Lippmann não descarta a hipótese de Requião estar ligado ao seu afastamento | Fábio Campana

Lippmann não descarta a hipótese de Requião estar ligado ao seu afastamento

lippmann

Em entrevista ao repórter Karlos Kohlbach, da Gazeta do Povo, o desembargador Edgard Lippmann Júnior (foto), se declarou “inocente e inconformado com a decisão do Conselho Nacional de Justiça de afastá-lo por indícios de que o magistrado teria recebido dinheiro para conceder decisões judiciais favoráveis à reabertura de uma casa de bingo de Curitiba.

Responsável pelas decisões judiciais que impediram o governador Roberto Requião de usar a Rádio e Televisão Educativa para se promover e atacar adversários políticos, Lippmann não descarta a hipótese de que o peemedebista possa estar ligado à denúncia que resultou no seu afastamento do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

O desembargador disse que chorou quando soube da decisão de afastá-lo.

Clique em Leia Mais e veja a entrevista na íntegra:

Como o senhor vê a decisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça)?

Para mim, foi uma surpresa porque estou de licença médica até o dia 30 (hoje). E, quando qualquer funcionário público está de licença, o procedimento (administrativo), seja ele favorável ou contra, fica suspenso. Pedi o adiamento (da análise do caso pelo CNJ) por uma sessão, por questões de saúde. Mas, para a minha surpresa, esse processo foi julgado. Isso mostra, com todo o respeito, uma certa precipitação. É uma decisão que me deixou extremamente decepcionado. Chorei quando soube do resultado e não sabia o que fazer.

Qual é a sua versão sobre a denúncia de que teria vendido decisões judiciais?

O Ministério Público Federal quebrou o meu sigilo bancário ilegalmente e não detectaram nenhum depósito suspeito. Inclusive representei contra os procuradores porque só quem poderia me investigar era o STJ (Superior Tribunal de Justiça) ou o CNJ. O que me deixa aborrecido é que a denúncia se baseou num depoimento em que uma pessoa disse ter ouvido nos corredores do tribunal (TRF4) que eu teria recebido dinheiro em razão da minha atuação nesse caso do bingo.

E sobre aquisição ilegal de bens relatada pelo ministro Dipp?

Eles apontam que eu comprei vários bens (com dinheiro da suposta venda de decisões). Mas a questão dos bingos é do fim de 2003 início de 2004. Os bens foram adquiridos em 2002. Só se eventualmente eu tivesse feito um compromisso que, depois de dois anos, eles entrariam com uma ação e eu daria a liminar. Não tenho nada a esconder.
A sindicância do CNJ aponta que o senhor movimentou por contas bancárias R$ 2,7 milhões a mais que seus rendimentos declarados…
Eu tenho como comprovar pericialmente que todos os valores que entraram na minha conta são relacionados à minha atividade. Eu não pude mostrar isso no CNJ, mas tenho documento do próprio MPF que prova que os únicos anos que eu tenho uma movimentação um pouco além do normal foi em 2004 e 2005 – num período de 2002 a 2008. Eles dizem ainda que eu teria cometido crime de sonegação fiscal. Eu tenho uma certidão da Receita Federal que diz que não tem nenhum procedimento próprio da Receita contra mim e que toda a minha movimentação financeira está correta.

Como o senhor se declara diante dessas denúncias?

Sou absolutamente inocente e estou inconformado. Confesso para você que hoje não tenho condições psicológicas para lutar por aquilo que eu sempre combati: a injustiça.

O senhor entrou num grande embate contra o governador Requião quando, em 2008, por determinações judiciais, proibiu-o de usar a RTVE para fazer ataques. O senhor acredita que o governador pode ter alguma ligação com seu afastamento?

Eu atribuo que uma parte disso pode, eventualmente, ter ligação com sua excelência (Requião). Não posso acusá-lo de nada. Só que, a partir desse episódio, começaram a surgir todas essas denúncias. Isso eu tenho como comprovar.

O senhor não tem como dizer que o governador estaria por trás disso?

Claro que não. E jamais estaria acusando-o. Seria uma leviandade, porque não tenho provas…

Mas também não descarta?

Não descarto porque esses fatos começam a acontecer depois desse caso. Teve uma pessoa, que trabalhava para empresários do bingo, que só prestou depoimento no Cope (Comando de Operações Policiais Especiais, da Polícia Civil do Paraná) em 2008 – depois das decisões da RTVE. O Cope chamou e tomou o depoimento dele. Essa pessoa falou que teria levado dinheiro para um procurador da República e este teria me repassado (a verba). Depois disso, o Cope mandou cópias (do depoimento) para o STJ e CNJ.

lippmannlippmann


21 comentários

  1. J charuh
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 15:02 hs

    Lugar de vagabundo é na cadeia !!!

  2. Jose Carlos
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 15:12 hs

    É uma vergonha nesta triste colônia bananeira, onde o Estado criou a Nação (ao contrário dos demais países do mundo civilizado), ver o choque entre poderes – o choque de interesses mesquinhos e pessoais- espezinhar e humilhar a sociedade (que os sustenta com seus tributos)… discussões mais próprias de botequins do cais do porto… nenhuma razão pode ser maior do que o recato do cargo público que se ocupa… o que vemos nesta quinta comarca, que espelha até certo ponto, o que se vê pelo Bronnziiillll afora, é algo mais próprio do cangaço, do jaguncismo e da roça mental que domina a cena política nacional… uma vergonha, um insulto aos cidadãos…

  3. Pessoa
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 15:15 hs

    Fábio
    É no Mínimo muito estranha a movimentação Financeira do Exmo.
    Nada a ver com Bob Requião.

  4. Anônimo
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 15:38 hs

    Chorou? Por que chorou?
    Responda ao procedimento administrativo e se defenda, para que a “verdade” apareça. Ou chorou porque está acostumado com a posição de juiz e não de réu?
    Felizmente, magistrado, o senhor terá direito a defesa plena que o regime democrático lhe oferece. Como cidadão, vou acompanhar o seu caso, e, sinceramente, espero que seja inocente de todas as acusações q

  5. Anônimo
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 15:39 hs

    que lhe são feitas.

  6. Ambrosio
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 16:04 hs

    Chora trouxa!!

    Vá chorar as pitangas pro Lerner e Rossoni.

  7. Magda
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 16:17 hs

    Não sejam ingênuos. Só um retardado, o que parece não ser o caso, depositaria dinheiro de corrupção em sua conta bancária. Esse lance de “movimentação” é termo de leigo. Normalmente é transferência entre ativos. Dinheiro frio não fica na conta do corrupto e, via de regra, não fica nem no Brasil. Se o Juiz é culpado ou não eu não sei, mas parem com essa besteira de “movimentação financeira”.

  8. JoãoMariaDeAgostinho
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 17:07 hs

    Estando ou não envolvido o Requião, o que importa é que o véio Lippman finalmente teve o pêlo enroscado. Pelo bem do Paraná e do Brasil.

  9. Apenas um "José"
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 17:12 hs

    Edgard Lippman, filho de Guarapuava. Homem simples, filho de um radialista conhecido por “Charuto”. Pelo seu esforço passou no concurso de Juiz Federal e chegou, com bastante brevidade ao cargo de Desembargador. Hoje está amargando o peso da suspeita de ter vendido sentença que favoreceu a uma empresa de bingos de curitiba, contrariando assim, o interesse do Supremo Rei, que colericamente não queria que casas de bingos atuassem no seu Reino.Fatalmente o desembargador provará sua inocencia. Mas nunca mais, como outros tantos que foram execrados injustamente, ao arrepio da constituição federal, conseguirá resgatar sua imagem perante a sociedade.É um mau, que jamais terá conserto. Destruir, aniquilar e enterrar aqueles que de alguma forma podem

  10. Apenas um "José"
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 17:14 hs

    Edgard Lippman, filho de Guarapuava. Homem simples, filho de um radialista conhecido por “Charuto”. Pelo seu esforço passou no concurso de Juiz Federal e chegou, com bastante brevidade ao cargo de Desembargador. Hoje está amargando o peso da suspeita de ter vendido sentença que favoreceu a uma empresa de bingos de curitiba, contrariando assim, o interesse do Supremo Rei, que colericamente não queria que casas de bingos atuassem no seu Reino.Fatalmente o desembargador provará sua inocencia. Mas nunca mais, como outros tantos que foram execrados injustamente, ao arrepio da constituição federal, conseguirá resgatar sua imagem perante a sociedade.É um mau, que jamais terá conserto. Destruir, aniquilar e enterrar aqueles que de alguma forma podem trazer prejuizos ao legado do principado, é uma das táticas ensinadas pelo General Chines, no livro a “Arte da Guerra”, livro de cabeceira de muitos ditadores. Força Lippman

  11. Newton Gusso
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 17:57 hs

    A hipotese levantada, de que o Governador pode ter interferido na decisão do CNJ, pelo proprio afastado, quer demonstrar quão frágil e sucetivel de influencia estranha é a Justiça. Não sei se face a essa declaração não devemos ter muito medo da justiça, uma vez que, conforme dito, ela não é cega.

  12. Piá Curitibano
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 18:01 hs

    Já cantava Gonzaguinha:

    É!
    A gente quer viver pleno direito
    A gente quer viver todo respeito
    A gente quer viver uma nação
    A gente quer é ser um cidadão
    A gente quer viver uma nação…

  13. tio didi
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 18:05 hs

    quem não deve não treme

  14. Antonio W
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 18:52 hs

    Enquanto tolerarmos viver sob o governo pardo, virótico e desconstrutor de políticos do naipe (já que se fala em jogos) do requião, viveremos situações semelhantes a esta, na qual o imperativo é a mentira, a dissimulação. a egolatria,

  15. Rock
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 18:56 hs

    Mas que era estranha aquela decisão em favor do Bingos isso era, toda a sociedade a favor de fechar aquelas casas de extorsão e o juiz que tem a obrigação de defender o povo dava ordem para a roubalheira continuar.

  16. carlos imperial
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 23:48 hs

    O tal do Lipmann é um tremendo enganador, hem? Querendo convencer que o Requiâo está com essa bola toda no judiciário… O nosso atual-ex-governador não consegue mover mais nada que não envolva o poderoso canetão dos cofres públicos e ainda disputando com toda a galera empoleirada no Governo, essa é que é a verdade.

  17. Carlos Alberto
    quinta-feira, 30 de abril de 2009 – 23:48 hs

    Culpa ou mérito do Requião? É claro que o DUCE não tem esse poder junto ao CNJ, mas, com sua capacidade de indignação, ao colocar o boca no trombone é que os processos começam. Quem tem rabo que se cuide…

  18. Soberano
    sexta-feira, 1 de maio de 2009 – 7:53 hs

    Até os tijolos do prédio do TFR sabem que o Lip tem uma parceria com o procurador zarolho; com o sanfoneiro que escreve no semanário, e com o advogadinho português que colhe e administra as verdinhas no banquinho de praça feito com as araucárias do sogro. O assunto bingos é café pequeno e as contas estão lá fora. O procurador zarolho responde processo penal pelos mesmos crimes. Não se iludam, minha gente: a atribuição da responsabilidade ao Rob é cortina de fumaça.

  19. tarso de castro
    sexta-feira, 1 de maio de 2009 – 14:08 hs

    Pois é, meu povo, o desembargador, quando está numa boa curtindo a sua toga diz que a justiça não é influenciável. Mas, quando é ele o acusado, é porque a justiça está sendo $$$ influenciada pelo Requião. Se ele diz isso, devemos acreditar, porque ele conhece esses meandros. Mas seria melhor se contasse publicamente tudo o que viu acontecer, todos os casos de influência no judiciário, etc

  20. Leo
    sábado, 2 de maio de 2009 – 1:16 hs

    Não consigo acreditar que pessoas que tenham a mínima capacidade intelectual votem no Requião & Cia. O cara é o governador mais mau-caráter da política nacional, não tem nenhuma ética, se comporta como um ditador, deveria se mudar para a Venezuela para cantar no coral do Hugo Chávez, talvez para isso ele sirva, pois como gestor público é um fracasso.

  21. maurão
    sexta-feira, 21 de agosto de 2009 – 14:34 hs

    Chorou? Há, há,há, há……

    A mamadeira secou?

    Bem vindo ao mundo dos sub judices, onde a “idoneidade moral” e a”conduta ilibada” podem ser tisnadas através de simples fofocas e emprenhamento de ouvidos. Mas ao que parece, existem elmentos sérios, não é?

    Quem julgou desta forma, desta forma será julgado.

    Data venia, vc não possui idoneidade moral e coduta ilibada para ocupar o cargo de juiz.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*