O PT e os aliados, segundo Ciro Gomes | Fábio Campana

O PT e os aliados, segundo Ciro Gomes

“O PT trata seus aliados como força subalterna, como chiqueiro de ovelha.”

Frase do Deputado Ciro Gomes, do PSB do Ceará


13 comentários

  1. Vigilante do Portão
    domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 8:04 hs

    Não é chiqueiro de ovelhas não, é de suinos mesmo e o Ciro é o leitãozinho de estimação. KKK

  2. TUCANO BICO ROXO
    domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 9:42 hs

    Alkmim, aconselhado pelos “marketeiros de plantão” evitou na campanha passada o debate sobre a privatização e foi derrotado. O PT, apossou-se dos resultados da privatização – que desemperou a atividade estatal e produtiva deste pais – e hoje quer posar para o eleitorado como o autor desta façanha, assim como se apropriou do Bolsa Escola para transforma-lo em Bolsa Familia.
    Mas o grande programa petista o FOME ZERO, continua no ZERO, e o pior os indices sociais de educação e saude tambem despenaram.
    O que o PT e o LULA, sabem f\er mesmo e ninguem os supera nisso é MENTIR, INVENTAR, FALSEAR DADOS E COMPRAR APOIOS COMO DO MENSALÃO e agora aliciar candidatos e partidos como se assiste todo dia com o uso dos recursos e da máquina publica.

    Bom ler o artigo do FHC, de hoje, na gazeta, que colo aqui, para que os PeTralhas, contestem. Mas venham com numeros, com dados e não com o velho e manjado discurso do “neoliberalismo” ou do entreguismo.
    Respondam!

    “””””Artigo do FHC, na Gazeta do Povo, de hoje: – O presidente Lula passa por momentos de euforia que o levam a inventar inimigos e enunciar inverdades. Para ganhar sua guerra imaginária distorce o ocorrido no governo do antecessor, autoglorifica-se na comparação e sugere que se a oposição ganhar será o caos. Por trás dessas bravatas está o personalismo e o fantasma da intolerância: só eu e os meus somos capazes de tanta glória. Houve quem dissesse “o Estado sou eu”. Lula dirá, o Brasil sou eu! Ecos de um autoritarismo mais chegado à direita.

    Lamento que Lula se deixe contaminar por impulsos tão toscos e perigosos. Ele possui méritos de sobra para defender a candidatura que queira. Deu passos adiante no que fora plantado por seus antecessores. Para que, então, baixar o nível da política à dissimulação e à mentira?

    A estratégia do petismo-lulista é simples: desconstruir o inimigo principal, o PSDB e FHC (muita honra para um pobre marquês…). Por que seríamos o inimigo principal? Porque podemos ganhar as eleições. Como desconstruír o inimigo? Negando o que de bom foi feito e apossando-se de tudo que dele herdaram como se deles sempre tivesse sido. Onde está a política mais consciente e benéfica para todos? No ralo.

    Na campanha haverá um mote – o governo do PSDB foi “neoliberal”– e dois alvos principais: a privatização das estatais e a suposta inação na área social. Os dados dizem outra coisa. Mas, os dados, ora os dados… O que conta é repetir a versão conveniente. Há três semanas Lula disse que recebeu um governo estagnado, sem plano de desenvolvimento. Esqueceu-se da estabilidade da moeda, da lei de responsabilidade fiscal, da recuperação do BNDES, da modernização da Petrobras, que triplicou a produção depois do fim do monopólio e, premida pela competição e beneficiada pela flexibilidade, chegou à descoberta do pré-sal. Esqueceu-se do fortalecimento do Banco do Brasil, capitalizado com mais de R$ 6 bilhões e, junto com a Caixa Econômica, libertados da politicagem e recuperados para a execução de políticas de Estado. Esqueceu-se dos investimentos do programa Avança Brasil, que, com menos alarde e mais eficiência que o PAC, permitiu concluir um número maior de obras essenciais ao país. Esqueceu-se dos ganhos que a privatização do sistema Telebrás trouxe para o povo brasileiro, com a democratização do acesso à internet e aos celulares, do fato de que a Vale privatizada paga mais impostos ao governo do que este jamais recebeu em dividendos quando a empresa era estatal, de que a Embraer, hoje orgulho nacional, só pôde dar o salto que deu depois de privatizada, de que essas empresas continuam em mãos brasileiras, gerando empregos e desenvolvimento no país.

    Esqueceu-se de que o país pagou um custo alto por anos de “bravata” do PT e dele próprio. Esqueceu-se de sua responsabilidade e de seu partido pelo temor que tomou conta dos mercados em 2002, quando fomos obrigados a pedir socorro ao FMI – com aval de Lula, diga-se – para que houvesse um colchão de reservas no início do governo seguinte. Esqueceu-se de que foi esse temor que atiçou a inflação e levou seu governo a elevar o superávit primário e os juros às nuvens em 2003, para comprar a confiança dos mercados, mesmo que à custa de tudo que haviam pregado, ele e seu partido, nos anos anteriores.

    Os exemplos são inúmeros para desmontar o espantalho petista sobre o suposto “neoliberalismo” peessedebista. Alguns vêm do próprio campo petista. Vejam o que disse o atual presidente do partido, José Eduardo Dutra, ex-presidente da Petrobras, citado por Adriano Pires, no Brasil Econômico de 13/1/2010.

    “Se eu voltar ao parlamento e tiver uma emenda propondo a situação anterior (monopólio), voto contra. Quando foi quebrado o monopólio, a Petrobrás produzia 600 mil barris por dia e tinha 6 milhões de barris de reservas. Dez anos depois produz 1,8 milhão por dia, tem reservas de 13 bilhões. Venceu a realidade, que muitas vezes é bem diferente da idealização que a gente faz dela.”

    O outro alvo da distorção petista refere-se à insensibilidade social de quem só se preocuparia com a economia. Os fatos são diferentes: com o Real, a população pobre diminuiu de 35% para 28% do total. A pobreza continuou caindo, com alguma oscilação, até atingir 18% em 2007, fruto do efeito acumulado de políticas sociais e econômicas, entre elas o aumento do salário mínimo. De 1995 a 2002, houve um aumento real de 47,4%; de 2003 a 2009, de 49,5%. O rendimento médio mensal dos trabalhadores, descontada a inflação, não cresceu espetacularmente no período, salvo entre 1993 e 1997, quando saltou de R$ 800,00 para aproximadamente R$ 1.200,00. Hoje se encontra abaixo do nível alcançado nos anos iniciais do Plano Real.

    Por fim, os programas de transferência direta de renda (hoje Bolsa Família), vendidos como uma exclusividade deste governo. Na verdade, eles começaram em um município (Campinas) e no Distrito Federal, estenderam-se para estados (Goiás) e ganharam abrangência nacional em meu governo. O Bolsa Escola atingiu cerca de 5 milhões de famílias, às quais o governo atual juntou outras 6 milhões, já com o nome de Bolsa Família, englobando em uma só bolsa os programas anteriores.

    É mentira, portanto, dizer que o PSDB “não olhou para o social”. Não apenas olhou como fez e fez muito nessa área: o SUS saiu do papel à realidade; o programa da aids tornou-se referência mundial; viabilizamos os medicamentos genéricos, sem temor às multinacionais; as equipes de Saúde da Família, pouco mais de 300 em 1994, tornaram-se mais de 16 mil em 2002; o programa “Toda Criança na Escola” trouxe para o ensino fundamental quase 100% das crianças de 7 a 14 anos. Foi também no governo do PSDB que se pôs em prática a política que assiste hoje a mais de 3 milhões de idosos e deficientes (em 1996, eram apenas 300 mil).

    Eleições não se ganham com o retrovisor. O eleitor vota em quem confia e lhe abre um horizonte de esperanças. Mas se o lulismo quiser comparar, sem mentir e sem descontextualizar, a briga é boa. Nada a temer.”””

  3. domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 10:10 hs

    Pena que ele somente mostrou parte de sua postura “Collor de Mello e Silva,a vingança”,ele apenas mostrou que seu veneno é poderoso e lento,mata aos poucos,portanto adios Dilma.
    Então o PT somente serviu aos seus interesses temporáriamente,quando ministro,para se lançar a candidato a presidência,e,foi o único político que conseguiu levar o sr.molusco ao hospital.Para isto acontecer imaginem as verdades que ele disse ao sr.molusco,que o derrubou,um golpe baixo ou um golpe bem dado no estômago.
    Lembrem-se, este é o ano da vingança,pelo voto vamos devolver todas as maldades e assaltos praticados a nós povo brasileiro,não se enganem com a embalegem,nesta podem conter venenos bem eficazes contra nós mesmos.
    Não vamos eleger sequer algum parente ou integrante direto da família do Duce,vamos varrer da política deste país,pelo voto,os arrombadores de cuecas ,de meias, de publicitários,deministros e ministra,de sanguessugas,dos homens da toga que se julgam os “deuses”.Vamos varrer os maus deputados estaduais e muito menos os deputados federais,os quais foram eleitos como a pior bancada na câmara federal.
    Povo lembrem-se que URNA NÃO É PINICO faça cagada na privada…

  4. luciano barbosa ferraz
    domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 10:17 hs

    Ciro Gomes está certo.

  5. VLemainski - Cascavel
    domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 10:35 hs

    É o jeito petista de governar. Acham-se a cereja do bolo.

  6. Deivide Coverdeile
    domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 12:27 hs

    Esse discurso do Ciro é sem sombra de dúvidas mais um jogo de cena entre ele e o pt. Quem tem o mínimo de conhecimento político sabe como age esse cidadão.

  7. Kim
    domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 13:13 hs

    Quem é o verdadeiro Ciro Gomes? Desde que ele saiu do PSDB porque não soube administrar o seu Ego , eu venho fazendo essa pergunta.
    Acredito que vai vencer o meu tempo e não terei a resposta. Lobo vestido de cordeiro? Uma caixa de Pandora? Um camaleão? Um oportunista?
    Gente ! vou continuar procurando a resposta, mas se alguem puder ajudar , por favor que se manifeste.

  8. Marcos Pop
    domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 13:26 hs

    Eu gosto do Ciro que ele fala as verdades que todos sabemos, mas de forma contundente e que chama a atenção do país todo!
    Os aliados do PT são apenas pra ganhar a eleição, estão encolhendo no país, a exceção é apenas o PSB do Ciro, que por ter grandes forças no nordeste, tem alguns governos estaduais em suas fileiras. O PMDB por exemplo, comandado por Temmer, Sarnei e cia está na vala comum dos partidos aproveitadores…

  9. Dilmo
    domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 13:29 hs

    Quem é Ciro Gomes, mesmo ? Ainda é marido da Patrícia Pilar ? Se fosse menos egocêntrico e menos falastrão, já tinha conquistado se espaço político ! De que PARTIDO ele é ? PSB, um partido sem cara, sem identidade e sem projeto claro ? Tá bom !!!!!!!!!!!!

  10. Tatiana
    domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 18:31 hs

    Os benefiiários da merreca de bolsas que o digam.

  11. GUARDIÃO NOTURNO
    domingo, 7 de fevereiro de 2010 – 21:20 hs

    QUERO VER A CARA DO CIRO QUANDO O LULA LHE DER O ULTIMATO……….VAI PARA O GOVERNO DE SÃO PAULO…..E OLHE BEM SE FOR VAI LEVAR UMA LAVADA, ESSE É BONECO VENTRILOCO DO LULA, É UM TONTO E FAI SE F…….

  12. segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010 – 11:15 hs

    Fábio, Ciro Gomes é do PSB de São Paulo, ele mudou o domicílio eleitoral recentemente…

  13. jovem brasileiro
    segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010 – 12:35 hs

    O FHC
    JÁ SABIA QUE TINHAM DESCOBERTO O PRÉ SAL E SE APRESOU A VENDER A PETROBRAS COM A CERTEZA QUE SEUS COFRES FALTARIA LUGAR PARA POR DINHEIRO MAS NÂO DEU CERTO A PETROBRAS É DO BRASIL O PRÉ SAL JÁ ESTA SENDO ESPLORADO E O LULA CRESEU COM O POVO BRASILEIRO E AGORA PRO PSDB QUE DESGOVERNOU 8 ANOS SÓ RESTA FAZER CRITICAS PORQUE OUTRA COISA NÂO TEM PARA MOSTRAR
    HA ELES PODEM CHORAR BASTANTE TAMBEM E PODEM USAR USAR O DINHEIRO DAS PRIVATIZAÇÔES PARA COMPRAR LENÇOS PARA ENCHUGARAS LAGRIMAS

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*