Competição no mercado de drogas alimenta violência no Rio, diz 'Economist' | Fábio Campana

Competição no mercado de drogas alimenta violência no Rio, diz ‘Economist’

grerra trafico RJ
Revista citou histórico de polícia corrupta e governos imediatistas

Deu na BBC Brasil

Uma reportagem publicada na revista britânica The Economist afirma que a violência nos morros do Rio de Janeiro é alimentada por uma competição singular no mercado de drogas, que impõe uma série de dificuldades financeiras às gangues do tráfico e as leva a uma disputa feroz por espaços.
No artigo, a revista que chegou às bancas nesta sexta-feira questiona por que a cidade testemunha episódios de violência similares à briga entre facções que ocorreu no último fim de semana e cujos desdobramentos já deixaram mais de 30 mortos.”

Se as pesquisas sobre o uso de drogas forem confiáveis, o consumo per capita de cocaína, crack e maconha fica perto da média quando comparada com outras capitais de Estado”, é o pressuposto inicial da revista. “Então por que a cidade que acabou de levar a indicação para as Olimpíadas de 2016 é tão inclinada a ataques repentinos de violência por causa da droga?”

A primeira razão, diz a reportagem, é que “a cidade é marcada por uma história de governos ruins”. “Erros passados incluem acomodar interesses de facções de traficantes na esperança de mantê-los pacificados.”

Outro motivo seria a polícia carioca. “Algumas das armas usadas pelos traficantes são vendidas a eles pela polícia, e os policiais ainda praticam demasiadas execuções sumárias em vez de se dar ao trabalho de processar os suspeitos, fazendo com que os moradores das favelas os vejam como uma fonte de injustiça tanto quanto os traficantes.”

A terceira razão, que a Economist analisa com mais detalhes, é o fato de existirem na cidade três gangues rivais que disputam o mesmo mercado consumidor, enquanto outras capitais têm apenas um grupo dominante. “Um estudo do governo estadual sugere que, por conta dessa competição, longe de viver como personagens de um vídeo de hip-hop da MTV, os traficantes do Rio estão operando ‘perto do zero a zero’.”

Sobre um faturamento anual de cerca de R$ 316 milhões, as gangues lucram cerca de R$ 27 milhões, diz a revista, citando o estudo. Grande parte dos recursos é destinada à compra de armas, pagamento de pessoal e vendedores de drogas.

A estrutura de salário é “surpreendentemente linear” – ou “uma exceção ao quadro nacional de distribuição desigual de renda”, nas palavras da Economist – e as gangues já embarcaram em atividades paralelas, como o fornecimento ilegal de eletricidade, em busca de outras fontes de renda.

“Antes da violência recente, alguns analistas haviam sugerido que as dificuldades financeiras estavam levando as gangues a cooperar em algumas operações”, diz a revista. “Mas a resposta mais comum a esta situação é invadir o terreno do vizinho.”


2 comentários

  1. Non Economist
    sábado, 24 de outubro de 2009 – 15:07 hs

    Das três razões apontadas, vamos à origem das causas:

    1 – governos ruins – ora, quem escolhe é o povo.

    2 – polícia vende arma e executa traficantes – ora, decorre da escolha de governos ruins pelo povo.

    3 – tres gangues disputam o mercado consumidor – ora, mercado consumidor é o povo, esse mesmo que tem escolhido os governos ruins.

    Portanto, analistas do The Economist, vocês passaram longe da origem do problema. Análise, como dizemos, para ingles ler. Só. Gone .. with the windows …

  2. BISTEKA
    sábado, 24 de outubro de 2009 – 19:02 hs

    Pera aí….
    PMDB é rótulo de fabricante de alguma droga?
    Doático é nome de remédio?
    Requião é algum remédio para esquizofrenia???
    Será que estou falando da matéria acima? Não sei não!!!
    Anão de Jardim do Canguiri serve pra alguma coisa?
    Tá bom… voi cair fora desta linha de comentário…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*