Congresso cria CPI para investigar repasses de verbas ao MST | Fábio Campana

Congresso cria CPI para investigar repasses de verbas ao MST

0,,30480484-EX,00

O requerimento que pede a instalação da segunda Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista para investigar o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) foi lido na manhã desta quarta-feira (21) no plenário do Congresso Nacional.

De acordo com o requerimento, o foco da investigação será o repasse de recursos que seriam feitos pelo governo federal a entidades ligadas ao movimento.

Para que a investigação realmente aconteça, será necessária a manutenção das assinaturas de pelo menos 171 deputados e de 27 senadores. Os parlamentares têm até a meia-noite para aderir ou desistir da iniciativa. Para ela, foram recolhidas 185 assinaturas na Câmara e 35 no Senado.

No final de setembro, um requerimento com os mesmos moldes foi protocolado e lido na Casa. Foram recolhidas 183 assinaturas na Câmara e 34 no Senado. Um movimento, no entanto, resultou na desistência de 15 deputados e inviabilizou a investigação.

Para o deputado Ivan Valente (PSOL-SP), a instalação da comissão é uma maneira de criminalizar os movimentos sociais e será em vão. “O que está acontecendo de verdade é a criação de uma CPI contra a reforma agrária no Brasil, a favor do agronegócio, a favor da monocultura”, defendeu.

O líder do DEM, deputado Ronaldo Caiado (GO), classificou o discurso de Valente como ultrapassado e afirmou que ele não condiz com o perfil do setor primário. Caiado comparou a tentativa de boicotar a instalação da comissão a uma “busca de defender o indefensável”.

A nova tentativa de investigar o movimento ganhou força depois que integrantes do movimento destruíram parte de um laranjal com um trator na Fazenda Santo Henrique, em Borebi, no interior de São Paulo, há quase duas semanas.

A ação do MST foi criticada por senadores de oposição e governistas, além do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ministros e pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes. “Isso [a destruição do laranjal] é mais uma ação do MST irracional e ilegal e com financiamento público, que é o que mais traz indignação à população”, disse a senadora Kátia Abreu.

Convidado a falar sobre o repasse de verbas públicas ao MST, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, negou em depoimento no Senado no último dia 13 que recursos de sua pasta sejam repassados ao movimento. Ele contestou levantamento divulgado na semana passada por Caiado, de que o ministério teria repassado entre 2004 e 2008 mais de R$ 115 milhões a entidades que seriam ligadas ao movimento.


14 comentários

  1. bimbo
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 14:32 hs

    Não vai dar nada, ou melhor, vai dar pizza !

  2. Iara da Franca
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 15:07 hs

    Ninguem precisa de dinheiro pra promover baderna : O que se viu na tv foi uma falta de respeito muito grande ao povo Brasileiro, quando que nós vamos ver o Brasileiro lutando pelo respeito ao proximo a ao cidadão que paga seus impostos em dia, eu sou brasileira com muito orgulho e com muito amor ao meu país, tenho muita tristeza de ver que isso continua e que nada foi feito,movimento dos sem terra ? ou movimento dos oportunistas?Eu não tenho terra nem por isso saio por aí quebrando o que não é meu.
    Sou a favor da CPI sim é o nosso dinheiro que é quebrado e rasgado por baderneiros.
    sem mais conversa Iara da Franca

  3. souza naves
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 15:57 hs

    isso ai tem que dar um basta, nesse povo do mst. que estão recebendo dinhiero alto, para fazer anarquia… chega..

  4. paulo
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 16:15 hs

    e o dinheiro que é dado aos grandes fazendeiros sob chantagem, orquestrada pelo sr. ministro do agronegócio?

  5. Luis Gringo
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 16:50 hs

    Poderiamos pedir uma CPI do dinheiro doado por FHC aos bancos , que tal?

  6. TEVEJOEM2012
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 17:43 hs

    O DINHEIRO PÚBLICO É PARA ATENDER A POPULAÇÃO TRABALHADORA E SEUS DEPENDENTES NAS QUESTÕES DE SAÚDE, EDUCAÇÃO, ALIMENTAÇÃO E MORADIA. E NÃO PARA SERVIR DE RECURSO PARA BARDENEIROS, ARRUACEIROS, E INVASORES DE PARTIMÔNIO PRIVADO E PÚBLICO.
    CADEIA PARA ESTES BANDIDOS DO MST.

  7. BISTEKA
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 17:43 hs

    Olá Paulo e Luiz Gringo!
    O dinheiro dado aos fazendeiros são na verdade empréstimos, que são pagos com os resultados da produção…
    Falam de FHC com dinheiro doado por FHC aos Bancos… Sem dúvida, tais recursos objetivaram o financiamento de muita produção agrícula, investimentos na agro indústria e na industria propriamente dita….
    Os Estados Unidos, por exemplo, subsidia a agricultura ao ponto de o caso ser levado à discussão internacional…
    Enquanto isto Senhor Pualo e Senhor Luiz Gringo, os recursos canalizados ao MST tem como resultado a última pesquisa do IBOPE que mostra nua e cruamente que representam “PÉROLAS AOS PORCOS”, a produção é irrisória sem qualquer vinculo com CUSTO-BENEFÍCIO, as terras entregues, 40% são repassadas (vendidas à outrem), então, meus caros, não venham com chorumelas, não queiram tapar o sol com a peneira…
    O Governo LULA DA SILVA, vem bancando sim, badernas, quebra-quebra fazendo dos “oportunistas sem qualquer vínculo vocacional com a agricultura, apenas MASSA DE MANOBRA política..
    Que venha a CPI e esclareça de uma vez por todas que o projeto LULA de Reforma Agrária é uma verdadeira piada!

  8. quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 17:53 hs

    Se Lula foi o presidente que mais doou aos bancos porquê não pode doar ao MST, eles são tão trabalhadores.

  9. Pé Vermelho
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 18:04 hs

    Ô Gringo…O Lula também abriu as malas pros bancos, prás montadoras. Aliás, os bancos nunca lucraram tanto quanto agora. Parece que bebe sô!

  10. Ed
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 20:23 hs

    Do jeito que as coisas andam no Brasil, é perigoso a CPI em seu relatório final encher a bola do MST mais ainda e, eles (MST) ainda acabarão sendo as vítimas, terão que ser indenizados, serão os coitadinhos e nós que pagamos impostos para o governo gastar com eles, seremos os agitadores.

  11. josé
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 22:52 hs

    luis gringo…fazia tempo que vc não parecia, mas as besteiras continuam, vamos lá:

    O PROER, que vc tanto critica, foi a base da reestruturação do Sistema Bancário Brasileiro, e foi tão bem feita que o sr. lula não mexeu em rigorosamente nada, muito pelo contrário.

    No governo FHC, os controladores dos Bancos que sofreram intervenção, bem como seus diretores (inclusive aqueles que já haviam deixado a direção, mas estavam lá até 5 anos antes), foram processados, tiveram seus bens arrestados e em muitos casos estão enfrentando isto até hoje. Os clientes não forma penalizados, nem sofreram prejuízos…

    Aliás, a filha de FHC era casada com um herdeiro do Banco Nacional e mesmo assim este banco sofreu intervenção, pergunto: será que algo semlhante aconteceria no governo do pt? Duvido…

    Quanto à CPI, vamos lá, crie-se a CPI do PROER, mas duvido que o dinheiro gasto lá seja um centésimo do que passa hoje pelas ONGs petistas, pelos desvios do mst, da peterrobrás, etc, etc , etc…

    Melhor vc voltar para o Paraguay…

  12. Parnanguarinha
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 22:55 hs

    Será que o Osmar assina a CPI?

  13. Luis Gringo
    quarta-feira, 21 de outubro de 2009 – 23:24 hs

    josé, quanta balela..rssss
    va dormir que a tarde menino, sempre arranjando alguma desculpa para os desmandos dos tucanos em tempos idos e que nunca voltaram.

  14. josé
    quinta-feira, 22 de outubro de 2009 – 9:40 hs

    luis, não é balela, é história…o pt sim é só estória…

    E já te falei, não sou tucano, acho inclusive que os tucanos são incompetentes, criaram toda a base para o sucesso e não conseguem mostrar isto.

    Sou sim contra a cegueira, como esta sua: vamos lá, CPI para tudo, sem esconder nada.

    Duvido que esta administração federal aguente uma investigação séria.

    O mesmo vale para Estados e Prefeituras.

    Sou a favor de todas as CPIs, portanto também não sou petista, muito menos DEM ou qualquer outra sigla; sou antes de tudo brasileiro e estou tremendamente indignado.

    Ah, se for esponder, por favor, mostre fatos, história, dados confiáveis; sua “torcida” é parte do jogo, mas não ajuda no debate democrático; opiniões tem que ser lastreadas…

    Se for muit difícil, desenho pra vc….

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*