Alvaro Dias diz que a lei não exige declaração de saldo financeiro | Fábio Campana

Alvaro Dias diz que a lei não exige declaração de saldo financeiro

alvaro-dias1

O senador Alvaro Dias, do PSDB, publicou o seguinte texto em seu blog para contestar a denúncia feita pela revista Época de que ele não declarou o saldo de movimentação financeira bancária. Na verdade, ele confirma o que diz a revista.

Denúncia caluniosa anônima e a liberdade de não ter medo: Denúncia caluniosa e anônima chegou à revista Época e obrigou um jornalista a trabalho desnecessário, durante um bom tempo. Queriam encontrar irregularidades em minha vida financeira. Coloquei à disposição todas as minhas declarações do Imposto de Renda desde o ano 2000 e abri meus sigilos bancário e fiscal. O jornalista analisou cuidadosamente os documentos e consultou especialistas. Tudo em perfeita ordem. Verificou-se que não declarei o saldo de minha movimentação financeira bancária à Justiça Eleitoral em 2006, quando disputei o Senado. Esclareci: A lei só exige seja entregue à Justiça Eleitoral a declaração de bens. A declaração de bens e direitos é feita à Receita Federal anualmente. A revista consultou dois juristas especializados em direito eleitoral, o Dr. Eduardo Alckmin e o Dr. Fernando Neves. Ambos confirmaram o que é realmente exigência legal. Sugestão: podemos mudar a lei e passar a exigir que os candidatos apresentem à Justiça Eleitoral a Declaração de Bens e Direitos, a mesma feita à Receita Federal. Simplifica, facilita , evita equívocos e interpretações de má fé . A denuncia caluniosa foi uma tentativa anônima, torpe e covarde de amedrontar-me. Lembrei-me de frase de JK: “Deus poupou-me do sentimento do medo”. Vou continuar defendendo a liberdade de não ter medo.


19 comentários

  1. segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 10:56 hs

    Nada Além da verdade. A lei manda que o Homem público faça a sua declaração de BENS. e esta foi feita corretamente.

    Dinheiro aplicado não é um bem, é um ativo circulante e pode ou não dar lucro, e este em qualquer dos casos tem que ser declarado ao Imposto de Renda, o que o Senador Álvaro Dias também fez.

    Ponto Final. Não Há Irregularidades ou Omissões.

    Será que temos que desenhar para ser entendidos?

  2. Mutuka
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 11:19 hs

    Verdade?
    Mas 06 milhões de reais, por questão de transparencia, devem ser declarados!
    Será que é sobra de campanha?
    Ou já é caixa para atual campanha?
    Fala Sério Quatá !

  3. Pé Vermelho
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 11:35 hs

    QUE FEIO SR. SENADOR ALVARO DIAS.!!!!!!!!
    QUE MAL EXEMPLO PARA OS PARANAENSES.!!!!!!!!!!

  4. vanguarda
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 11:43 hs

    Engraçado! Estes senadores esquecem com uma facilidade incrível de declarar seus bens à receita. Mas também… são pequenos valores. O senador Sarney, poe exemplo, esqueceu uma residência de 4 milhões. Agora, o nosso, esqueceu-se de declarar 6 milhões em “dindin”. “Tadinho deles”!
    Se sou eu ou você, mortal, estaríamos com bens bloqueados, multas extratosféricas nas costas e, provavelmente, na cadeia.

  5. segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 11:59 hs

    Ei tio Butox te pegaram em. E as casas que vc está construindo em Brasilia é dinheiro de herança ou do salario de senador? sifu a cobra vai fumar para o seu lado.

  6. JOÃO KASSAB
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 12:11 hs

    COMO É QUE SE PODE EXIGIR QUE CANDIDATOS CARGOS ELETIVOS DECLAREM SALDOS FINANCEIROS E APLICAÇÕES AO TRE, SE A LEI FALA EM SIGILO BANCÁRIO? AS DECLARAÇÕES DE BENS AO ÓRGÃO ELEITORAL SÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO E ISSO CONTRARIA AS NORMAS DA LEGISLAÇÃO POIS DO CONTRÁRIO, FICARIA O DECLARANTE SUJEITO A QUE QUALQUER PESSÔA TOMASSE CONHECIMENTO DE SUAS RESERVAS FINANCEIRAS; OPORTUNIDADE EM QUE BANDIDOS ASSALTANTES VIRASEM OS SEUS ÓLHOS PARA O SEQUESTRO DE SUA FAMILIA OU DELE MESMO. A OBRIGATORIEDADE DESSA DECLARAÇÃO E SÒMENTE PARA EFEITO DO IMPÔSTO DE RENDA.

  7. José Brasil- C.Procópio
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 12:23 hs

    O jornalismo investigativo,como nos países democráticos e de direito, não deve servir de retaliação contra políticos que demonstram as mazelas de um governo corrupto e demagógico. A revista Època, não devia servir de suporte para agradar os mandatários de plantão, na expectativa de aumentar o seu faturamento as custas de verbas públicas.
    O Senador Alvaro Dias, como em todos os seus registros de candidaturas agiu no estrito cumprimeto legal. A lei eletoral não exige que se informe nada além da declaração de bens do candidato. Esta torna-se de caráter público e pode ser questionada questionada por qualquer candidato, coligação, partido político ou eleitor. Conhecendo a biografia do Senador percebe-se que ele nasceu rico. E ser rico não é crime. O crime consiste em enriquecer através de falcatruas, desvio de verbas públicas ou negociatas. E este, não é o caso do Senador. Nunca em sua vida pública foi questionada a sua conduta e honradez.
    Ao agir da forma como agiu, a revista alia-se ao Governo do PT na tentativa de calar uma voz brilhante e combativa.
    Esta é mais uma estratégia do Governo do mesalão para desviar o foco da questão.
    O Senador Alvaro Dias não pode ser comparado aos corruptos Sarney, Renan Calheiros e Collor que fizeram suas fortuna através de golpes e de falcatruas no desempenho de suas funçõe públicas.

  8. Ita
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 12:27 hs

    Pequeno saldo.
    Resultado de?
    E como se conseguiu as gravações contra o Sarney?
    É facil acusar os outros.
    Mas e seus atos?

  9. MATAHARI.
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 12:30 hs

    ESSA É UMA CAMPANHA CONTRA O SENADOR QUE TEM SE MOSTRADO UM COMBATENTE FERÓZ DA CORRUPÇÃO DESSE GOVÊRNO SEM VERGONHA. FABIO, VOCÊ QUE É UM ANTIPETISTA DECLARADO ESTÁ INDO NA CONTRA-MÃO DA HISTÓRIA. JAMAIS DEVERIA DAR COBERTURA A UMA MATÉRIA TÃO MAL INTENCIONADA DESSA NATUREZA.

  10. segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 14:56 hs

    o Dr. Brasil vc está ainda na folha do senado ou voltou para cornélio procópio advogar. Tem que declarar sim tanto na declaração de imposto de renda e fim de papo. Eu como simples brasileiro mortgal tenho que declarar porque o tio butox não tem.

  11. andre
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 15:16 hs

    Não se salva um!!!!!!!!!!!

  12. Eleitor
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 15:24 hs

    É um hipócrita. E Requião o quer como sucessor! Está à altura!

  13. Carlos Tramontin
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 15:25 hs

    Álvaro quer ser candidato porque se diz mais experiente.Agora entendi a experiência que ele tem.

    Carlos Tramontin
    Ponta Grossa-PR

  14. segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 16:43 hs

    Prestei contas de campanha em 2004 e 2006, e neste formato. A lei não pedia realmente que houvesse a declaração de valores das contas particulares dos candidatos, apenas de valores patrimoniais e renda, prévia e devidamente declarada a Receita Federal no ano da disputa eleitoral – NEGATIVA DA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA, 2004 ou 2006. Agora tem que ter dos dois últimos anos.
    Bom, em nenhum momento a lei pede que seja divulgado o seu saldo pessoal de sua conta privada, nem pra este ou àquele candidato.
    Tenho quase certeza absoluta que ninguém entregou residual de extrato bancário pessoal, até porque é sigiloso por lei e não faz parte dos documentos exigidos pelas regras de prestação de contas de uma campanha eleitoral.
    Porém há certas interpretações sobre o assunto, que dá conta que mesmo que um candidato não tenha tido movimento na sua conta obrigatório de campanha, este tem que entregar o extrato dizendo que na conta houve nenhuma movimentação e o saldo é zero. Mas isso no tocante a conta de campanha, contas pessoais não, nem se misturam as de campanha.
    Há uma cidade no Oeste Paranaense, Santa Terezinha de Itaipú, que na eleição de 2008 o TRE não exigiu o saldo final das contas de campanha dos candidatos da cidade, disse que se não houvesse movimento algum, não havia a necessidade de entregar o extrato com o nada consta. Porém o TRE em Curitiba diz que tinha sim, mas como foi um fato que ocorreu com quase todos candidatos e a interpretação errada partiu do membro responsável à sanar as dúvidas dos candidatos na região do TRE de Foz do Iguaçu, o povo será provavelmente perdoado.
    Bem li o que foi dito aqui e ali, mas não tive acesso a revista ÉPOCA. E o que se propaga é o fato do Senador do PSDB não declarou um saldo particular de 6 mil reais, caso seja esse o fato real, não havia mesmo que declarar, pois nem era exigida tal declaração. Mas se for o resíduo de campanha, até 2006 era apenas necessário entregar as contas todas e os resíduos a partir de então eram repassados automaticamente dos bancos para o TSE que gerenciava o resto de campanha, jogava para o fundo partidário e redistribuía aos partidos através das famigeradas cotas partidárias. Sobrasse 1 centavo ou 1 milhão, acabava a campanha a grana passava a pertencer ao Tribunal Superior Eleitoral e este é que decidia o destino do que havia sobrado em dinheiro de todos os candidatos do país inteiro.

  15. oblongo
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 17:21 hs

    Matahari, com todo respeito o Fabio está fazendo o seu trabalho e pelo teor da matéria ele teve uma postura que está cada vez mais difícil de encontrar entre os profissionais da informação, a imparcialidade, não é sem muita razão que jornalistas tomaram conta das ruas quando caiu a obrigatoriedade de formação afim para o exercício da profissão… os melhores jornalistas que o país já teve ou tem não foram e nem são formados em jornalismo.
    Doa a quem doer a notícia deve ser veiculada e de preferencia com imparcialidade.

  16. O ARAPONGA
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 19:08 hs

    O alvaro é o cara, PODE TENTAREM MACULAR SEU NOME
    ELE É O CARA, viu ! Fabio

  17. SYLVIO SEBASTIANI
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 19:10 hs

    A Revista Época, que já esteve na Assembléia Legislativa do Paraná, porque não levanta as Declarações de Renda do Deputados, desde a primeira posse até hoje. Muito entraram pobres, pobres mesmo, e estão milionários!

  18. Luciano
    segunda-feira, 10 de agosto de 2009 – 20:27 hs

    Tentaram um golpe baixo contra o senador aproveitando-se de uma brecha e tanto da lei eleitoral e divulgando o saldo de suas contas em reportagem de uma revista que nem é tão lida. Se fosse a Veja… Quem cometeu o crime desta vez foram os jornalistas que elaboraram a matéria; por acaso pediram autorização da Receita para divulgar os dados? Heim?

  19. MARIO DO ATLÉTICO
    terça-feira, 11 de agosto de 2009 – 10:50 hs

    PARECE QUE O TIRO SAIU PELA CULATRA. TENTARAM DENEGRIR O NOME DO SENADOR ALVARO DIAS MAS, PELO QUE AQUI SE VIU, ELE TEM AO SEU LADO MUITO MAIS GENTE DEFENDENDO DO QUE JUDAS APONTANDO O SEU DEDO SUJO.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*