Multidão acompanha investigação da morte de prefeito de Rio Branco do Sul | Fábio Campana

Multidão acompanha investigação da morte de prefeito de Rio Branco do Sul

As investigações sobre o assassinato do prefeito de Rio Branco do Sul, Adel Rutz (PP), 36 anos, ocorrido na noite de segunda-feira (1º), foram acompanhadas por uma multidão, que, nesta quarta-feira (3) se formou ao longo do dia em frente à delegacia do município.

A área foi isolada e somente policiais e advogados, além de pessoas autorizadas tiveram acesso ao prédio, segundo o telejornal ParanáTV, da RPC TV. As investigações continuam sob sigilo.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), que centraliza as informações sobre o caso, não divulgou nenhum boletim ao longo dia, mas confirmou que pessoas que eram próximas ao prefeito foram ouvidas. Uma das pessoas que teria prestado depoimento seria Josiane Portes Rutz, ex-mulher do prefeito. A Sesp, porém, não confirmou a informação. O casal estava separado havia duas semanas.

Na tarde de terça-feira (2), o governador Roberto Requião chegou a anunciar, pelo Twitter, que um motociclista que estaria envolvido no assassinato foi preso pela polícia, mas a Sesp também não confirmou a informação.


Outra informação não confirmada pela Secretaria é a da suposta prisão de outras três pessoas, que estariam envolvidas no crime. Ainda de acordo com o governador, o caso estaria perto de uma solução.

O corpo de Adel Rutz foi sepultado às 10 horas desta quarta, no cemitério São Vicente, no distrito de Açungui, localidade onde o prefeito nasceu. Centenas de pessoas acompanharam o cortejo.

Crime

O prefeito de Rio Branco do Sul foi assassinado por volta das 20 horas de segunda, quando chegava a sua casa, na Rua Domingos Faria, no Centro. Uma moto preta com dois homens cercou o prefeito, que foi atingido por cinco tiros. De acordo com a polícia, um carro dava cobertura aos assassinos. Duas equipes do Centro de Operações Especiais (Cope) da Delegacia de Homicídios investigam o caso, junto com a delegacia de Rio Branco do Sul.

A Polícia Militar (PM) não tem dúvidas de que o crime foi premeditado, embora ainda não se saiba as motivações nem quem foram os autores do assassinato. Adel Rutz deixa dois filhos, um de 15 anos e outro de 5 anos.

Histórico

Adel Rutz assumiu a prefeitura da cidade em janeiro de 2009 depois de ser eleito no ano anterior. Entre 2005 e 2008, Rutz exerceu o cargo de vereador no município. O prefeito anterior da cidade, Amauri Johnsson (PSC), renunciou ao cargo em outubro de 2008 depois de sofrer um processo do Ministério Público do Paraná que o acusava de fraudar licitação. O município de Rio Branco do Sul fica ao norte de Curitiba e possui cerca de 33 mil habitantes.


6 comentários

  1. Marmita
    quarta-feira, 3 de março de 2010 – 22:32 hs

    E o Bento Quimelli? Por onde anda? Pergunta – que ele responde.

  2. Ronaldo
    quinta-feira, 4 de março de 2010 – 0:41 hs

    Os tucanos paulistas acham que Aécio tem “obrigação” de ser o vice de Serra.Decidiram. E ponto.

    Aécio tem outros planos.

    Serra foi nessa quarta a Brasília, participar de uma sessão no Congresso em homenagem ao avô de Aécio – Tancredo Neves. Deu um abraço em Aécio: com aquele jeito efusivo que é a marca do governador paulista. Aécio deve ter ficado emocionado com essa demonstração de afeto.

    Tão emocionado que, ao final da homenagem, perguntado sobre a possibilidade de aceitar a candidatura de vice, Aécio saiu-se com uma frase do avô: “não adianta empurrar; empurrado, eu não vou”.

    Precisa ser mais claro?

    Serra que vá sozinho, deve pensar Aécio.

    Pode virar letra de samba: “não adianta empurrar: empurrado, eu não vou”.

    Na página de abertura do Uol, nada sobre a frase definitiva de Aécio. No G-1, também não. Parece-me que o JN da Globo nem citou a frase. A imprensa serrista está nervosa! Não sabe o que fazer com as negativas manhosas do mineiro. Bate nele? Isso adianta? Ou isso só ajuda Dilma? Estão perdidos…

    Ainda mais depois do editorial de “O Estado de Minas”, destacado pelo Nassif em seu blog – http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/03/03/a-reacao-de-aecio/.

    Vale a pena ler o editorial. Não é só Aécio que fala nesse texto. É o sentimento de toda a elite mineira. Vejam o tom, e imaginem a enrascada que os tucanos de São Paulo tem pela frente:

    “Indignação. É com esse sentimento que os mineiros repelem a arrogância de lideranças políticas que, temerosas do fracasso a que foram levados por seus próprios erros de avaliação, pretendem dispor do sucesso e do reconhecimento nacional construído pelo governador Aécio Neves. Pior. Fazem parecer obrigação do líder mineiro, a quem há pouco negaram espaço e voz, cumprir papel secundário, apenas para injetar ânimo e simpatia à chapa que insistem ser liderada pelo governador de São Paulo, José Serra, competente e líder das pesquisas de intenção de votos até então.”

    A notícia mais reveladora, no entanto, apareceu no IG. O portal, que parece não se alinhar com os serristas, deu manchete para o contra-ataque da bancada de Aécio: deputados do PSDB, DEM e outros pressionam Serra para desistir. E batem pesado nos tucanos paulistas, como Nárcio Rodrigues (PSDB-MG): “O que irrita é que a cúpula do PSDB sequer levou em conta a candidatura Aécio. Os paulistas decidiram que o candidato é o Serra e ponto final. Quando todos sabemos que o Aécio tem muito maior capacidade de agregação. E agora, para irritar muito mais, vêm com a história de que o Aécio tem que ser vice. Que se não for, será o culpado pela derrota do Serra. Ora, o Serra é que tem que correr atrás dos seus votos. Não pode culpar o Aécio.”

    Guerra aberta!

    Escrevi aqui, há vários meses, que Aécio seria um candidato muito mais difícil de ser derrotado pelos lulistas: ele pode se vender como “novidade”, consegue arrastar Ciro com ele, confunde o jogo de alianças do PT. Acontece que os tucanos se renderam ao trator serrista.

    A questão é: Aécio, a essa altura, ainda teria força para virar o candidato dos tucanos? Com Ciro de vice?

    Essa chapa não teria o apoio de Serra. Mas os votos anti-petistas de São Paulo talvez fossem para Aécio, mesmo sem a boa vontade de Serra. Aposta arriscada demais a essa altura, com Dilma já em alta.

    A oposição tem pelo menos um terço dos votos nacionalmente. Mas, politicamente, está em frangalhos.

    Acho que nem Tancredo Neves daria jeito de conciliar essa gente.

  3. Ronaldo
    quinta-feira, 4 de março de 2010 – 0:50 hs

    Quem matou o prefeito?

    Resposta está aqui

    http://www.youtube.com/watch?v=lfx2osFBpoI&feature=player_embedded

  4. Mutuka
    quinta-feira, 4 de março de 2010 – 6:24 hs

    Crime passional ou Político?
    Dep. Kielse diz que é político.
    O povo de Rio Branco diz que é passional!
    E agora Dellazari?

  5. Vigilante do Portão
    quinta-feira, 4 de março de 2010 – 7:54 hs

    Até prisão de motoqueiro, nosso lider está anunciando.
    É fim de governo.
    Fizeram arrastão no final de semana, dezenas de viaturas e motos da polícia estavam concentradas no centro da cidade, tudo para que a população ver, depois sairam, cada grupo para os locais das batidas.
    Um “espetáculo”, circense, é claro.
    Querem mostrar que estão fazendo alguma coisa. Tarde demais.
    Como o nome está dizendo, moro no Portão, antigamente, toda semana tinha operação na rápida, alí, bem perto do Colégio Pedro Macedo, no “melhor governo do sul do mundo”, poucas vezes teve batida. Não seria uma das causas do aumento da criminalidade?

  6. jacutinga
    quinta-feira, 4 de março de 2010 – 16:25 hs

    mutuka o deputado, não sabe qm foi a oposição qm era as pessoas que faziam parte, digo a vc que não são um bando de pistoleiros e mandantes!!! A prova disso é que quem carregava o simbolo “unidos pela paz” hj é acusada de dar o fim no prefeito!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*