Enfim, sinais de recuperação | Fábio Campana

Enfim, sinais de recuperação

Jornal de Brasília

No Brasil, as exportações de manufaturados interromperam a trajetória de queda provocada pela crise e apresentam os primeiros sinais de recuperação. Depois de cair 40% de setembro a maio, as exportações desses produtos cresceram 10% em junho.
Os empresários relatam que os negócios fora do país foram retomados à medida que o crédito voltou, o câmbio estabilizou, e os estoques globais acumulados acabaram. Mas ainda assim o nível ainda é inferior ao de antes da crise. Em relação ao primeiro semestre do ano passado e o Brasil exportou quase um terço a menos de manufaturados de janeiro a junho.

A recuperação das vendas externas de produtos de maior valor agregado é consequência do desempenho um pouco melhor das economias da América Latina e dos Estados Unidos, principais clientes da indústria brasileira. A dúvida é se a reação dos países deve se sustentar ou pode se esvaziar quando os efeitos dos pacotes fiscais adotados pelos governos terminarem.
“A queda da exportação de manufaturados estancou e pode ocorrer até uma leve recuperação, mas não é para entusiasmar”, disse José Augusto de Castro, vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). Para o secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Welber Barral, “é um sinal de que parou de piorar”, mas os empresários têm de vender mais nos países emergentes.
Segundo o presidente da Embraer, Frederico Curado, “os negócios começam a ser retomados, mas o mercado desceu um degrau e deve ficar nesse patamar nos próximos três anos”. A companhia reduziu em 40% a previsão de entrega de aviões comerciais, para 115 jatos.
Em junho, o Brasil exportou 154% mais aviões que em maio, conforme a Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Para automóveis, a alta foi de 15%. As vendas externas de celulares e de laminados de ferro e aço também se recuperaram em junho em relação a maio, com altas de 24% e 82%. Até mesmo as exportações de calçados melhoraram (26% a mais), graças à entrada da coleção de inverno.

DESOVA
Mas a recuperação ocorre apenas no curto prazo. No primeiro semestre, em comparação com o mesmo período de 2008, as exportações desses produtos tiveram quedas expressivas. O Brasil vendeu 38% menos carros, 26% menos aviões, 28% menos calçados, e 37% menos laminados de ferro e aço.
Na Ford, as exportações de veículos cresceram 20,6% em junho em relação a maio, para 5.263 unidades. No primeiro semestre, comparado com igual período de 2008, as vendas externas da montadora caíram 42%. Segundo o diretor de assuntos corporativos da Ford, Rogelio Golfarb, está ocorrendo uma desova do estoque acumulado na crise, mas ainda não há sinais de recuperação consistente da demanda por carros nos países vizinhos.


4 comentários

  1. domingo, 5 de julho de 2009 – 11:47 hs

    Tudo isso é muito lindo, e lá veem os “meninos” do Lula e suas balelas:

    “Para o secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Welber Barral, “é um sinal de que parou de piorar”, mas os empresários têm de vender mais nos países emergentes.”

    A única forma de se combater de vez, DE UMA VEZ POR TODAS, a grande parte desses problemas, é uma REFORMA FISCAL E TRIBUTÁRIA DECENTE, que tire o Brasil de Quase campeão mundial em taxações, e isto invariavelmente vai traze-lo para o patamar de um dos maiores em arrecadação.

    Será que não há por aí, um único Cristão que consiga ver isso?

    Deixem de brincar de governabilidade ou desgovernabilidade e Façam o Brasil Crescer.

    A CULPA É DO EXECUTIVO E DO LEGISLATIVO POR IGUAL, Pois na sua maioria, seus membros, nada mais fazem a não ser legislar em causa própria. Só para dar um nome bonito a essa roubalheira desmedida que por aí PAIRA.

    Mas essas crises, na sua maioria, são previsiveis, não entendo como tanta empresa se deixa apanhar por elas? Não há o Porque.

    Agora a História dos Citricultores. É um processo que vem vindo, entraram porque que quiseram. Trata-se na Verdade de:

    Incompetência Administrativa.

  2. domingo, 5 de julho de 2009 – 17:57 hs

    O turma do PT, especialmente vc LULA AROLINHA, seja humilde e agradeça o PSDB pelo plano Real.

    Não vem que os louros não são seus não.

    você só sabia criticar as viajes de FHC, e hoje não para no Brasil (ainda bem pois as cacas poderiam ser maiores).

    MAROLINHA, você pegou o Brasil, navegando em águas mansas viu, você não conhece crise econômica, so pegou moleza.

    Agradeçam o PSDB, tropa de Petistas, agradeçam

  3. nei
    segunda-feira, 6 de julho de 2009 – 0:22 hs

    O Plano Real não foi criação do PSDB não. a lei foi assinado pelo presidednte Itamar Franco e o ministro da fazenda era o Ricupero, logo se o psdb quer assumir isso, esta cometendo um crime de apropriação indebita. E quem formou a equipe que elaborou o programa foi o Ciro Gomes.

  4. segunda-feira, 6 de julho de 2009 – 12:50 hs

    O Plano Real é do então Ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso, sendo que Ricupero veio depois e deu continuidade ao Plano e que até hoje graças a Deus sustenta a economia do país. A única coisa boa do desgoverno lula, foi ter continuado o Programa Econômico de FHC.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*