Líder de Lula age para cancelar ida de Vaccari a CPI | Fábio Campana

Líder de Lula age para cancelar ida de Vaccari a CPI

Do blog do Josias

Uma manobra executada por Romero Jucá (PMDB-RR), líder de Lula no Senado, fez subir no telhado o depoimento do petista João Vaccari Neto à CPI das ONGs.

Tesoureiro do PT, Vaccari fora convocado na semana passada para prestar esclarecimentos à CPI.

Deveria ter sido inquirito nesta terça (23) sobre as denúncias de desvios de verbas da cooperativa habitacional Bancoop para o caixa dois do PT.

Vaccari não foi ouvido porque, na véspera, protocolara um ofício solicitando o adiamento da arguição. Alegara que seu advogado está nos EUA.

A pretexto de remarcar a data da inquirição, Heráclito Fortes (DEM-PI), presidente da CPI, reuniu os membros da comissão.

Supreendido pela movimentação de Jucá, Heráclito viu-se compelido a encerrar a sessão da CPI cinco minutos depois de tê-la iniciado.

O líder do governo ameaçou mobilizar a tropa para aprovar requerimento cancelando a ata da sessão que aprovara a convocação de Vaccari.

Cancelamento de ata é coisa jamais vista na história do Senado. Heráclito saltou da cadeira: “No dia que você anular uma ata de comissão, você acaba com o processo legislativo”.

Àlvaro Dias, coautor do pedido de convocação de Vaccari, ironizou: “O único que tem o poder de desconvocar é o Dunga”.

Movendo-se em combinação com a líder de Lula no Congresso, Ideli Salvatti (PT-SC), Jucá não se deu por achado.

Disse que o mais apropriado seria ouvir Vaccari noutra comissão, a de Fiscalização e Controle, presidida por Renato Casagrande (PSB). Algo que Ideli defendia desde a semana passada.

Cancelada a sessão da CPI das ONGs, a oposição foi chiar no plenário do Senado. Da tribuna, Álvaro Dias expôs a manobra de Jucá.

Em apartes, os líderes Agripino Maia (DEM) e Arthur Virgílio (PSDB) ameaçaram reagir à eventual desconvocação de Vaccari com o bloqueio das votações.

Nos subterrâneos, Jucá também desfiava uma advertência. Cuidou de avisar que, mantida a convocação de Vaccari na CPI, a oposição teria o troco.

A resposta, disse Jucá, viria na forma da convocação em série de expoentes oposicionistas mencionados em escândalos.

O senador pemedebê chegou mesmo a dizer que guarda consigo uma pasta apinhada de requerimentos já formulados pelo PT.

No meio da tarde, surgiu uma novidade: aprovou-se na Comissão de Fiscalização e Controle, um requerimento de Álvaro Dias.

Prevê a audição, na terça-feira (30) da semana que vem, de Vaccari e outros personagens do caso Bancoop. Tudo como queria Jucá.

Na comissão, o tesoureiro do PT será ouvido como “convidado”. Na CPI, seria espremido como “convocado”.

Confirmando-se a sessão de terça, a oposição terá dificuldades para insistir na inquirição da CPI das ONGs, prevista para depois da Semana Santa.

Além de Vaccari, o “convite” aprovado nesta terça (23) alcança o promotor José Carlos Blat, responsável pelo inquérito da Banccop.

Pretende-se ouvir também, entre outros, Luiz Malheiro. Vem a ser irmão do petista Hélio Malheiro, morto num acidente de automóvel em 2004.

Hélio Malheiro antecedera Vaccari na presidência da Bancoop. Em depoimento ao Ministério Público de São Paulo, o irmão reforçou as suspeitas de desvios.

Resta agora saber: 1) As ameaças de retaliação expostas por Jucá vão arrefecer os arroubos inquisitoriais da oposição? 2) A convocação da CPI será mantida?


15 comentários

  1. jobalo
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 10:27 hs

    E bem caracteristico deste governo nefasto do sr lula, esconder , esconder , cada vez mais a sujeira destes 7 anos de maior sujeira nunca visto na historia do brasil, parafraseando o sr lula, pode ser que alguem tenha roubado menos , ou igual porem mais que este governo ( do lula) nunca jamais na historia deste pais.

  2. Silvano Andrade
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 10:38 hs

    Somando estes quatros…deve ter umas 20 aposentadorias acumuladas…

    O mais “santo” é o jucá.

  3. Divanir
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 11:07 hs

    Seria comico se não fosse trágico, bem típico de Lula, esconder toda sujeira, pois se Dilma vencer as eleições de 2010, serão mais quatro anos de mentiras e roubalheira. Como pode um povo ser cégo, será por ignorância, ou por acomodação? Um governo que para se defender de acusações atacam governos anteriores, para as próximas eleições não podemos comparar as realizações, mas os candidatos, seus passados, pois não podemos deixar assumir o país baderneiros e quadrilheiros.

  4. ildo baldo
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 11:26 hs

    O QUADRADO DE IPOCRESIA
    MILHONARIOS E SINICOS E SEM ESCRUPULOS NEMUM

  5. porrete de lapacho
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 12:31 hs

    caro sílvio ANDRADE.
    LEVE ESSE CORRUPTO E VIOLENTO E BANDIDO JUCÁ, P/ SUA CASA, PESQUISE A VIDA DELE E OPINE,, CERTO??

  6. jose
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 12:32 hs

    tá silvano, mas e o assunto em pauta? E a bancoop? Do que o pt tem medo?

    E aposentadoria por aposentadoria o lula também tem uma por ter ficado 30 dias “hopedado” pelo romeu tuma, aquela mesma da farsa da greve de fome dele…

  7. Chupa Cabra
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 12:57 hs

    Esses que quase vendero o Brasil, graças ao Lula o Brasil voltou ter respeito, Fora Demo-Tucanalhas!!!

    em tempo o Romero tem crédito, mas os outros fora!!!

  8. salete cesconeto de arruda
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 16:48 hs

    Acho que seria bom CONVOCAR todos os tesoureiros envolvidos com MENSALÃO – incluindo aí o do PSDB e o do DEM. Sairia mais barato. Seria tudo mais rápido. E o Brasil merece explicação de como o segundo mandato foi negociado no tapetão e qual a razão do Serra ter dito:
    COMPRE UM CARECA E LEVE DOIS!

  9. Austragésilo
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 17:26 hs

    Que vergonha. Esses partidos, incluindo-se o PSDB, estão se nivelando por baixo. Todos, pelo jeito, com telhado de vidro. E assim, o Congresso Nacional vai se tornando a casa da mãe-joana.Foi um dia a Casa do Povo!
    É preciso renovar aquela casta e parafraseando Roberto Requião, àqueles do Senado da República estão – tambám! – se “fingindo de porco pra mamar deitado…” Enquanto o povo “Ó!”

  10. jose
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 17:52 hs

    Ao chupa cabra, segue um trecho retirado da página do pstu, registrado em 2005:

    ” Os trambiques do recém empossado ministro da Previdência, Romero Jucá (PMDB) também vêm ocupando as páginas dos jornais do país. E o cardápio de denúncias é farto. Com pouco mais de duas semanas no cargo, o ex-senador é acusado de intermediar a liberação de recursos do Ministério da Saúde para a cidade de Cantá (RR) entre 1999 e 2000. Uma interceptação telefônica teria registrado o envolvimento do ministro na cobrança de propina: “Não esqueça a parte do senador”, dizia o prefeito da cidade na gravação.

    Outra denúncia afirma que a empresa Frangonorte, de Jucá, recebeu R$ 18 milhões em empréstimo, com recursos públicos do Banco da Amazônia, e que não foram pagos posteriormente. O problema, no entanto, foi quando o banco resolveu executar as sete fazendas oferecidas por Jucá e descobriu que elas simplesmente não existiam.”

    É este o cara que vc dá crédito?

  11. jose
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 17:54 hs

    Salete, concordo com vc, convocar todos, aliás o azeredo já está sendo denunciado e o arruda tá preso, porque só o pt tem medo de deixar os seus falarem?

  12. jose
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 17:56 hs

    Segue a matéria completa, o link é: http://www.pstu.org.br/nacional_materia.asp?id=3364&ida=2

    Caso Jucá: os escândalos que Lula sabia

    Jeferson Choma
    da redação do Opinião Socialista
    Outros textos deste(a) autor(a)

    • Escândalos de corrupção não são uma mera exclusividade de Henrique Meirelles. Os trambiques do recém empossado ministro da Previdência, Romero Jucá (PMDB) também vêm ocupando as páginas dos jornais do país. E o cardápio de denúncias é farto. Com pouco mais de duas semanas no cargo, o ex-senador é acusado de intermediar a liberação de recursos do Ministério da Saúde para a cidade de Cantá (RR) entre 1999 e 2000. Uma interceptação telefônica teria registrado o envolvimento do ministro na cobrança de propina: “Não esqueça a parte do senador”, dizia o prefeito da cidade na gravação.

    Outra denúncia afirma que a empresa Frangonorte, de Jucá, recebeu R$ 18 milhões em empréstimo, com recursos públicos do Banco da Amazônia, e que não foram pagos posteriormente. O problema, no entanto, foi quando o banco resolveu executar as sete fazendas oferecidas por Jucá e descobriu que elas simplesmente não existiam.

    Jucá também é acusado por favorecer a exploração de madeireiras em reservas indígenas no Mato Grosso e em Rondônia, na época que presidia a Funai. Por esse crime, ele chegou até a ser denunciado pelo Ministério Público, contudo, o processo foi arquivado.

    Quem defende?
    O presidente Lula chamou o PMDB à responsabilidade de defender Jucá das acusações. Mas, pelo que aparenta, o PMDB não está nada disposto a enfrentar esse desgaste. Cabe lembrar que Jucá não foi indicado de forma unânime pelo seu partido. Sua indicação para o loteamento ministerial foi obra de Renan Calheiros, presidente do Senado. Outros setores do PMDB, ligados a José Sarney, Orestes Quércia e Antony Garotinho, não têm a menor responsabilidade sobre a indicação e, portanto, não irão defender Jucá. Pelo contrário, deixarão o ministro continuar fritando. Diante desse fato, a equipe do Planalto preparou uma série de orientações para ele se desvencilhar das acusações. Jucá se reuniu com o ministro das Comunicações do governo, Luiz Gushiken, com o presidente Lula e com a Coordenação Política do governo, para traçar um plano de defesa contra as acusações.

    Na reunião, Lula disse que “confia no ministro”, mas que era preciso que Jucá abafe as acusações mostrando as ações “positivas” na Previdência. Quer dizer, abandoado por seus pares peemedebistas, restou a Lula tentar, como fez com Meirelles, livrar a cara de Jucá.

    Aproximação do PMDB
    A saída de Jucá seria mais um duro golpe ao governo do PT. Os escândalos de corrupção contra Jucá são de longa data e também é produto do rescaldo político das reforma ministerial. Lula sabia de acusações levadas a público, sabia que Jucá era corrupto, pois recebeu um longo dossiê sobre os trambiques do ex-senador. Mas o tempo corria contra o governo, a pressa em recompor a base governista no Congresso falava mais alto e Jucá foi nomeado.

    Agora, além de tentar salvá-lo, Lula se aproxima do PMDB numa tentativa desesperada de se reeleger em 2006. Passos já foram dados nesse sentido quando Lula resolveu compartilhar com Rosinha Garotinho a intervenção na saúde do Rio de Janeiro e, mais recentemente, na reunião que fez com o histórico fisiológico Orestes Quércia.

    Se os conchavos seguirem adiante é bem certo que o governo faça um novo loteamento. Resta a pergunta: quantos mais Jucás vêm por aí?

  13. quarta-feira, 24 de março de 2010 – 18:20 hs

    M E D O !!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  14. Silvano Andrade
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 22:16 hs

    Poxa!!!

    coloquei o jucá entre aspas, e o pessoal me detona..

    O jucá é o mais periculoso e danoso à sociedade brasileira….

    Os outros três são “ANJELICOS”

    Um grande abraço, José.

  15. Paulo Junior
    quarta-feira, 24 de março de 2010 – 23:22 hs

    Todos os indicadores demonstram a competência do presidente Lula, pois nesses 7 anos de governo, não tenho dúvidas que o Brasil avançou 21. Não retroceder com os doadores do Brasil, digo Serras e Tucanadas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*