Comitê de Dilma terá tesoureiro próprio, não o do PT | Fábio Campana

Comitê de Dilma terá tesoureiro próprio, não o do PT

Do Blog do Josias de Souza

Abalroado pelo escândalo da Bancoop, João Vaccari Neto, o tesoureiro do PT, será mantido à distância das arcas da campanha de Dilma Rousseff.

A decisão de dotar o comitê de Dilma de tesoureiro próprio já estava tomada. A conversão de Vaccari em ‘gestor-problema’ apenas a tonificou.

Vaccari era, até a semana passada, presidente da Bancoop, a cooperativa habitacional dos bancários de São Paulo.

Desligou-se da função para segurar a chave dos cofres do PT. Na última sexta (5), teve a quebra de seu sigilo bancário requerida.

À frente de uma investigação aberta há tres anos, o promotor José Carlos Blat, do Ministério Público de São Paulo, deseja apalpar as contas de Vaccari.

Blat associa Vaccari a malfeitos que, segundo diz, converteram a Bancoop numa “organização criminosa cuja função principal é captar recursos para o caixa dois do PT”.

Levado às páginas de Veja, Vaccari defendeu-se numa nota: “Nunca houve nenhum tipo de acusação contra mim e não respondo a nenhum processo, civil ou criminal”.

A Bancoop também cuidou de divulgar na web uma manifestação. Anota que a reportagem da revista “tem nítida finalidade política”.

Acrescenta que a publicação “se explica pela previsão de instalação […] de CPI sobre a Bancoop na Assembléia Legislativa de São Paulo”.

Coisa “requerida, ainda em 2008, pela bancada de deputados do PSDB”. Ou seja, a Bancoop insinua que o tucanato de José Serra estaria por trás da denúncia.

Enquanto Dilma dá expediente na Casa Civil e comitê eleitoral dela não tem existência formal, Vaccari cuida da cozinha financeira.

No momento, negocia o aluguel do imóvel que servirá de sede para o futuro guartel-general da candidata.

O PT já tem inclusive um local em vista. Fica num prédio do Setor Comercial Sul de Brasília.

Uma edificação ligada pela garagem, no subsolo, ao edifício onde funciona a sede do partido.

Vaccari é mantido à distância, porém, da sala de jantar da campanha. Ali, quem mexe os talheres é Antonio Palocci (PT-SP), deputado e ex-ministro da Fazenda.

Em refeições reservadas, Palocci faz os contatos que visam conectar a campanha de Dilma às caixas registradoras do empresariado.


10 comentários

  1. LÉO
    segunda-feira, 8 de março de 2010 – 9:44 hs

    A T E N Ç Ã O

    “É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade.
    Por cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber.
    O governo não pode dar para alguém aquilo que não tira de outro alguém.
    Quando metade da população entende a idéia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.
    É impossível multiplicar riqueza dividindo-a.”

  2. Desespero Tucano
    segunda-feira, 8 de março de 2010 – 9:49 hs

    Sangria de Serra põe tucanos e mídia em estado de alerta
    07
    Mar
    2010

    “Ainda que tarde a anunciar publicamente sua candidatura à Presidência da República, o governador José Serra (PSDB-SP) segue em movimentação, junto a seu partido, para viabilizar uma campanha competitiva contra a ministra da Casa Civil e pré-candidata petista, Dilma Rousseff. Não faltam temores entre os aliados serristas, que já admitem Dilma como favorita na disputa para suceder o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

  3. VLemainski - Cascavel
    segunda-feira, 8 de março de 2010 – 10:11 hs

    Leo:
    Parabéns pelo comentário.
    Os carrapatos já estão deixando a vaca em dificuldade. São tantos…

  4. Salvador
    segunda-feira, 8 de março de 2010 – 10:54 hs

    Notem que a informação se resume a: MP – através de promotor que ja foi filiado ao PSDB – pediu a quebra do sigilo do Maccari. Mas como doutras vezes. Ja o condenamos. Feio!!!!

  5. Don Quixote
    segunda-feira, 8 de março de 2010 – 12:17 hs

    DISTANTE DA CAMPANHA DA DILMA ?

    ME ENGANA QUE EU GOSTO.

    ESTES FIGURÕES DO PT, QUANTO MAIS “DISTANTES” FICAM, MAIS PERTO ELES ESTÃO. MIREM-SE NO EXEMPLO DO ZÉ DIRCEU, DO GUCHIKEN, DO GENUÍNO, E ” ESSE ” AÍ, É OUTRO QUE VAI TAMBÉM VAI FICAR “DISTANTE” PARA FAZER MAIS CONFUSÕE $ $ $ $ POR AÍ.

    “DISTANTE” É MELHOR, NUNGUÉM VE.

  6. segunda-feira, 8 de março de 2010 – 12:39 hs

    Mais uma mentira dos tralhas. Essa mentira é para encobrir os desvios de $$$$$ para as campanhas do desgoverno petista.
    Vaca ri e o povo paga a conta.

  7. jose
    segunda-feira, 8 de março de 2010 – 13:56 hs

    Salvador, o mesmo já foi feito pelo pt anteriormente, lembra do procurador luis francisco? Pois é, o pt condenava todos os que ele mencionava…

    Mas que neste angu tem caroço, isto tem; o tal do vaccari tem muito a nos contar, com certeza.

  8. Cada vez
    segunda-feira, 8 de março de 2010 – 17:14 hs

    Conselheiro de Itaipu ao lado de paulo Bernardo e Jorge Sameki o Vaccari não está nem aí com a cocada preta?

  9. Mario
    terça-feira, 9 de março de 2010 – 7:38 hs

    Segunda-feira, 8 de março de 2010 às 19:04
    Secom contesta interpretação da Folha sobre pesquisas

    A Secom divulgou nota hoje (ver aqui) mostrando que, ao contrário do que foi publicado na edição de hoje da Folha de S. Paulo, as pesquisas contratadas no ano passado e divulgadas em 25 de fevereiro no site da Secretaria (ver aqui) são para avaliar o conhecimento e a comunicação de mais de 30 políticas públicas ou programas. Tais como: “Bolsa Família, Samu, Farmácia Popular, Ensino Técnico, PAC, Pronaf, Luz para Todos, Reuni, PDE, salário mínimo, Projovem, Olimpíadas, Rede Pública de Saúde, Proinfo, Habitação, aumento do piso previdenciário, Pré-sal, Gripe A H1N1, preservação do meio ambiente, desmatamento na Amazônia, Olimpíadas 2016, Copa do Mundo 2014, dentre outras que podem ser observadas nos relatórios de pesquisa”.

    Como é possível verificar, a grande maioria desses programas não é associada à ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. A repórter pinçou algumas pesquisas qualitativas de avaliação de campanhas publicitárias, como do PAC e do Minha Casa Minha Vida, para tirar a absurda conclusão de que tais levantamentos contribuem “para a tática de Dilma”.
    Os roteiros dessas pesquisas também estão publicados no site da Secom. A simples leitura desses roteiros mostra que o objetivo dessas pesquisas é conhecer a percepção dos entrevistados sobre as campanhas de divulgação, a lembrança que se tem delas e a avaliação das peças publicitárias. O objetivo dessas avaliações, que são feitas por grandes anunciantes dos setores público e privado, é fazer os devidos ajustes para comunicar melhor as mensagens nas campanhas publicitárias seguintes.

    Já no relatório de análise dos grupos de discussão pode-se verificar que a avaliação positiva da campanha do PAC é majoritária, ao contrário do que tenta induzir a Folha ao mencionar apenas a frase de um participante que sugere um viés eleitoreiro. Duas páginas antes da frase pinçada para referendar a tese do jornal há uma pessoa da mesma cidade (Recife) e mesma classe social (A/B), que compreende o PAC de forma diferente, o que a Folha sonega ao seu leitor:

    Existe um programa, o PAC, que é a aceleração do crescimento com investimento no saneamento, habitação e estradas (Classe A/B – Recife).

    Não precisaria muito esforço para conseguir outras frases de contraponto à reproduzida na Folha. Elas estão espalhadas por todo o relatório. Aqui estão alguns exemplos:

    1) O comercial deixa claro o PAC. Programa de aceleração do crescimento. (Classe A/B – São Paulo).

    2) Que o Governo Federal está investindo em obras (Classe C/D – Brasília).

    3) O governo está buscando saídas. (Classe C/D – Goiania).

    4) O governo vai gerenciar os recursos para que o programa dê certo (Classe C/D – São Paulo).

    5) O governo está melhorando a vida das pessoas (Classe C/D – Brasília).

    6) Firmeza do governo, trabalhando pelo povo (Classe C/D – Recife).

    7) Uma diferença do governo Lula para os outros anteriores: é que alguma coisa a gente vê, nos outros a gente não via (Classe A/B – Fortaleza).

    8) Vai gerar mais empregos. Está mudando a infra–estrutura. (Classe C/D – Brasília).

    9) Geração de empregos, desenvolvimento do país (Classe A/B – Belém).

    10) Acredito na propaganda. Acredito no Lula (Classe C/D – Recife).

    11) Nós já estamos vendo as obras, as coisas acontecendo (Classe C/D – Recife).

  10. Francisco Leão de Freitas
    quinta-feira, 22 de abril de 2010 – 13:38 hs

    Caros, estimaria conhecer as políticas da Dilma com relação aos fundos de pensão das estatais, em particular da CAPEF; é que ainda hoje, após medidas açodadas e truculentas de governos anteriores, os aposentados pagam a “cunha” de 23% ao fundo, embora o fundo se mostrando superavitário – eu diria que isso não existe ou não é para existir

    Outra política é a relativa aos contenciosos para com os funcionários ou ex-funcionários; malhar em ferro frio, engavetar negociações, é buscar problema para si mesmo, para a estatal e para o País, pois existem contenciosos com ganhos de causa de há mais de 4 anos. Isso é descabido. Isso é nonsense.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*