingo, 28 de março de 2010 – 12:06 hs

    O PIOR CÉGO NÃO É AQUELE QUE NÃO QUER VER, MAS AQUELE QUE VÊ E NÃO QUER ENXERGAR.
    AS PESQUISAS SÓ SÃO HONESTAS QUANDO É A FAVOR DE NOSSOS CANDIDATOS.
    SERRA FICOU POR UM BOM TEMPO SEM AFIRMAR SER CANDIDATO, AGORA QUE SE DECIDU, QUEM TRABALHA NESTE PAÍ,S VOTA NELE.
    QUEM DEPENDE SOMENTE DE ASSISTENCIALÍSMO, POR MEDO DE PERDER A TETA, CONTINUA NA MENTIRA.
    UMA COISA É APROVAR O PRESIDENTE LULA, OUTRA COISA É QUEREREM QUE O BRASIL TODO APROVE DILMA, POIS NÃO FEZ NADA AINDA PELO PAÍS, A NÃO SER BADERNA, PRA NÃO FALAR OUTRAS COISAS.

  10. OSSOBUCO
    domingo, 28 de março de 2010 – 12:36 hs

    O problema não é a pesquisa, é que os analistas da grande imprensa não falam, por exemplo:

    1. Serra tem mais rejeição que Dilma;
    2. Na resposta espontânea, a Dilma está bem à frente.

  11. OSSOBUCO
    domingo, 28 de março de 2010 – 13:00 hs

    Tabloides de assalto

    26/03/2010 16:05:13
    por Mino Carta

    A transparente satisfação com que a mídia nativa celebrou os últimos movimentos do governador José Serra, tomados como prova de uma candidatura de fato já encaminhada, mostra, redondamente, o lado escolhido pelos barões midiáticos. Como sempre, o lado contrário a Lula. No caso, em oposição à candidata do presidente.

    Não é novidade. A mídia nativa não engole um ex-operário que se torna inquilino do Palácio do Planalto, cenário quem sabe talhado em definitivo para bacharéis engravatados, quando não generais de quatro estrelas. Ódio de classe? Misturado com a inextinguível suspeita de que Lula acabe por cair em tentação e reedite ideias e ideais do PT de 1980.

    Rota traçada desde 1989, quando foi inventado o “caçador de marajás” para impedir a ascensão do Sapo Barbudo. Nem se fale da euforia provocada pela descoberta de um Fernando Henrique rei dos economistas, além de príncipe dos sociólogos, prontamente apresentado como criador da estabilidade. E esta foi também a bandeira da campanha do segundo mandato, embora arreada 12 dias depois da posse.

    Surpresa em 2002: Lula derrotou com ótima margem o ex-ministro José Serra, a despeito de sua badaladíssima gestão na pasta da Saúde, quando o mundo mais uma vez curvou-se diante do Brasil. Não bastou insistir na ideia de que Serra era “preparado”, a significar que o outro era irremediavelmente despreparado.

    A mídia não percebeu então que seu poder de fogo diminuíra bastante e perseverou na linha contrária ao governo, crivado por críticas ferozes, ataques sem conta, acusações retumbantes, até o chamado “mensalão”, que não foi provado nos termos apontados pelo jornalismo pátrio. Mais significativa e consistente do que a anterior, a vitória de Lula em 2006. Nem por isso, a mídia aproveitou a lição.

    Repito o que foi dito em outras oportunidades neste espaço: a eleição de Lula é um divisor de águas na história brasileira. Pela primeira vez, a maioria dos brasileiros apreciou votar naquele com quem se identificava, um igual, em lugar de um senhor enfatiotado, recomendado por seus pares. E, pelo caminho, a maioria convenceu-se que valeu a pena.

    Quem não se convenceu foi a mídia. A imprensa, de que muito poucos a leem. A eletrônica, que só vale quando transmite novela, big brothers e faustões. Nesta aposta em si própria, não saiu da velha rota. Diariamente, basta passar os olhos pelas páginas dos jornais que alguns teimam em chamar de “grande imprensa”, para tropeçar em editoriais, artigos, colunas e reportagens destinados a demonizar Lula e condenar seu governo.

    Quarta-feira 24, ao falar em Brasília no quadro do programa Territórios da Cidadania, o presidente da República disse: “Fico imaginando daqui a 30 anos, quando alguém quiser fazer uma pesquisa sobre a história do Brasil e sobre o governo Lula e tiver de ficar lendo determinados tabloides. Ou seja, este estudante vai estudar uma grande mentira”.

    Haverá quem queira discutir a qualidade do texto, a forma. O conteúdo, no entanto, é claríssimo e não admite dúvidas. Se o pesquisador-estudante se contentar com a leitura dos “tabloides”, ou seja, dos órgãos da nossa imprensa, aprenderá uma história desfigurada por erros e omissões. E mentiras.

    Quanto à CartaCapital, nos esforçamos para praticar o jornalismo honesto, na contramão da hipocrisia de quem afirma isenção, equidistância, independência, imparcialidade, enquanto se entrega a formas diversas, porém afinadas, de propaganda partidária. Em busca da verdade factual, criticamos Lula e seu governo ora de maneira positiva, ora negativa. Há duas semanas, entendemos como passo em falso as declarações do presidente a respeito dos presos políticos cubanos. Na semana passada, renovamos nossa reprovação a quaisquer interferências governistas para limitar a liberdade de expressão.

    CartaCapital orgulha-se de remar na contracorrente, mesmo quando entende que o governo em seus dois mandatos poderia ter feito muito mais no plano social, ou reputa deslize gravíssimo, a provar prepotência e ignorância, o comportamento em relação ao Caso Battisti. No mais, a entrada de Serra na liça vale para iluminar a ribalta.

    Não se trata de valorizar a demanda de muitos tucanos, favoráveis a uma definição rápida, mesmo porque compreendemos a estratégia do pré-candidato, baseada na tentativa de escapar ao embate plebiscitário à procura do confronto direto com a candidatura Dilma. Deste ângulo, tem de ser encarado o nítido empenho tucano em manter Fernando Henrique longe da campanha. Mas não será fácil sair do círculo traçado por Lula em torno do pleito.

  12. OSSOBUCO
    domingo, 28 de março de 2010 – 13:02 hs

    Vinte e sete milhões e trezentos mil brasileiros ultrapassaram a linha de extrema pobreza. O índice de moradores do País nesta situação baixou – entre 1990 e 2008 – de 25,6% para 4,8%, uma redução de 81%.

    Com isso, o País supera o primeiro e principal Objetivo de Desenvolvimento do Milênio (ODM), que estipulou como meta para o mundo erradicar a fome e reduzir pela metade, até 2015, a extrema pobreza registrada em 1990.

    Os resultados revelam também que o Brasil foi além, e ultrapassou a própria meta estipulada pelo País de diminuir em 75% a taxa de extrema pobreza. Os dados constam da quarta edição do Relatório Nacional de Acompanhamento do ODM, que tem outros sete objetivos: Universalizar a educação primária; Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres; Reduzir a mortalidade na infância; Melhorar a saúde materna; Combater o HIV/AIDS, malária e outras doenças; Garantir a sustentabilidade ambiental, e Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento.

    O documento, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e divulgado nesta quarta-feira (24/3), descreve que, de 1990 a 2008, enquanto a população brasileira cresceu de 141,6 milhões para 186,9 milhões, a população extremamente pobre (que vive com até 1,25 dólar por dia) decresceu de 36,2 para 8,9 milhões de pessoas. “A pobreza extrema no Brasil, hoje, é menos de um quinto da pobreza extrema de 1990. A desigualdade caiu bastante e pode cair ainda mais”, informa o relatório. E acrescenta: “Se o ritmo da redução se mantiver nos próximos anos, a pobreza extrema será erradicada do Brasil por volta de 2014.”

    Para o ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, essa conquista do País é resultado dos investimentos do governo de presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Só o nosso ministério terá um orçamento de R$ 39 bilhões este ano, dinheiro destinado aos pobres. Além do MDS, outras ações com o Pronaf ( Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar), Luz para Todos e Economia Solidária estão fazendo a diferença”, ressaltou o ministro.

  13. LEONEL TUCUNARÉ
    domingo, 28 de março de 2010 – 13:22 hs

    Riograndino Paranhos. O teu comentário foi excelente. Esta Ptzada só sabe falar bem de quem fala bem da guerrilheira. Quando uma pesquisa de um instituto sério como é o datafolha publica uma pesquisa em que dá o Serra com 9 pontos na frente da assaltante, todos eles em uníssono dizem que a pesquisa é fajuta e não reflete a realidade. Bem, é melhor ouvir isto do que ser surdo.

  14. domingo, 28 de março de 2010 – 13:48 hs

    NAÕ ESQUEÇAM…CHICO É CHICO,,,,,ANGICO É ANGICO……VOTO NÃO SE TRANSFERE…………………………..

  15. Alemão
    domingo, 28 de março de 2010 – 15:20 hs

    Pesquisa nunca deu vitória pra ninguem,e na maioria das vezes, estavam totalmente erradas. Essa agora mostra o Serra na frente pois a maioria ods ouvidos é de SP, a anterior que mostrava Dilam na Frente foi feita nos rincoes do nordeste, ou seja, são sempre tendenciosas.O candidato sério não deve se pautar por pesquisas e sim se preocupar em mostrar seu programa para a população. No caso do Lula e da Dilma, eles não podem mostrar o programa pois contempla a robalheira, a corrupção, os desvios etc.e todos esses programas assistencialistas, como o bolsa bandido, que dá 783,00 por filho para os bandidos presos.Pra mim isso é legislar em causa própria, pois assim que apearem do governo devem ir todos parar na cadeia e, com esse benefício, querem garantir um caraminguá.

  16. Duval Simões Araújo-Londrina
    domingo, 28 de março de 2010 – 16:49 hs

    É Lula ganharia a eleição no 1º turno com pelo menos 60%, eis que 35% da populaçao não vota em candidato do PT de jeito nenhum, por melhor que ele seja. Mas essa candidata que ele apresentou é muito ruim. Não tem experiência nem sequer de vereadora em eleição e tem um passado pra lá de comprometedor e assustador. Dizem alguns que o Lula quer voltar daqui 4 anos, por isso apresentou candidata tão ruim. Até o Zé Dirceu talvez fizesse mais votos que essa figuraça. E o PT quer ter uma bancada forte no congresso pra complicar a vida de Serra no governo. Por isso entrega a candidatura a governador do Paraná para bater com o Beto o Osmar Dias, que eram companheiros, dividindo e enfraquecendo os dois, para tentar eleger Gleise e Requião no senado. Mas acho que a coligação de Beto, que ganha o governo, elege um senador.

  17. JANELA INDISCRETA
    domingo, 28 de março de 2010 – 22:13 hs

    Ossoburro, digo buco, mino carta é a sua cara. hahaha!!!

  18. OSSOBUCO
    segunda-feira, 29 de março de 2010 – 10:29 hs

    Ô janela indiscreta, a sua cara é o Reinaldo Azevedo! Esgotaço em pura essência!

  19. OSSOBUCO
    segunda-feira, 29 de março de 2010 – 10:30 hs

    Essa pesquisa foi muito boa pra Dilma.
    50% a mais do que Serra na espontânea, sem estimulações!

  20. JESTÃO TUCANA
    segunda-feira, 29 de março de 2010 – 11:55 hs

    Quando que o Paulistano vai aprender a votar???

    Veja algumas das CPIs sobre corrupção do PSDB engavetadas em São Paulo

    Depois de engavetar 83 pedidos de CPI para investigar falcatruas do PSDB em São Paulo, a tropa de choque tucana na Assembléia Legislativa do Estado, comandada pelo governador José Serra, aprovou nesta terça-feira (9) a instalação de uma comissão contra o PT, que tem por base as denúncias vazias e requentadas publicadas por Veja na edição desta semana.

    Dos 83 engavetamentos, 70 aconteceram na gestão Geraldo Alckmin, e 13 no atual governo. Sob Serra, os pedidos de investigação não obtiveram sequer o número de assinaturas necessárias para que as CPIs fossem protocoladas. Veja quais são:

    1. CPI Máfia caça níqueis – PSDB não combate corrupção policial

    2. CPI Estatísticas criminais – Governo tucano omite dados da violência no Estado

    3. CPI Baixo desempenho escolar – Progressão continuada derruba qualidade da educação em São Paulo

    4. CPI Cartões corporativos – Governo Serra gastou R$ 108 milhões e patrocinou gastos com casas noturnas

    5. CPI Ongs no Governo Alckmin – 60 contratos sem licitação e prejuízo de R$ 80 milhões

    6. CPI das Rodovias – privatizações tucanas geram os pedágios mais caros do país

    7. CPI dos Imóveis do Estado – São Paulo tem 30 mil imóveis abandonados pelo governo tucano

    8. CPI do Ipesp – Onde está o dinheiro sacado da folha de pagamento do funcionalismo?

    9. CPI da Fraude na licitação do Metrô – Superfaturamento e desvio de R$ 1, 8 milhão em três licitações realizadas pela empresa.

    10. CPI da Segurança – Segurança particular para ex-mulher e filha do Secretário Adjunto no Guarujá

    11. CPI do DETRAN – Esquema de falsificação e venda de carteira de habilitação

    12. CPI da ALSTOM – Denúncia de irregularidades de contratos com o Governo do Estado

    13. CPI Corrupção na Polícia Civil – Denúncias de esquema de corrupção na Polícia Civil de São Paulo com envolvimento do ex-secretário adjunto da secretária de Segurança Pública, Lauro Malheiros Filho.

    Fonte: Ecolinks

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*