Oposição vai apresentar emendas ao reajuste do funcionalismo estadual | Fábio Campana

Oposição vai apresentar emendas ao reajuste do funcionalismo estadual

O líder da Oposição, deputado Élio Rusch (DEM), confirmou que a bancada apresentará amanhã, emendas ao projeto do Executivo que concede aumento linear de 5% aos servidores estaduais.

Uma das emendas prevê que todo servidor estadual não poderá receber salário base inferior ao mínimo regional no valor de R$ 688,50, equivalente ao Grupo II. São quatro grupos que abrangem todas as categorias.

A outra emenda visa um reajuste de 9,5% aos servidores. Esse índice é igual ao menor percentual de reajuste proposto para o mínimo regional, que tem variação de 9,5% a 21,5%.

“Desta forma o Governo do Paraná terá condições de dar o exemplo e instituir aos vencimentos básicos dos servidores o mesmo valor do mínimo regional”, apontou. “Essas emendas servirão para acabar com a incoerência deste governo que propõe até 21,5% de reajuste ao mínimo regional, que é pago pelo empresariado, e apenas 5% aos servidores”, destacou Rusch.

O projeto deverá ser votado na sessão plenária da próxima segunda-feira (22). O plenário foi transformado em comissão geral para que as emendas sejam analisadas em seguida, na mesma sessão plenária.

Audiência Pública

O deputado Élio Rusch (DEM) considerou um ato de desrespeito a manifestação dos representantes da Força Sindical durante a audiência pública na Assembléia Legislativa programada para discutir o salário mínimo regional. Na última quinta-feira deveria ocorrer em Curitiba o segundo encontro de uma série que está sendo realizada em todas as regiões do estado com a presença de diversas categorias: políticos, empresários, sindicatos. Mas o evento foi interrompido pelo presidente da Comissão de Constituição e Justiça, deputado Durval Amaral (DEM), que conduzia os trabalhos.

“O comportamento de alguns baderneiros foi um atentado à democracia e prejudicial a todos os interessados no tema, já que não houve condição de prosseguir a audiência. Tentar, aos berros, impedir que pessoas com pensamentos contrários possam se pronunciar acaba com o objetivo principal de uma audiência, que é ouvir todas as partes”, afirmou Rusch.


10 comentários

  1. Vigilante do Portão
    domingo, 21 de março de 2010 – 17:16 hs

    Quero ver o farsante do Requião vetar o reajuste.
    Ele é bom para demagogia, principalmente quando é o empresariado quem paga a conta.

    POBRE PARANÁ

    A Gazetona de hoje traz a notícia de que Santa Catarina está construindo mais um terminal portuário.
    Trata-se de uma parceria entre o governo daquele estado e a iniciativa privada. O novo Porto vai poder receber navios de grande porte.

    Enquanto isso, o Paraná não consegue nem dragar o canal da Galheta.
    Quando o Requião assumiu, havia um projeto pronto, com dinheiro liberado e tudo, era para construir um novo terminal portuário em Pontal do Paraná. O COMPETENTÍSSIMO governador Requião, IMPEDIU AS OBRAS, disse que não aceita Porto que não seja Público.
    Bem, o resultado todos conhecemos.
    Com o novo Porto, Santa Catarina vai atrair mais empresas de Comércio Exterior (ficar perto do Porto, traz diminuição dos custos). Não demora e o estado vizinho passa o Paraná em PIB e arrecadação.

    No Paraná nada pode, nem Pequenas Centrais Elétricas, nem Porto Privado, nem soja trangênica e muito menos outras idéias “neoliberais”.
    CHEGA LOGO 01/04/10, isso se o Pessuti não der continuidade ao desastroso governo do Requião.
    Estamos esperando que, ao assumir, o Pessuti vire o jogo, mande o Requião “tomar num lugar que bate pouco sol” e governe o Estado com uma visão menos arcaica.

  2. Borduna
    domingo, 21 de março de 2010 – 17:52 hs

    Ainda bem, já pensou se esses caras de DEMo propoem aumentos ao nível da Assembléia? Teria que por o Bibinho no executivo. kkkkkkkkk

  3. João Simplício
    domingo, 21 de março de 2010 – 19:43 hs

    agora, êlles são bonzinhos, mas quando estão no governo é só arrocho salarial !

    Lembremos da era JL, na qual os servidores estaduais amargaram vários anos sem reajustes salariais !

    Essa é a velha e nociva política do oportunismo barato !

    O eleitor tá de olho e repudia tal político e pratica !

    Mais ética na política é o que esperamos que vigore !

  4. Reinoldo Hey
    domingo, 21 de março de 2010 – 20:48 hs

    AO VIGILANTE DO PORTÃO

    Obrigado por defender nosso porto em Pontal.Apareça lá no Zezinho ( Carmery) pra tomarmos uma brahma.
    Gostei de novo nome do cu.
    Um abraço.

  5. Professor Pedro
    domingo, 21 de março de 2010 – 22:02 hs

    Em minha modesta opinião, esses deputados querem mesmo é chamar para sí os holofotes, apresentam emendas pra fazerem média com o funcionalismo, e ao final da luta do rochedo com o mar, sobra mesmo é para o marisco, como aconteceu o ano passado que atrasaram o reajuste do funcionalismo por conta de um monte de emendas que foram propostas, que ao final, não serviu para nada. Todos nós do funcionalismo, não nos esquecemos dos 7 anos sem aumento salarial com o ex-governardor Jaime Lerner. Da mesma forma que não seremos ingratos com o atual governador que tanto esforço tem feito para atender nossas reivindicações apesar do orçamento e da lei de responsabilidade fiscal. Esses deputados que vão enganar outros trouxas. que aprovem o projeto de reajuste salarial do funcionalismo e vá fiscalizar as falcatruas que acontecem em sua própria casa, pois esses atos secretos são uma vergonha. transparência já!

  6. POLICIAL X
    domingo, 21 de março de 2010 – 23:33 hs

    VIGILANTE DO PORTÃO, você foi muito feliz em seu comentário, no porto de Paranguá não entra produto algum trangênico, então eles descarregam e carregam em outros portos do país, fazendo assim com que o Paraná perca muito em crescimento, sem comentar que não privatizaram o porto para que pudesse empregar sua família.

    O deputado Élio Rusch (DEM) está corretíssimo e se for aprovado sua imenda com certeza vai contar com o apoio de todo funcionalísmo público do Paraná.

    Assisti a esplanação referente ao suposto aumento salarial dos policiais mililtares na malfadada escolinha de governo. Achei uma enganação tudo aquilo que foi comentado, já os oficiais só poderiam estarem felizes, pois, como exemplo um capitão que ganha em média R$ 6.000,00 reais bruto, vai para um soldo final de R$ 9.992,71 sem contar as gratificações. Já um soldado, cabo, ou sargento, sequer na primeira parcela (tabela) passará a ganhar R$ 1,00 a mais em seu salário, e o pior, como não tem data para as outras parcelas serem pagas, ficam na esperança que o próximo governador (Pessuti), ou pós eleições, libere-as, casando desta forma as eleições com o voto dos funcionários públicos à pessoa de Pessuti.

    O que querem fazer é juntar quase todos os benefícios ao soldo, tornando-o maior, no entanto, fora o soldo o policial pereberá apenas gratificação técnica (uma parcela pequena da PM recebe) e gratificação por tempo de serviço. Com o soldo maior e sem muitas gratificações à adicionar, o salário dos praças terá pouco reajusto, sendo que tudo isto, ainda dependerá de boa vontade política e conforme disse Requião, também de arrecadação maior pelo estado.

    A grande injustiça também está na tal gratificação técnica, pois, a maioria dos policias que ingressaram na corporação não possuem e nem lhes foram exigido ensino superior, no entanto, os que agora ingressam, já com faculdade, ingressam ganhando até mais que os policiais mais antigos, face a diferença da gratificação técnica em valor, ser maior que o benefício do tempo de serviço. Alega o sr. governador do Paraná que tal benefício é uma forma de incentivo aos demais policiais militares, porém, somos sabedores de que uma faculdade de respeito se torna muito inviável a um policial militar, pois seu valor mensal é muito alto, e principalmente à aqueles que possuem família. O que tem que ser dito, é que, como pode um policial que desenvolve seu trabalho junto a comunidade, igual, ou superior (caso dos graduados que tem o dever do comando) aos que tem faculdade, perceber valor diferente dos demais, sendo que sua responsabilidade é muito maior. Isto gera um desiquilíbrio e certa quebra de hierarquia, pois um soldado que tenha o mesmo tempo de serviço que um cabo, passa a perceber um valor maior que este, e este exemplo se aplica do cabo ao sargento. Se esta proposta de emenda do Dep. Élio Rusch for aprovada, não precisa toda esta manóbra do sr. governador, basta tornar obrigatório o soldo do PM (praças) valor igual ao salário mínimo regional. Se tiver errado, me corrijam.

  7. ofaxineiro
    segunda-feira, 22 de março de 2010 – 9:18 hs

    Concordo com o Deputado 9,5% já…..

  8. Sérpico
    segunda-feira, 22 de março de 2010 – 11:56 hs

    Concordo com o Prof. Pedro. Esses deputados da oposição só querem fazer média com o funcionalismo e podem acabar atrasando o rejuste. Onde estavam os deputados na gestão do Jaime Lerner, em que não foi dado um centavo de aumento em oito anos? O que eles tem de fazer é referendar esse rejuste e se calarem.

  9. Edes
    segunda-feira, 22 de março de 2010 – 11:57 hs

    Cortesia com chapéu alheio, ele que cuide dos roubos da Assembléia. Ano passado atrasaram nosso aumento, querem atrasar de novo, só o que vai acontecer. O Governador, repassou quase todas as percas do tempo do Lerner. Não esta bom, mas estava bem pior no tempo do Lerner, então senhor deputado do DEM, deixe quieto, cuide dos problemas da tua casa, veja os milhões que foram desviados, va atrás disto e recupere esta dinheirama toda, recuperado, elabore projetos para aplicar em Hospitais, Creches, Escolas. Não seria o sonhado, o dinheiro do mal, voltou se regenerou e foi aplicado para o bem, quantas crianças não seriam salvas do mundo do crime, quantos seriam alfabetizados. Então deixe quieto.

  10. X I M B I K A
    segunda-feira, 22 de março de 2010 – 13:06 hs

    Para o funcionalismo em geral ate que e bommmmmmmmmm
    Mais para os funcionarios, da assembleia legisltiva e muito pouco, pelos arduos trabalho nos currais , onde trabalham para manter opoder dos patroes.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*