A jogada de Requião | Fábio Campana

A jogada de Requião

Há quem vislumbre um largo gesto de tolerância na política paranaense, pelo qual se tentaria conciliar Deus e o Diabo, água e fogo, mel e fel, a caterva de Requião e a ascendente turma de Beto Richa.

Deixa-se enganar. Certas experiências são simplesmente irrealizáveis, com exceção dos agridoces da cozinha chinesa e o molho de spaghetti do Jaime Lechinski.

O objetivo do consenso que procura salvar a caterva de Requião não é ideológico. A democracia não está em jogo. Por trás do movimento há interesses políticos e econômicos de grupos e facções que se recusam a perder o controle da situação.

Para essa gente que sobrevive no poder desde os anos 80 do século passado, pouco importa as posições que cada qual defendeu no passado. Reencontram-se na esquina do poder e ali querem ficar. Se depender dos arautos da morte da ideologia e dos papagaios que propagam o anúncio, a manobra dá certo.

Requião pensa em si mesmo e na parentela que perde a sinecura, as mordomias, as benesses com que se habituou nos últimos sete anos. Pensa na possibilidade de garantir uma reserva de influência e chances de negócios para a famiglia. A eleição de senador, se confirmada, não garantirá nada disso.

A melhor jogada do clã Requião era Álvaro Dias, que prometia o céu e o seu amor também. Ora, pois, o tucanato nativo não entrou nessa e confirmou sua preferência por Beto Richa, que parece disposto a aceitar todos os apoios pessoais ou de partidos, venham de onde venham, mas não se mostra aberto a um acordo com Requião e seu time.

Ora, pois, não há mal que sempre dure e desta vez espera-se que o mal não sobreviva no próximo período na forma de metástase. É a esperança dos paranaenses que sonham com o fim deste ciclo bolivariano chinfrim que já muito dura.


4 comentários

  1. alexandre
    sexta-feira, 19 de março de 2010 – 12:33 hs

    Esse possível acordo, ou como diz o título, essa jogada do Requião, se deve apenas aos interesses da caterva do Requião, ou também aos interesses nunca revelados da galerinha do Beto Richa. Desculpem-me, mas acordos sempre tem dois lado. É uma caterva se juntando a outra.

  2. FILET MIGNON
    sexta-feira, 19 de março de 2010 – 12:45 hs

    PARA QUEM JÁ FEZ COLIGAÇÃO ATÉ COM satanás….
    Este comportamento é até “comportado”!

  3. antonio carlos
    sexta-feira, 19 de março de 2010 – 14:27 hs

    Mas por quê tais grupos econômicos vão largar tão facimente a teta? É só se acumpliciarem com os que vem depois. Só não se dá jeito para a morte, o resto é tudo uma questão de cifras. Simples assim. Estes grupos econômicos, que não querem ver seus interesses contrariados, nunca fizeram parte da caterva do governador. Fizeram outras coisas, mas ainda não sabemos de quanto são, mas vão saber. Trata-se de uma questão de tempo. O pessoal que compõe a caterva está procurando uma sinecurazinha, nada mais. Como a escolinha vai acabar, correm seríissimo risco de ficar sem ter o que fazer, e sem receber. ACarlos

  4. VASSALOS
    sexta-feira, 19 de março de 2010 – 17:25 hs

    MIMHA GENTE, VAMOS RESPEITAR O ANCIAO, DIGO REQUIAO, ele pelo amor ao povo do parana, quer ser senador da republica, porem nao sabe o que e MAMONA, confundido, com aqueles jovens que morrerm no acidente de aviao emSPAULO, entende de LEITAO,
    MAIS NAO SABE PORQUE cabrito CAGA REDONDO, vamos dar lhe uma justa aponsentadoria.
    Para que o mesmo possa desfrutar das polpudas aposentadorias conseguidas com os seus ardos trabalhos, nesses longos anos de vida publica,o parana lhe deve muito,pelo progresso , conseguido pelos esforçosde REQUIAO.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*