IAP descarta aterro em Mandirituba | Fábio Campana

IAP descarta aterro em Mandirituba

aterro

A Usina de Reciclegem que vai substituir o Aterro da Caximba será em Fazenda Rio Grande ou em Curitiba. A cidade de Mandirituba foi excluída do licenciamento prévio porque tem uma lei municipal que proíbe a instalação de aterros sanitários ou similares na área do município.

A informação foi dada, com exclusividade, pelo presidente do Instituto Ambiental do Paraná, Victor Hugo Burko, em entrevista ao repórter Heliberton Cesca, da Jornalismo FM. O licenciamento prévio das duas áreas deve sair em cerca de 15 dias.

A Usina de Reciclagem é apontada pelas prefeituras como a solução viável para o apagão do lixo, já que o Aterro da Caximba poderá funcionar somente até a metade do ano. Depois desse prazo, outro local deve ser escolhido para receber as 2,5 mil toneladas de resíduos produzidos diariamente na região.


18 comentários

  1. Valdecir Bomfim
    quinta-feira, 19 de março de 2009 – 17:52 hs

    COMO OUVIR ESSA JORNALISMO FM ?

  2. MARTINS
    quinta-feira, 19 de março de 2009 – 19:35 hs

    Sabe aonde vai parar esse lixão. Aqui em CAMPO LARGO, o nosso prefeito é baba ovo do caduco do Requião, é só ele manda, que o prefeitão aceita o lixão. Da-lhe BASSO, seu fanfarrão.

  3. José Russomanno
    quinta-feira, 19 de março de 2009 – 21:15 hs

    A reciclagem sem dúvida é a saída, e o que sobrar servirá para adubo organico.
    Experiência nesse sentido foi efetuada no governo Richa, com bons resultados, e sem tecnologia disponivel na època, era tudo bem manual e sob responsabilidade de associações de desempregados,que buscavam sua renda, através de projeto da secretaria do trabalho.
    Quem sabe, porque não!

  4. Fazendese
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 7:36 hs

    Caro amigos o lixão irá para FAZENDA RIO GRANDE, não foi atoa que o Beto Richa despejo um monte de dinheiro na campanha do SR Chico Santos.

  5. Divino Santos
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 9:15 hs

    É interessante a colocação das pessoas que mantem seus narizes fora do alcance do agradável perfume que paira pelo ar da renomada Caximba. Na caximba a natureza é abundante, nossa relva é habitada pelo lindos animaizinhos de estimação, tais como belos exemplares de pássaros negros, nossos agradáveis e lindos roedores, assim como as cascudinhas baratinhas, esses animaizinhos ja fazem parte da familia do povo da caximba, então porque priva-los desta natureza tão lindas, mais tudo bem, já que ninguém que esta riqueza, o povo da caximba vai ter que engolir por mais 20 anos ou quem sabe eternamente, será que esta usina de reciclagem é real? O consórcio do lixo é um assunto sério, tem que ser revisto com muito carinho, é a hora do Beto olhar com com olhos nosso povo da caximba. Sou seu fâ Beto e te peço, faça o melhor que puder pelo nosso povo, abra o jogo com eles, informe-os dos procedimentos corretos, não vá fazer que os prefeitos anteriores fizeram, enganaram este povo sofrido por 20 anos.
    Sem escolas, sem saúde, sem segurança, sem nada…
    Agora com sua administração é que tem vindo algumas obras pra eles, mais acredito que eles merecem muito mais do que sua administração tem fornecido….

  6. Franco
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 11:45 hs

    Engraçado esse negócio de ter “lei que proíbe a instalação de aterros sanitários e similares na área do município”.
    Como faz então ? Joga o lixo da cidade em outra ou no Rio Iguaçu, para levar para outro municipio ?
    Daqui a pouco um gênio vai sugerir que cada habitante cuide do seu próprio lixo…

  7. FAZENDA RIO GRANDE
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 12:33 hs

    Hei, “Franco”… e como era antigamente? como a comunidade do antigo e belo Cachimba cuidava de seus resíduos???? como que as antigas famílias da Fazenda Capocú (Hoje Fazenda Rio Grande) cuidavam de seu lixo???
    Deixe de ser ignorante!!!!
    Em nossa cidade o “Lixão” só vem se o Chico Santos abaixar as calças para o Beto Richa (que é o presidente e manda chuva do Consórcio).

    Quem conhece sabe que o modelo do SIPAR é furado. Quer concentrar lixo para aumentar o lucro e reduzir despesas. Contunuam brincando com a natureza em nome do lucro.

    Mas aqui em Fazenda Rio Grande, lá na Cachimba ou em Mandirituba esse “mega-lixo” não vai vir. Vai ter guerra, e das brabas!!!!

    A solução é outro modelo! Estamos avisando… a licitação está derrotada!!!!

    Que vengam los toros…

  8. Serginho Mahal
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 12:40 hs

    Ah que ótimo! então eles tem uma lei municipal que proíbe a instalação de aterros e similares. Pois bem, então que deixem o lixo pelas ruas, bando de chupins!
    Tá na hora do Beto virar homem e parar de bancar a coleta de lixo dos municípios da RMC e jogar tudo na Caximba. Agora tem que achar um lugar para a tal usina e nenhum município quer. Que bonitinho! NO rabo dos outros é sempre melhor né. Deixem o lixo de Mandirituba em Mandirituba! o de Colombo em Colombo! PQP>>>>>>

  9. Raposa
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 13:17 hs

    Eu posso jogar lixo no terreno do vizinho, mas o vizinho não pode jogar o lixo no meu terreno. Araucaria tambem tem uma lei igual essa de Mandirituba. Assim fica fácil.
    Se essa “usina de reciclagem” é tão boa como eles dizem, de “primeiro mundo”, faz a usina no centro civico. La tem bastante urubu, um pouco a mais não faz diferença.

  10. Caco
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 13:20 hs

    Vocês não sabem de nada mesmo…

    …um passarinho me contou que o aterro sanitário irá para Itaperuçú, ao norte de Curitiba. E já teria até alvará da prefeitura municipal, contando, inclusive, com o apoio irrestrito dos vereadores do local, todos eles “convencidos” no tempo oportuno.

    O problema do local já está resolvido, bastam iniciar as obras de impermeabilização.

  11. Fábio Max
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 13:28 hs

    Também é importante determinar:

    1) QUando vão encerrar os aterramentos na Caximba?

    Para recuperar a área, é preciso terminar de aterrá-la e depois tratar de criar uma manta verde sobre ela. Não vamos fazer como em alguns lugares, onde fizeram loteamentos sobre aterros sanitários e lixões e depois, com disparada dos custos de saúde de certas cidades. Lá, é preciso aterrar, reflorestar e fazer tratamento por décadas, para uma recuperação mínima do solo que, é sabido, exalará gás metano. Em Salvador, parte do antigo aterro sanitário hoje é o CT do Vitória e em volta, estão reflorestando para criar um parque municipal. Talvez seja essa a saída para a Caximba, após acabar seu uso como depósito de lixo.

    2) Retirar da volta da Caximba, todos aqueles moradores que vivem lá em razão do lixo. Farão isso?

    Se isso não for feito, a área vai virar favela. E se virar favela, teremos um problema de saúde pública.

  12. FAZENDA RIO GRANDE
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 14:20 hs

    Fábio Max… concordo com seu comentário.

    São 20 anos de “lixão” no Cachimba. A vida útil inicial era para 10 anos. A primeira grande crise aconteceu em 1999-2000. Os técnicos e políticos da época não resolveram nada!

    Passaram-se mais 10 anos, e novamente os técnicos e políticos de agora “inovam” reapresentando a idéia de um “neo-Cachimba” tecnológico para “inglês ver”…

    Querem enganar a quem????? E querem beneficiar a quem????????

  13. Elói Khun
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 15:00 hs

    Quero esclarecer que nosso amadíssimo prefeito CHICO SANTO$ quer o lixão na Fazenda Rio Grande. Nossa cidade vai se tornar o maior polo-industrial lixeiro da Améria Latina. Teremos lixo importado da Patagônia, de Buenos Aires e até do Paraguai. E eu… bem, eu… vou ter uma comissãozinha. Assim vou poder contratar um caseiro melhor para cuidar dos meus interesses.

  14. jango
    sexta-feira, 20 de março de 2009 – 21:10 hs

    Franco – sua perplexidade é procedente, mas tem mais: existe uma lei de resíduos sólidos no Paraná que determina que cada Municipio disponibilize área para seus resíduos. Estabelece também que quem gera resíduos deve recolhe-los e dispo-los adequadamente. Em princípio, cada Municipalidade gera resíduos, então cada uma delas deve fazer a sua disposição. Se há consórcio como pode valer uma lei em desfavor dos outros consorciados. Ocorre que ninguém quer cumprir a lei, querem outra coisa, mesmo que isto seja algo difícil de entender ao comum dos mortais. Como, por exemplo, invocar a tal lei de Mandirituba …

  15. Sildiney Costa
    terça-feira, 7 de abril de 2009 – 14:24 hs

    A PUC em Fazenda Rio Grande, por mais que diga que não aceita o Lixão, em seminário ocorrido no mês de março parece que ficou no “AR”, que este ano não vai promover o plantio de Milho no local de Interesse do Consórcio… será que a Fazenda Gralha Azul em FRG esta à venda, e seria essa a forma de vender sem demonstrar a descapitalização que a PUC sofre atualmente e uma vez que a Fazenda é auto-sustentável, demonstraria que não promove retorno financeiro aos padres?? Tem pássaros negros voando sobre as intenções dos dois lados, da administração de FRG e da PUC. Abraços

  16. Sildiney Costa
    terça-feira, 7 de abril de 2009 – 14:33 hs

    Oi Fabio, não sei se você teve oportunidade de ler o EIA-RIMA Modelo do SIPAR, lá está escrito que nos primeiros dezoito meses será permitido colocar em aterro a totalidade de lixo coletada ou seja 1.900 toneladas por dia e por 18 meses… te pergunto é ou não é lixão? Você pode ler no EIA RIMA que está disponivel no SITE do IAP o item é 5.1 em diante. Observe que no sexto ano ainda estarão enterrando 285 toneladas por dia.
    Quer dizer que quando a Mariza vai em congressos ou audiencias públicas e até briga quando alguém diz que não é lixão é no grito… pois enterrar residúos domésticos no chão é ou não é aterro sanitário? Abraços

  17. quarta-feira, 15 de abril de 2009 – 8:29 hs

    o lixão não pode ser na fazenda pq ela não tem condiçoes de ceder algum lugar para q ele seja feito q eu saiba o unico lugar q poderia ser seria no sta terezinha mas la ta crescendo bastante e eu num conheço e descordo de quem fez essa proposta ou essa lei mas não poderia acontecer obrigado

  18. Alessandro
    sexta-feira, 22 de maio de 2009 – 0:18 hs

    È! os pucha saco do toninho da AW continuam na ativa,até quando ?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*