Sob pressão, Serra se nega a sair em campanha | Fábio Campana

Sob pressão, Serra se nega a sair em campanha

serrafabiopozzebom470

Iniciada pelo DEM, a pressão para que o tucano José Serra intensifique sua campanha presidencial ganhou adeptos na cúpula do PSDB. Desde o início do ano Serra avisara a tucanos e ‘demos’ que priorizaria o governo de São Paulo em detrimento da campanha eleitoral.

Num instante em que a movimentação de Lula e a super-exposição de Dilma Rousseff começam a surtir efeitos nas pesquisas, ouve-se um alarido ao redor de Serra. Formou-se um quase consenso entre os partidários do governador. Acham que Serra cometerá grave erro se não mudar de tática.

Afirmam que, sem contraponto, Lula e Dilma terão a vida facilitada. Por ora, Serra dá de ombros. Enxerga a corrida presidencial como maratona, não como prova de cem metros rasos. Dá pouca importância ao vaivém das pesquisas.

Serra alega que seria tolice negligenciar as tarefas de governo por conta de três ou quatro meses a mais de campanha. Sopesa os prós e os contras.

Na relação custo-benefício, avalia que abriria flancos desnecessários em São Paulo e não produziria grandes mudanças numa campanha que julga prematura.

De resto, Serra diz que seu êxito como candidato está associado à gestão estadual. Daí ter decidido priorizar o governo.

Em privado, exceto por alguns poucos tucanos mais ligados a Serra, todos discordam. Mas acham que não há o que fazer. Serra é dono do próprio ritmo.

Em público, o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), diz que o crescimento de Dilma nas sondagens eleitorais não constitui novidade.

“Essa última pesquisa do Datafolha não sugere nenhum fato novo”, disse Guerra ao blog na noite deste domingo (31). “Está completamente dentro das previsões”.

Segundo o Datafolha, a diferença que separa Dilma de Serra encurtou-se em oito pontos percentuais. A popularidade de Lula voltou ao patamar pré-crise.

Sérgio Guerra diz que as sondagens feitas por encomenda do PSDB já haviam colecionado os mesmos dados há 60 dias.

“Os números são iguais ou muito próximos”, diz ele. “Tudo previsível. A crise arrefeceu. Pelo menos os comentários em torno dela refluíram…”

“…Mas o ambiente não sugere notícias boas para o governo. A economia não cresce nesse ano de 2009. No ano que vem, se crescer, será muito pouco…”

“…Não é um quadro que produza um ambiente de alegria. As nossas pesquisas detectam uma inquietação com relação ao nível de emprego”.

Embora ainda avesso à idéia de levar o rosto à vitrine eleitoral, Serra prometeu comparecer a um seminário que o PSDB fará na próxima sexta (5).

Acontecerá no município paranaense de Foz do Iguaçu. Vai a debate um tema caro ao Paraná: agricultura e agronegócio.

O encontro é parte de um ciclo de seminários que o tucanato decidiu realizar até o final do ano. O primeiro ocorreu em João Pessoa (PB), em 11 de maio.

Serra não deu as caras. Mandou representante: o secretário de Educação Paulo Renato. Aécio Neves monopolizou as atenções do reportariado local.

Pelas contas do PSDB, o seminário paraibano foi notícia em cerca de 50 rádios do interior do Nordeste. Em entrevistas, o tucanato fez a defesa do Bolsa Família.

Para o seminário paranaense, além de Serra, Aécio e líderes tucanos, convidaram-se expoentes dos aliados DEM e PPS.

Prevê-se que até o final do ano serão feitos mais três seminários: no Rio (Saúde), em Pernambuco (Segurança) e em Fortaleza (tema a definir).

Espera-se que os dois presidenciáveis tucanos compareçam a todos. Por enquanto, o conjunto de seminários é a face mais visível da pré-campanha tucana.

Considerando-se que Lula e Dilma, em função dos cargos que ocupam,


5 comentários

  1. ofaxineiro
    segunda-feira, 1 de junho de 2009 – 10:12 hs

    Serra aproveite bem o final de semana em Foz do Iguaçu recarregue as baterias , você como o melhor ministro da saude q

  2. ofaxineiro
    segunda-feira, 1 de junho de 2009 – 10:25 hs

    Serra será muito bem recebido em Foz do Iguaçu, porque a última vez que esteve na cidade trouxe como ministro da saúde através do INCA(instituto do Cancer) recursos para instalação de equipamentos para tratamento de Cancer no Hospital Costa Cavalcanti ou seja o da Itaipu.

  3. Ita
    segunda-feira, 1 de junho de 2009 – 11:48 hs

    O serra não foi eleito Governador para 4 anos?
    Se foi porque quer abandonar o governo de São Paulo e ser candidato a Presidente?
    Será que é por não estar dando conta de Governar SP.
    O Senador Alvaro Dias disse que o Beto não deve ser candidato a Governador do Paraná pois foi eleito para 4 anos. E o que diz de Serra?

  4. Augusto
    segunda-feira, 1 de junho de 2009 – 14:16 hs

    Não sou e nunca serei eleitor do PT, mas do jeito que as coisas vão indo, o Serra que tire o cavalo da chuva. O Lula vai eleger a Dilma, infelizmente.

  5. V.Lemainski-Cascavel
    segunda-feira, 1 de junho de 2009 – 14:19 hs

    Caro Ita: Quando um político vira estadista, alarga fronteiras, não é dono de sua vontade, é conduzido pelos desejos e apelos pupulares. Tanto o Serra quanto o Beto possuem essa virtude.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*