Jackson Lago diz que só deixa palácio "arrastado" | Fábio Campana

Jackson Lago diz que só deixa palácio “arrastado”

jackson-lago1

O governador cassado do Maranhão, Jackson Lago, permanece no Palácio dos Leões, sede do governo do Estado, de onde, segundo diz, só sairá “arrastado”. Hoje pela manhã os manifestantes que protestam no local contra a cassação de Lago farão um ato, por volta das 9h, e a assessoria do pedetista informou que ele se pronunciará sobre sua saída ou não do local.


5 comentários

  1. Che Guevara
    sábado, 18 de abril de 2009 – 10:36 hs

    O Sarney tem grande força no Supremo!

    Embora o Jackson Lago não seja nenhuma “Brastemp” ele é o que de melhor a oposição aos Somozas do feudo Maranhão conseguiu gerar desenvolvimento e tem investido pesado no social.

    Por que será que embora os Sarneys tenham tanto poder a muito tempo o Maranhão continua sendo um dos Estados mais atrasados do país?

    Em menor ou maior grau quem é que cumpre a risca está confusa e vulnerável Legislação Eleitoral?

    Com certeza os Sarneys, que controlam a “Justiça”, é que não são!

  2. PARANAENSE
    sábado, 18 de abril de 2009 – 12:42 hs

    VEJAM O EDITORIAL DO jornalpequeno.com.br DO MARANHÃO, QUE REPRODUZIU ARTIGO DE HÉLIO DUQUE.

    Simplesmemte ontológico o que o nosso consagrado Duque escreveu:

    Hélio Duque*

    Há alguns anos no Egito, fiz ques tão de visitar o Vale dos Reis e nele conhecer a tumba de Tutankamon. No Brasil, quem desejar conhecer algo parecido deve programar uma ida a São Luis, capital do Maranhão. Em lá chegando deve visitar o Convento das Mercês, notável construção portuguesa do século XVII, desapropriada pelo governo estadual e entregue por doação a uma fundação criada para perpetuar o culto à personalidade de Jose Sarney. Reúne documentos e objetos do seu período na presidência da República e vasto acervo da sua vida política. Em uma das suas instalações se defrontará com a tumba mortuária destinada a acolher Sarney, quando da sua passagem para o mundo extratemporal. Certamente receberá a inscrição: “Aqui jaz o faraó do Maranhão”.

    Voltando pela terceira vez à presidência do Congresso Nacional, com grande alegria, há uma semana viu o clã, que havia sido derrotado em 2006 nas eleições estaduais, voltar ao poder pela cassação do governador Jackson Lago. Nele foi entronizada a filha Roseana Sarney. O Tribunal Superior Eleitoral acolheu as razões alegadas de abuso do poder econômico que teria sido praticado na campanha eleitoral que lhe infligiria a primeira derrota em 40 anos de domínio absoluto. Derrotada a filha querida, o patriarca Sarney acionou o seu dispositivo poderoso, certo de que seria vitorioso.

    A donataria maranhense seria retomada para tranqüilidade e segurança dos interesses familiares enraizados naquela realidade feudal. Antes mesmo do TSE anunciar oficialmente a cassação do governador, o TRE do Maranhão convocou a Secretaria de Segurança e a Polícia Militar para a adoção de medidas preventivas de segurança pública. A desembargadora Nelma Sarney, casada com Ronald Sarney, irmão do patriarca, é a presidente do TRE. A antecipação à decisão da justiça eleitoral em Brasília era clara demonstração do que ocorreria na sessão a se realizar.

    Tenho grandes amigos naquele Estado. Um deles é a doce, generosa e solidária figura de dignidade política que se chama Jackson Lago. Prefeito por várias vezes de São Luís, onde o clã sarneico sempre foi derrotado. Daí ser chamado de ilha rebelde. Em novembro de 1979, voltava ao Maranhão, após exílio de 15 anos, o jornalista e ex-deputado federal Neiva Moreira. O inesquecível Ulysses Guimarães designou três parlamentares do MDB para se fazerem presentes quando do desembarque daquela marcante liderança no seu Estado. Ao lado de Odacir Klein e do saudoso Getulio Dias, fomos oferecer solidariedade àquele brasileiro.

    Ao chegarmos ao aeroporto, estava Jackson Lago, que não permitiu que fôssemos para o hotel e nos levou para a sua residência, onde nos hospedou por três dias. À noite, na Praça João Lisboa, principal centro político da capital, uma manifestação popular reunindo uma multidão incalculável, tributava a Neiva Moreira homenagem inesquecível. Coordenando o grande comício, o líder e humanista Jackson Lago. Quando me coube a vez de falar, recordo como hoje, comecei assim: “Neiva Moreira, você foi banido e cassado do seu querido Maranhão, para que os marimbondos de fogo borboleteassem nesse mar de corrupção”. O mais triste é que 30 anos depois, nada mudou e o Estado perfila no atraso e no mandonismo clânico.

    José Sarney, o dono do Maranhão, não admite contestação. Que o diga o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Francisco Rezek, advogado do governador Jackson Lago, que acusou o clã sarneizista de “dar um golpe de Estado pela via judiciária”. Recebeu carta de Sarney lembrando-lhe que devia a ele sua indicação para o STF. O advogado Rezek o desmentiu, dizendo que fora indicado pelo general João Figueiredo e que assumiu o cargo em 1983, dois anos antes de a infecção hospitalar vitimar Tancredo Neves e o oligarca maranhense ascender ao poder.

    Não satisfeito em adonar-se do Maranhão, o presidente do Congresso Nacional incorporou, desde 1990, a capitania do Amapá. Ali sentou praça e é senador pela terceira vez. Senhor de baraço, sabe usar a corda para estrangular quem queira atravessar o seu caminho. Veja o que aconteceu com outra grande liderança popular do Amapá, exilada pela ditadura, quando Sarney lambia as botas dos generais. Eleito governador, João Capibaribe fez um governo competente e inovador, introduzindo a experiência que acumulou no exterior. Elegeu-se ao final do mandato, senador sempre em oposição a Sarney. Há três anos teve o mandato cassado pelo TSE, a exemplo do que agora ocorreu com Jackson Lago. O senhor de baraço e cutelo é realmente poderoso, como disse o advogado Francisco Rezek em dar golpe pela via judiciária. Na revista Veja (8-4-2009), o jornalista Roberto Pompeu de Toledo fez um retrato perfeito do personagem: “Há muitos campeões do atraso na política brasileira, Sarney é o campeão dos campeões, tanto por antiguidade, sobretudo, por mérito”.

    Em um país sem memória, é importante e necessário recordar o passado. Hoje comandante do Congresso Nacional, dono das capitanias do Maranhão e do Amapá, tutor do governo Lula da Silva, o jornalista Merval Pereira em “O Globo” (5-3-2009), relembrou as eleições presidenciais de 1989, e o que o então sindicalista-candidato dizia de José Sarney. Segue a transcrição do que afirmava Lula: “A Nova República é pior do que a velha, porque antigamente era o militar que vinha na TV e falava. Hoje o militar não precisa falar porque o Sarney fala pelos militares e os militares falam pelo Sarney. Nós sabemos que antigamente se dizia que o Adhemar de Barros era ladrão, que o Maluf era ladrão. Pois bem, Adhemar e Maluf poderiam ser ladrão (sic), mas eles são trombadinhas perto do grande ladrão que é o governante da Nova República”.

    * Hélio Duque é doutor em Ciências, área econômica, pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Foi Deputado Federal (1978-1991). É autor de vários livros sobre a economia brasileira, presidente do PSDB do Paraná e primeioro suplente do senador Álvaro Dias.

  3. rock
    sábado, 18 de abril de 2009 – 13:22 hs

    O que é preciso mesmo e rever quem esta por tras disso, e porque a justiça tomou uma atitude tão anti-democratica. Todos nos eleitores sabemos que são poucos os poiticos justos e honestos e podem ter certeza que se Lago não é 100%, muito menos os Sarneys o são, então que se de prosseguimento as investigações e logo se descobrira que Roseana, fez muito mais compra de votos que o proprio Lago. Isso é Golpe apoiado por forças não muito ocultas e todos sabem de onde vem seus tentaculos.

  4. SYLVIO SEBASTIANI
    sábado, 18 de abril de 2009 – 17:49 hs

    O Artigo do ex-deputado federal, Helio Duque é a expressão exta de quem conhece a vida politica nacional, é uma verdade derdadeira.É para ser guardada para a eternidade, para a História do Brasil. A afirmação de Luiz Inacio Lula da Silva, sobre o José Sarney é de arrepiar, para o povo brasileiro conhecer bem, que são estas duas figuras, um ex e outro atual Presidente da Republica.Que vergonha para a nossa juventude, que deve tomar conhecimento destes “CARÁTERES”. QUAL É O PIOR, POIS MELHOR NÃO TEM.

  5. JOÃO CARDOSO
    sábado, 18 de abril de 2009 – 18:36 hs

    Essa politica nordesina está nivelada por baixo, há centena de anos. Sem execeção todos agem na base do coronelismo, da oligarquia viciosa da histórica e varrida monarquia decadente de Portugal, onde todos querem ser mandões donos do pedaço, imperadores do agrestre, onde a lei não os alcança.
    Nunca tiveram qualquer senso de cidadania. São uns desnorteados políticos. Sempre lhes faltou uma bússola e mapa da navegação libertária dos grandes estadistas da política mundial. Fazem uma política pequena e miúda baseada exclusivamente na ascenção pessoal material, lastreados no sofrimento do povo simples o nordeste, seus irmãos.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*