Dilma diz que tesoureiro da sua campanha não será do PT | Fábio Campana

Dilma diz que tesoureiro da sua campanha não será do PT

Da Agência Brasil

A ministra-chefe da Casa Civil e pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, praticamente descartou a possibilidade de o tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, ser o responsável pelas finanças de sua campanha.

Ela afirmou que a tendência é manter a estratégia adotada pelo partido em 2006 de separar as duas tesourarias.


6 comentários

  1. A A CASAGRANDE
    terça-feira, 9 de março de 2010 – 15:13 hs

    ACREDITO QUE DEVE HAVER UM MANUAL DO PT PARA ENFRENTAR ESTAS SITUAÇÕES NELE DEVE DIZER :
    1 NÃO SEI O QUE ESTA FALANDO
    2 NÃO SEI DE NADA
    3 NÃO VI ,
    4 NÃO CONHEÇO
    5 OS CULPADOS SERÃO PENALIZADOS
    6 A CULPA É DO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
    E A DONA DILMA APRENDEU RAPIDO

  2. RST
    terça-feira, 9 de março de 2010 – 15:47 hs

    A Direita parte para o ataque. Não podemos deixar a Min. Dilma se eleger.

    O “risco Dilma”
    Convictos da imposição pelo presente governo de uma visão de mundo hegemônica e de um único conjunto de valores, que estaria lentamente sedimentando-se no país pelas ações do Presidente Lula, os debatedores do Fórum Democracia e Liberdade de Expressão apresentaram aos cerca de 180 presentes e aos internautas que acompanharam o evento pela rede mundial de computadores os riscos de uma eventual eleição de Dilma Rousseff. A análise é simples: ao contrário de Lula, que possui uma “autonomia bonapartista” em relação ao PT, a sustentação de Dilma depende fundamentalmente do Partido dos Trabalhadores. E isso, por si só, já representa um perigo para a democracia e a liberdade de expressão no Brasil.

    “O que está na cabeça de quem pode assumir em definitivo o poder no país é um patrimonialismo de Estado. Lula, com seu temperamento conciliador, teve o mérito real de manter os bolcheviques e jacobinos fora do poder. Mas conheço a cabeça de comunistas, fui do PC, e isso não muda, é feito pedra. O perigo é que a cabeça deste novo patrimonialismo de estado acha que a sociedade não merece confiança. Se sentem realmente superiores a nós, donos de uma linha justa, com direito de dominar e corrigir a sociedade segundo seus direitos ideológicos”, afirma o cineasta e comentarista da Rede Globo, Arnaldo Jabor. “Minha preocupação é que se o próximo governo for da Dilma, será uma infiltração infinitas de formigas neste país. Quem vai mandar no país é o Zé Dirceu e o Vaccarezza. A questão é como impedir politicamente o pensamento de uma velha esquerda que não deveria mais existir no mundo”, alerta Jabor.

    Para Denis Rosenfield, ao contrário de Lula, que ganhou as eleições fazendo um movimento para o centro do espectro político, Dilma e o PT radicalizaram o discurso por intermédio do debate de idéias em torno do Programa Nacional de Direitos Humanos 3, lançado pelo governo no final do ano passado. “Observamos no Brasil tendências cada vez maiores de cerceamento da liberdade de expressão. Além do CFJ e da Ancinav, tem a Conferência Nacional de Comunicação, o PNDH-3 e a Conferência de Cultura. Então o projeto é claro. Só não vê coerência quem não quer”, afirma. “Se muitas das intenções do PT não foram realizadas não foi por ausência de vontades, mas por ausência de condições, sobretudo porque a mídia é atuante”, admite.

    Hora de reagir
    E foi essa atuação consistente que o Instituto Millenium cobrou da imprensa brasileira. Sair da abstração literária e partir para o ataque.
    “Se o Serra ganhasse, faríamos uma festa em termos das liberdades. Seria ruim para os fumantes, mas mudaria muito em relação à liberdade de expressão. Mas a perspectiva é que a Dilma vença”, alertou Demétrio Magnoli.

    “Então o perigo maior que nos ronda é ficar abstratos enquanto os outros são objetivos e obstinados, furando nossa resistência. A classe, o grupo e as pessoas ligadas à imprensa têm que ter uma atitude ofensiva e não defensiva. Temos que combater os indícios, que estão todos aí. O mundo hoje é de muita liberdade de expressão, inclusive tecnológica, e isso provoca revolta nos velhos esquerdistas. Por isso tem que haver um trabalho a priori contra isso, uma atitude de precaução. Senão isso se esvai. Nossa atitude tem que ser agressiva”, disse Jabor, convocando os presentes para a guerra ideológica.

    “Na hora em que a imprensa decidir e passar a defender os valores que são da democracia, da economia de mercado e do individualismo, e que não se vai dar trela para quem quer a solapar, começaremos a mudar uma certa cultura”, prevê Reinaldo Azevedo.

  3. ZEZÃO
    terça-feira, 9 de março de 2010 – 15:55 hs

    O TESOUREIRO DA CAMPANHA DA DILMA NÃO VAI SER UM LADRÃO, HOJE, NOTÓRIO, VAI SER UM NOVO LADRÃO A SER NOTÓRIO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  4. Borduna
    terça-feira, 9 de março de 2010 – 16:42 hs

    É importante manter os Delúbios da PTzada longe do caixa. Boa Dilma. Depois do Lulismo virá o Dilmismo. Ela vai ganhar em primeiro turno, mas sempre mantendo o pessoal do partido longe da tesouraria, se não, inventam um novo mensalão logo, logo……

  5. terça-feira, 9 de março de 2010 – 19:13 hs

    Vacca ri deve ter lembrado do que aconteceu com Celso Daniel e já tá caindo fora. Mas o que adianta, ellles colocam outro do esquemão.

  6. Vigilante do Portão
    terça-feira, 9 de março de 2010 – 20:29 hs

    Para com isso RST, então a Dilma sempre defendeu esses valores que vc. quer que a imprensa defenda?

    Não delira. Quando foi que a “thurma” defendeu a “ECONOMIA DE MERCADO”?

    ‘DEMOCRACIA” – Será que foi isso que a Dilma, Zé Dirceu e Cia. foram aprender em Cuba?

    Talvez o grande público não saiba que o PT recebeu muita grana da “DEMOCRÁTICA” URSS.

    Lembrando que, tanto em Cuba como na antiga URSS, os meios de cumunicação sempre estiveram nas mãos do Estado, NÃO HÁ IMPRENSA LIVRE. Possivelmente é isso que os “companheiros” querem implantar aqui no Brasil. Várias tentativas de colocar cabresto nos jornais e naTelevisão, já foram ensaiadas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*