Ministério Público recomenda desaprovação de contas de Requião | Fábio Campana

Ministério Público recomenda desaprovação de contas de Requião

De Abraão Benício, no Bem Paraná

Sem a presença do irmão/conselheiro Maurício, o Pleno do Tribunal de Contas (TCE) pode impor pesada derrota ao governo Roberto Requião (PMDB). Na sessão desta tarde, os conselheiros julgam a prestação de contas de 2007 da Secretaria de Estado da Fazenda (SEFA), sob responsabilidade de Heron Arzua. O processo já tem parecer do Ministério Público de Contas (MPjTC) pela desaprovação das contas por supostas irregularidades na contratação de serviços advocatícios.


7 comentários

  1. De olho
    quinta-feira, 12 de março de 2009 – 9:04 hs

    É isso aí, desce a pua no requião e no arzua, que tem muito a explicar.

  2. bimbo
    quinta-feira, 12 de março de 2009 – 9:48 hs

    “Nun” dá nada, é tudo farinha do mesmo saco.

  3. Luiz Carlos Vieira
    quinta-feira, 12 de março de 2009 – 12:05 hs

    Essa rejeição de contas não vai ocorrer e o motivo é sabido.
    A galera da Assembleia não permitirá que o Requião seja exposto a reprovações públicas e, ademais, não se sabe os motivos que levaram o plenário a aprovação do nome de Maurício.

  4. Vigilante do Portão
    quinta-feira, 12 de março de 2009 – 12:08 hs

    Quais foram os advogados beneficiados?
    É uma boa para o Veneri saber se foi por licitação ou na base do apadrinhamento.
    Caso fosse a prefeitura o PT já tinha caido de pau no Beto Richa. Vamos ver se vão falar alguma coisa, quem sabe até uma CPI. KKK

  5. Geraldo
    quinta-feira, 12 de março de 2009 – 13:27 hs

    Estou com o bimbo, quem acha que o presidente do TC, Hermas Brandão deixará o “amigo” Rei Quião em maus lençóis?

  6. quinta-feira, 12 de março de 2009 – 13:34 hs

    Esse ta fácil resolver…

    Nada que um aprovado com ressalva não resolva.

  7. jango
    quinta-feira, 12 de março de 2009 – 14:42 hs

    E um Secretário de Estado precisa contratar “serviços jurídicos” ? O que fazem, então, centenas de procuradores do Estado – salários em torno de 18 mil reais/mes, muitos professores de Direito – a quem cabe representar judicialmente o Estado e prestar-lhe consultoria jurídica ? Porque, ao invés, se permite a procurador de Estado defender o irmão do governador cassado por nepotismo (interesse de terceiro) e não se determina que atenda as necessidades da Secretaria de Estado da Fazenda (órgão do Estado) ? É o povo que paga tudo isto – dinheiro público.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*