IDH do Brasil sobe impulsionado pela renda, mas mantém 75ª posição | Fábio Campana

IDH do Brasil sobe impulsionado pela renda, mas mantém 75ª posição

Antônio Gois da Folha de S.Paulo

Impulsionado mais uma vez pelo aumento na renda, o Brasil registrou uma melhora em seu IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), mas permaneceu estável no ranking de nações elaborado anualmente pelo Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), na 75ª posição.

O IDH varia de 0 a 1 e tenta medir o desenvolvimento humano dos 182 países comparados a partir de três dimensões: saúde, educação e PIB per capita. De 2006 para 2007 (os relatórios sempre se referem a dois anos antes), o IDH brasileiro variou de 0,808 para 0,813. Um valor acima de 0,800 é considerado nível de alto desenvolvimento humano.

Neste ano, o tema principal do relatório foi migração. Para facilitar as análises sobre este tópico, pela primeira vez, o Pnud separou nações com IDH acima de 0,900 num grupo considerado de muito alto desenvolvimento humano.

Fazem parte desta elite, que concentra a maioria dos imigrantes, 38 países, liderados por Noruega (0,971), Austrália (0,970) e Islândia (0,969).

Na base do ranking encontram-se Níger (0,340), Afeganistão (0,352) e Serra Leoa (0,365). O Pnud destaca que uma criança que nascer hoje em Níger terá expectativa de viver apenas até os 51 anos, enquanto uma norueguesa deverá chegar aos 81.

“Muitos países testemunharam retrocessos nas últimas décadas devido às retrações econômicas, crises induzidas por conflitos e epidemias de HIV”, afirma a principal autora do relatório deste ano, Jeni Klugman. Como os dados divulgados no relatório deste ano vão somente até 2007, ainda não é possível mensurar o impacto da crise econômica mundial, iniciada no fim do ano passado.

Alison Kennedy, chefe da equipe de estatística do IDH, no entanto, diz esperar que os efeitos não sejam tão grandes: “O PIB per capita de muitos países pode ter sido bastante afetado, mas os indicadores de saúde e educação não reagem tão rapidamente a crises, o que poderá fazer com que a oscilação não seja tão significativa.”
Os indicadores brasileiros no IDH serão detalhados hoje pelo escritório do Pnud no país, mas, na comparação com o relatório de 2008, é possível verificar que o avanço se deu principalmente por causa do PIB per capita.

Educação e saúde também melhoraram, mas em ritmo menor, já que o analfabetismo adulto tem caído pouco no país e a expectativa de vida ao nascer (único componente do índice de saúde) não costuma sofrer oscilações bruscas de um ano para o outro. Além do próprio IDH, o Relatório de Desenvolvimento Humano permite comparar outros indicadores.

É possível destacar, por exemplo, que apesar de ter registrado queda na desigualdade desde o início da década, o Brasil ainda permanece no grupo de dez países mais desiguais do relatório, atrás apenas de Namíbia, Ilhas Comores, Botsuana, Haiti, Angola, Colômbia, Bolívia, África do Sul e Honduras. No Brasil, os 10% mais ricos detêm 43% da riqueza nacional, enquanto os 10% mais pobres, apenas 1%.

Na Noruega, país que lidera o ranking, os 10% mais ricos concentram 23% da riqueza, enquanto os 10% mais pobres respondem por 4%.

Outro indicador em que o Brasil destoa dos líderes é o investimento público em educação e saúde. Noruega, Austrália e Islândia investem, respectivamente, 35%, 31% e 36% de seu gasto público nessas áreas. No Brasil, a proporção é de apenas 22%. O maior desnível acontece na saúde, setor em que o Brasil investe 7% dos gastos, menos da metade do que Noruega (18%), Austrália (17%) e Islândia (18%).


7 comentários

  1. V.Lemainski-Cascavel
    segunda-feira, 5 de outubro de 2009 – 11:08 hs

    Pelo que vimos no artigo acima, conclui-se que o país vive de propaganda. É lamentável que a 10ª economia mundial seja a 75ª em IDH. E, se depender da boa vontade de nossos governantes, vai demorar muito ainda para melhorar. Mas na propaganda está melhor que muitos países do topo da lista. Bem neste país estão as agências de publicidade. Como crescem…

  2. Luis Gringo
    segunda-feira, 5 de outubro de 2009 – 11:37 hs

    Primeiro.

    O Brasil melhorou em todas as categorias de IDH: expectativa de vida ao nascer; proporção de adultos analfabetos; taxa bruta de matrícula escolar; e PIB per capita.

    Segundo, o Brasil subiu na categoria dos países com “desenvolvimento humano elevado”.

    O Brasil entrou nessa categoria no Governo Lula.

    No Governo iluminado FHC, o IDH do Brasil era a categoria inferior.

    Agora, o Brasil foi promovido na ONU.

    O Brasil ficou no mesmo lugar no cômputo geral, porque outros países subiram.

    Agora, a posição do Brasil, para os brasileiros mais pobres, essa, melhorou.

    Cuidado, amigo navegante, tem jornalista querendo te enganar e esconde essas coisas.

    Você tem que ler as “reportagens” três vezes, para entender o que, de fato, aconteceu: o Brasil melhorou !

  3. segunda-feira, 5 de outubro de 2009 – 16:00 hs

    Muito embora não ser simpatizante do PT do sr. da Silva, tenho que admitir de que, o rapazola seguiu a risca o plano econômico do PSDB de Fernando Henrique Cardoso, feito um bom e mandado cordeirinho e agora estamos começamos a colher os frutos.

    E claro que o Sr da Silva, nuca vai admitir e agradecer FHC e PSDB por ter colocado o Brasil nos eixos e ter apenas navegado em aguas mansas ou melhor, mar aberto sem qualquer turbulência ou tempestade, tanto é que, 7 anos se passaram sem qualquer turbulência econômica e apenas uma que tivemos o Brasil sequer sentiu cocegas, tudo isso graças a estabilidade econômica deixada pelo governo do PSDB.

    Afinal, mágica não existe, mesmo dotado da máxima inteligência não resolveria o problema do Brasil em 7 anos, imagine se um simples ser como da Silva conseguiria ainda que tenha muita lábia, porém, poca sabedoria.

    Agradeça da Silva, agradeça o PSDB por estar colhendo os frutos plantados sem calejar suas mãos nordestinas ja que cerebro você não tem.

    Acorda Brasil Serra Presidente
    Beto Richa Governador.
    Assim, no próximo ano, quando o governo petista deixar definitivamente o poder e voltar o PSDB ,

  4. FHC
    segunda-feira, 5 de outubro de 2009 – 19:53 hs

    FHC entregou o governo pro LULA no maior buraco, mesmo com a cartilha que o FHC criou o país tava na maior M…, já se esqueceram? Privatizaram uma montanha de coisas, mas isso não é nada, o pior é que não sobrou um centavo das privatizações! O FHC é mais conhecido por ter entregado o país, ter diminuído o tamanho do estado e, mesmo assim, ter entregue um país no vermelho, todo endividado. Onde foi o parar o dinheiro FHC? O Lula seguiu a cartilha e a melhorou em muito e vai entregar um país muito melhor, com IDH mais alto e credor do FMI.

  5. FHC acabou com o Brasil
    segunda-feira, 5 de outubro de 2009 – 19:56 hs

    O PSDB está dando graças a Deus por ter entregue um país quebrado e, se por ventura ganhar a próxima eleição, receber um país muito melhor. O ruim disso tudo é que vão quebar o país de novo e depoi vão ter que chamar o Lula pra consertar o estrago!

  6. PSDB
    segunda-feira, 5 de outubro de 2009 – 20:26 hs

    Uma pesquisa feita pelo Ibope para o Grupo RBS mostra que a maioria dos gaúchos desaprova o desempenho da governadora Yeda Crusius (PSDB) e é favorável ao afastamento da tucana do cargo. Entre os entrevistados, 74% desaprovam o desempenho da governadora e 19% aprovam.

    O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (5) pelo jornal “Zero Hora”. Os números indicam que 43% da população avalia o governo estadual como péssimo, 21% como ruim, 24% como regular, 9% como bom e 2% como ótimo.

    Uma maioria de 84% diz ter conhecimento do processo de impeachment que tramita na Assembleia Legislativa. O índice de consultados favoráveis ao afastamento da Yeda é de 62%, enquanto o dos contrários é de 22% e o de indiferentes chega a 8%. Para 29% dos entrevistados, as denúncias de envolvimento da governadora com a fraude do Detran são verdadeiras, enquanto para 39% são mais verdadeiras do que falsas, para 12% são mais falsas que verdadeiras e para 3% são falsas.

    Lula

    A administração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi considerada ótima por 18%, boa por 41%, regular por 33%, ruim por 4% e péssima por 4% dos entrevistados no Rio Grande do Sul. O índice de aprovação do presidente é de 78% enquanto o de desaprovação é de 15%.

    A pesquisa ouviu 812 pessoas de 52 municípios do Estado entre os dias 25 e 29 de setembro. A margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos.

  7. josé
    segunda-feira, 5 de outubro de 2009 – 21:58 hs

    Se FHc entregou o País quebrado, o que o lula mudou?

    Nada, rigorosamente nada, tanto na política econômica, quanto na social.

    A política econômica é a mesma, aliás os petistas esquecem que a base de sustentação da política econômica do lula veio de um presidente do Banco Central, que foi contra os interesses dos “grandes petistas” como o famigerado zé dirceu por exemplo; além disso, reforçando esta posição tivemos dois outros grandes ministros: Furlan e Roberto Rodrigues, ambos ligados ao Empresariado e Agronegócio, que o pt tanto odeia…

    Não é vergonha admitir, lula faz um bom governo no plano econômico, assim como o plano real, que o pt tanto torpedeou foi uma excelente idéia e provou ser a melhor solução.

    Mas o pt é péssimo exemplo em corrupção e conchavos…sem contar o medo de CPIs, coisa que era típica dos outros partidos.

    E os tão cantados “ganhos sociais” são apenas e tão somente o reflexo de uma política social que começou com Dona Ruth Cardoso e foi ampliada pelo governo atual.

    Tudo isso só prova uma coisa: se nos últimos 20 anos o pt tivesse praticado uma oposição responsável estaríamos numa situação melhor ainda.

    Se nos últimos 6 anos o pt tivesse praticado o que falou estes anos todos em ética, estaríamos num caminho ainda melhor…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*