Brasil aceita pagar mais US$ 240 milhões por ano por energia paraguaia | Fábio Campana

Brasil aceita pagar mais US$ 240 milhões por ano por energia paraguaia

lula-lugo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva classificou o acordo de “histórico” e, ao lado do seu colega paraguaio, Fernando Lugo, anunciou “uma nova era” nas relações entre os dois países, embora todos os pontos do documento ainda dependam de aprovações dos respectivos Congressos.

Atualmente, o Brasil paga cerca de US$ 120 milhões ao Paraguai por uma parcela da eletricidade a que o país tem direito, mas não utiliza. Segundo o acordo firmado neste sábado, o Brasil passará a pagar cerca de US$ 360 milhões por essa energia.

O direito de vender livremente sua energia no mercado brasileiro – uma das principais demandas do governo paraguaio – também foi aceito pelo Palácio do Planalto, mas os termos serão ainda estabelecidos por um grupo de trabalho, que deve entregar as propostas em até 60 dias.

Criada em 1973, a usina é considerada a maior do mundo em termos de energia gerada e abastece 20% do território brasileiro. No Paraguai, Itaipu gera 90% do que é consumido.

Localizada no Rio Paraná, na fronteira entre Brasil e Paraguai, a usina hidrelétrica de Itaipu foi criada em 1973, mas apenas em 1984 começou efetivamente a gerar energia. É considerada a maior hidrelétrica do mundo, em termos de energia gerada.

Os governos do Paraguai e do Brasil são os dois sócios da empresa, com participações iguais. Quando o tratado foi assinado, ficou acertado que cada país ficaria responsável por 50% do capital inicial (US$ 50 milhões para cada).

O Paraguai, no entanto, não tinha recursos financeiros para isso. A saída foi pegar o dinheiro emprestado com o Brasil, não só para o capital inicial, mas também para outros investimentos, na medida em que o empreendimento era executado. O resultado é uma dívida de US$ 18 bilhões, a ser paga até 2023.

O Paraguai tem direito a 50% da energia gerada, mas como não precisa de todo esse montante, acaba usando apenas 5%. O tratado diz que o restante (no caso, 45%) deve ser vendido obrigatoriamente à Eletrobrás, a preço de custo.

O governo paraguaio questiona uma série de pontos do acordo sobre Itaipu. O país vizinho quer o direito de vender sua parte para quem quiser, da forma como quiser. O argumento é de que o Brasil “paga pouco” pela energia, e que outros compradores estariam dispostos a pagar o preço de mercado.

O Brasil paga ao Paraguai US$ 45,31 por megawatt-hora (MWh). No entanto, desse valor, o Paraguai recebe efetivamente US$ 2,81. A diferença (de US$ 42,5) é retida pelo governo brasileiro, como abatimento da dívida.


28 comentários

  1. Zé Ninguém
    sábado, 25 de julho de 2009 – 17:48 hs

    E bem esse tipo de postura que nos brasileiros queremos de um presidente, que defenda nosso patrimônio e nossas reservas financeiras. Parabéns Lugo

  2. Jose Carlos
    sábado, 25 de julho de 2009 – 18:06 hs

    O conservadorismo e a mentalidade exploradora da elite brasileira não admite a mudança de relações entre os países latino-americanos como a que está ocorrendo entre Brasil e Paraguai.
    Isso não lhes favorece, afinal a elite brasileira se locupletou da exploração do império norte-americano sob os países “em desenvolvimento”…

  3. Zé bola
    sábado, 25 de julho de 2009 – 18:14 hs

    Dois presidentes rediculos, olhem a roupa que se apresentam, olha o oculas do rapriga do Logo parace de 1900 e atingamente.. Talves nem banho tomem…Porções o Lula com essa barba talves tenha até pilohos…

  4. Conde Edmundo Dantas
    sábado, 25 de julho de 2009 – 18:17 hs

    Lamentável. Com mais este recuo do governo , tendo como conseqüência a entrega de riquezas dos brasileiros a outros povos, o Brasil passa, a partir de agora, ser conhecido como o país mais “bonzinho” do mundo. E, bondade em política externa é traduzida como fraqueza. Tudo isto tem origem na “bondade” praticada em favor de Evo Morales. Não vai parar por aí. O futuro nos revelará o valor desta conta, e, não tenho dúvidas, será extremamente alta.

  5. Cidadão Paranaense
    sábado, 25 de julho de 2009 – 18:17 hs

    Isso demonstra o quanto o Presidente do Brasil é frouxo. Cadê o MP para investigar o porquê dele tanto defender o Sarney.

  6. adriano
    sábado, 25 de julho de 2009 – 18:30 hs

    Que triste. Para fazer demagogia e recuperar politicamente um cara que quando bispo enchia a turma de filhos e elegeu-se fazendo pregação contra o Brasil. É só botar pressão que o Brasil cede.

  7. Jaferrer
    sábado, 25 de julho de 2009 – 18:32 hs

    E nós, povo brasileiro, vamos pagar a conta. Daqui a alguns anos, quando todos tomarmos consciência de mais essa besteira cometida por nosso presidente inzoneiro, talvez alcancemos alguma maturidade política; infelizmente, no caso de Itaipu, já será tarde.

  8. Pelópidas
    sábado, 25 de julho de 2009 – 19:22 hs

    Senhor Procurador Geral da União:

    Isso não é entregar o erário da União? Má gestão pública? O povo brasileiro é quem deve pagar por coisas alheias a suas divisas?
    Meu Deus!!! Esse louco entregou um pedaço da Petrobras para o Evo Morales, outro para o Chavez e agora submete a metade brasileira da Itaipu as vontades paraguaias. Mas os nossos carros roubados que são levados para o Paraguai e lá legalizados, nem pensar numa volta. Acabar com a vergonha dos crimes das froteiras, acobertados pelos governantes paraguaios então, nem se fala.
    Eu vou procurar um advogado e me negar a pagar impostos para um governo lunático entregista. E ainda falam do tal FHC.

  9. Pelópidas
    sábado, 25 de julho de 2009 – 19:26 hs

    Outra coisa: e a chamada GRANDE IMPRENSA, não se levanta contra isso? Não produz nada para acabar com essa palhaçada? Acordo secreto? Atos secretos. DEUS DO CÉU, CADÊ OS VERDINHOS?
    Prefiro fardas na rua que entreguismo populesco.
    FORA LULA! Vá morar na Bolívia, Venezuela, Paraguai.

  10. sábado, 25 de julho de 2009 – 19:47 hs

    Realmente parece que o povo Brasileiro é o grande responsável pela desgraça sul americana. Nós temos que bancar os bolivianos e agora, depois que assumiu o bispo de 2 filhos, somos nós que bancaremos o assistencialismo paraguaio. Uma vergonha, o presidente do Brasil atua contra o seu povo. Acordos são acordos e pronto, inclusive tem validade, depois se renegocia. Engraçado que quando é contra nós ninguém tem pena e o Brasil fica aí fazendo papel de idiota. Fica evidente a falta de preparo dessa turma pra tratar temas internacionais, sempre perdemos, algo vai muito mal….

  11. O Pato Curitibano
    sábado, 25 de julho de 2009 – 19:51 hs

    Nosso país se tornou a prostituta mais cobiçada das Américas, governado por alguém que está presidente de um grande sindicado chamado Brasil.

  12. jeca
    sábado, 25 de julho de 2009 – 19:51 hs

    Tenho vergonha do nosso presidente, nao tem compostura nenhuma, fala merda tempo in teiro, corrpto ele e os demais 40 e tantos ladroes, nao existe um plano para acabar com nossa pobreza, o pobre so vale pelo voto que compra pelas bol;as esmolas, o estragado deste mau caracter deixara para o futuro serao muito grandes

  13. Vigilante do Portão
    sábado, 25 de julho de 2009 – 20:12 hs

    Primeiro foi a história do Evo Morales trucando e o Lula correndo e aceitando a chantagem, mesmo tendo um contrato garantindo preço e fornecimento do gas Boliviano.
    Agora foi o “companheiro” Lugo, bastou ele bater o pé para o Lula ficar de quatro e pagar uma fortuna dessas.
    Caso o Brasil fosse um Império e o Lula (Deus nos Livre) fosse o Imperador, na posteridade ele seria conhecido como “D. Luiz, o frouxo” KKK

  14. J. E. Lima Conter
    sábado, 25 de julho de 2009 – 21:46 hs

    Seu grande canalha. As riquezas são do país não suas, capadócio.

  15. ofaxineiro
    sábado, 25 de julho de 2009 – 22:05 hs

    Quando acabar este governo, metade do Brasil foi dilapidado pelos paises vizinhos, porque este presidente está fazendo cortesia com chapeu alheio…Quem vai pagar esta conta somos nós….

  16. PAPAGAIO DE PIRATA
    domingo, 26 de julho de 2009 – 0:08 hs

    LULA, faz o Presidente do Paraguai fechar a fronteira para a entrada de carros e motos roubados dos coitados dos brasileiros, alguns pagando até hoje as prestações assumidas, porque tudo que é roubado tem que ser devolvido….vergonha será que o PT vai ficar quieto, Gleise esperamos uma palavra sua, fale alguma coisa, vamos fale, ou vaqi esperar o marido (Bernardão) mandar voce falar

  17. DE OLHO!
    domingo, 26 de julho de 2009 – 10:49 hs

    Agora o LUGO,pode pagar a pensão das criançadas

  18. Zé do povo
    domingo, 26 de julho de 2009 – 11:01 hs

    Concordo com este aumento, desde que o dinheiro aplicado sirva para tirar via o desenvolvimento econômico e social o Paraguai do papel de “porto de piratas” para todas grandes máfias internacionais, que atualmente fazem aquele país ser um enorme perigo a nossa soberania nacional tanto pelo contrabando, como também pelo tráfico de drogas e o criminoso comércio de armar ilegais.

  19. Vigilante do Portão
    domingo, 26 de julho de 2009 – 12:34 hs

    Negociar melhores condições para o Paraguai vender a energia que não ocupa merece apoio, entretanto, somente depois dos “hermanos” pagarem a sua parte na Usina.
    Nós ficamos com o custo da obra, e eles ditam o preço?
    Lembrei de um quadro da antigra “Praça da Alegria” no qual a Keity Lira dizia: “Brasileiro tão bonzinho”. No humorístico o brasileiro aproveitava da ingenuidade da garota para tirar proveito. No caso da Usina, são os paraguaos que fizeram a festa. O Lula entregou de mão beijada.
    Deve fazer parte do acordo para transferir riquezas aos países de “esquerda”, lembrando que já cedemos no caso do gás da Bolívia e o BNDS emprestou dinheiro para Cuba em condições especialíssimas.

  20. Lauro
    domingo, 26 de julho de 2009 – 12:41 hs

    Este é um caso de soberania nacional que está sendo violado.

  21. Jose Carlos
    domingo, 26 de julho de 2009 – 13:28 hs

    Será que o MPF vai examinar como se deram estas negociações, se ferem o tratado em prejuízo do Brasil? Não é possível que o presidente da República possa, sem autorização prévia do Congresso Nacional rever um tratado e dar benesses ao um país estrangeiro, com quem tira um coelho da cartola… e pior, duvido que um único centavo seja investido para o bem dos paraguaios… será investido em benefício deste padreco safado e seus coroinhas políticos, ávidos pelo butim…

  22. jeca
    domingo, 26 de julho de 2009 – 16:55 hs

    O Senado poderia tomar providencias, mas onde estao eles, com a lideran;a do Sarnei e outros, bandos de vagabundos

  23. Zé do povo
    domingo, 26 de julho de 2009 – 21:14 hs

    No início da construção de Itaipu se fez um orçamento de quanto deveria custar: US$ 2,033 bilhões, e, de forma meteórica, terminou custando 10 vezes mais, ou seja, aproximadamente US$ 20 bilhões. Tudo isso ocorreu tendo como base licitações fraudulentas, roubos, etc.. E isto se deve à enorme corrupção que impôs a Eletrobrás, a nossos governantes também, tanto assim no Brasil como no Paraguai, vários fatos no sentido de comprar os governantes para que esta dívida fosse crescendo, pois a maior credora de Itaipu é justamente Eletrobrás. Dizemos que 85% das obras de Itaipu e Yaciretá foram feitas por empresas elétricas brasileiras, portanto 85% do superfaturamento beneficiou empresas brasileiras.

    Vejam o quão astronômico é: do custo inicial de US$ 2,033 bilhões, Itaipu passou a custar US$ 20 bilhões, mas já se pagou de serviço da dívida US$ 32 bilhões. E se não se corrige esta situação, até 2023 esta empresa estaria custando US$ 64 bilhões. Ou seja: é uma soma astronômica, se chegarmos a pensar o quão grandioso é este montante, diríamos que estamos mentindo. Porém, essa é a realidade que temos hoje em dia em Itaipu.

    Então, dizemos: se já se pagou US$ 32 bilhões, e a obra deveria ter custado US$ 2 bilhões, por acaso não poderíamos propor o perdão da dívida que tem Itaipu Binacional?

    O perdão desta dívida astronômica que temos com base a este pagamento já realizado de US$ 32 bilhões.

    No final do ano de 1996, se chegou a consolidar a dívida, ou seja, os dois governos acordaram quanto deviam naquele momento. Então, por um acordo, que chamamos “Acordo de São Paulo”, se disse que a esta altura se estava devendo aproximadamente entre US$ 19 bilhões e US$ 20 bilhões.
    Este Acordo também carrega algo que foi uma violação ao Tratado de Itaipu. Nessa incorporação dessa dívida de US$ 20 bilhões, se incorporou uma dívida de US$ 4,193 bilhões, que nós chamamos de dívida espúria, ou uma dívida ilegal. A que se deveu isso?

    Que durante o lapso de 1985 a 1996, as empresas elétricas brasileiras Eletrosul e Furnas não pagaram o preço do custo que significava produzir a energia. Por exemplo: se produzir esta mesa me custa R$ 100, então eu tenho de vender a R$ 100. O “Anexo C” do Tratado de Itaipu diz que assim tem de ser. O preço da tarifa tem de ser igual ao custo. Se eu vendo essa mesa que vai custar R$ 100 para produzir, e vendo a R$ 80, eu estaria perdendo R$ 20 por unidade de mesa. Isto é o que ocorreu com o preço da energia elétrica de Itaipu de 1985 a 1996. E foi uma violação do Tratado, ao não cumprir-se o preço igual ao custo, então isso gerou essa dívida que estamos falando aqui de US$ 4,193 bilhões, violando o Tratado, em seu “Anexo C”.

    Se nós aplicarmos a mesma taxa que Eletrobrás aplica à ANDE, que é a empresa equivalente à Eletrobrás no Paraguai, quando deixa de pagar sua conta por compra de energia, que é o juro de 1% mensal, ou seja, aproximadamente 12% anual, se aplicarmos essa mesma taxa à essa quantidade de US$ 4,193 bilhões, hoje a dívida de Itaipu seria praticamente zero. Estaria em aproximadamente US$ 2,5 bilhões, mas em comparação a esta cifra grande, estaria praticamente baixando a zero.

    Então, a dívida espúria, os juros altos, o superfaturamento significam que as ditaduras existentes tanto no Brasil como no Paraguai fizeram com que perdêssemos nossa soberania energética no Paraguai. Então, dizemos, se as empresas elétricas brasileiras (Eletrosul e Furnas), que se beneficiaram de 98% nessa época do consumo da energia, então são essas empresas que deveriam pagar essa grande dívida que existe, e não onerar sobre Itaipu ou sobre Paraguai e Brasil, respectivamente.

  24. Astrinha
    segunda-feira, 27 de julho de 2009 – 7:21 hs

    Toda vez que a política se sobrepõe a gestão responsável e ao interesse público dá nisso. Gostaria de saber pra onde de fato irá esse $ qdo for parar nas mãos do Lugo.Seria talvez pra pagar pensão alimentícia??

  25. segunda-feira, 27 de julho de 2009 – 11:27 hs

    “Olla, ermanos, non te preocupes, total garatia soy yo.”, é nosso presidente aposentado chegou no Paraguai com chuva e ao entrar num automóvel acabou erguendo as barras das calças para não molhar, cheguando no palácio do governo paraguaio entrou e foi para reunião, seu acessor do Itamaraty disse ao pé do ouvido, presidente abaixa as calças, e ele tão solicito disse mas jáááá, nem falei oi ainda. Seria engraçado se o dinheiro fosse só dele. Nóis constrói, nóis paga, paga duas veiz, repaga, e agora dá pros otro. PT nos zóio dos otro e divertido. PT final.

  26. Cidadao
    segunda-feira, 27 de julho de 2009 – 11:28 hs

    Alguem que tenha o minimo de inteligencia acredita que nos consumidores nao iremos pagar esta mamata dos Paraguaios?

  27. Alessandro
    segunda-feira, 27 de julho de 2009 – 12:33 hs

    Presidente covarde entreguista.
    Soberania nacional e cumprimento de contratos não interessam mais. Só a união internacional entre os partidos de esquerda.

  28. ivanor de souza
    segunda-feira, 27 de julho de 2009 – 13:43 hs

    deacordo com o LU(natico)LA o Brasil nunca foi tao respitado pelo “mundo desenvolvido”, estados unidos nos veem hoje com outros olhos (de sacarsmo). nao somos respeitados nem pela bolivia, venezuela, e paraguai, vamos ser respitados por QUEM? eu tambem prefiro as fardas nas ruas do essa democracia poulesca.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*