Justiça abre ação contra ex-procurador e mais 6 por envolvimento com o mensalão | Fábio Campana

Justiça abre ação contra ex-procurador e mais 6 por envolvimento com o mensalão

Jus Brasil Notícias

O juiz Roberto Dantes Schuman de Paula, da 3ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, aceitou a denúncia apresentada pelo Ministério Público contra o ex-procurador da Fazenda Nacional, Glênio Sabbad Guedes, e mais seis pessoas por envolvimento no esquema do mensalão. Dentre os acusados, que agora passam a ser réus, está o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, que também responde ao processo que corre no STF (Supremo Tribunal Federal).

Segundo o MPF, Guedes recebeu dinheiro do chamado “valerioduto” para favorecer bancos ligados ao suposto esquema de pagamento de propina a parlamentares, como o BMG e o Banco Rural. O ex-procurador teria sido responsável por manipular os pareceres e as decisões no CRSFN (Conselho de Recurso dos Sistema Financeiro Nacional), conhecido como “Conselhinho” -segunda instância de fiscalização administrativa, vindo após as decisões do BC (Banco Central) e a CVM (Comissão de Valores Mobiliárias).

Ao receber a denúncia, o juiz Roberto de Paula considerou que estão presentes na acusação indícios suficientes de autoria e materialidade dos crimes. Além de Glênio Guedes, também responderão processo seus pais e sua mulher.

As suspeitas contra o procurador surgiram com a descoberta de um aumento vertiginoso de seu patrimônio e de seus familiares. Ele foi demitido da função pública após processo disciplinar aberto na Corregedoria-Geral da Advocacia da União.

“Há dados sigilosos que não podem ser divulgados, mas podemos dizer que o benefício individual de alguns dos acusados passou de R$ 1,5 milhão, e que as decisões favoráveis aos bancos ligados ao mensalão fez com que cerca de R$ 10 milhões não entrassem nos cofres públicos, cancelando, também, sanções pessoalmente aplicadas aos diretores e gestores das instituições”, afirmou o procurador Antonio do Passo Cabral, autor da denúncia.

Marcos Valério e seus sócios Rogério Lanza Tolentino e José Roberto Moreira de Mello são acusados pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa e tráfico de influência.


2 comentários

  1. OSSOBUCO
    sexta-feira, 19 de março de 2010 – 19:17 hs

    Ciro Gomes: Isso tem a ver com a minha vida, a gente prometia decência e tivemos de testemunhar escândalos vergonhosos no período FHC.
    março 17th, 2010 by mariafro

    Não conhecia este programa do Sócrates, sempre soube do seu bom futebol e que ele faz parte do raro núcleo de jogadores politizados, foi uma grata surpresa vê-lo entrevistar Ciro Gomes e ouvir suas críticas pertinentes e contextualizadas.

    A entrevista é bastante equilibrada e Ciro consegue sintetizar com clareza o movimento patológico que cresce no país desde que Lula foi eleito e que se amplia com a o crescimento de Dilma nas pesquisas de intenções de voto para as eleições 2010.

    Destaco um trecho:

    “Isso tem a ver com a minha vida eu rompi com o PSDB, porque a gente prometia decência e tivemos de testemunhar durante o período Fernando Henrique escândalos vergonhosos. Nós prometíamos compromisso nacional e tivemos de ver o Brasil ser vendido para o estrangeiro e mandado pelo Fundo Monetário etc. Nós prometíamos solidariedade social e vimos o desemprego explodir e o salário mínimo ser aviltado, as epidemias medievais voltarem a grassar as grandes cidades brasileiras e a violência tomar o espaço da tranquilidade da família brasileira.”

    Ciro Gomes apresenta-se maduro e centrado, sem santificar aliados ou demonizar adversários, explicando suas táticas no jogo político e ideológico da política brasileira dos últimos 25 anos. Taí, ele me parece um candidato excelente para governar São Paulo.

  2. VASSALOS
    sexta-feira, 19 de março de 2010 – 19:37 hs

    VIVA O REINO UNIDO DA PATAGONIA, em vespera deeleiçao volta a mexer, com os politicos, para que eles repartam os frutos de seus dignos trabalho, com a digna classe de advogados. Porque prenderam,ARRUDA agora da azar.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*