História emblemática da administração Requião | Fábio Campana

História emblemática da administração Requião

iml

Baltazar Natal Galdino, de 35 anos, morreu em 19 de junho de 2008, vítima de incêndio em sua casa. O IML só conseguiu liberar o corpo de Galdino oito meses depois, no sábado de carnaval. Não porque houvesse dificuldade de identificação. O rosto de Galdino não foi atingido pelo fogo. Houve, sim, equívocos, desencontros, erros da burocracia. O mais grave foi o de encaminhar, pelo Correio, o processo de identificação de Galdino para o fórum de São José dos Pinhais, quando teria de ser encaminhado a Pinhais. A família (foto da mãe de Galdino) pobre, desvalida, teve que investigar os descaminhos do IML. Oito meses para liberar um corpo deve ser recorde mundial e prova suficiente da qualidade de nossa administração.

As informações foram dadas hoje pela manhã pelo jornalista Sidney Alves, na Rádio Banda B.


10 comentários

  1. LINEU TOMASS
    sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 – 9:01 hs

    FABIO.

    Uma só frase.

    “TÁ CARA, A FAMÍLIA GALDINO É DA SENZALA”. Isto explica tudo.

    LINEU TOMASS.

  2. Geraldo
    sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 – 9:22 hs

    O IML é vinculado à Secretaria da Segurança né..então tá explicado… só podia estar o rambinho por trás de tamanha confusão e incompetência!

  3. ronaldo
    sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 – 9:23 hs

    Perguntar não ofende, não é esse orgão que está sob intervenção da Secretaria de Segurança ?

  4. William
    sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 – 10:33 hs

    Para os requianistas de plantão:

    Tá ai seus fanfarrões, esse governo porco e himundo é o maior descaso para a população parananese, no qual se coloca um secretário de segurança totalmente sem noção, e ainda por cima coloca uma intervensão da PM dentro do IML que só piorou a situação da instituição.
    É disparado o pior governo dos últimos 50 anos, e esse caso é o simbolo da negligência e descaso da administração Requião.

  5. M
    sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 – 11:09 hs

    Esta Administração do nosso Governador e principalmente do seu Secretário de Segurança …….. DOIS CAVALOS ………

    “Povo Paranaense ……….. cuidado !!!!! O nosso governador irá se candidatar a Senado …… pense bem”

  6. ex-pectador
    sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 – 12:27 hs

    Uma administração pública de qualidade jamais permitirá a barganha de facilidades pelos detentores do poder. Instalar a indústria da dificuldade para propiciar a venda de facilidades é basicamente desmontar a máquina pública, o que tem como fundamento pagar baixos salários.
    Mesmo quem desconhece os contra-cheques pode, numa passada rápida pelo DER e pelo TJ, como exemplos, comparar a idade média dos funcionários e sua apresentação pessoal e concluir que, do executivo estadual só não saiu ainda quem, por despreparo, não teve esta opção ou aqueles que aguardam pela aposentadoria.

  7. Cap. Nascimento
    sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 – 13:13 hs

    Seguramente é esta a marca do governo medíocre do nepotão de mello e silva. Sucateamento da administração pública e incompetência aliados a muita briga, confusão e processos judiciais. A conta de tudo isto quem paga somos nós, contribuintes, ou melhor, trouxas paranaenses.
    Ei reiquejão, pede prá sair.

  8. Lineu Tomass
    sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 – 13:44 hs

    BONS TEMPOS.

    Nos bons tempos do Requião, ele faria um esparramo no IML e nos etc. e tal.

    Mas hoje, estamos igual ao PMDB velho de guerra, e de cansaço.

    LINEU TOMASS

  9. jango
    sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 – 15:08 hs

    Certamente o cavalo Proletário na granja do Canguiri tem mais atendimento por parte da administração pública estadual que esta pobre mulher desvalida pela tragédia e massacrada pela inépcia dos órgãos públicos envolvidos. Enquanto a impunidade campeia nos atos dos órgãos governamentais, esta mulher é punida duas vezes sem dó nem piedade. E as ditas autoridades de controle público que deveriam por cobro nestas vilanias administrativas ? No Paraná, se fazem de desapercebidas. Não é com elas. Na República do Paralá, “nada é apurado, ninguém é punido.” E a sociedade, através de suas entidades representativas ? Não aparecem. É a anomia geral. Lastimável – dia a dia.

  10. voz da razão
    sábado, 28 de fevereiro de 2009 – 19:38 hs

    A manchete não é mentirosa mas…JAMAIS LI UMA MANCHETE COM A MESMA ÊNFASE QUANDO O CASO ENVOLVE O BETO RICHA. Por falar nisso como esta o CASO EMBLEMÁTICO DO DINHEIRO DESVIADO PELO CASAL DA SAÚDE?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*