Verba federal para SC continua retida na burocracia | Fábio Campana

Verba federal para SC continua retida na burocracia


Lula sobrevoa Santa Catarina ao lado do governador do Estado

O excesso de chuva não é o único problema de Santa Catarina. Os flagelados catarinenses enfrentam um outro inimigo, invisível: a burocracia. Nem o governo do Estado nem as prefeituras dos municípios inundados enviaram a Brasília os papéis necessários à liberação de verbas prometidas por Lula.

Em ofício datado de 26 de novembro, o ministério da Integração Nacional informou às autoridades catarinenses que reservara R$ 40 milhões. Dinheiro para a assistência emergencial, que seria acrescido de novas cifras à medida que a tragédia fosse exigindo.

Para pôr a mão no dinheiro, a equipe do governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) e os prefeitos catarinenses teriam de enviar a Brasília um lote de documentos.

Até a semana passada, eram 39 os papéis exigidos. Esse número caiu para quatro depois que Lula editou um decreto concebido para tornar mais ágil o processo.

O decreto saiu junto com a medida provisória em que o governo destinou R$ 1,6 bilhão para a assistência às vítimas de enchentes nos Estados do Sul e do Sudeste.

Pois bem, nem mesmo esse lote de quatro documentos chegou às mãos do minsitro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional).

São dois os documentos mais importantes: uma avaliação de danos e um plano de trabalho que deixe claro o que será feito com o dinheiro público.

Nesta quarta (3), Geddel expôs o seu drama à líder do PT no Senado, a catarinense Ideli Sanvatti. Geddel repetiu algo que dissera na véspera ao blog.

Sem o cumprimento das exigências mínimas, está impossibilitado de mandar para Santa Catarina o dinheiro reservado ao socorro dos flagelados.

Nesta sexta (5), haverá em Itajaí e Blumenau, dois dos municípios mais afetados pela enchente, um par de reuniões multisetoriais.

Vão à mesa o governador e prefeitos catarinenses; congressistas; e o ministro Márcio Fortes (Cidades). Ideli vai ao encontro armada para cobrar.

“Entendo a posição do ministro Geddel. É impossível colocar dinheiro público na mão de qualquer pessoa sem ter um detalhamento mínimo de como será aplicado…”

“…Vamos pressionar o governador e os prefeitos. Tem muita gente reclamando. Mas ninguém tem autoridade para reclamar se não cumpre antes a sua obrigação básica”.

Nos próximos dias, a inepcia dos gestores públicos vai impor aos flagelados cararinenses um infortúnio adicional.

Lula está na bica de assinar um decreto que facilita às vítimas das enchentes o acesso ao FGTS. Porém…

Porém, esse dinheiro também permanecerá retido até que todo o processo burocrático do ministério da Integração Nacional esteja concluído.


4 comentários

  1. Vigilante do prtão
    quinta-feira, 4 de dezembro de 2008 – 7:45 hs

    Anunciar verba, até pagapaio anuncia.
    Ter o dinheiro e liberar para o que foi anunciado, bem já não é tão fácil.
    Bando de incompetentes.

  2. IMPECHAMENTT
    quinta-feira, 4 de dezembro de 2008 – 13:59 hs

    Vai cair uma chuva de justiça em brasilia, a mascara vai cair desse Lula incosequente.

    Ele fez só pose, vejam a cara de artista. Trabalho que é bom nada.Meus amigos,
    Hoje 27 de novembro de 2008 o sol saiu e conseguimos voltar a trabalhar. A despeito de brincadeiras e comentários espirituosos normais sobre esta “folga forçada” a verdade é que nunca me senti tão feliz de voltar ao trabalho. Não somente pelo trabalho, pela instituição e pela própria tranqüilidade de ter aonde ganhar o pão, mas também por ser um sinal de que a vida está voltando ao normal aqui na nossa Itajaí.
    As fotos que circulam na internet e os telejornais já nos dão as imagens claras de tudo que aconteceu então não vou me estender narrando e descrevendo as cenas vistas nestes dias. Todos vocês já sabem de cor. Eu quero mesmo é falar sobre lições aprendidas.
    Por mais que teorias e leituras mil nos falem sobre isso ainda é surpreendente presenciar como uma tragédia desse porte pode fazer aflorar no ser humano os sentimentos mais nobres e os seus instintos mais primitivos. As cenas e situações vividas neste final de semana prolongado em Itajaí nos fizeram chorar de alegria, raiva, tristeza e impotência. Fizeram-nos perder a fé no ser humano num segundo, para recuperar-la no seguinte. Fez-nos ver que sempre alguém se aproveitará da desgraça alheia, mas que também é mais fácil começar de novo quando todos se dão as mãos.
    Que aquela entidade superior que cada um acredita (Deus, Alá, Buda, GADU etc.) e da forma que cada um a concebe tenha piedade daqueles:
    – Que se aproveitaram a situação para fazer saques em Supermercados, levando principalmente bebidas e cigarros
    – Que saquearam uma farmácia levando medicamentos controlados, equipamentos e cofres e destruindo os produtos de primeira necessidade que ficaram assim como a estrutura física da mesma.
    – Que pediam 5 reais por um litro de água mineral.
    – Que chegaram a pedir 150 reais por um botijão de gás.
    – Que foram pedir donativos de água e alimentos nas áreas secas pra vender nas áreas alagadas.
    – Que foram comer e pegar roupas nos centros de triagem mesmo não tendo suas casas atingidas.
    – Que esperaram as pessoas saírem das suas casas para roubarem o que restava.
    – Que fizeram pessoas dormir em telhados e lajes com frio e fome para não ter suas casas saqueadas.
    – Que não sentiram preocupação por ninguém, algo está errado em seu coração.
    – Que simplesmente fizeram de conta que nada acontecia, por estarem em áreas secas.
    Da mesma forma, que essa mesma entidade superior abençoe:
    – Aqueles que atenderam ao chamado das rádios e se apresentaram no domingo no quartel dos bombeiros para ajudar de qualquer forma.
    – Os bombeiros que tiveram paciência com a gente no quartel para nos instruir e nos orientar nas atividades que devíamos desenvolver.
    – A turma das lanchas, os donos das lanchinhas de pescarias de fim de semana que rapidamente trouxeram seus barquinhos nas suas carretas e fizeram tanta diferença.
    – À equipe da lancha, gente sensacional que parecia que nos conhecíamos de toda uma vida..
    – Aos soldados do exército do Paraná e do Rio Grande do Sul.
    – Aos bravos gaúchos, tantas vezes vitimas de nossas brincadeiras que trouxeram caminhões e caminhões de mantimentos.
    – Aos cadetes da Academia da Polícia Militar que ainda em formação se portaram com veteranos.
    – Aos Bombeiros e Policias locais que resgataram, cuidaram , orientaram e auxiliaram de todas as formas, muitas vezes com as suas próprias casas embaixo das águas.
    – Aos Médicos Voluntários.
    – Às enfermeiras Voluntárias.
    – Aos bombeiros do Paraná que trabalharam ombro a ombro com os nossos.
    – Aos Helicópteros da Aeronáutica e Exercito que fizeram os resgates nos locais de difícil acesso.
    – Aos incansáveis do SAMU e das ambulâncias em geral, que não tiveram tempo nem pra respirar.
    – Ao pessoal do Helicóptero da Polícia Militar de São Paulo, que mostrou que longo é o braço da solidariedade.
    – Ao pessoal das rádios que manteve a população informada e manteve a esperança de quem estava isolado em casa.
    – Aos estudantes que emprestaram seus físicos para carregar e descarregar caminhões nos centros de triagem.
    – Às pessoas que cozinharam para milhares de estranhos.
    – Ao empresário que não se identificou e entregou mais de mil marmitex no centro de triagem.
    A todos que doaram nem que seja uma peça de roupa.
    – A todos que serviram nem que seja um copo de água a quem precisou.
    – A todos que oraram por todos.
    – Ao Brasil todo, que chorou nossos mortos e nossas perdas.
    – Aos novos amigos que fiz no centro de triagem, na segunda-feira.
    – A todos aqueles que me ligaram preocupados com a gente.
    – A todos aqueles que ainda se preocupam por alguém.
    – A todos aqueles que fizeram algo, mas eu não soube ou esqueci.
    Há alguns anos, numa grande enchente na Argentina um anônimo escreveu isto:
    COMEÇAR DE NOVO
    Eu tinha medo da escuridão
    Até que as noites se fizeram longas e sem luz
    Eu não resistia ao frio facilmente
    Até passar a noite molhado numa laje
    Eu tinha medo dos mortos
    Até ter que dormir num cemitério
    Eu tinha rejeição por quem era de Buenos Aires
    Até que me deram abrigo e alimento
    Eu tinha aversão a Judeus
    Até darem remédios aos meus filhos
    Eu adorava exibir a minha nova jaqueta
    Até dar ela a um garoto com hipotermia
    Eu escolhia cuidadosamente a minha comida
    Até que tive fome
    Eu desconfiava da pele escura
    Até que um braço forte me tirou da água
    Eu achava que tinha visto muita coisa
    Até ver meu povo perambulando sem rumo pelas ruas
    Eu não gostava do cachorro do meu vizinho
    Até naquela noite eu o ouvir ganir até se afogar
    Eu não lembrava os idosos
    Até participar dos resgates
    Eu não sabia cozinhar
    Até ter na minha frente uma panela com arroz e crianças com fome
    Eu achava que a minha casa era mais importante que as outras
    Até ver todas cobertas pelas águas
    Eu tinha orgulho do meu nome e sobrenome
    Até a gente se tornar todos seres anônimos
    Eu não ouvia rádio
    Até ser ela que manteve a minha energia
    Eu criticava a bagunça dos estudantes
    Até que eles, às centenas, me estenderam suas mãos solidárias
    Eu tinha segurança absoluta de como seriam meus próximos anos
    Agora nem tanto
    Eu vivia numa comunidade com uma classe política
    Mas agora espero que a correnteza tenha levado embora
    Eu não lembrava o nome de todos os estados
    Agora guardo cada um no coração
    Eu não tinha boa memória
    Talvez por isso eu não lembre de todo mundo
    Mas terei mesmo assim o que me resta de vida para agradecer a todos
    Eu não te conhecia
    Agora você é meu irmão
    Tínhamos um rio
    Agora somos parte dele
    É de manhã, já saiu o sol e não faz tanto frio
    Graças a Deus
    Vamos começar de novo.
    Anônimo
    É hora de recomeçar, e talvez seja hora de recomeçar não só materialmente. Talvez seja uma boa oportunidade de renascer, de se reinventar e de crescer como ser humano.
    Pelo menos é a minha hora, acredito.
    Que Deus abençoe a todos.

    Leia Lula e continue omisso Presidente vendido , só falo desde do começo, até agora nada.

    To com vergonha de ser Brasileiro com um pessímo Representante Mundialmente conhecido.

    Lula o povo é generoso mas não é burro compadre veio.

    Peça demissão.
    Porque a nossa Primeira Dama é tão Muda, Calada………… Tem algo a dizer que pode abalar o Brasil…………….. Todas as mulheres tem que ser assim Mudinha da Silva???????????????????

    Fora Lula
    Fome Zero mesmo, até nas horas mais difíceis não podemos contar com o imdiatismo da Vossa Senhoria, PT só cuida dos PT, Bandeira Vermelha comunismo, ditadura.
    Fora Lula. Fora PT

  3. IMPECHAMENTT
    quinta-feira, 4 de dezembro de 2008 – 14:00 hs

    Na veia vermelha do Lula só corre gelo, o sangue ele usou para pintar a sua Bandeira….
    Povo Brasileiro acorda.

  4. IMPECHAMENTT
    quinta-feira, 4 de dezembro de 2008 – 14:03 hs

    Ouvi essa carta num Programa de rádio na voz do Chik Jeitoso, pedi para ele me enviar um email da copia é gentilmente ele me enviou estou fazendo meu protesto democratico.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*