Pai diz que filha reconheceu o suspeito do crime de Caiobá | Fábio Campana

Pai diz que filha reconheceu o suspeito do crime de Caiobá

O pai da jovem internada no Hospital Vitta em Curitiba disse agora, em entrevista à Band News FM, que a filha reconheceu o suspeito preso hoje em Santa Terezinha, no litoral.

A prisão só foi feita depois do reconhecimento da foto. Segundo o pai, Lourival Pegorare, a filha chorou muito ao ver a foto do suspeito e não tem nenhuma dúvida de que o homem preso é o responsável por tudo. Ouça a entrevista de Lourival Pegorare à repórter Ana Paula Burg:

Ou clique aqui para baixar o arquivo em formato mp3.


11 comentários

  1. Nhengo
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2009 – 14:45 hs

    e com essa porcaria de lei que existe neste país esse monstro fica preso 6 – 8 anos e já tá de volta na rua para fazer mais vítimas.

  2. bimbo
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2009 – 15:01 hs

    Bem, então, agóra vamos meter uma bala na coluna vertebral dêle, e jogá-lo
    na penitênciária do estado prá turma se divertir.

  3. LEANDRO
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2009 – 15:04 hs

    PENA DE MORTE JÁ!!!!!OU DIREITOS HUMANOS PAPARICANDO O VAGABUNDO.
    BANDIDO BOM É BANDIDO MORTO, ENTERRADO DE PÉ PARA OCUPAR MENOS ESPAÇO!!!!!DEU PRA ENTENDER, SR. LULA E CIA LTDA?

  4. parana.com
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2009 – 15:19 hs

    estuprador q teve essa repercução nao, ele vai virar mocinha la dentro e vai viver o inferno

  5. Luis
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2009 – 15:50 hs

    Parabéns a Polícia Militar! Trabalho perfeito! Eles devem ter revirado o litoral inteiro atrás do cara!

    Isso também mostra como o cara é burro, pois se fosse esperto sairia do litoral e iria para Santa Catarina ou interior do Paraná, aonde as buscas eram menos frequentes. Bom, mas se ele fosse mesmo esperto, nunca iria fazer um crime como esse.

  6. ronaldo
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2009 – 16:36 hs

    Ótimo, estão de parabéns o Dr. Cartaxo e sua equipe. Quanto ao vagabundo, gostaria de vêlo pendurado de cabeça para baixo no alto do Morro do Boi em Caiobá.

  7. ROBSON PROENÇA
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2009 – 17:30 hs

    deixem o monstro aleijado e soltem em praça publica para que cada um que passar tire uma casquinha dele , vamos por ordem na justiça

  8. cidadão
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2009 – 18:17 hs

    Senhores,ainda é cedo para que se tenha certeza se ele é ou não o autor deste crime imperdoável,mas se realmente for,que venha o presídio e a lamina de barbear para que ele fique bem lisinho e vire moçinha,assim em 8 anos, tempo que o nosso Código Penal consegue segurá-lo,ele possa ser diariamente estuprado e a aids o leve lentamente ao céu,pois o inferno ele viverá lá com seus “parceiros”.

  9. Mano da Vila
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2009 – 22:44 hs

    Chega de hipocrisia! Pena de Morte já!

  10. Sandro
    quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009 – 0:18 hs

    O que precisa é que o STF tenha mais sensibilidade e respeite mais as leis quando são aprovadas pelo Congresso e sancionadas pelo Presidente, em pleno exercício do poder democrático, pois ultimamente o }Suprema está arvorando-se na condição de legislador pleno, dando sentido diverso do que a lei, a Constituição, os legisladores, os constituintes e o povo pretende em determinada norma. Ora, a lei de crimes hediondos (Lei 8072/90) previa que em casos como esse, o regime de cumprimento de pena seria integralmente fechado. Veio o STF e disse que isso seria inconstitucional e que todos têm direito à progressão de regime, ou seja, agora um vagabundo desses pode sair mesmo em pouco mais de quinze anos, isso se condenado a uns 30 anos. Ocorre, que os ministros do STF, isolados em seus gabinetes e longe da realidade do povo, não entendem que a diferenciação nas penas não se trata de discriminação aos autores de crimes hediondos, mas sim ao fato deles terem cometido um crime de extrema gravidade e, portanto, devem receber tratamento diferenciado, com penas mais severas. Completamente de acordo com o princípio da proporcionalidade.
    Em resposta a este despautério do STF, o Congresso aprovou a Lei 11464/07. O parágrafo 2º do artigo 2º da Lei 8.072/1990, introduzido pela Lei 11.464/2007, para a progressão de regime exige, nos crimes hediondos e equiparados, o cumprimento de 2/5 da pena (40%), se o apenado for primário, e de 3/5 (60%), se reincidente.
    Portanto senhores, lei existia que punia com rigor tais condutas barbáras, mas o STF, no meu humilde entendimento, de forma equivocada, declarou inconstitucional tal lei e agora temos apenas um remendo. Pessoas violentas e perigosas como esse amoral assassino devem ser segregados, só assim a sociedade estará protegidas. É de clareza solar, que somente poderíamos admitir progressão de regime em crimes não violentos, onde não exista periculosidade do autor do crime e que sua liberdade não signifique risco de vida aos demais cidadãos.
    O ditado é antigo, o pior cego é aquele que não quer ver e parece que não apenas a Justiça é cega, mas que o STF e seus ministros estão cegos.

  11. GRICIA
    quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009 – 3:23 hs

    Sem Mais!!!
    Morte Ao Filho Do Capeta !!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*