Fernanda Richa lamenta a morte de Zilda Arns | Fábio Campana

Fernanda Richa lamenta a morte de Zilda Arns

A presidente da Fundação de Ação Social, Fernanda Richa, lamentou na manhã desta quarta-feira a morte da fundadora e coordenadora da Comissão da Pastoral da Criança e destacou o trabalho de Zilda Arns.

“As ações de Zilda Arns à frente da Pastoral da Criança inspiraram o trabalho de governos, ongs e entidades. Seu ideário rompeu as barreiras das divergências ideológicas”, afirmou Fernanda Richa.

“Muitas das chamadas tecnologias sociais adotadas pela Pastoral, por iniciativa de dona Zilda, foram acolhidas em nossa gestão na FAS no amparo às famílias em situação de vulnerabilidade.”

Zilda Arns sempre acompanhou os programas coordenados pela Fundação de Ação Social (FAS). Doações arrecadadas pela Campanha Doe Calor são repassadas à Pastoral da Criança com frequência.


Zilda Arns nasceu em dia 25 de agosto de 1934, em Forquilhinha, Santa Catarina. Filha de Gabriel Arns e Helena Steiner Arns e irmã de Dom Paulo Evaristo Arns, cardeal arcebispo emérito de São Paulo. Era médica pediatra e sanitarista, fundadora e coordenadora nacional da Pastoral da Criança, ligada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.
Depois de fazer um treinamento na John Hopkins University, nos EUA, ela foi convidada em 1983 pela CNBB e pela Unicef para fazer um trabalho pela sobrevivência infantil, tornando-se coordenadora nacional da Pastoral da Criança.
Desde 1978 recebeu diversas menções especiais e títulos de cidadã honorária. Foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz três vezes seguidas e recebeu 19 prêmios entre 1988 e 2002, entre eles a menção especial pela Unicef-Brasil como personalidade brasileira de destaque no trabalho em prol da saúde da criança; o Prêmio Internacional da Organização Pan-americana de Saúde, em Administração Sanitária, em 1994, e o título de Heroína da Saúde Pública das Américas, em 2002.
A Pastoral da Criança mobilizou e capacitou mais de 240 mil voluntários, que já atuaram em 40.853 mil comunidades em 4.016 municípios. A entidade acompanha hoje quase 95 mil gestantes e mais de 1, 6 milhão de crianças pobres menores de seis anos. Zilda Arns promovia a capacitação dos voluntários e sua transformação em agentes sanitários, trabalhando nas comunidades onde moram


Um comentário

  1. ERNESTO
    quinta-feira, 14 de janeiro de 2010 – 10:13 hs

    TODOS LAMENTAMOS!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*