Zé Dirceu recebe pelo esforço para reativar Telebrás | Fábio Campana

Zé Dirceu recebe pelo esforço para reativar Telebrás

Marcio Aith e Julio Wiziack na Folha de São Paulo

O ex-ministro José Dirceu recebeu pelo menos R$ 620 mil do principal grupo empresarial privado que será beneficiado caso a Telebrás seja reativada, como promete o governo.

O dinheiro foi pago entre 2007 e 2009 por Nelson dos Santos, dono da Star Overseas Ventures, companhia sediada nas Ilhas Virgens Britânicas, paraíso fiscal no Caribe. Dirceu não quis comentar, e Santos declarou que o dinheiro pago não foi para “lobby”.

Tanto a trajetória da Star Overseas quanto a decisão de Santos de contratar Dirceu, deputado cassado e réu no processo que investiga o mensalão, expõem a atuação de uma rede de interesses privados junto ao governo paralelamente ao discurso oficial do fortalecimento estatal do setor.

De sucata a ouro

Em 2005, a “offshore” de Santos comprou, por R$ 1, participação em uma empresa brasileira praticamente falida chamada Eletronet. Com a reativação da Telebrás, Santos poderá sair do negócio com cerca de R$ 200 milhões.

Constituída como estatal, no início da decada de 90, a Eletronet ganhou sócio privado em março de 1999, quando 51% de seu capital passou para a americana AES. Os 49% restantes ficaram nas mãos do governo. Em 2003, a Eletronet pediu autofalência porque seu modelo de negócio não resistiu à competição das teles privatizadas.

Resultado: o valor de seu principal ativo, uma rede de 16 mil quilômetros de cabos de fibra óptica interligando 18 Estados, não cobria as dívidas, estimadas em R$ 800 milhões.

Diante da falência, a AES vendeu sua participação para uma empresa canadense, a Contem Canada, que, por sua vez, revendeu metade desse ativo para Nelson dos Santos, da Star Overseas, transformando-o em sócio do Estado dentro da empresa falida.

A princípio, o negócio de Santos não fez sentido aos integrantes do setor. Afinal, ele pagou R$ 1 para supostamente assumir, ao lado do Estado, R$ 800 milhões em dívidas.

Em novembro de 2007, oito meses depois da contratação de Dirceu por Santos, o governo passou a fazer anúncios e a tomar decisões que transformaram a sucata falimentar da Eletronet em ouro. Isso porque, pelo plano do governo, a reativação da Telebrás deverá ser feita justamente por meio da estrutura de fibras ópticas da Eletronet.
Outro ponto que espanta os observadores desse processo é que o governo decidiu arcar sozinho, sem nenhuma contrapartida de Santos, com a caução judicial necessária para resgatar a rede de fibras ópticas, hoje em poder dos credores.

Até o momento, Santos entrou com R$ 1 na companhia e pretende sair dela com a parte boa, sem as dívidas. Advogados envolvidos nesse processo estimam que, com a recuperação da Telebrás, ele ganhe cerca de R$ 200 milhões.

Um sinal disso aparece no blog de José Dirceu: “Do ponto de vista econômico, faz sentido o governo defender a reincorporação, pela Eletrobrás, dos ativos da Eletronet, uma rede de 16 mil quilômetros de fibras ópticas, joint venture entre a norte-americana AES e a Lightpar, uma associação de empresas elétricas da Eletrobrás”.
O ex-ministro não mencionou o nome de seu cliente nem sua ligação comercial com o caso. O primeiro post de Dirceu no blog se deu no mês de sua contratação por Santos, março de 2007.

O texto mais recente do ex-ministro sobre o assunto saiu no jornal “Brasil Econômico”, do qual é colunista, em 4 de fevereiro passado.

O presidente Lula manifestou-se publicamente sobre o caso em discurso no Rio de Janeiro, em julho de 2009: “Nós estamos brigando há cinco anos para tomar conta da Eletronet, que é uma empresa pública que foi privatizada, que faliu, e que estamos querendo pegar de volta”, disse na ocasião.

Lula não mencionou que, para isso, terá de entrar em acordo com as sócias privadas da Eletronet, entre elas a Star Overseas, de Nelson dos Santos, que contratou os serviços de Dirceu.

Enquanto o governo não define de que forma a Eletronet será utilizada pela Telebrás, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) conduz uma investigação para apurar se investidores tiveram acesso a informações privilegiadas.

Como a Folha revelou, entre 31 de dezembro de 2002 e 8 de fevereiro de 2010, as ações da Telebrás foram as que mais subiram, 35.000%, contando juros e dividendos, segundo a consultoria Economática.


24 comentários

  1. Alessandro
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 11:46 hs

    José Dirceu, o midas brasileiro. Mas o ouro é nosso e o seu nome técnico é erário.
    Essa é a moral de todo comunista no poder (no caso, com imensa influência nele).
    Querem uma população inteira ganhando cenzão por mês (bolsa miséria) e uma elite de imbecis, amigos do rei (tardado), ganhando salários de juiz sem fazer lhufas.
    Um bando de ASPONES, falando em “Justiça Social”, “Distribuição de Renda” e outras baboseiras, sem perceber que o câncer do país são eles mesmos.
    Acho que vou tomar um antiácido.

  2. VLemainski - Cascavel
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 11:58 hs

    O PT ultimamente fala muito em estatizar, em tornar o estado forte. Será, por acaso, este o motivo?
    Será esta a fórmula petista de e$$$$tatizar?!….

  3. Guardalupe
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 12:01 hs

    Qual o percentual, 1.3% ou 13%?

  4. terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 12:23 hs

    E aí PTISTAS ? Sumiram do post ? Será até receber novas falas de mentiras para plantar aqií ? Vão esperar deitados pois aquí a erva daninha(PT) não cresce.

  5. Altair
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 12:46 hs

    As ações da Telebrás valorizaram 35.000% (trinta e cinco mil, isso mesmo) só no governo Lula. Alguém ganhou muito dinheiro nisso… isso não cheira bem.

  6. CHICO 1
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 13:18 hs

    Alguém ainda se surpreende com a “capacidade” dessa gente?

  7. ZEZÃO
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 13:30 hs

    ESSA TEM SIDO A PRÁTICA DO PT, CRIAR CARGOS COMISSIONADOS, SEM CONCURSO PARA O LUMPESINATO (BAIXO CLERO DO PARTIDO) E FAZER NEGOCIATAS COM O TESOURO PÚBLICO, ENRIQUECENDO OS CACIQUES.

  8. CAÇADOR DE PETISTAS
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 13:44 hs

    AI ESTA O RETORNO DOS QUADRILHEIROS QUE APOIAM A CANDIDATA ABAIXO.

    BELO CURRICULUM O DELA, VAMOS RELEMBRAR

    Dilma Var-Palmares – Crimes praticados

    Em dois artigos de Reinaldo Avezedo sobre a candidata de Luís Inácio: “DILMA, O DOCUMENTO QUE ELA DIZ SER FALSO E O “CRIME DE ORGANIZAÇÃO” e “AS PRIMEIRAS LÁGRIMAS ELEITORAIS DE DILMA ROUSSEFF”, algumas de suas mentiras são evidenciadas.

    ***

    Dilma – contradições e mentiras:

    ***

    “O meu caso não é de ação armada. …”; O meu caso foi de crime de organização e de opinião.”. No entanto, ela mesma disse numa entrevista de 2003: “Eu e a Celeste entramos com um balde; eu me lembro bem do balde porque tinha munição. As armas, nós enrolamos em um cobertor. Levamos tudo para a pensão e colocamos embaixo da cama. Era tanta coisa que a cama ficava alta. … Tinha metralhadora, tinha bomba plástica. Como hoje ela tem coragem de dizer que não participou de ação armada? Isso foi o quê, então? Teria sido… opinião armada?

    ***

    Comentário de Reinaldo Avezedo: Quando foi presa, Dilma pertencia à VAR-Palmares, um grupo dedicado a ações terroristas. A ministra tem um jeito estranho de contar a história, justificando por que foi presa: “O meu caso não é de ação armada. O meu caso foi de crime de organização e de opinião”. Epa! “Organização” de quê? De chá das cinco? O que é que a VAR-Palmares “organizava”?

    ***

    “Naquela época se torturava, se matou, se prendeu” (…)” disse Dilma, criticando atos criminosos contra terroristas. Porém, seu grupo Var-Palmares cometeu diversos assassinatos como veremos abaixo alguns deles. Então, Reinaldo Azevedo pergunta: “… seus aliados eram mais respeitáveis do que os adversários? Ou seja, apenas os crimes de seus aliados eram aceitáveis?

    ***

    Alguns crimes cometidos pelo grupo de que participava de Dilma Roussef:

    ***

    01/07/68 – A execução de Edward Ernest Tito Otto Maximilian Von Westernhagen, major do Exército alemão (na verdade, morto pela Colina, grupo que depois ajudou a formar a VAR-Palmares. Em 1968, Dilma era do Colina);

    ***

    12/10/68 – Execução de Charles Rodney Chandler, capitão do Exército dos EUA.

    ***

    31/03/1969 – assassinato do comerciante Manoel da Silva Dutra, durante assalto ao Banco Andrade Arnaud, no Rio. Carlos Minc estava no grupo.

    ***

    11/07/69 – Assassinato de Cidelino Palmeiras do Nascimento, motorista de táxi (conduzia policiais em seu carro), decorrência do assalto ao Banco Aliança. ***

    18/07/1969 – Roubo do “Cofre do Adhemar”. O dinheiro nunca apareceu.

    ***

    24/07/69 – O assassinato do soldado da PM-SP Aparecido dos Santos Oliveira, decorrência de um assalto a uma agência do Bradesco, de que a VAR-Palmares fez parte.

    ***

    22/10/71 – Assassinato de José do Amaral, suboficial da reserva da Marinha;

    ***

    05/02/72 – Assassinato de David A. Cuthberg, marinheiro inglês, de 19 anos, que visitava o Brasil com sua fragata. Quatro membros da VAR-Palmares estavam entre os executores. Crime do rapaz: seu uniforme representava o imperialismo inglês…Não é preciso justificar tortura e ditadura para reconhecer que o que vai acima é uma lista de crimes.

    ***

    Agora cabe a nós conversar com a maior parte possível de pessoas e falar sobre o passado de Dilma. Vamos apresentá-la aos eleitores antes das eleições de 2010.

    E ai Saletinha ocê ainda vota nela?

    ACORDA PETEZADA

  9. claudemir
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 13:56 hs

    ESSE HOMEM E UM PERIGO PARA O POVO BRASILEIRO MAS O PT PEDIU PARA ELE VOLTAR E VOLTOU ???????

  10. Wilson
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 14:02 hs

    O “general” …
    Este é o pomposo tratamento que o PT dá ao Zé Dirceu e este mesmo com o escândalo dos “mensalões” e a consequente perda de mandato e os processos correndo na Justiça nunca se afastou do comando do jogo político e econômico do governo.

    Embora tenham colocado um “biombo” no gabinete da presidência para escondê-lo do público continua despachando no mesmo, pois nunca deixou de ser o poderoso “primeiro ministro”!

    Fora a questão de impor posições ao jogo econômico do governo foi quem lançou a Dilma é ele o principal artífice na retirada de candidaturas petistas para resolver conflitos regionais entre o PT e os outros partidos.

    Ele é que “é o cara”!

  11. Antonio Moreira
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 15:23 hs

    Ô partido sem moral este PT, um quer passar o golpe no governo do estado, outro levou dinheiro de empresários telebrás, imaginem o que a gente não sabe hem , é brincadeira.

  12. Divanir
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 16:53 hs

    Com este currículo de Dilma Roulssef, cade a Salete Cesconeto?, que puxa tanto o saco dela.

  13. Folha "Força Serra" São Paulo?
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 16:57 hs

    Do Blog Tijolaço.

    Postagem do Deputado Brizola Neto( a figura a quele se refere,no texto,está no post original):

    http://www.tijolaco.com/?p=9569

    Telebras. Investigar, sim. Fazer o jogo das teles, não
    terça-feira, 23 fevereiro, 2010 às 12:07

    Alguns dias atrás alertei aqui que o jogo em relação à Telebras ia ficar pesado. Há interesses e dinheiro demais em jogo para que não fosse assim. A denúncia da Folha de S. Paulo sobre uma ligação entre o ex-ministro José Dirceu e um empresário que comprou parte da falida Eletronet e seus direitos sobre a rede pública de fibras óticas intaladas nas torres de transmissão de energia é parte deste jogo.

    Sai no jornal e já vem oDeputado Paulo Bornhausen, líder do DEM, pedindo CPI. Este deputado, você lembra, fez dias atrás um discurso em que defendia que o negócio da banda larga fosse entregue às teles. E disse. com todas as letras, que o contrário, que o controle da interconexão fosse pública, era um “risco Dilma”.

    Está na cara que este é um jogo para evitar que o Estado assuma o controle da rede de interconexão e crie concorrência de verdade na distribuição domiciliar da banda larga. A banda larga é, a médio prazo, entre outras coisas, o fim do serviço de telefonia.

    O fim, portanto, da mina de ouro.

    Veja no quadro os preços cobrados pela Cox, operadora de TV a cabo nos Estados Unidos, e que possui uma moderna infraestrutura de banda larga, segundo publicou o site especializado Teleco.com.br. Comare com o que você paga por sua conexão e lembre que lá a velocidade de conexão declarada não é uma peça de ficção, como é aqui. Estou trabalhando com uma conexão de 1 Mb e quando ela atinge um décimo disso, 100 kbps, já faço festa.

    O monopólio da internet vale para as teles muito, muito mais do que a gente consegue imaginar.

    Não conheco os detalhes da operação de compra destas ações pelo empresário Nelson dos Santos, em 2005, quando a Eletronet, dona formal da rede de fibras óticas, estava falida e só tinha dívidas. Mas que coisa estranaha que ela só apareça agora, quatro anos depois. É preciso dimensionar bem o que cada coisa é nesse embrulho, que começou quando Fernando Henrique privatizou a Eletronet, entregando 51% da empresa à americana AES, a mesma que comprou parte da Cesp e da Cemig, em torca de dinheiro que “ia botar” nas empresas e não botou.

    Não tenho relações de qualquer espécie com o senhor José Dirceu. E já disse diversas vezes que sua saída do Governo foi benéfica a Lula. Não acho, porém, verossímil que alguém vá receber por um negócio escuso em parcelas de R$ 20 mil, entre março de 2007 e outubro de 2009, com nota fiscal e por depósito bancário.

    Claro que tudo deve ser muito bem esclarecido. Mas esta história está com o mesmo cheiro da tal CPI da Petrobras, que em vão tentou deter o processo de renacionalização do petróleo do pré-sal.
    Responder

  14. Divanir
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 17:03 hs

    Em pensar que Lula em entrevista naq TV disse que vão reativar a Telebras, para que?. Será que precisam de mais cabides de empregos?. Este país é uma vergonha, o PT não é contra o privatização e sim contra o corte de cabides de empregos.
    Valeu CAÇADOR DE PETISTA, pela coragem de lançar o currículo de Dilma.
    José Dirceu, se tivesse vergonha na cara sumiria do país, e o brasileiro que apoia este tipo de crápula, teve se envergonhar.

  15. Zangado
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 17:26 hs

    O sujeito da foto era um petista até bem falante e um certo crédito, sempre com o mesmo terno; depois passou a comissário do mensalão, prepotente e dissimulado, agora é comissionado de negociações duvidosas … progrediu o sujeito, até passou a usar óculos escuros …

  16. Folha defende a banda estreita
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 18:12 hs

    “Risco Dilma” é para teles e os banda-estreita do DEM
    Do blog tijolaço

    Para quem não quiser embarcar na balela de que a direita é boazinha e democrática quando se trata de defender aposentados, recomendo a leitura do discurso que fez hoje o deputado Paulo Borhausen, líder dos Democratas (?), atacando a política de universalização e barateamento do acesso à internet com a intervenção do Estado, recriando a Telebras para interconectar o país com fibra ótica.

    Leia só estes trechos:

    O SR. PAULO BORNHAUSEN – Presidente, gostaria de solicitar o tempo de Liderança, por favor.

    O SR. PRESIDENTE (Michel Temer) – Pois não, tem a palavra. Deputado Paulo Bornhausen, como Líder.

    O SR. PAULO BORNHAUSEN (DEM-SC) – (…)Sras. e Srs. Deputados, nada justifica a reestatização, a recriação, o ressurgimento da TELEBRÁS — muito menos por um decreto. Nem a Lei o permite.

    O Congresso Nacional, quando consultado — ao editar a Lei Geral das Telecomunicações, a LGT — optou pela desestatização paulatina do setor, cabendo ao Executivo, segundo o ritmo por ele adotado, proceder à desestatização. Logo, não cabe ao Poder Executivo, sem anuência do Congresso Nacional, reverter o fluxo natural do processo.

    Insiste a Ministra Dilma Rousseff, através de seus porta-vozes, que a recriação da TELEBRÁS é fundamental para o Plano Nacional de Banda Larga, em discussão na Casa Civil da Presidência da República.(…)

    Falam muito os militantes do PT de Dilma sobre o risco Serra em referência a possíveis mudanças nos fundamentos econômicos do País.

    Eles esquecem, por conveniência, que esses fundamentos foram definidos pelo Governo anterior, do mesmo PSDB do Governo de São Paulo e líder nacional José Serra.

    Mas o que deve preocupar o País é o Risco Dilma. Ressuscitar a TELEBRAS está no mesmo contexto ideológico que gerou o Plano Nacional dos Direitos humanos, ou o Estatuto da Administração Pública, ou o documento base do programa do Governo de Dilma Rousseff — do provável, se assim for eleito pelo povo — , recentemente divulgado pelo seu coordenador Marco Aurélio Garcia, que não vai acontecer.

    Está no mesmo contexto da ideia de se criar o Conselho da Política Externa, documento também recentemente divulgado e onde constam elogios explícitos aos governos da Venezuela e de Cuba.

    São os fundamentos da democracia que são ameaçados pelo Risco Dilma.

    Se o atual Governo deseja realmente universalizar o acesso à banda larga, as operadoras farão isso com muito mais competência, sem a criação de mais gastos públicos, ou a criação de cargos para acomodar companheiros.(…)

    É importante, neste ano de 2010, posicionarmo-nos aqui contra essa movimentação. Não é possível deixar que se faça isso; não é possível que nós, da Oposição, não digamos nada a respeito do assunto. Estamos aqui para combater esse que é um retrocesso, um atraso. Ninguém acredita que seja possível o Governo instalar a banda larga na casa das pessoas a preços módicos.(…)

    Portanto, Sr. Presidente, recriar a TELEBRÁS é um retrocesso descomunal, vai contra a eficiência e a favor dos gastos e da ingerência do Governo, que, como sabemos, se confunde com os interesses do Partido dos Trabalhadores, partido do Governo. Isso é mais um problema em um ano eleitoral e um grande risco para o País, o risco Dilma.

  17. Guardalupe
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 18:20 hs

    Eu gostaria de saber quem foi o “brasileiro” que deu consultoria ao Morales, quando esse trancou as valvulas do gasoduto Bolivia-Brasil?

  18. Austragésilo
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 19:27 hs

    Esse Zé Direu está em tudo e em todas às jogadas da República, hein!? O cara parece coringa e está sempre disponível para trabalhar nas sombras do poder. Quer dizer que só nesse caso (ou seria arranjo?) faturou a bagatela de R$ 620 mil.
    Agora quem paga essa quantia para alguém com a ficha corrida do Zezinho, sabe do que ele é capaz e de sua força junto às cercanías do poder planaltino…
    Esse jogo dos petistas cumpanhêros é bem conhecido: um levanta a bola (no caso o Zé) para o outro, que atende pelo nome de Inácio chutar sem dó nem piedade. Resultado: essa dinheirama toda vai sair do bolso do contribuinte. Esse mesmo contribunte do QUAL OS PETISTAS NÃO CONSEGUEM VIVER SEM ELES e com às mãos em seus bolsos.
    A contrapartida para o cidadão-eleitor e incauto da periferia, não é uma melhor qualidade de vida com serviços públicos de melhor qualidade. MAS uma BOLSA FAMÍLIA – que não passa de 100 mangos – por mês e se dê por satisfeitos!
    É o estilo socialista populista e quase bolivariano do PT de tantas artemanhas…

  19. Vigilante do Portao
    terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 – 21:51 hs

    Essa turma da esquerda, eles não eram contra o capitalismo?
    Aprenderam rápido a cobrar uma comissão, bem coisa do capitalismo. KKK
    Propina tem nos dois regimes.
    O DEM mandou embora os mensaleiros, já o PT, bem, o PT deu até cargo de direção aos marginais. KKK
    Honestidade é assim.

  20. jose
    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010 – 0:35 hs

    Do blog do josias:

    Dirceu: ‘Não tenho impedimento para dar consultoria’

    Escreveu sobre a reativação da Telebras e sobre os benefício$ proporcionados a um de seus clientes pela ressurreição da estatal.

    Desde o título, Dirceu investe contra o jornal que trouxe à luz a transação: “Folha joga sujo para atacar plano de banda larga do governo e me atingir”. Disse ter sido “surpreendido” com a manchete do jornal –“Nova Telebras beneficia cliente de Dirceu”.

    O neoconsultor Dirceu havia sido procutado na véspera. Recebera informações prévias acerca do conteúdo da notícia. Supresa não houve. Acha que a reportagem foi “preparada sob encomenda”. De quem? Não diz. Para quê? Dois objetivos, segundo ele:

    1. “Atacar o PNBL (Plano Nacional de Banda Larga) do governo federal”.

    2. “Levantar suspeitas sobre minha participação em uma disputa que corre na Justiça do Rio, entre os credores da empresa Eletronet, seus sócios privados e o governo, pelo controle do ativo de 16 mil km de fibras ópticas”.

    A notícia comentada por Dirceu não contém ataques ao PNBL. Suspeitas? Se existem, decorrem da movimentação de Dirceu, não da reportagem que a revelou. Dirceu escreveu:

    “Exista ou não o PNBL e a reorganização da Telebrás, os credores, os proprietários da Eletronet e o governo federal terão que responder pelos passivos e ativos da Eletronet. E cada um poderá ser prejudicado ou beneficiado”.

    Verdade. Mas o que chama a atenção é o fato de o cliente do neoconsultor Dirceu figurar no rol dos que poderão ser beneficados. Chama-se Nelson dos Santos. Empresário, é sócio da Eletronet, dona dos 16 mil km de fibras ópticas que a “nova” Telebras pretende utilizar.

    O deputado cassado, agora na pele de consultor, realça: “Já existe liminar favorável ao governo”. Concedeu-a a Justiça do Rio. Determina “a reintegração de posse de parte dos ativos da Eletronet (as fibras ‘apagadas’ ou não utilizadas atualmente) a empresas do grupo Eletrobrás”.

    E daí? “Sugerir que minha atuação na consultoria que dei sobre rumos da economia na América Latina tenha algo a ver com uma possível decisão que não cabe ao governo, mas ao Poder Judiciário, é uma ilação descabida e irresponsável do jornal”.

    Procurado na véspera, Dirceu recusara-se até mesmo a confirmar a consultoria. Manandara dizer, por meio da assessoria: “Se, por ventura, o ex-ministro tivesse dado consultoria ao sr. Nelson dos Santos, não poderia confirmar, por cláusula de confidencialidade, comum a contratos de consultoria”.

    Agora, pelo menos já admite o que já não é possível negar. Alvissáras! Não fala do valor recebido: R$ 620 mil. Mas, em homenagem ao bom senso, não nega a cifra. Diz ter provido ao seu cliente dados sobre “os rumos da economia na América Latina”. Curioso, muito curioso, curiosíssimo!

    Nessa matéria, decerto há em São Paulo consultores bem mais preparados do que Dirceu para vender conhecimentos. Mas Dirceu pede à platéia que acredite no seguinte: Nelson dos Santos achegou-se a ele atrás de luzes sobre a economia da América Latina.

    Ao bater à porta da Consultoria JD, o empresário nem de longe pretendeu valer-se do prestígio do dono da empresa junto ao governo do PT para encurtar distâncias. Afinal, como escreve Dirceu, a decisão é da Justiça. Bem verdade que, não houvesse a intenção de reativar a Telebras, teria tomado distância da encrenca. Porém…

    Porém, imaginar-se que Dirceu possa ter tido algum tipo de influência nos rumos do negócio “é uma ilação descabida e irresponsável do jornal”.

    Dirceu reclama: Acusam-me “de estar por trás da criação da Telebrás e, pior, favorecendo uma empresa privada para a qual dei consultoria legal e registrada em contrato…”

    “…Saí do governo há quase cinco anos. Não tenho impedimento para dar consultorias e não há nada que me ligue a qualquer intervenção ou ação do Executivo federal…”

    “…Os responsáveis pela ação judicial e pelo PNBL são testemunhas de minha não participação ou intervenção na definição da política da União”.

    Se alguém “acusa” Dirceu são os fatos, não a notícia que os iluminou. Se favoreceu ou não o seu cliente, é algo que precisa ser esclarecido.

    De fato, não está impedido de prestar “consultoria legal”. Mas seria ingênuo se imaginasse que não causariam estranheza suas relações com cliente tão vivamente interessado em decisões emanadas do governo.

    Dirceu informa, de resto, que nada há de estranho no fato de ter escrito sobre o tema –Eletronete, fibras ópticas e etc.—em testos que levara ao blog e a um jornal a que serve como articulista.

    “Como em todas as questões importantes do país, manifesto minha posição publicamente em meu blog ou na imprensa”. Beleza. Mas por que diabos omitiu o fato de que prestava consultoria a um empresário interessado na coi$a?

    Afora as explicações de Dirceu, também a Advocacia-Geral da União divulgou uma nota sobre a notícia incômoda. Não cita Dirceu. Mas esgrime argumentos semelhantes aos dele.

    A certa altura, o texto da AGU anota: “Eventual reativação da Telebrás não vai gerar receitas ou direitos de crédito para a massa falida da Eletronet […]”.

    Nelson dos Santos, o cliente de Dirceu, pensa de outro modo: Acha que os sócios privados da Eletronet (ele incluído) têm direitos sobre o futuro que se abre na empresa.

    Por quê? “A rede de fibras ópticas, mesmo após a falência, nunca deixou de funcionar, em regime de continuidade de negócios, tendo sido permanente a manutenção”.

  21. quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010 – 2:37 hs

    Só existe um jeito nesse país…eliminar tais cidadãos da vida pública….

    Quantas pessoas essa turma de assaltantes mataram….agora estão roubando de novo…e o caso do Prefeito assassinado em SP….será que não seria o mandante!!!!!

    O páis está nas mãos dessa corja….volta DOI/CODI, volta CCC…volta Esquadrão da Morte…..vamos voltar!

  22. salete cesconeto de arruda
    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010 – 3:23 hs

    Medianos medíocres se BORRAM de medo de uma mulher chamada Dilma.Medianos medíocres se escondem atrás de CODINOMES. para praticaremm seus crimes via internet. Escrevem cartas anônimas em tempos de DEMOCRACIA. Acham que são superiores a uma mulher que lhes deu o direito, junto com outros que também lutaram contra a ditadura, de estarem em espaços como este do Fábio.
    FÁBIO QUE ASSINA SEU NOME COMPLETO!
    Freud explica o comportamento bizarro de quem não assina o nome em coisas que escreve ou cola texto de outros para parecer intelectual. sem mencionar o nome do autor.
    SÃO PESSOAS COM MEDO DE SEREM FELIZES!
    Só isso.

  23. OSSOBUCO
    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010 – 8:43 hs

    Nova denúncia da Folha é desmentida pelo Estadão

    Veja em que lamaçal se meteu a Folha.

    Aqui, um resumo. Na sequência, a descrição.

    1. Ontem matéria do notório Márcio Aith denunciou que a decisão do governo de recuperar a rede de fibras óticas da Eletronet – massa falida administrada pela Justiça do Rio – permitiria a Nelson Santos, ex-acionista, receber R$ 200 milhões. E relacionava essa operação com a consultoria que lhe foi prestada por José Dirceu.

    2. Os fatos foram amplamente desmentidos no decorrer do dia. Mostrou-se que seria impossível qualquer pagamento a Nelson, já que o governo retomou a rede de fibras óticas da empresa e as pendências remanescentes são com os credores, não com os ex-acionistas.

    Hoje, o notório Aith volta ao tema, não toca mais no assunto Nelson Santos. Substituiu o escândalo anterior por um novo: a operação, na verdade, destinava-se a permitir a Oi, em conluio com o governo, assumir a rede da Eletronet.

    É outro factóide desmentido pelos fatos: o governo quer que a Telebras se incumba da rede de banda larga, contrariando os interesses das operadoras. Quais os dados objetivos que fundamentam a acusação de Aith? Nenhum. Ou melhor, uma tentativa da Oi de negociar com os credores da Eletronet. E que não deu certo, porque, segundo a OI, chegou-se a um «impasse comercial».

    3. Aí a reportagem do Estadão driblou o controle do aquário e mostrou a razão do impasse comercial: a tentativa da OI foi vetada pela Eletrobras, controlada pelo governo. Com isso, impediu-se a OI de assumir a empresa e o Nelson de embolsar R$ 70 milhões.

  24. Austragésilo
    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010 – 17:14 hs

    Salete Cesconeto de Arruda está sofrendo de miolo mole. Se acha no direito de descer o sarrafo nos comentaristas do artigo acima, e prova que não conhece nada de história política. A verdadeira.
    Aquela turma da esquerda delirante da época não fizeram absolutamente nada pela democraia do país. Todo o trabalho empreendido por eles foi, tão somente, com o objetivo – na época – de implantar o comunismo cubano no Brasil. Isso é fato. O resto é historinha pra boi dormir…
    Como eles não conseguiram, hoje posam de senhores da democracia. Democracia que pisotearam, usurparam. A democracia deles para a época, é a mesma que o Chavez pratica hoje e que colocou o país na lona e o pobre na miséria.
    Portanto, Salete, todo cuidado é pouco, né?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*