Paraná é um dos estados que menos gastam em segurança | Fábio Campana

Paraná é um dos estados que menos gastam em segurança

De Pollianna Milan na Gazeta do Povo

O Paraná amarga a 21ª posição no ranking dos estados brasileiros que mais investem em segurança pública por habitante: são R$ 108,90 para cada cidadão paranaense, enquanto Minas Gerais, por exemplo, investe R$ 349,48 por pessoa. Os dados, de 2008, foram divulgados na quarta-feira pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

“Nos últimos três anuários percebemos que os estados que investiram mais conseguiram reduzir a taxa de homicídios”, afirma Adriana Taets, assistente de pesquisa dos projetos do Fórum. “É claro que não é uma regra, até porque depende muito da qualidade dos investimentos”, diz.

Outros dois fatores marcaram negativamente o Paraná na pesquisa: o primeiro é a falta da divulgação de 13 itens pedidos pelo Fórum (veja nesta página) – o que indica falta de transparência nos dados; o segundo é que o estado aparece com um alto índice de homicídios dolosos – são 26,7 para cada 100 mil habitantes, fator que pôs o Paraná em oitavo na lista dos mais violentos.
O secretário da Segurança Pública do Paraná, Luiz Fernando Delazari, afirmou em nota que o cálculo dos investimentos por habitantes não tem sentido. “Você não compra uma viatura ou uma arma para cada cidadão. Em segurança pública, você mede o investimento em sistemas eficazes de combate à criminalidade. O Distrito Federal, por exemplo, aparece com um crescimento de 80% nos investimentos de 2007 para 2008. Só que eles investiram R$ 146 milhões enquanto nós investimos dez vezes mais, R$ 1,1 bilhão. Não há o que discutir, o Paraná é um dos que mais investe na área.” A Secretaria da Segurança (Sesp) disse ainda que o orçamento do estado, em valor real bruto, é um dos melhores do Brasil. Foi o segundo estado brasileiro que mais investiu em policiamento e o sexto que mais gastou em segurança pública.

Caixa-preta

A falta de transparência nos dados da segurança pública, de um modo geral, é um problema grave no Brasil. “Se ainda existem estados que não divulgam todos os dados, é porque a caixa-preta continua. Estamos há 20 anos em um regime de democracia, os dados públicos são um direito do cidadão”, afirma o professor de Sociologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Michel Misse.

A Sesp afirma que os dados de 2007 não foram repassados porque não houve solicitação. Já sobre a falta de divulgação de vários índices (suicídios, lesão corporal seguida de morte, latrocínio e mortes a esclarecer), a secretaria disse que o geoprocessamento não separa esses dados. Sobre outras duas informações não fornecidas pelo governo paranaense (número de policiais mortos em serviço e quantidade de pessoas mortas em confronto com a polícia), a secretaria explicou que esses dados serão disponibilizados em breve.

Violência

No Paraná, aconteceram 26,7 homicídios a cada 100 mil habitantes no ano passado. O número coloca o estado entre os dez mais violentos do Brasil. Sobre a alta taxa de homicídios no Paraná, por e-mail, a Secretaria de Segurança Pública afirmou que “estabelecer este ranking é um equívoco porque mecanismos de coleta, tecnologias e tipificações diferentes não têm como ser comparadas.” Disse ainda que o próprio Fórum defende a implantação de um sistema nacional de dados porque o atual ainda é frágil. A reportagem solicitou uma entrevista com o secretário, mas obteve apenas resposta da assessoria de imprensa, por e-mail.

Avaliação

Para o professor Valter Cardoso da Silva, do Núcleo de Violência da Universidade Federal do Paraná, mais importante do que discutir números é questionar os governantes sobre as políticas de proteção e prevenção. “Falam em número de investimentos em policiamento, compra de viaturas. Isso parece mais uma prática eleitoreira que qualquer outra coisa”, diz.

O sociólogo Misse, da UFRJ, acredita que não é possível estabelecer uma relação direta entre violência e orçamento porque os crimes são causados por vários fatores diferentes. Os números, porém, servem para se ter um parâmetro. “Torna-se um desafio compreender o que leva um estado a ter um índice maior de violência, até porque nem todas as secretarias de segurança estão dispostas a falar sobre isso. Não é só o aumento nos investimentos, porque a população pode ter diminuído no mesmo período.”


15 comentários

  1. R.Silva
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 8:06 hs

    NÃO ACREDITO!!!! Essas pesquisas devem ser revistas! Esses dados não devem estar corretos! Desculpe Fábio, mas me recuso a acreditar que o déspota hipócrita e demagogo gaste tudo isso com segurança. Não acredito que ainda exista, no Brasi, algum estado que trate com maior descaso a segurança pública que a requiolândia! vigésimo primeiro ainda é uma ótima colocação para a forma com que nossa segurança vem sendo gerida.
    REQUIÃO NÃO!!! NUNCA MAIS!!!

  2. Revolta
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 8:16 hs

    No Paraná, insegurança é regra. Só não vê quem não quer. Ou, no caso de nosso digníssimo (des)governador, quem não tem competência para ver! O descaso fica evidente a começar pelo efetivo e salário de nossos policiais – os de “base”. O salário dos policiais civis do Paraná é um dos menores do Brasil (dos policiais “da lida”, não dos de sala com ar condicionado). É claro que esse não é o único fator que influencia a segurança, mas é um forte indício do descaso para com a segurança da população, que é atendida por um pequeno grupo de profissionais desmotivados, desvalorizados e, agora, revoltados.

  3. SFU
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 8:27 hs

    A divulgação, pura e simples, de quem gasta menos, ou mais, não é tão relevante. O que importa é correlacionar essa informação com os dados operacionais, absolutos e relativos, de segurança pública dos estados, estabelecendo comparativos médios com o país. Isto, sim, seria jornalismo de fato e que, certamente, interessa a todos os contribuintes.

  4. V.Lemainski-Cascavel
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 8:39 hs

    E um fanfarrão fala de peito estufado que temos a melhor segurança do país!…
    O outro fanfarrão menor diz que está tudo normal e dentro do previsto nas estatísticas!
    Eta nóis!!!!….

  5. Jorge Ventura
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 9:11 hs

    Nosso secretário vai dizer que isso é perseguição da mídia, além de reinterar que Papai Noel existe e que o coelhinho da Páscoa é um cara legal.

  6. Bin
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 9:58 hs

    Enquanto isso eu gasto dois mil reais por ano, só com o monitoramento da minha casa, fora as cameras, sensores, grades, cercas e ração do pastor alemão…

  7. joão alves
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 10:46 hs

    ué! a república popular socialista revolucionária bolivariana do paraná não era quem mais investia em segurança? não era aqui na província que tinha um tal de geoprocessamento do crime? tem alguma coisa errada aí: se o grande líder requião diz que aqui a opção preferencial é pelos pobres, que temos a melhor polícia do universo, o melhor secretário de segurança do planeta, que le mata a cobra e mostra o pau e etc, etc, etc… e agora vem uma notícia dessa? alguém está mentindo aí.!
    deixa eu adivinhar o que vai acontecer: o secrtário batatinha vai mandar uma nota pra imprensa dizendo que há um equívoco nesta pesquisa, que a metodologia utilizada está errada e que a escalada da violência na província é coisa da imprensa golpista. o requião vai dizer que a culpa é dos juízes e talvez dos times de futebol do paraná que não dão alegrias pra seus torcedores e que com ele o negócio é pau, polícia e cacete e ele vai mandar o ministério público sentar a púa em quem é ladrão e coisa e tal e confusão e show na escolinha de terça….
    enquanto isso, os pobres mortais pagadores de impostos (essa gentinha miserável) ficam à mercê dos facínoras de toda espécie, e o governador e o batatinha tomam seus whiskys 12 anos, seus vihos de 100 mangos a garrafa, e degustam pernas de carneiro à beira da churrasqueira do canguiri.
    e no ano que vem o requião vira senador da república!!! e se isso acontecer temos que distribuir diplomas de otários aos eleitores desta pústula que vive se regozijando com suas demagogias.

  8. Leo
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 11:43 hs

    Sua Prepotência o Secretário Delazari vai contestar os números (como sempre), dizer que o mundo é quadrado etc…., e o pior o Requião vai acreditar. Até quando a segurança do Paraná vai continuar sendo brinquedo de meninos despreparados e prepotentes. Enquanto isso na Assembléia, deputados covardes aplaudem a desgraça e a tragédia que impera em nosso estado. quanto rabo preso hein…..É o fim dos tempos.

  9. marucobr
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 12:54 hs

    Requião, Delazari e muitos outros como o Lerner são os piores lixos da política da segurança pública. Pessoas capaz de qualquer ato para obter vantagem financeira em proveito próprio e de seu seguidores. Polícia Militar sem gente para trabalhar polícia civil essa sim, só por Deus os poucos homens que tem estão até velhos e cuidão de presos, falta tudo, equipamento só na mídia na prática estão usando canela seca, e o pior de tudo não podem reclamar, basta um estalo e são perseguidos pior que bandidos.

  10. sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 13:38 hs

    Eita governinho de m… PQP … e o cara ainda quer mais 8 anos como Senador, com certeza para abrigar a parentalha e os agregados.

  11. Fabio Pimentel
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 14:27 hs

    Que o Parana é o estado que menos gasta com segurança nao duvido
    Mas o que a policia de transito arrecada com o APOIO da RPC em BLIZ EDUCATIVA é brincadeira hein e o $$$ arrecadado alguem sabe nos explicar pra onde vai ??????????

    Fabio Pimentel

  12. sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 15:13 hs

    Não Tem, as verbas são desviadas….Para onde será…. TCE??? sabem dizer??

  13. CAÇADOR DE PETISTAS - DIRCEU
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 15:26 hs

    ESTE É O CRIADOR DE LULLA DA SILVA

    Lula foi inventado por Zé Dirceu e alguns intelectuais. Muitos desses já deixaram o PT e hoje são anti-Lula. Perceberam que criaram não um monstro, mas um ser disforme e incompleto.

    Lula era um líder sindical. Sim, isso é indiscutível. Mas quem o transformou em um líder que defendia uma ideologia foi uma meia dúzia ou mais de intelectuais marginalizados pelo regime, que para passarem a existir politicamente, precisavam de um Ser com algumas habilidades: ser um bom orador para a massa de trabalhadores, que falasse a língua do povo sem compromisso com a teoria.

    Alguém que não possuísse capacidade de percepção de riscos e que se mostrasse tão destituído de idéia que conseguisse burlar a rígida Lei de Segurança Nacional e passasse pelo sistema sem representar uma ameaça. Alguém que mesmo com restrita habilidade intelectual, possuísse capacidade de reprodução, isto é, poderiam colocar na cabeça dele o que deveria fazer ou falar.

    Esse homem era Lula. Perfeito!

    Os pensadores do PT já tinham o líder, agora precisavam inventar a esquerda.

    Partiram do marco zero. Desprezaram tudo que já existia no Brasil em termos de luta revolucionária e se colocaram como os primeiros. O momento ajudou, claro.

    Lula foi feito presidente do partido e líder das massas. Os pensadores passavam a ele as diretrizes, cuidavam da vida dele, instruíam como deveria agir, pensar e falar. Sua família virou o partido e sua vida foi se mesclando com o PT.

    Não o ensinaram a diferenciar o que era dele e o que era do partido, mesmo em termos físicos, da estrutura física mesmo, dos bens do partido. A sede do partido era uma extensão da sua casa. Era seu trabalho e seu lazer.

    Viajava pelo Brasil e pelo mundo e nunca soube quem pagava as despesas. O partido tratava desse assunto. Tinha, e isso é fato, clara noção de como os operários/trabalhadores/militantes contribuíam com para a criação do PT. Aliás, essa é uma reclamação de muitos que hoje são senhores aposentados e vivem com míseros salários.

    Assim como no filme de Elia Kazan, “Sindicato dos Ladrões”, os operários do ABC eram induzidos a entregar parte dos seus salários para a construção de um “ideal”. Os que não aceitavam, eram marginalizados pelos outros, com eles era feita uma espécie de pressão que os fazia sentir politicamente incorretos. Não existia o meio termo, quem não contribuía era do mal e os outros do bem. Acabavam cedendo. Assim nasceu Lula.

    A personalidade do presidente sempre me intrigou. Procurei algumas descrições da psiquiatria tentando encaixá-lo, mas ele é um mix. Lula possui vários tipos de Transtornos de Personalidade.

    É um psicótico múltiplo, se é que isso existe. Apresenta traços de Transtorno Dependente, aquele que tem dificuldades para tomar decisões e necessita que os outros assumam a responsabilidade de seus atos.

    Por mais incrível que pareça, Lula apresenta sinais de Transtorno anti-social, descrito como aqueles que “desrespeitam e violam os direitos dos outros, não se conformando com normas. Mentirosos, enganadores e impulsivos, sempre procurando obter vantagens sobre os outros”.

    Luis Inácio apresenta também traços de psicopatia narcisística, definida como: “auto-referência excessiva, grandiosidade, tendência à superioridade e exibicionismo, dependência excessiva da admiração por parte dos outros, superficialidade emocional, crises de insegurança que se alternam com sentimentos de grandiosidade”.

    Esse foi o produto da invenção de Zé Dirceu e seus amigos, um ser de comportamento Psicótico, destituído de consciência moral e ética, de discernimento do que é seu ou do outro, sem limites. Essas pessoas não conseguem captar que o que é de todos não é só seu.

    Este ser chamado Lulla da Silva.

  14. sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 19:57 hs

    Esse governador Reiquião e seu batatinha são mentirosos.

  15. taci
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 20:16 hs

    O alto da XV e o Taruma estão abandonados, nunca se teve tantos assaltos. SOCORROOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*