Brasil pode erradicar pobreza extrema em 2016, diz Ipea | Fábio Campana

Brasil pode erradicar pobreza extrema em 2016, diz Ipea

Agência Brasil

Se o Brasil mantiver o mesmo ritmo de diminuição da pobreza extrema e da desigualdade de renda observados nos últimos cinco anos (2003 a 2008), poderá obter indicadores sociais próximos aos de países desenvolvidos em 2016. Da mesma forma, poderá alcançar uma taxa de pobreza absoluta de 4%.

Os dados, divulgados nesta terça-feira, 12, constam de documento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), vinculado a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. São considerados pobres extremos aqueles que recebem até 25% de um salário mínimo por mês, enquanto os pobres absolutos dispõem mensalmente de até 50% de um salário mínimo.

“Se projetados os melhores desempenhos brasileiros alcançados recentemente em termos de diminuição da pobreza e da desigualdade (período 2003-2008) para o ano de 2016, o resultado seria um quadro social muito positivo. O Brasil pode praticamente superar o problema da pobreza extrema, assim como alcançar uma taxa nacional de pobreza absoluta de apenas 4%, o que significa quase a sua erradicação”, diz o texto do documento.

O documento do Ipea revela a tendência de o País ter em 2016, seguido o ritmo dos últimos cinco anos, a desigualdade da renda do trabalho em 0,488 do índice Gini – coeficiente que varia de 0 a 1, segundo o qual quanto mais próximo do zero, menor é a desigualdade de renda num país e quanto mais próximo de 1, maior a concentração de renda. Em 1960, ano da primeira pesquisa sobre desigualdade no Brasil, verificou-se índice Gini de 0,499 no país. Em 2005, o índice Gini nos Estados Unidos era de 0,46; na Itália, 0,33; e na Dinamarca, 0,24.

Segundo o documento, a maior parte dos avanços atualmente alcançados pelo Brasil no enfrentamento da pobreza e da desigualdade está direta ou indiretamente associada à estruturação das políticas públicas de intervenção social do Estado, motivadas pela Constituição Federal de 1988.

O Ipea aponta ainda outros três fatores decisivos no combate a pobreza e desigualdade: a elevação do gasto social no país, que cresceu de 19% do Produto Interno Bruto (PIB) em 1990 para 21,9% do PIB em 2005; a descentralização da política social, com o aumento do papel do município na implementação das políticas sociais, instância que saltou 53,8% em participação nos gastos sociais no período de 1980 a 2008; e a participação social na formatação e gestão das políticas sociais.

De acordo com o instituto, a consolidação institucional do quadro geral das leis sociais no Brasil seria um passo importante para a manutenção, nos próximos anos, do enfrentamento da pobreza e da desigualdade no país.

“O estabelecimento de uma nova lei que regule a responsabilidade e o compromisso social, com metas, recursos, cronogramas e coordenação, se mostra importante para que o Brasil possa chegar a alcançar indicadores sociais observados atualmente nos países desenvolvidos. Tudo isso, é claro, sem retrocessos em termos de maior participação da sociedade na formatação, monitoramento e controle das políticas públicas”, diz o documento.


13 comentários

  1. Flora Beni
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 14:44 hs

    Se continuar a atual política

    Se continuar o mesmo programa de Governo. Se voltar aquele pessoal que só pensa nos ricos esta projeção vai para 2100.

  2. Rubio
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 14:46 hs

    Dá-lhe Lula. Dilma neles…..

  3. LEO
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 15:05 hs

    SERIA MAIS UMA DO PACOTE DE BONDADES DO GOVERNO ÁS VÉSPERAS DAS ELEIÇÕES????
    ELES PROMETEM TUDO MAS NÃO CUMPREM NADA..E O POVO CONTINUA COM CARA DE PALHAÇO!!!!!!!!!!!!!!!
    SAUDADE DO VERDE OLIVA!!!!!!!

  4. KIm
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 16:42 hs

    Quanta ignorãncia!!! erradicar pobreza com curral eleitoral e como pasto o bolsa….. bolsa…… bolsa…… .
    Quero ver é melhorar o nivel de educação, com mais infra estrutura , com mais emprego, assim é que se erradica a probreza e não criando currais eleitorais.

  5. Maria
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 16:45 hs

    Grande progresso sair da pobreza extrema para a pobreza absoluta. Ou seja, receber ao invés de 25% de um mínimo 50% de um mínimo.
    Fala sério IPEA!!!
    Este País precisa crescer de verdade e se capacitar a que todos recebam ao menos um mínimo.
    Não tem nada de positivo em se contentar com dados medíocres fruto da estagnação.
    Novo ciclo de crescimento já. Serraaaaaaaaaaaaaaaaa

  6. ildo baldo
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 17:34 hs

    MARIA VOCE NÂO ESTA BEM DOS MIOLOS POIS SERRA COM FHC CONSEGUIRO DIMINUIR DA CLASSE MEDIA PARA POBRESA JÁ ESQUESERAM OU NÂO ESTAVAM NO BRASIL NESSA EPOCA SE LIGA MARIA

  7. Plauto
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 19:02 hs

    Motivo pelo qual, 80% do povo brasileiro, aprova o governo Lula, sob coordenação da Dilma!

  8. Xisburgue
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 19:30 hs

    O IPEA do Pochmann?? o Braço estatístico do PT???

    Ah tah, blz de pesquisa.

    Sem contar que a pobreza tá mais caindo por conta do dinheiro que chove do céu, leia-se governo federal, do que pelo grande pogresso tupiniquim.

  9. Mememe
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 20:22 hs

    E pensar que tudo começou com FHC e seu plano Real, que os petistas tanto criticaram…

  10. Flora Beni
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 20:28 hs

    COM A UNILA O PARANÁ TEM 4 UNIVERSIDADES FEDERAIS

    lel, KLM, Maria e tantos críticos do Lula. Antes do Lula, uma Universidade Federal. Com o Lula, que é analfabeto, 4 Universidades Federais, fora as escolas técnicas. Não é uma boa notícia.
    Sabem quantas universidades federais os tucanos letrados criaram? Nenhuma. Pois tucanos acham que conhecimento é só para os ricos.
    Ainda bem que um Pernambucano mudou esta realidade. Consequência! O Brasil está no rumo do desenvolvimento.
    É por isso que hoje eu tenho orgulho de ser brasileiro.

  11. Kim
    terça-feira, 12 de janeiro de 2010 – 22:58 hs

    Flora Beni
    Para seu governo não apoio esse ou aquele partido ou governo, sou um crítico daquilo que vejo e expresso a opinião que acho que pode contribuir para a melhoria desse país.
    Que pena que voce so se orgulha de ser brasileira agora, pois eu me orgulho desde o dia em que nasci e nào vai ser governante que vai me fazer isso ou aquilo.
    Critico esse ou aquele governo por não ver nenhum retorno em infra estrutura ou educação com o imposto de meu suado dinheiro.
    Portanto Flora, não exerça o seu direito de fazer juizo de valor, sem se aprofundar nas questões que o Brasil enfrenta.
    Uma semente para poder dar fruto precisa primeiro ser plantada e com o tempo cada jardineiro que cuida dela continua aquilo que o seu antecessor fazia implenta novos cuidados e deixa o caminho para o próximo,portanto Flora, assim caminha a humanidade. Sem juízo de valor, e com muita esperança em umpaís que não discrmine ricos de pobres, e……..

  12. TORNEIRO MEC. PELO SENAI
    quarta-feira, 13 de janeiro de 2010 – 7:42 hs

    numeros milagrosos e mentirosos do PT.

    BRASIL CRESCIMENTO ZERO 0 NADA, ESTÃO FESTEJANDO O QUE??? O RETROCESSO?? QUEM NÃO PROGRIDE … REGRIDE..

    CHAVES =LULA. ESTÁ TUDO ENCAMINHADO, POVO ENDIVIDADO, FALTA DE INVESTIMENTOS, RACIONAMENTOS, INFLAÇAO DE VOLTA..

    APAGÃO DO LULA, MAIS ESCURO E MAIS DURADOURO…

    ACORDO POVO DE BEM E TRABALHADOR DESSE PAÍS.

    LULA DENIGRE A CLASSE DOS TORNEIROS MECANICOS, POIS JAMAIS CONSEGUIU FABRICAR PEÇA NENHUMA, APENAS GREVES BEBEDEIRAS E BADERNAS. E DEPOIS DE PRESIDENTE, CORRUP/CAO, MENTIRAS, PAGAMENTO P/ IMPRENSA NACIONAL E INTERNACIONAL, ENDEUSA-LO, COMO FEZ O FFUHRER ATRAVÉS DE GOEBBELS.

    QUE DEUS NOS AJUDE A ILUMINAR NOSSO POVO, NA HORA DE VOTAR..

  13. Carlos
    quarta-feira, 13 de janeiro de 2010 – 10:09 hs

    Isto se mantermos o PT no Poder vamos só avançar e diminuir a pobreza,mas se voltar a turma dos Ricos (PSDB,DEM) a pobreza vai aumentar.
    Por isso voto na Dilma para Presidente.
    Fora PSDB.
    Fora Serra.
    Fora Dias.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*