Stephanes faz pressão por lei para fertilizante | Fábio Campana

Stephanes faz pressão por lei para fertilizante

Agência Estado

A decisão estratégica de incrementar a produção de fertilizantes no Brasil pôs os ministros reinhold-stephanes(Agricultura) e Edison Lobão (Minas e Energia) em rota de colisão. Em entrevista, Stephanes se disse “angustiado” com a demora na definição de medidas que reduzam a dependência dos produtores brasileiros em relação aos fertilizantes importados. No fim do ano passado, a alta recorde dos preços dos fertilizantes, aliada à queda no valor das commodities, criou sérios problemas para os agricultores brasileiros. Por isso, Stephanes tem pressionado colegas de governo, principalmente o ministro Lobão, responsável pela política de exploração mineral.

“O Brasil não tem nenhuma política de exploração de jazidas minerais para fertilizantes”, reclamou Stephanes. “Nós temos apenas uma estrutura cartorial que dá licenças de pesquisa e de exploração e, mesmo assim, com quase nenhum controle.” Hoje, o Brasil importa 91% do potássio utilizado na agricultura. No entanto, há uma imensa jazida em Nova Olinda do Norte, na Amazônia, sem exploração. Há indícios de que essa pode ser a terceira maior reserva do mundo, atrás apenas da Rússia e do Canadá.

Algo semelhante ocorre com o fósforo. O País importa 51% de suas necessidades, quando o elemento existe em abundância aqui. “O fósforo vem do Marrocos, atravessa o Oceano Atlântico, chega ao Porto de Paranaguá ou de Santos, passam-se dias ou semanas com o navio esperando para descarregar, aí descarrega, bota num caminhão, roda três mil quilômetros até o norte do Mato Grosso. Só que no norte do Mato Grosso tem jazida de fósforo”, disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


6 comentários

  1. segunda-feira, 12 de outubro de 2009 – 14:05 hs

    pô Campana nem uma nota do glorioso verdão.Vc é atleticano mas não escreve só para atleticanos…

  2. jeca
    segunda-feira, 12 de outubro de 2009 – 14:45 hs

    Stefanes, muito bom sen;o, talves a melhor no atual governos

  3. ENVERGONHADO
    segunda-feira, 12 de outubro de 2009 – 17:18 hs

    O que este ex arenita ainda esta fazendo no governo do PT?
    Um pouco de dignidade ao menos todo ser humano tem que ter e numa questão emblemática do esta dos indices de produtividade, para a segurança juridica da propriedade, é como mudar o sinal da cruz para o cristianismo.

    Cai fora ministro.
    Isso é maquiagem…o principal o MST já conseguiu para criar as condições da luta armada no campo….

    Sem catastrofismo e sem ver bruxas, basta ver o que esta ocorrendo em volta.

    Chaves legaliza as “milicias populares” como forças auxiliares do exercito.

    A doutrina da “reeleição permanente” começa a tomar corpo em toda a america latina.
    No Brasil o MST tem mais homens que o exercito e a mudança dos indices de produtividade fornece um “estoque de terras” incalculável para tazer inclusive hermanos de outros estados americanos para aqui obterem terras…..é a revolução bolivariana em curso.

    E tem gente que ainda não se apercebe de nada…

  4. paulo
    segunda-feira, 12 de outubro de 2009 – 19:00 hs

    QUAL SERÁ O INTERESSE DA AMIL EM FERTILIZANTES?

  5. noroeste do parana
    segunda-feira, 12 de outubro de 2009 – 21:22 hs

    veja os numeros: na década passada os agricultores deviam R$ 25 milhoes, hoje a conta supera R$ 130 milhoes , esse governo tanto estadual como federal nunca deu valor na agricultura, apenas fazem bonitos discursos.

  6. Gil
    terça-feira, 13 de outubro de 2009 – 1:50 hs

    defensor do agronegócio.. desmatamento… e outros…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*