Requião culpa juízes por superlotação nas cadeias | Fábio Campana

Requião culpa juízes por superlotação nas cadeias

requiao-e-delazari

O governador Requião fez uma análise sobre o excesso de presos em Curitiba e Região Metropolitana durante a reunião da Operação Mãos Limpas hoje pela manhã e chegou à seguinte conclusão: a culpa da superlotação é dos juízes. Segundo Requião existem na capital 300 presos a mais do que comportam as delegacias atualmente.

Ao mesmo tempo, 700 vagas estão ociosas nas penitenciárias de Cascavel, Francisco Beltrão e Foz do Iguaçu. “Temos 400 vagas sobrando. O problema é que os juízes daquelas comarcas não querem receber presos de Curitiba”, afirmou Requião.

Enquanto Requião decide de quem é a culpa pela superlotação, hoje pela madrugada mais 21 presos escaparam da delegacia de Araucária. Semana passada, oito presos ficaram feridos durante uma rebelião na delegacia de Campo Largo. Todas as cadeias estão superlotadas.


6 comentários

  1. Geraldo
    segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009 – 15:21 hs

    E continua com esse rambinho de araque, o melhor secretário de insegurança do Brasil.

  2. LINEU TOMASS
    segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009 – 16:42 hs

    FABIO.
    ESTA É UMA PROVA DA FALÊNCIA DA SEGURANÇA, QUE SEQUER CONSEGUE REDISTRIBUIR PRESOS PARA OS LOCAIS ONDE TEM VAGAS NAS PRISÕES.

    ESTA NOTA NOS LEVA A CONCLUIR QUE AS VAGAS FORAM ABERTAS NOS MUNICÍPIOS ERRADOS. EM TESE TER-SE-IA QUE ABRIR VAGAS EM CURITIBA, NÃO É?

    IMAGINE FABIO, SE A POLÍCIA NUM PASSE DE MÁGICA CONSIGA PRENDER OS (+ OU -), 18 MIL CONDENADOS PELA JUSTIÇA DO PARANÁ, QUE ESTÃO
    SOLTOS?

    ONDE POR MAIS ESTES 18 MIL PRESOS?

    LINEU TOMASS.

  3. Geraldo
    segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009 – 17:57 hs

    Tadinho do rambinho, borraram a carinha dele na foto, óla, óla

  4. Ricardo
    segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009 – 18:24 hs

    Ainda bem que o juíz de beltrao nao quer receber os detentos de curitiba. Fazendo uma analogia entre a criminalidade aqui no sudoeste e lá em curitiba, enquanto aqui estão no primário, em curitiba já tão na pós graduação. Enquanto aqui a taxa de homicidios tem permanecido abaixo dos 10/100 mil habitante/ano, inclusive tendo o proprio municipio de beltrao passado quase um ano sem sequer registrar homicidios, em curitiba a coisa tá descontrolada e dificil é passar um dia sem registrar uma ocorrencia destas. Outro detalhe importante, é que algumas cadeias da regiao ainda estao superlotadas, ou seja, ainda tem muita “materia prima” pra preencher a “industria” da regiao.

  5. Carlão
    segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009 – 22:11 hs

    Cade as 11.000 vagas prometidas na eleição de 2002 ?
    agora é culpa do Judiciário ?

  6. O MALA
    terça-feira, 3 de fevereiro de 2009 – 9:42 hs

    O fator preponderante decorre da incapacidade em administrar e conter a onda de crimes, violências algo não se restrinje apenas ao nosso Estado, mas, alojado em todo o Brasil.
    A nossa legislação classifica, tipifica cada crime, dando lhe a penalidade devida, porém, quando do cumprimento da sentença “jogam todos na mesma gaiola”, precisaria um estudo para avaliarem se a forma de penalidade, contribui para reassocializar o individuo encarcerado. Porque em nosso país, os políticos, advogados, os que possuem nível superior tem tratamento diferenciado, cela especial.
    O sistema além de ultrapassado está falido, e se continuar assim, jamais, existirá espaço para todos, pois, novamente repetimos um trilhão de vezes, a questão é educar, conscientizar, capacitar e gerar oportunidades para todos, infelizmente esse país está nas mãos de políticos incompetentes, e uma imprensa omissa, conivente, dependentes dos favores do Estado e suas empresas. Logicamente, também, rever o processo penal. Portanto, falta empenho, dedicação e encarar esse problema gravíssimo em nossa sociedade.
    A Coréia do norte com uma população significativa apresenta baixissimos índices de criminalidade, podendo se dizer insignificantes. Como isso é possível?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*