APPA deu prejuízo à Ponta do Félix | Fábio Campana

APPA deu prejuízo à Ponta do Félix

oposicao140709

A audiência pública realizada nesta quarta-feira (18), na Assembléia, com o ex-presidente da Fundação Copel, Edílson Bertoldo, confirmou aos deputados que houve interferência da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA) nas negociações das ações da Previ no Terminal da Ponta do Felix (TPPF) de maneira que a Fundação Copel perdeu o prazo para exercer seu direito de preferência na compra das ações.

Para o líder da Oposição, deputado Élio Rusch (DEM), “o relato de Bertoldo reforçou a suspeita de que foi um negócio nebuloso e que envolveu interesses específicos da própria APPA ou de pessoas ligadas a ela”.

“Parece que o Governo está à procura de um culpado quando percebe-se que foi a ingerência da APPA que atrapalhou o negócio. Foram as ações do próprio governo que inviabilizaram as negociações”, relatou Rusch citando a portaria 08/08 de fevereiro de 2008 em que a APPA proibiu que o Terminal fosse utilizado para embarque de cargas em geral, como fertilizantes, madeira, bobinas de papel e também o cancelamento, por parte do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), da licença ambiental do Terminal. “A APPA já sabia das negociações do Terminal desde 2008, não fez proposta alguma e agora alega que não sabia de nada”.

Segundo Bertoldo, a Fundação Copel não exerceu a preferência na compra das ações da Previ porque não foram oficiados desta determinação do governador e também porque em uma reunião entre a superintendência da APPA e a diretoria da Copel ficou acertado que a APPA faria a proposta para a compra das ações.

“A Fundação Copel sustou as reuniões para discutir esse assunto já que havia sido dada uma solução pelo Governo. A APPA enviou um ofício à Previ e no dia três de novembro se reuniram no Rio de Janeiro para tratar da compra”, afirmou Bertoldo, que disse não saber o que foi discutido nessa reunião.

Funcionamento

O deputado Durval Amaral (DEM) questionou sobre os transtornos causados ao Terminal da Ponta do Félix por causa dos atos da APPA e do IAP e também pela demora na venda das ações da Previ.

Bertoldo afirmou que o prejuízo do Terminal nos anos de 2008 e 2009 é de R$ 12 milhões e que a média de navios, antes de cinco, hoje é de um por mês. Outro problema apontado por ele é a falta de dragagem do canal de acesso ao porto de Antonina.

Ainda segundo Bertoldo, a proibição de movimentação de determinados produtos pelo TPPF gerou prejuízo. “De maneira intempestiva, o Terminal ficou impossibilitado de fazer o embarque dos produtos, tendo que deslocar as mercadorias para outros portos, além de despesas com armadores e multas pela demora no embarque. Foram aproximadamente R$ 5 milhões de prejuízo que atribuo ao órgão regulador, que é a APPA”, declarou.

Triangulação

Em relação ao suposto lobby por parte do ex-presidente da Fundação Copel para favorecer determinado grupo paranaense, Bertoldo disse que agiu pensando nos benefícios dos associados da Fundação, pois segundo ele considerava o negócio mais lucrativo para os fundos de pensão do que aquele que estaria sendo realizado pela Previ. “Se fazer lobby é agir pensando em benefícios para a Fundação Copel, eu fiz”, declarou Bertoldo.

O deputado Reni Pereira (PSB) questionou a dificuldade imposta pela APPA na negociação de 2008, que impediu a venda das ações da Previ para um grupo canadense que investiria mais de R$ 200 milhões na cidade de Antonina e pagaria cerca de R$ 80 milhões pelas ações da Previ. “Um ano depois as ações foram vendidas a outro grupo por apenas R$ 64 milhões. Parabéns ao paranismo”, ironizou.

Entre os documentos apresentados por Bertoldo durante a audiência estão correspondências trocadas entre o então superintendente da APPA, Eduardo Requião, e a diretoria da Equiplan, empresa que comprou as ações da Previ. “Pelos termos das correspondências a superintendência da APPA não admitia mais postergações na venda das ações para a Equiplan”, afirmou. “Em outra correspondência, a Equiplan agradecia o empenho do mesmo Eduardo, já como secretário de Representação do Paraná, em Brasília”, completou Pereira.

Ordem do Governador

O deputado Douglas Fabrício (PPS) quis saber por que não foi cumprida a ordem do governador para que a Fundação Copel comprasse as ações da Previ. De acordo com Bertoldo, a Fundação Copel recebeu uma notificação da Previ para se manifestar sobre o seu direito de preferência na compra das ações ou também para vender as ações da Fundação Copel, se houvesse interesse. Mas, segundo ele, no dia 27 de outubro deste ano ocorreu uma reunião na sede da Copel entre a diretoria da empresa e a Superintendência da APPA em que foi decidido que a APPA iria fazer uma proposta de compra das ações.

Um ofício da APPA para a Previ, enviado no dia 28 de outubro, confirma a realização de uma reunião no dia três de novembro na sede da Previ, no Rio de Janeiro. “O que tenho ciência é que no final desta reunião a Previ não reconheceu a APPA como compradora e nós (Fundação Copel) não tínhamos mais prazo para exercer o direito de compra. Sem dúvida, o atravessamento da APPA tirou a Fundação Copel do jogo”, alegou Bertoldo.

“Entendo que o TPPF vem sofrendo perseguição do Governo do Estado. Parece que o governo faz esforço para prejudicar o funcionamento do Porto”, disse Douglas Fabrício.

Banco Santos

Questionado pelo deputado Durval Amaral sobre os outros investimentos que geraram prejuízo para a Fundação Copel, Bertoldo admitiu que tem conhecimento de um, mas se comprometeu a enviar de maneira oficial as aplicações realizadas pela Fundação, que geraram resultados positivos e negativos.

“As aplicações sempre foram bem sucedidas, poucas são feitas com a probabilidade de risco. Salvo quando o mercado promover a falência ou a intervenção da instituição”, disse afirmando que houve uma perda da Fundação Copel de R$ 36,6 milhões em aplicações do Banco Santos que teve sua falência decretada pelo Banco Central.

Ao final da audiência os deputados aprovaram a convocação do presidente da Copel, Rubens Ghilardi, do presidente do conselho deliberativo da Fundação Copel, Marlus Gaio, e também do superintendente da APPA, Daniel Lúcio de Oliveira.

Segundo o presidente da Comissão de Fiscalização, deputado Artagão Júnior, Ghilardi e Gaio serão ouvidos pela comissão para explicar os motivos de não terem exercido a preferência de compra nas ações da Previ. Jjá o superintendente da APPA será oficiado para prestar esclarecimentos sobre a reunião ocorrida no Rio de Janeiro com a direção da Previ, e se for necessário comparecerá na comissão.


15 comentários

  1. Pedro nogueira cordeiro
    quarta-feira, 18 de novembro de 2009 – 19:23 hs

    Sou estivador aqui em Antonina,e,eu quero saber a verdade sobre a ponta do felix.Foi vendida ou nao.E as açoes que estao na justiça quem vai pagar.Ate quando vamos aguentar as mentiras.Um abraço

  2. FILET MIGNON
    quarta-feira, 18 de novembro de 2009 – 19:51 hs

    Olá Seu Pedro Nogueira Cordeiro…
    Logo saberá de tuuuuudoooo!
    Nada diferente do que você já mais ou menos conhece…
    A causa, o porque…

    E, para não mais conviver com tantas covardias e mentiras, é só excluir de qualquer opção para cargos políticos os nomes REQUIÃO, ROMANELLI, VALDIR PUGLIESY, ARRUDA, procure levantar o nome dos deputados atuais do PMDB… Exclua-os…
    E Estará ajudando na grande limpeza no meio político do Paraná…
    Não se esqueça também dos deputados do PT, que comeram na mão de REIQUIÃO todos estes anos, portanto, são cumplices dos desmandos havidos…

  3. JUSTICEIRO
    quarta-feira, 18 de novembro de 2009 – 20:03 hs

    A Assembléia Legislativa ao invés de repudiar o uso do dinheiro da Fundação Copel na participação minoritária do terminal da Ponta do Felix, a qual não é área de atuação da mesma, critica e pretende apurar o por que da Fundação não ter exercido o seu direito de preferência na aquisição do controle acionária posto a venda pela PREVI. E os prejuízos que sofreram os Copelianos desta aventura temerosa que nada se fala. Quem pagará? Reiquião? Acredito que não, pois ele não se responsabiliza por nada que faz na vida pública. Felizmente o terminal foi vendido a uma empresa profissional do ramo o que representa mais segurança.
    Infelizmente nossos deputados ainda são, também, muito imaturos

  4. Jango
    quarta-feira, 18 de novembro de 2009 – 20:26 hs

    É tranquilo fazer essas trampolinagens na Republiqueta do Paralá, quando muito resulta numa apuração da Assembléia, muita peroração e talvez nada de responsabilização de malversadores do dinheiro ou patromònio público. Aliás, para que serve o inquérito civil público, prerrogativa concedida ao Ministério Público para apurar denúncias, com poderes de requisitar informações e documentos, etc e tal. Mas aí ficam na espera, atrás do toco, se ninguém provocar a tomar atitude, faz-se de desapercebido – non olet. Principalmente, quando se trata de atos ligados ao centro do poder estadual, fonte de suas benesses e revisões polpudas de seus régios salários. Mas se é uma pequena Municipalidade se fazem de fortes e implacáveis …

  5. quarta-feira, 18 de novembro de 2009 – 21:26 hs

    Aos menos informados, em 1994 final do Governo do Duce foi feita uma licitação de arrendamento por 15 anos,após aumentada para 20 ou 25 anos, o governo do Estado não pode fazer a venda da Ponta do Felix,pois, esta já é uma concessão da União ao Estado do Paraná.Concessão esta que o então Duce conseguiu renová-la.Participaram desta licitação grupos empresariais brasileiros em consócio ou com parceiras internacionais . Sendo um destes consórcios que ganhou a concessão,a PREVI nem havia participado do certame ,assim como,nem um outro fundo de pensão, ressalto mais uma vez,foi no final do gorverno do Duce(1994).Não sei se deu para entender que a mesma coisa está acontecendo no final do mesmo governo ??? Só não vê quem tem memória curta ou não quer ver. Ainda lembrando, no final do mesmo governo em 1994 a APPA apresentou problemas,os quais resultou em uma CPI do Porto, que teve como seu presidente o lider do governo,a época, Algaci Túlio,seu Relator e grande relator Dr.Rosinha, somente sinto que não deu em nada, então ,está se repetindo a história, há problemas na Administração Portuária e tudo continua como antes. Portanto srs., até onde sei a Ponta do Felix não será vendida,e, sim seus equipamentos serão vendidos junto com a concessão a outro grupo interessado, depois deste tombo,precisa saber exatamente quem está por trás desta comercialização toda,envolve muito$ e muito$ US$,olho vivo srs.deputados.Em 2010,nem Duce, nem Dilma,nem Osmar,nem Collor,FFFFFFFFFFFFOOOOOOORRRRRAAAAAAA.

  6. Sonia Lopes
    quarta-feira, 18 de novembro de 2009 – 23:28 hs

    Uma sugestão aos srs. Deputados, convoquem o tal do Dividino, Presidente da Ponta do Felix.
    Esse senhor foi guindado a condiççao de Presidente da empresa por imposição do Eduardo Requião, fato do conhecimento de todos aqui em Antonina.
    Com certeza terá muito a explicar e se tiver coragem e acredito que agora tenha, pois estamos em final de governo e o moço já esta arrastando asas em outros terreiros.
    Aproveitem e convoquem também o Diretor do Porto de Antonina.

  7. UM HOMEM PROBO
    quinta-feira, 19 de novembro de 2009 – 2:36 hs

    ESSA VENDA DOS EQUIPAMENTOS DO TERMINAL DA PONTA DO FÉLIX É UMA VERGONHA, POIS O GOVERNO FEDERAL TERÁ QUE SER OUVIDO PARA AUTORIZAR ESSA TRANSFERÊNCIA, JÁ QUE A CONCESSÃO PARA O FUNCIONAMENTO DAQUELE TERMINAL SERÁ SEMPRE EM CARÁTER PROVISÓRIO, POIS POR ESTAREM EM TERRENOS DO GOVERNO FEDERAL, ESSES “SABIDOS” NÃO PODERÃO “NEGOCIAR” A REFERIDA CONCESSÃO A SEU “BEL-PRAZER”.
    FORA COM O TAL DO EDUARDO, IRMÃO DO ATUAL GOVERNADOR, JUNTAMENTE COM O ATUAL “SUPERINTENDENTE” O TAL DE “DANIEL FIÉL DE SOUZA”, QUE DEVEM TER NOÇÃO COM O QUE ESTÃO FAZENDO COM A COISA PÚBLICA.

  8. Carlos
    quinta-feira, 19 de novembro de 2009 – 10:13 hs

    O adpto do “Fascio”, que considera que o Estado é dele, atrapalhou a Fundação dos funcionários da Copel de fazerem um bom negócio com a compra do Porto, pois a APPA atravessou a negociação, e ainda tenta transformar as vítimas em culpados.

  9. Carlos
    quinta-feira, 19 de novembro de 2009 – 10:15 hs

    O adepto do “Fascio”, que considera que o Estado é dele, atrapalhou a Fundação dos funcionários da Copel de fazerem um bom negócio com a compra do Porto, pois a APPA atravessou a negociação, e ainda tenta transformar as vítimas em culpados.

  10. silvio
    quinta-feira, 19 de novembro de 2009 – 10:57 hs

    Para a Fundação Copel seria um bom negócio se o governo não tentasse minar o investimento proibindo isso e aquilo, e sucateando tudo..

    Quem garante que o próximo governador não será adepto da privatização do terminal. Tai mais um imbloglio

  11. quinta-feira, 19 de novembro de 2009 – 11:17 hs

    O FUNBEP, fundo de pensão dos ex-funcionários do Banestado,
    tem milhões aplicados no terminal, como a PREVI e a COPEL.
    Não é Ponta do Felix, é Ponta dos Fundos.

    Interessa saber o que acontecerá. Privatizaram tudo. E agora como fica. Como no caso do Banestado, niguém foi ainda para a cadeia.

    Tem coisas no Paraná que o pessoal do PCC e do Comando Vermelho ficam com dor de cotovelo por não conseguirem fazer igual.

    A resposta com os fascista QI cabeça de passarinho

  12. PRESS
    quinta-feira, 19 de novembro de 2009 – 13:16 hs

    NÃO ESQUEÇAM DE CONVOCAR O SR. JUAREZ MORAES QUE FOI NA ORDEM,PRESIDENTE PORTO DE ANTONINA,PONTA DO FELIX ,DEIXOU EM SEU LUGAR REPRESENTANTES E HJE COMANDA O TERMINAL DE CONTEINERS………………………………..CONFORME O GOSTO DO DUDU.

  13. FILET MIGNON
    quinta-feira, 19 de novembro de 2009 – 13:24 hs

    hÁ MAIS DE SEIS MESES VENHO FALANDO SOBRE O SUCATEAMENTO DO PORTO PONTA DO FELIX POR AÇÕES COMANDADAS PELO IRRESPONSÁVEL EDUARDO COMO NÃO PODERIA DEIXAR DE SER REQUIÃO DE MELLO E SILVA…
    Esta legislatura da Assembléia Legislativa do Estado do Paraná, é, sem sombra de dúvidas a pior de todas… Complascente, omissa, irresponsável… Nada mais fez do que atender aos apelos do REIQUIÃO… Como o PMDB e PT formaram a grande maioria de apoio ao governo do INSANO, só nos resta agora é imprimir uma LISTAGEM COM OS NOMES DOS DEPUTADOS DO GRUPO DE APOIO AO GOVERNO, colocar os CARTAZES em todos os lugares possíveis, para castigarmos a esses entreguistas e mercantilistas políticos travestidos de ‘REPRESENTANTES DO POVO”, NÃO VOTANDO NELES, TIRANDO DA CABEÇA DE QUALQUER ELEITOR QUE SE PROPONHA VOTAR EM QUALQUER DESSES PULHAS!

  14. UM HOMEM PROBO
    quinta-feira, 19 de novembro de 2009 – 18:13 hs

    C####E######A NESSA CORJA!!!

  15. parnanguara
    quinta-feira, 19 de novembro de 2009 – 19:42 hs

    bom , os acionista perderam R$ 22.000.000,00 que é a diferença entre a oferta doa canadenses e o roubo do dudu doidao, Antonina perdeu R$ 200.000.000,00 em em investimentos, empregos e etc.este pessoal que esta ai é capacho do dudu doidaõ nao tem recursos para os investimentos e só a Assembléia legislativa , o MPF,nao sabem coitadinhos

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*