Para Lula, 'social' justifica a carga tributária elevada | Fábio Campana

Para Lula, ‘social’ justifica a carga tributária elevada

Do Josias de Souza

Prometida por todos os governos, a reforma tributária tornou-se uma utopia brasileira.

Sob Lula, a última tentativa foi realizada em 2008. Relatou o projeto o grão-petê Antonio Palocci (SP).

Depois de consumir meses de debate parlamentar e de produzir quilômetros de manchetes de jornal, a coisa foi ao arquivo.

A nove meses e oito dias do término do seu segundo mandato, Lula parece conformado.

Mais que isso: considera a carga de tributos que pesa no bolso do brasileiro –34% do PIB em 2009— necessária.

Lula clareou o seu ponto de vista na coluna semanal “O presidente reponde”, veiculada nesta terça (23) em jornais de todo país.

Numa das questões dirigidas a Lula, o atendente de farmácia Luciano da Silva, morador da cidade de Jaguaré (ES), anotou:

“Os brasileiros estão entre os que mais pagam impostos no mundo. Nem por isso nossos serviços públicos são melhores”.

Feita a observação, inquiriu: “Existem medidas destinadas a reduzir os impostos ou a melhorar os serviços públicos?”

Em sua resposta, Lula reconheceu: “Nossa carga tributária […] não é das mais baixas”. Mas ponderou que “está longe das mais altas do mundo”.

E passou a esgrimir um discurso que, em essência, justifica o avanço sobre o bolso do contribuinte com a necessidade de prover verbas para o social.

“Há países”, escreveu Lula ou algum assessor em seu nome, “que prestam serviços públicos de excelência, mas cuja carga é muito mais elevada”.

Citou “Suécia (48%) e Dinamarca (49%)”. Prosseguiu: “Outros países, têm carga tributária baixa, mas o Estado é praticamente ausente”.

“No Brasil é diferente”, Lula acrescentou. “Com os impostos, nós investimos de forma inédita em programas sociais”.

Programas “como o Bolsa Família, que beneficia 12,4 milhões de famílias”. Ligou os benefícios à crise financeira global:

“Com os programas [sociais] e o aumento real de 76% do salário mínimo desde 2003, nós fortalecemos tanto o mercado interno, que atravessamos a crise sem maiores danos”.

Celebrou: “Enquanto o mundo perdeu 16 milhões de empregos em 2009, nós criamos 995 mil”.

E quanto à qualidade do atendimento prestado à bugrada nas repartições públicas? “Estamos investindo na melhoria dos serviços públicos”, Lula anotou.

Convidou Luciano, o atendente de farmácia que lhe dirigiu a pergunta, a observar o que se passa nos guichês do INSS.

“Com o agendamento por telefone acabamos com as filas e hoje as aposentadorias são concedidas em meia hora”. Debitou o passivo na conta dos antecessores:

“Há muita coisa a fazer porque o abandono vem de décadas, mas estamos avançando na solução dos problemas”.

É um tipo de discurso que, escorado no gerúndio, pode ser usado por qualquer um, a qualquer tempo.

Em 2014, o sucessor de Lula poderá dizer, de fronte alta: “Estamos investindo”. Em 2018, o sucessor do sucessor poderá festejar: “Estamos avançando”.

E a mordida imposta ao “contribuinte” sempre parecerá incompatível com a qualidade dos serviços que lhe são –ou deveriam ser— prestados.


6 comentários

  1. VAI SE F... VAGABA
    terça-feira, 23 de março de 2010 – 11:04 hs

    QUER DIZER NÓS QUE TRABALHAMOS E PAGAMOS CARO POR ISTO. PARA SUSTENTAR OS RICOS E DAR COMIDA AOS VAGABUNDOS, QUE SÓ FAZEM FILHOS E NADA DE BOTAR A MÃO NA MASSA.

  2. Jaferrer
    terça-feira, 23 de março de 2010 – 11:42 hs

    Este discurso já foi feito antes e é cômodo. Como afirma o artigo, todos podem dizer a mesma coisa para defender que “ainda precisamos fazer muito, mas estamos avançando”. E o povão acreditando e pagando juros exorbitantes!

  3. Santino
    terça-feira, 23 de março de 2010 – 13:17 hs

    A este ser *ACÉFALO que fêz o primeiro comentário desta coluna, denominado de “Vai se F…Vagaba”, quero dizer que em primeiro lugar, os cidadãos menos favorecidos que são beneficiados pelos serviços sociais, não devem ser nivelados como vagabundos, pois existem entre os favorecidos do bolsa família, aposentados que vivem apenas do salário mínimo e que tem de sustentar netos órfãos, deficientes físicos, idosos cuja única renda é o produto da reciclagem, viúvas que em muitos dos casos perderam seus maridos em acidentes de trabalho e que tem filhos em idade escolar, trabalhadores sem qualificação profissional, que por falta de politicas socias de governos (DA DIREITA) do passado, não tiveram a oportunidade de estudar e que precisam e querem estudar seus filhos, mas que ganham menos que o suficiente para tal, e por muitos outros exemplos, peço lhe que se retrate desta sua falta de respeito para com pessoas humildes e que realmente necessitam de auxílio.
    Outro sim, digo-lhe que graças à esses projetos sociais, é que futuramente teremos uma sociedade com menos analfabetos, pois a frequência escolar é um dos critérios impostos para que o cidadão tenha direito aos benefícios. O aumento do consumo no país é outro fator impulsionado pelos programas, pois com o mínimo de aumento de renda, a família vai comprar algo mais para a casa, gerando assim mais riqueza.
    É óbvio que existem exceções, inclusive de más gestões dos projetos nos municípios, porém é impossível fazer gemada sem quebrar os ovos.

  4. salete cesconeto de arruda
    terça-feira, 23 de março de 2010 – 13:40 hs

    É A DÍVIDA QUE TODOS NÓS – RICOS OU MEDIANOS MEDÍOCRES – NÃO PERCEBEMOS QUE ESTÁVAMOS CONTRAINDO COM OS IRMÃOS DE PATRIA!
    Tão sabidos e não víamos sequer o que se PASSAVA na periferia da nossa próprio cidade: miséria, violência, falta de casa, de água, de rede de esgoto…
    Pois é.
    AGORA É PAGAR O PREÇO!
    E ainda dar graças a Deus por ter o governo Lula – tido a FELIZ IDÉIA DO BOLSA FAMILIA. Sem ela já estaríamos com a cabeça rebentada pelas armas por nós engatilhadas. Revolução de sangue DERRUBARIA quem tem a perder. Feito o que está acontecendo na Assembléia. Quem nada tem – vai à luta sem medo.
    O Fantástico?
    Está guardando…
    Dizem que tudo tem seu tempo.
    Muitas notícias importantes exigem uma parada.
    Não sou jornalista.
    MAS QUERO PARABENIZAR TODOS OS QUE TEM A CORAGEM DE FAZER MATÉRIAS COMO ESSA DA ASSEMBLÉIA E TANTAS OUTRAS!
    Vocês – nessas horas – SÃO MELHORES DO QUE GOVERNOS – pois garantem de uma só tacada: justiça, fim de maracutaia e NOSSAS LIBERDADES! Sei que não é fácil. Sofro quando algum morre tão cedo. Mas como vale a pena ver uma matéria bem feito.
    VAI LEVAR PREMIO!!!
    Anotem!

  5. Pedroca
    terça-feira, 23 de março de 2010 – 14:34 hs

    Fora vagabundo!!!!

  6. ser normal
    terça-feira, 23 de março de 2010 – 16:12 hs

    A classe média, média alta e a alta trabalham 8 meses no ano somente para pagar os impostos, para sustentar a corja do Lula e PT, e para carrear valores para os preguiçosos com filas de filhos nas costas, e diga-se de passagem a dívida que iremos herdar do governo do Lulinha e sua gangue petista é faraônica.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*