Documento bancário prova favor de empreiteira à família Sarney | Fábio Campana

Documento bancário prova favor de empreiteira à família Sarney

11.1.imagem_deposito

Documentos obtidos pelo jornal Estado de São Paulo comprovam o favor prestado pela empreiteira Aracati – hoje Holdenn Construções, Assessoria e Consultoria – à família do presidente do Congresso, o senador José Sarney (PMDB-AP). Os comprovantes da transação mostram que a Aracati comprou à vista pelo menos um dos apartamentos usados pelos filhos e netos de Sarney nos Jardins, em São Paulo.

No mínimo, a empresa fez ao deputado um grande favor: comprou o apartamento à vista e, depois, o repassou a José Sarney Filho (PV-MA) em condições facilitadas. Pela versão do deputado e da Aracati, a própria empreiteira teria dividido o pagamento em prestações – Zequinha Sarney não precisou de financiamento nem de intermediação de qualquer instituição financeira. O dono da empresa é Rogério Frota de Araújo, amigo dos filhos do senador Sarney.

Os documentos atestam que a Aracati pagou R$ 270 mil pelo imóvel, por meio de duas transferências bancárias, efetuadas em 20 de fevereiro de 2006, data em que a empreiteira assinou a escritura.

O Estado revelou em 16 de agosto que dois dos três apartamentos usados pela família em São Paulo, no Solar de Vila América, na Alameda Franca, estão registrados em nome da empreiteira. Na ocasião, Zequinha assumiu ser o proprietário de fato de um dos dois apartamentos comprados pela Aracati.

O imóvel – adquirido em 2006, mas até hoje registrado em nome da empresa – serve a um dos filhos do deputado, Gabriel, que estuda na cidade de São Paulo. O segundo apartamento, comprado pela Aracati no mesmo período, já hospedou o próprio senador Sarney.

A comprovação de que a empresa pagou à vista o apartamento número 22, de Zequinha, lança dúvidas sobre as explicações apresentadas pelos Sarney após a reportagem do Estado. À época, em nota, Zequinha declarou ter comprado o apartamento da Aracati por meio de um instrumento particular de compra e venda, também conhecido como “contrato de gaveta”. Ele afirmou estar pagando o imóvel à empreiteira até hoje. Em discurso no plenário do Senado, Sarney repetiu os argumentos do filho.

Zequinha se negou a informar as condições do negócio. A empreiteira, em nota, repetiu a versão do deputado, mas também não apresentou documentos da suposta transação. Procurada novamente, ontem a empresa informou que não dará mais informações sobre o assunto. Apesar de o apartamento não estar em seu nome, Zequinha o incluiu em sua declaração de Imposto de Renda deste ano.

Além dos dois apartamentos adquiridos em 2006 pela Aracati, a família possui a unidade de número 82, comprada em 1979.

NETO NEGOCIOU

Como o Estado noticiou no mês passado, quem iniciou a negociação foi o filho mais velho de Zequinha, o economista José Adriano. Ao proprietário do apartamento à época, o economista Felipe Jacques Gauer, José Adriano disse que tinha interesse no imóvel e representantes da Aracati iriam procurá-lo em seguida para fechar o negócio. Foi exatamente o que aconteceu.

A compra, feita em fevereiro de 2006, no valor de R$ 270 mil, teve dois depósitos. “A empresa transferiu R$ 50 mil para a minha conta pessoal e os R$ 220 mil restantes direto para a construtora, que estava me vendendo um outro apartamento”, disse o economista ao Estado.

Além de ter sido pago à vista pela empreiteira, o apartamento 22, que Zequinha diz estar comprando da Aracati, teve a compra registrada no Aeroporto de Congonhas.

Maria Rosane Frota Cabral, irmã e sócia de Rogério Frota na Aracati, encontrou-se com Felipe Gauer pessoalmente no aeroporto. A sócia da Aracati levou um escrevente de um cartório de Sorocaba, interior paulista, e a escritura, que já estava pronta, foi assinada ali mesmo, no saguão do aeroporto.

SETOR ELÉTRICO

A Aracati tem negócios no setor elétrico, conhecido foco de influência política dos Sarney no governo. Aberta em 1992, a empresa iniciou as suas atividades na cidade de Imperatriz, principal base no Maranhão de seu proprietário.

Pouco depois, transferiu-se para São Paulo. Em Sorocaba, interior do Estado, atuou como construtora. Há dois anos, a empresa mudou oficialmente de nome – passou a chamar-se Holdenn – e de ramo. Seus negócios agora estão no setor elétrico. A sede da empresa também mudou, de Sorocaba para Brasília.

As incursões no setor elétrico estão dando certo. Nos últimos anos, a Holdenn foi autorizada a construir duas usinas termoelétricas no Tocantins, com direito a incentivo fiscal aprovado pelo ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, apadrinhado de Sarney.

Logo após ter aprovada toda a parte burocrática, o que especialistas no setor dizem ser a etapa mais difícil, a Holdenn vendeu os empreendimentos.


5 comentários

  1. Andre
    sexta-feira, 4 de setembro de 2009 – 18:17 hs

    Denúncia contra o Sarney, pra que? Se um simples prefeito de capital já causa medo no MPF, porque haveriamos de nos indignar com denúncias contra alguém que tem muito mais conteúdo e forma?
    Se em Curitiba a Câmara blinda o Prefeito e ninguém acha isso errado, que mal existe o Governo Federal – com o Imperador Lula no comando – blindar seu Presidente do Senado de estimação?
    Mais uma denúncia que vai cair no lugar vazio, estilo o Betogate…

  2. SYLVIO SEBASTIANI
    sexta-feira, 4 de setembro de 2009 – 18:52 hs

    Nestes últimos anos tivemos três personalidades de “destaque”,em nosso país que devem ser sempre recordado, para a nossa juventude tomar conhecimento como FATORES importantes: “O JUIZ LALAU, O DR, ROGER E JOSÉ SARNEY!

  3. SYLVIO SEBASTIANI
    sexta-feira, 4 de setembro de 2009 – 18:53 hs

    Nestes últimos anos tivemos três personalidades de “destaque”,em nosso país que devem ser sempre recordado, para a nossa juventude tomar conhecimento como FATORES importantes: “O JUIZ LALAU, O DR. ROGER E JOSÉ SARNEY!

  4. sexta-feira, 4 de setembro de 2009 – 19:07 hs

    Bem se o Bom moço está pagando em suaves prestações o que todos já estão achando que é é mais uma mentira, nada como Provar isso. Favorzinho, amigo é para essas coisas, mas deve haver saques de alguma conta do Moço ou depósitos na conta da empreiteira, Porque um lançamento a débito precisa dos respectivos créditos a menos é claro quando lançado a Fundo Perdido.

    Investigué-se o Sarney e seu Meninoa não devem ter nada contra. Ou manda arquivar Novamente.

    CANALHA – Fora SARNEY

  5. sábado, 5 de setembro de 2009 – 14:08 hs

    ISTO AÍ É APENAS UMA MIGALHA QUE O DÉSPOTA DO MARANHÃO RECEBEU,LEMBREM-SE DE QUANTOS ANOS(7?) ESTE INSANO ESTEVE NO PODER E AINDA ESTÁ MAMANDO,CANALHA…
    EM 2010 SE A DILMA TENTAR GANHAR TEMOS QUE VOLTAR COM A CAMPANHA,AGORA MAIS BEM ELABORADA, O SUL É O MEU PAÍS,PORQUE,NÃO É FÁCIL TER TRÊS SALÁRIOS ROUBADOS AO ANO POR UM DESGOVERNO QUE MATA MAIS QUE A GUERRA DO IRAQUE,AFEGANISTÃO,ETC…
    FORA DILMA, FORA DUCE,FORA CANALHAS, FORA DÉSPOTAS…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*