Mercosul bolivariano? | Fábio Campana

Mercosul bolivariano?

Chavez-Lula

Opinião do Estadão

Faltam só dois passos para o presidente Hugo Chávez assumir o comando do Mercosul e transformá-lo em mais um instrumento de suas ambições. Se o plenário do Senado brasileiro aprovar o ingresso da Venezuela no bloco, o Parlamento paraguaio dificilmente deixará de seguir o mesmo caminho.

O chefe das milícias bolivarianas ganhou uma importante batalha na quinta-feira, quando a Comissão de Relações Exteriores do Senado aprovou por 12 votos a 5 a sua participação, com direito a voto e veto, nas deliberações sobre o futuro da união aduaneira criada por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

É este o ponto essencial da questão: trata-se de uma união aduaneira e não de uma zona de livre comércio ou de uma associação baseada em compromissos pouco ambiciosos.

O Mercosul negociou em 2004 um acordo de livre comércio com Venezuela, Equador e Colômbia, posto em vigor em fevereiro de 2005. Esse acordo ampliou as possibilidades de intercâmbio entre empresas brasileiras e venezuelanas. Desde os anos 90 as trocas aumentavam de forma acelerada – e poderão continuar aumentando, sem depender de novos pactos comerciais. Mas uma união aduaneira tem objetivos mais amplos e envolve compromissos mais complexos. Os países-membros dispõem-se a atuar em conjunto em relação a parceiros de fora do bloco. Devem adotar uma tarifa externa comum e negociar em conjunto acordos comerciais com outros países ou blocos. Nem todos os senadores parecem haver entendido esse detalhe. Vários defenderam a admissão da Venezuela argumentando com base na importância de seu comércio com o Brasil. Esse argumento apenas demonstra um notável desconhecimento do assunto.

Ninguém é obrigado, em princípio, a entender de acordos internacionais, mas é um dever elementar buscar informações antes de se pronunciar a respeito de uma questão importante. Os diplomatas têm a obrigação de conhecer todos esses detalhes e alguns altos funcionários do Itamaraty certamente os conhecem. Mas não contribuíram para esclarecer os parlamentares ou, pior que isso, apoiaram com entusiasmo o risco de um Chávez com poder de voto e veto no Mercosul.

Se a adesão da Venezuela for aprovada pelo Senado brasileiro e, em seguida, pelo paraguaio, os próximos acordos comerciais do bloco ficarão sujeitos às pretensões políticas de Chávez e aos critérios do bolivarianismo. O currículo de Chávez, incluídas as suas desastrosas participações em eventos internacionais na América Latina, autoriza todos os temores. Sua incapacidade de reconhecer limites é notória, assim como sua disposição de criar conflitos. Nem é preciso mencionar a costumeira submissão do presidente Luiz Inácio Lula aos desejos do caudilho venezuelano nem, tampouco, os favores feitos por Chávez, com petrodólares, ao casal Kirchner.

A Comissão de Relações Exteriores do Senado aprovou o ingresso da Venezuela no dia 29, uma semana depois de entrar em vigor a nova lei das Forças Armadas venezuelanas. Essa lei reorganiza as milícias bolivarianas. No dia 29, quando se reuniu a comissão do Senado brasileiro, o ministro de Obras da Venezuela anunciou a criação de uma milícia para apoiar a tomada de terrenos destinados a habitações. Governos bem estabelecidos e democráticos não costumam recorrer a grupos armados paralelos para suas políticas. Não há como separar o Estado venezuelano e o governante, quando se discute a ampliação do Mercosul. Ninguém sabe quando Chávez deixará o governo nem qual será seu legado. Só por tolice, ou cinismo, é possível fazer abstração de sua figura, neste caso.

Algumas empresas brasileiras pressionaram os senadores. Têm interesses na Venezuela e fizeram um jogo tão previsível quanto estreito em seus objetivos. A Confederação Nacional da Indústria, com uma perspectiva muito mais ampla, há muito tempo havia mostrado os perigos da admissão da Venezuela de Hugo Chávez. Além disso, os senadores governistas aceitaram, de forma escandalosa, inverter o processo e receber um novo sócio no Mercosul antes do acerto de todas as condições. Nenhum país entra na União Europeia sem um severo vestibular. A Rússia negocia há 19 anos o ingresso na OMC. O presidente Lula e seus companheiros julgam dispensável a mesma seriedade quando se trata do Mercosul e dos interesses brasileiros.


12 comentários

  1. SYLVIO SEBASTIANI
    domingo, 1 de novembro de 2009 – 14:41 hs

    ALERTA POVO BRASILEIRO! MUITO CUIDADO, VAMOS NOS UNIR PARA CUIDAR E ZELAR PELO NOSSO PAÍS.

  2. BISTEKA
    domingo, 1 de novembro de 2009 – 15:15 hs

    Bem que o ex-Presidente Fernando Henrique Cardoso colocou na notícia acima…
    Taí ó!
    A dupla Tô Querendo e Quero Mais…
    Esses dois cachorros loucos foram vacinados?

  3. Sudoeste
    domingo, 1 de novembro de 2009 – 15:45 hs

    Qta ignorancia na notícia!!Deveria ter mais senso crítico!!

  4. ABDALLA
    domingo, 1 de novembro de 2009 – 15:45 hs

    Pelo andar célere da carruagem, a América do Sul, incluindo o Brasil caminha para um bloco comunista-bolivariano sob a liderança de Chaves. Perigo à vista.

    Esse Chaves é um louco.
    -Vai na TV estatal ensinar o povo a tomar banho em três minutos por falta de energia elétrica e água suficiente;
    -faz campanha para o venezuelano se alimentar menos, pela falta de comida;
    -indústria textil em baixa, Chaves pede que reduzam vestimentas;
    -fechou veículos de comunicação da oposição e introduziu censura nas redações, no estilo ditatorial radical.

    Ainda há tempo do Congresso Nacional evitar a condução de Chaves ao comando do Mercosul, apesar da maioria esmagadora da base do presidente Lula.
    Se isso acontecer, mais um passo largo do comunismo-boliviarano, com certeza…

  5. Daniele
    domingo, 1 de novembro de 2009 – 20:19 hs

    O Mercosul é a princípio só um mercado comum e está bastante distante da integração da Comunidade Européia, e mesmo esta tem dificuldades no plano político. Vamos torcer para que o Tratado seja cumprido e que a meta seja só a integração economica. Confio no Serra para a condução adequada!!!

  6. Wilson
    domingo, 1 de novembro de 2009 – 21:58 hs

    Não vejo

  7. Wilson
    domingo, 1 de novembro de 2009 – 22:12 hs

    A entrada da Venezuela no Mercosul não é uma coisa ruim,, muito pelo contrário, pois a nossa relação econômica com este país é muito boa, sendo que o superávit de nossa balança comercial nestas transações comerciais e industriais é maior do que a que temos com os EUA.

    Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, das exportações que o Brasil realizou para a América Latina, a Venezuela foi o principal destino e um dos principais responsáveis pelo superávit brasileiro, nas importações provenientes da América Latina a Venezuela é o quinto principal exportador.

    No período de janeiro a julho de 2009, o comércio com a Venezuela representou 9,9% do saldo comercial brasileiro. As importações da Venezuela são de extrema importância para a economia brasileira, porque possibilitam a diminuição de nossa dependência comercial com os Estados Unidos. A Venezuela representa hoje o maior superávit comercial do Brasil, com U$$ 4,6 bi.

    Está mais do que na hora do gigante Brasil assumir de fato o seu papel político econômico aglutinador nas relações entre os países latinos americanos.

  8. reinolds
    segunda-feira, 2 de novembro de 2009 – 0:35 hs

    LOUCOS não são privilégio do século passado .

    BURROS para aplaudí-los também não .

  9. Agenor
    segunda-feira, 2 de novembro de 2009 – 23:36 hs

    Eis ai o comunismo batendo na porta do Brasil… Se Dilma ganhar, complicou para a democracia no Brasil.

  10. CAÇADOR DE PETISTAS, JESUS???
    terça-feira, 3 de novembro de 2009 – 9:25 hs

    Ai esta a dupla do mal.

    Chaves comparar Lula a Jesus é o maior tapa na cara do Satanas que ja tinha Lulla da Silva como seu seguidor.

    A IGREJA DEVERIA ÚRGENTEMENTE SE manifestar acerca do comentário imoral, de Chaves ao comparar Lulla com Jesus. É uma ofensa aos que crem no cristianismo e na moralidade. Jesus Cristo e os cristãos não merecem tal insulto.

    Da Silva é aencarnação do mal, vejam o que as profecias dizes a respeito:.

    LULA é a besta do apocalipse!!? Veja + detalhes….?

    Em suas Centúrias, Nostradamus escreveu com tanta exatidão que nos faz acreditar que previu o Lula.

    Veja o fragmento de um texto de Nostradamus:

    – “… E próximo do terceiro milênio uma besta barbuda descerá triunfante sobre um condado do hemisfério sul (o Brasil !), espalhando desgraça e a miséria .” (realidade inconteste!).

    – “…Será reconhecido por não possuir seus membros superiores totalmente completos.” (o dedinho !)

    – “…Trará com ele uma horda ( Palocci, Zé Dirceu, Genoíno, etc.) que dominará e exterminará as aves bicudas (os Tucanos !!! – PSDB) e implantará a barbárie por muitas datas (será a re-eleição ???) sobre um povo tolo e leviano.” (somos nós!!!)…

    ACORDA BRASIL
    FORA DITADOR E DEMAGOGO LULA DA SILVA
    FORA GUERRILHEIRA E ASSALTANTE DE BANCO DILMA E DEMAIS PELEGOS DO PT.

  11. Astrinha
    terça-feira, 3 de novembro de 2009 – 10:07 hs

    A repotagem não veicula que o nosso presidente foi levar a notícia pessoalmente ao presidente da Venezuela e que este o chamou de Jesus. Se considerar algumas passagens pontuais da bíblia pode sim chamá-lo por este nome pq o Chavez vive sacaneando o Lula e este último sempre fingindo que não entendeu e segue fazendo concessões. Segue sempre a sua máxima: não ví, não sabia, etc………

  12. Silvano Andrade
    terça-feira, 3 de novembro de 2009 – 14:32 hs

    Superestimam este tal de chavez…este sujeito não tem poder algum…venezuela não passa de uma republiqueta insignificante e sempre será…a única coisa interessante que vem de lá são as Mulheres…belissímas…

    O pessoal que escreve acima, deve enxergar falcão em pardal…

    este caçador de petista deve ter sido um sindicalista frustrado que levou um pé no rabo de seus companheiros de sindicato e saiu com o traseiro quicando na rua…

    caçador de petista hahahahahahahahahahaha…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*