Simon, desolado: "No Brasil, não se apura nada" | Fábio Campana

Simon, desolado: “No Brasil, não se apura nada”

SimonLMar230
De Josias de Souza na Folha Online

O senador Pedro Simon (PMDB-RS) foi ouviu o ronco da rua. Esteve no Largo do São Francisco, a faculdade de Direito da USP. Rodeado de estudantes, resumiu numa frase o desalento que o assaltou depois que o Senado arquivou as ações contra Sarney e o STF livrou a cara de Palocci.

“Ficou provado que, no Brasil, não se apura nada”. Alunos e professores perguntaram ao senador o que há de ser feito. E Simon: “Se houvesse movimento da sociedade, duvido que Sarney não tivesse renunciado”.

A reação contra a impunidade precisa vir, no dizer de Simon, “de fora para dentro”. Leia-se: das ruas para as instituições públicas.

Sim, Simon enfatizou, “porque de dentro do Congresso e do Supremo Tribunal Federal não vai sair nada…”

“…Do presidente Lula não vai sair nada. E não adianta destituir o Conselho de Ética, porque o STF acaba arquivando tudo”.

Há no Senado quem já está pelas tampas com a pregação ético-moral de Simon. Por exemplo: Ideli Salvatti (PT-SC), líder de Lula.

Quando Simon sobe à tribuna para se queixar da renitência de Sarney, Ideli costuma perguntar, à boca miúda e entre risos:

“Ele já falou do Rio Grande do Sul ou continua fingindo que é senador pela Paraíba?”

O petismo não se conforma com o silêncio de Simon em relação aos malfeitos atribuídos à gestão da governadora gaúcha Yeda Crusius (PSDB).

Nesta sexta (28), como que decidido a livrar-se da pecha de “ético seletivo”, Simon disse meia dúzia de palavras sobre a encrenca gaúcha.

Presidente do PMDB estadual, Simon afirmou que seu partido “realmente tem participação” no governo tucano de Yeda.

Mas, segundo ele, o pemedebê “deixou claro” à governadora “que sairá do governo e que participará da CPI” aberta contra ela na Assembléia Legislativa.

Ah, bom!


13 comentários

  1. jango
    sábado, 29 de agosto de 2009 – 11:13 hs

    Lembro também do pronunciamento do deputado Gustavo Fruet, no plenário do Congresso, sobre a situação dos poderes públicos no Paraná, lapidarmente:

    “No Paraná nada é apurado, ninguém é punido.”

    E isto não teve a menor ressonância nem junto às ditas “autoridades de controle público” (inclusive entre as destinatárias da admoestação) nem da sociedade paranaense.

    Os calhamaços de denúncias da mídia contra atos ímprobos e ilegais, principalmente do Executivo estadual, estão destinados à lata de lixo. Desde as tv laranjas e seus pendrives (sobre o quais o Ministério Público estadual até hoje não manifestou sua conclusão da investigação – dizem – encetada) até o passivo judicial do pedágio, a maior aventura judicial já perpetrada pelo governo estadual numa causa perdida (que ultrapassa a cifra de 240 milhões, conforme denunciado na mídia), nenhuma responsabilidade dos gestores públicos implicados é ou foi apurada. Nem será. Esta herança de malversações e dívida pública ficará para o povo, inerte e tomado de anomia, pagar centavo a centavo.

    E dizem que o Brasil é uma República ? Sim, uma República tomada por uma nomenklatura de “autoridades públicas” que vivem somente para elas e seus cargos. Criamos um monstro que devora a sociedade, com suas prerrogativas, os mais altos salários da nação e poder para proteger as suas benesses. E não há reação da sociedade. Este é o drama, se não for a tragédia anunciada.

  2. sábado, 29 de agosto de 2009 – 11:17 hs

    Que o Governo acabou, pelo menos para o contribuinte, para o povo para o eleitor, isso está muito claro. Não há executivo, trabalham para adquirir e aumentar bens, poder e fortuna pessoal, Anularam o Legislativo com uma crise criada propositalmente. E logo conseguém acabar com a já inoperante Câmara de deputados, outro covil.

    Acabaram com STF então o Brasil ficou sem justiça. Agora ou vamos passar já para a ditadura promovida por analfabetos, aliás são os únicos adeptos a essa forma de desgoverno.

    Ou Alguém pede ajuda para os Militares. E em 6 meses colocamos a casa em Ordem.

    É bom? não. Mas não há outra saída para a moralidade do País.

    Agora vão “cortar” poderes aos Procuradores, Claro já compraram os Canalhas do STF.

  3. CURTO e GROSSO
    sábado, 29 de agosto de 2009 – 11:44 hs

    Pedro Simom, Flávio Arns… poucas cabeças ainda lúcidas naquele antro chamado Brasília.
    Gente… o que o povo está esperando ? Está esperando a Copa do Mundo do ano que vem ? Está esperando passar o surto de gripe suína ? Está esperando o Carnaval de 2010 ? O que o povo está esperando para se manifestar, para dizer um alto e claro “BASTA” a toda este mar de lama (para não dizer “um mar de merda”) em que se transformarm nossos PODRES PODERES ?
    Gente… o que o Senador Pedro Simom disse em São Paulo, para qualquer bom entendedor, foi : ” – POVO, VOCES TEM QUE SAIR ÀS RUAS ! VOCES TEM QUE SE ORGANIZAR, VOCES TEM QUE SE MANIFESTAR, VOCES TEM QUE GRITAR … SE MEXER, EXIGIR ” para que alguma coisa começe a mudar.
    Vejam a que ponto chegamos : um Senador da República, Pedro Simom, vai a um reconhecido berço de intelectuais em São Paulo e diz que “a pressão precisa vir de fora para dentro” para que alguma coisa mude no cenário político deste Brasil.
    Povo… isto é MUITO GRAVE… Não é um Zé Mané falando isso, é um Senador da República que reconhece – como pouquíssimos – a falência das instituições da república no país. É um Senador da República conclamando o povo a se manifestar nas ruas, a pintar suas caras novamente, a fazer panelaços e apitaços…
    E isto vale para os 3 Poderes :
    – o Executivo de LULA, preocupado em proteger o quadrilheiro-chefe do Senado, José Sarney, enquanto encobre as tramas da utilização da máquina pública – Receita Federal – a favor de seus interesses menores…
    – o Legislativo de SARNEY no Senado com seus atos secretos e demais maracutaias e de MICHEL TEMER na Câmara Federal aprovando Projetos de Lei na calada da noite, no silêncio da madrugada, que instituem a “farra da fé” no país…
    – o Judiciário de GILMAR MENDES com sua notória lerdeza, a não ser quando se trata de proteger amigos, conceder habeas-corpus a toque de caixa a banqueiro ladrão e negar investigações quando o alvo são seus pares de poderes, no caso o Sarney…
    Enfim, gente… O QUE AINDA SE SALVA ?
    Por que não ouvimos o que disse Pedro Simom em São Paulo e começamos a nos organizar, ir às ruas, nos manifestar… ?
    Acho que, como cidadãos, temos tres alternativas :
    a) nos engajamos na luta a partir de uma tomada de consciência política e do entendimento do que deveria ser realmente o Estado Democrático de Direito… e então vamos às ruas,
    b) ou ficamos absorvendo esta merda toda que temos visto acontecer todos os dias, e nos estressamos, e escrevemos nos blogs, e depois esquecemos e passamos a nos estressar com o próximo escândalo que vier na sequencia,
    c) ou deixamos tudo isso de lado, que se f… o país, e vamos morar numa praia do nordeste, um lugarejo qualquer, viver de água de côco e forró…
    Certamente aos políticos interessa a última opção. Mas como ficaria nossa consciência enquanto cidadãos ?

  4. sábado, 29 de agosto de 2009 – 12:11 hs

    Concordo plenamente com o Simon, lembrando que num passado ainda próximo, o povo se pintou de verde e amarelo e ajudou a tirar Collor do poder, motivado por acusações, que se comparado às atuais contra Sarney, até parecem ínfimos.
    O que mudou? O povo perdeu a vontade de protestar pelos seus direitos, exigindo justiça e se acomodou na poltrona da sala para tão somente assistir pela televisão os atos e falcatruas absurdas destes integrantes do crime organizado do terno e gravata, e poder nas mãos?
    Prefiro acreditar que não,que na verdade este povo está é preocupado em trabalhar para prover seu sustento e por isso não tem tempo para protestar, mas que vai dar a devida resposta nas urnas ano que vem.
    Mas deixo aqui meu protesto:
    Que democracia é essa onde uma só pessoa pode se apossar de um estado inteiro e também do senado federal, tomando-os para si e fazendo deles simplesmente o que bem entender, a qualquer custo ou prejuízo em detrimento da população e do país, sem ter que responder judicial, administrativa ou criminalmente a absolutamente nada, por pior e mais fraudulenta que seja sua ditatorial gestão de poder, perpetuando assim “Ad Eternum” a continuidade de sua sinecura política, para si próprio e seus sectários
    Só para concluir eu não posso deixar de perguntar:
    – Será que as pessoas se lembram, qual era o vínculo político do atual presidente do senado e a qual partido ele era filiado, antes de formar a “chapa” com Tancredo Neves, para então se tornar candidato à vice-presidente da república? Cargo aliás, que ele mal chegou a ocupar visto que tragicamente Tancredo faleceu antes de poder dirigir nosso país pelos caminhos da tão sonhada democracia pela qual ele tanto tinha lutado.
    E o presidente, o que ele achava do Sarney e do Collor, há alguns anos atrás, antes de se tornarem seus aliados?
    Estas simples respostas podem demonstrar, algumas das razões porque o país está vivenciando esta podridão nos atos daqueles que deveriam estar, na verdade, defendendo os interêsses públicos!

  5. O Povo
    sábado, 29 de agosto de 2009 – 12:24 hs

    Também concordo com o Senador Pedro Simon, só que o Povo está cansado e não há referência em quem acreditar e ter um caminho a trilhar! Parecem todos da mesma laia, ora pendendo a esquerda ora a direita!

  6. jose pedro
    sábado, 29 de agosto de 2009 – 12:31 hs

    O Brasil só mudara a partir da mobilizaçao da sociedade.
    Assim sendo, devemos reagir mostrando nossa indignaçao em protestos nas ruas. Passamos da hora de deixarmos de ser como o stablishement quer que sejamos : passivos , cegos, surdos e mudos .
    Quanto ao quesito violencia , deixemos de lado essa coisa melosa e demagoga de pedirmos paz empenhando lenços e panos brancos nessas caminhadas que nao levam a lugar nenhum. Para termos paz é necessario que primeiramente votemos em candidatos que se comprometam com a mudança real e séria do nosso codigo penal e processual. Caso contrario continuaremos a ver crianças , jovens e pais de familia trabalhadores e honrados sendo dizimados em todos os cantos de nosso pais. PARA HAVER PAZ É NECESSARIO QUE AJA JUSTIÇA ,PARA HAVER JUSTIÇA SAO NECESSARIAS LEIS QUE DE FATO CONTEMPLEM E FAÇAM SURGIR A JUSTIÇA.

  7. Carlos Cesar Mares
    sábado, 29 de agosto de 2009 – 12:43 hs

    Pedro Simon tem razão em parte ao questionar a não reação da população, em breve linha é fácil de apurar toda essa apatia. O pessoal que elege toda essa corja incluindo o tal, não é o que lê jornais, é o que limpa a bunda com ele.

  8. SYLVIO SEBASTIANI
    sábado, 29 de agosto de 2009 – 12:54 hs

    Conheci pessoalmente o Senador Pedro Simon, em 1977 quando estive com o deputado Daros e nosso amigo Odair,em sua residência em Porto Alegre, ele era Presidente da Assembléia.Participei em diversas reuniões do MDB com ele.Estivemos quando da chegada de Leonel Brizola em Fóz do Iguaçu em 1979, conversamos no Hotel das Cataratas.Lutamos contra a ditadura militar. Em 1976 eu era Presidente do MDB e alugamos um caminhão que era “TV MDB – A VÓZ DO POVO”e percorremos toda Curitiba atacando o Governo da época.Imagino hoje como deve estar o Senador Pedro Simon, vendo e tendo que participar desta “política” atual.Eu estou, talvez, até arrependido e envergonhado de ter feito tudo que fiz e levei meus amigos à fazerem.Aqueles que ainda estão vivos, eu peço desculpas e pedirei aos outros depois.

  9. Sensato
    sábado, 29 de agosto de 2009 – 13:46 hs

    Parlapatão

  10. sábado, 29 de agosto de 2009 – 15:56 hs

    Meu caro Paulo Mikoski, para torar Color do poder o PT e suas bandeiras vermelhas, estavam lá, hoje o PT esta la NO PODER: Os caras Pintadas (UNE) estavam lá, hoje estão lá GAVETA $
    do Palácio, recebem para fiucarem quetinhos.

  11. sábado, 29 de agosto de 2009 – 16:23 hs

    Conheço o Pedro Simon apenas pelo que apareçe na mídia em geral. Não vou tecer qualquer comentário positivo, pois não confio nele. A memória é fraca, o povo esqueçe. Mas acho que o Jacaré aqui tem memória de Elefante. Pelo menos memória, e não bumbum de elefante, como o André Vargas é conhecido pelos desafetos. Todos que elogiam o senhor Pedro Simon, deveriam buscar nos arquivos do Senado Federal, qual foi o voto do ilustre Senador no caso do Banestado. Pois saibam meus caros, que o Banestado não foi federalizado, e depois seria sanado das roubalheiras dos assaltantes de plantão e continuaria como patrimônio da sociedade paranaense. Na época, estava como Presidente do Sindicato dos Bancários de Curitiba e participei da intensa luta para salvar o Banestado, apurar o tal CC-05, apurar o esquema dos doleiros e do Cisne paraguaio, “y otras cosita más”. Reunímos várias vezes com representantes dos 3 Senadores do Paraná e recebemos a garantia de que teríamos votos para a federalização. Estávamos prestes ao leilão marcado para a entrega do banco. Pois não é meus caros que falou 01 voto (isso mesmo, somente 1 voto), e adivinhem de quem? Quem? Até hoje não sabemos da atitude do ilustre senador gaúcho, só sei que ele defendeu a permanência do Banrisul como banco público. Será que o público gaúcho é diferente do paranaense? Vamos perguntar aos senadores do Paraná, à época. Esperamos respostas Srs. Requião, Álvaro e Osmar.

  12. Rsn.46
    sábado, 29 de agosto de 2009 – 17:21 hs

    O Senador Pedrro Simon,não sabe onde está,e,provavelmente,nestes

    últimos cinquenta anos de Senado, não teve tempo de ler o Regimento

    Interno da Casa. Se leu não entendeu. Está na hora da imprensa em

    geral, dar importância para este babaca.

    Rsn46.

  13. adriano
    sábado, 29 de agosto de 2009 – 18:03 hs

    Diria eu: Nno Rio Grande do Sul não se apura nada. A CPI que apuraria as denúncias contra a Yeda Crusius contou com ferrenha oposição do Simon e do filho dele, secretário da Yeda. É que a ética não tem valor universal, né?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*