Mantega: "Temos armamento pesado contra a crise" | Fábio Campana

Mantega: “Temos armamento pesado contra a crise”

mantega-lmar

Do Josias de Souza, no Folha Online:

Contra todas as previsões, o ministro Guido Mantega (Fazenda) continua estimando para 2009 um aquecimento econômico de 4%.

No papel de “levantador de PIB”, Mantega não receia fazer feio. Por que? “Falo em 4% porque o governo tomará as medidas necessárias para não deixar a produção cair”.

O ministro avisa: “Não estamos dormindo”. E dimensiona o paiol do governo: “Nós temos armamento pesado para enfrentar a crise”.

Em entrevista aos repórteres Octácio Costa, Denize Bacoccina e Adriana Nicacio, Mantega expõe algumas das armas.

  1. O Banco Central fará novas liberações do depósito compulsório para os bancos;
  2. O governo pressionará os bancos para reduzir os juros cobrados da clientela;
  3. Mesmo que a arrecadação de impostos caia, o governo não vai cortar investimentos.
  4. A Petrobras manterá os investimentos do pré-sal.
  5. O governo adotará medidas “para que todas as empresas invistam”.

Vão abaixo alguns trechos da entrevista do ministro da Fazenda:

O que espera para os próximos meses?

Era esperada uma desaceleração. Independentemente da crise internacional, nós vínhamos de 2007 com a economia muito aquecida, a demanda crescendo 14%, o setor automobilístico crescendo 30%. Tudo isso era exagerado e poderia gerar desequilíbrio. O governo já vinha trabalhando para moderar esse crescimento. A crise recrudesceu e, em outubro, veio o choque financeiro […]. Foi um freio de arrumação. Vamos ter uma desaceleração, mas ainda assim eu acho que teremos um Natal relativamente normal.

Dentro do previsto?

O Natal passado foi muito bom e nós teremos outro Natal muito bom […]. Há uma reacomodação da economia à nova realidade, de crédito mais limitado e custo financeiro mais elevado. Com outro fenômeno, que é um medo do consumidor e do empresário, eu diria até quase pânico, dos países avançados, porque lá o cidadão está perdendo emprego. Isso contamina, em parte, o humor do brasileiro. Então caiu a confiança do consumidor, caiu a confiança do empresário. Passada essa perplexidade, a gente começa a enxergar melhor aquilo que vai ser a continuação desse processo, que não é tão terrível como o quadro que estão pintando […].

E quais são as perspectivas para 2009?

A economia vai crescer menos que em 2007 e 2008. Não tenho dúvida […].

Podemos esperar um 2009 completamente desacelerado?

Não. A desaceleração se dá no último trimestre de 2008 e no primeiro trimestre de 2009. Já tomamos medidas e vamos tomar novas medidas. O cenário aliviou, mas falta crédito ainda. O crédito não está no patamar suficiente. Vamos liberar mais recursos de compulsórios para irrigar mais a economia […].

Vai sobrar crédito para outras empresas?

Vai, porque o Brasil tem uma vantagem que outros países não têm, que é o compulsório.

Qual é o volume?

Começamos com R$ 270 bilhões e hoje temos R$ 190 bilhões. Então, nós vamos continuar liberando.

O governo prepara medidas para que o desemprego não piore?

Para evitar isso, nós temos que manter o nível de atividade. O emprego é uma conseqüência. Como se mantém o nível de emprego? Primeiro, mantendo a construção civil funcionando, porque construção civil emprega muita gente. Segundo, mantendo a agricultura num nível de produtividade elevada, porque ela é responsável por 18 milhões de empregos […].

O que será feito para reduzir o custo do crédito?

Nós vamos atuar em cima do spread. É até compreensível que, num primeiro momento, todo mundo tenha chutado para cima as taxas para se precaver, para restringir, mas agora as coisas estão normais. Não vai acontecer nada. Tem que baixar. Os bancos públicos já estão baixando.

Quanto o PIB cresce no ano que vem?

Depende do que nós fizermos. Se deixar na inércia, mesmo com a influência negativa que vem do exterior, a economia cresce pouco. Tem gente falando em 2%, 2,5%. Já vi de zero a 3%.

O sr. continua falando em 4%?

Eu falo em 4% porque o governo tomará as medidas necessárias para não deixar a produção cair. Por exemplo, o setor de construção. O governo está aumentando com o PAC o seu programa de obras em vários setores – saneamento, habitacional, infraestrutura. No ano que vem, eu garanto que não vamos cortar investimento. Mesmo que haja queda no crescimento da arrecadação, não iremos reduzir o investimentos. Isso vai manter a construção civil aquecida, e são obras no Brasil todo […]. Então, quem diz que vai crescer zero acha que vai ter uma hecatombe, coisa que não vai acontecer. Não estamos dormindo.

Em 2010 a economia retoma o crescimento?

Retoma. Vamos ter que colocar em prática uma estratégia que dependa menos do cenário externo. Nosso mercado interno vai substituir uma parte do mercado externo […]. Nós temos como fazer um ciclo diferente. Teremos uma política anticíclica. E nós temos armamento pesado para enfrentar a crise. Nós vamos continuar o pré-sal, a Petrobras vai ter investimento. Vamos viabilizar para que todas as empresas invistam.

Os R$ 14 bilhões do Fundo Soberano vão para investimento ou para o superávit?

Não irão para o superávit, isso eu garanto.


15 comentários

  1. Fernandes
    domingo, 7 de dezembro de 2008 – 21:40 hs

    Como fortalecer o mercado interno com as práticas de mercado de baixos salários, pouco investimento nas micro e pequenas empresas nacionais, baixa qualificação da mão de obra, poucos investimentos em pesquisas e juros altos?

    Como as empresas irão investir se os caixas da maioria delas estão zerados?

  2. Linco
    domingo, 7 de dezembro de 2008 – 23:35 hs

    Nunca estivemos tão mal de Ministros na área Econômica.
    O Mantega é um economista de nível médio e o Paulo Bernardo nem estudar, estudou.
    Segurem os cintos!

  3. segunda-feira, 8 de dezembro de 2008 – 0:49 hs

    O armamento pesado do PT é a mentira,mentira, mentira,…

  4. CLOVIS PENA
    segunda-feira, 8 de dezembro de 2008 – 6:09 hs

    É. Parece que o ministro manifestou apenas o lado do governo, sem considerar as dimensões da comparação que deve ser feita entre o disponível e o necessário.

  5. NOVO ATLÉTICO
    segunda-feira, 8 de dezembro de 2008 – 6:36 hs

    Ganhe quem ganhar, o futebol deve ser levado à sério em 2009 no atlético.
    Tanto o Marcos como o Henrique prometem isto.
    Confesso que me preocupou a postura agressíva e autoritária do Marcos na entrevista da Banda B. Parecia o dono do mundo, chegando a dominar – ou inibir a coordenação do Marcelo Ortiz. Tomou conta, não só da fala mas da conceituada rádio.
    Se estava destemperado, o ouvinte não tem nada com isto. De qualquer forma, mostra um perfil pouco ou nada esportivo. As virtudes de Marcos dispensam o estilo monocrático, que está reprovado pela absoluta maioria atleticana. Se ofenderam alguém de sua família não foi pelos microfones da Banda B. E, pelo esclarecido, não partiu da pessoa do José Henrique que pelo seu lado não soube mostrar que ali não era o lugar e que o momento não era aquele para a dispensável agressão. Marcos ganhou o espaço para dizer o que queria, “no tapetão”. Faltou alguém para colocar ordem em relação ao episódio.
    Prefiro torcer para que tenha sido uma atitude isolada, embora de qualquer forma reprovável.

  6. jose
    segunda-feira, 8 de dezembro de 2008 – 8:51 hs

    É…,ministros bons eram os do FHC.
    Infelizmente esta estúpida reação dos que fazem oposição a qualquer custo,ainda efetivamente não colou na economia.
    Esses que dizem que o Brasil acabará,devem fazer parte dos 7% que acham o governo péssimo ou ruim.
    Na economia real,as empresas deram mais de 8% de reajuste a seus funcionários,o que deverá manter o consumo interno relativamente aquecido.
    Existem recursos no caixa do governo para irrigar a economia.
    Só falta apertar os bancos ,os verdadeiros donos do poder, e faze-los emprestar.
    Ao invés de falar mal do governo, os jornalões deveriam fazer campanha para pressionar nossos bancos,os mais sólidos do mundo.Como faze-lo, se eles são seus grandes anunciantes e os jornalistas se borrarm de medo de contraria-los e seus patrões acabarem por demiti-los?
    Com os ministros geniais,privatizamos tudo,não pagamos dívida alguma,ela cresceu na era FHC,para 800 bi! Quebramos 4 vezes e as pessoas tem saudades do Malan,Mendonça de Barros e outras sumidades.
    Aliás aonde estão os geniais filhos deste,que eram considerados gênios(com informações priviligiadas até eu)?.
    Vamos trabalhar que ganhamos mais!!!!!!!!!!!!

  7. Fernandes
    segunda-feira, 8 de dezembro de 2008 – 12:11 hs

    Jose

    Lá vem você com os comparativos como se o povo tivesse elegido o Lula para somente repetir o que os ministros do FHC ao seguirem a cartilha do Consenso de Washington já tinham adotado antes e de uma forma até mais radical, pois as taxas de juros continuaram sendo elevadas a patamares que inviabilizam totalmente a produção.

    Não é oposição a qualquer custo, mas sim oposição de quem se nega a pagar os custos do atraso e submissão que nos é imposto historicamente de cima para baixo pelas elites políticas econômicas brasileiras atreladas aos interesses do grande capital internacional e nisto incluo o governo Lula e seus asseclas Sarney e Delfim Neto, golpistas de 64 e que hoje fazem parte do mesmo partido do Requião.

    Em uma nação aonde o povo analfabeto ou semi-alfabetizado foi e é manipulado pela grande mídia financiada pelo governante federal de plantão ser parte destes 7% que você cita é motivo para orgulho.

    A tal da economia real que você cita só mal repôs os 7,1578% (DIEESE) de inflação acumulada no período.

    Você vem e acusa o FHC de ter deixado uma dívida de “800 bilhões”, mas não explica a evolução dela para 1,540 trilhão, como também não explica a alta da taxa Selic, que já subiu neste ano de 11,25% ao ano para 13%, o que fez aumentar o custo da dívida.

    O pagamento de juros de dívida pública bateu recorde no primeiro semestre e chegou a R$ 88 bilhões –é o maior valor da série histórica do Banco Central, iniciada em 1991. Segundo o que próprio BC divulgou a economia da União, Estados e municípios para pagar os juros da dívida pública bateu entre janeiro e junho qualquer número anterior, pois ficou em R$ 86,12 bilhões, o equivalente a 6,19% do PIB do período, sendo que entre janeiro e junho o nosso superávit primário ficou em R$ 86,12 bilhões, portanto abaixo dos juros pagos pela dívida (dados do Banco Central).

    Em um quadro caótico como este como dizer que estamos com a economia equilibrada e que existem recursos em caixa?

    Quando você diz que “Só falta apertar os bancos, os verdadeiros donos do poder, e faze-los emprestar” tenta escamotear a questão central que é o papel regulador do governo, hoje totalmente submisso aos interesses do grande capital, e que o Meirelles não passa de um agente a serviço dos interesses do mesmo.

    Como deixaram o cachorro tomando conta da carne?

    Sofismando mais que os “jornalões” e os outros grandes meios de comunicação, os quais em sua maior parte estão a serviço do governo Lula e por “coincidência” dos grandes bancos dos quais o governo petista também faz o jogo, você novamente minimiza o papel que o Lulalá deveria cumprir e não cumpre, que é o de regular a economia e punir os abusos dos agentes financeiros nacionais e internacionais.

    Quando você diz “nossos bancos, os mais sólidos do mundo” parece que até está orgulhoso dos lucros que está canalha obtém à custa da nossa desgraça enquanto povo.

    Você fala das privatizações do FHC, das quais discordei e continuo discordando, como se o Lula não tivesse privatizado nada.

    Lula em sua campanha quando foi eleito pela primeira vez procurou capitalizar o patente descontentamento de largas fatias do eleitorado, da opinião pública, contra as privatizações e o candidato do PT assumiu o compromisso de rever as mesmas, mas não o fez e entre os principais doadores na sua reeleição estão todas as empresas que foram privatizadas e entre elas despontou a Vale do Rio Doce.

    Lula, que antes questionou as privatizações enquanto candidato, no seu primeiro mandato, deu continuidade as privatizações, sendo um bom exemplo os leilões de campos de petróleo e gás, que beneficiou as empresas estrangeiras interessadas em exportar essa nossa riqueza. Ele também tomou a iniciativa de fazer aprovar no Congresso Nacional uma Lei de Concessões Florestais das Florestas públicas na Amazônia. Neste quadro de entreguismo o pior que o Lula poderia fazer e fez foi radicalizar o processo de verdadeira privatização do Banco Central do Brasil, ao entregá-lo à gestão de Henrique Meirelles. O mando deste preposto dos grandes banqueiros gerou em vez de investimentos com os nossos poucos recursos no setor produtivo a apropriação privada da maior parte do Orçamento da União, para o benefício e privilégio do sistema financeiro com até o pagamento antecipado das dívidas, que não foram auditadas como ele antes havia se comprometido em campanha.

  8. jose
    segunda-feira, 8 de dezembro de 2008 – 14:08 hs

    Fernandes,

    Enfim algo inteligente a ser respondido.

    Vamos por partes:

    1-Não disse em lugar algum que concordo em tudo com o Lula,longe disso!

    2-Como disse antes,de forma subentendida,óbvio,é que o Lula chegou ao governo,não ao poder. O poder permanece aonde estava desde há muito,no S. Financeiro Internacional.

    3- Não ufano o fato dos bancos brasileiros serem sólidos. Com alegria e júbilo,apenas constato que eles tem recursos e estabilidade para fazerem a economia caminhar. Se não o fazem é pq nosso governo é CONIVENTE com a situação e deveriam ser pressionados.

    4-O Meirelles é da cota deles. Sem ele, o Lula não estaria lá,já teria sido derrubado há muito! Espero que seu conhecimento em economia-política permita este tipo de raciocínio.

    5- Defendo as poucas conquistas havidas no período,que muitos desprezam (na maioria os q fazem parte dos 7%)

    6-Não interessa para mim que vc diga que só cresceu a poupança em X, na verdade até o governo Lula,os mais desfavorecidos só perdiam. Entenda, é por isso que ele tem esta aprovação!!!!!! Só para te lembrar,já que adora dados: O salário mínimo hoje equivale a aproximadamente U$ 200, enquanto até aqui,quando chegava perto de U$60 era uma vitória!

    7- Acuso que a dívida na era FHC subiu de 60 bi para 880 bi, sim. É pura verdade. E é verdade tb que ela subiu para 1,54 tri.,no governo Lula,pelo mesmo motivo do escrito lá atrás.
    Qual a dúvida?Veja percentualmente o que ocorre. Num caso quase dobra e no outro fator
    é multiplicado por 13.É pouca diferença?Vc acha que há santo nesta história?

    8-O fato de haver recorde no pagamento de juros,é uma comemoração às avessas. O que não se paga incorpora-se ao capital. Vc nessa está confundindo as coisas. Estamos quase conseguindo não entrar em “default”.Quem manda brasileiro ser subserviente e querer cumprir tudo certinho,ao menos no pagamento das dívidas . Os americanos pagaram a deles com os Ingleses?E nas história de outros países,Alemanha por exemplo?E o nosso Portugal? Conhecer a História faz bem!

    9-Não estamos em céu de brigadeiro, mas nunca estivemos tão fortes. Que tal reconhecer,fazer uma autocrítica e entender que os países ricos JÀ ESTÃO quebrados e nós AINDA NÃO,pela primeira vez na história?E se quebrarmos,fomos longe!!!! Antes já estaríamos de joelhos…

    10- E por favor dizer que existem jornalões à favor do Lula,é um devaneio!! Me perdoe,mas retira o tubo,como diria o personagem do Jô. Me dá o que vc bebe que tb quero.
    O Lula nunca foi aceito pela classe média e pela grande mídia. É questão de luta de classes! Os primeiros pq morrem de medo de serem pobres,por isso defenderem os interesses da elite(conhece aquela história de ser mais realista do que o rei?), e os últimos pelo medo de um trabalhador poder subverter a ordem “natural” das coisas. Operário trabalha,patrão lidera.

    P.S.: Só para seu conhecimento,não sou empregado público,muito menos privado.

  9. jose
    segunda-feira, 8 de dezembro de 2008 – 14:25 hs

    Eu já havia lido antes,inclusive está no BLOG,favor ler!!!!!!!!!!!!!!!!

    Brasil terá desaceleração menor
    Do Jornal do Brasil:

    Mais um relatório, desta vez da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), confirmou os sinais de forte desaceleração das economias globais devido à crise financeira. A boa notícia é que o Brasil foi o único país que teve a sua perspectiva de ciclo de crescimento apresentada apenas como declínio. A previsão para as economias líderes globais se enfraqueceu ainda mais em outubro do que em setembro. Nesse período, houve significativa deterioração nas perspectivas para a China, Índia e Rússia.

    O principal indicador da OCDE para o G-7 caiu para 94,8 pontos em outubro frente aos 95,9 em setembro, revisado para cima. A cifra indica uma queda de 5,9 pontos em 12 meses. A perspectiva do ciclo de crescimento na área do G-7 foi avaliada como de forte desaceleração.
    “Comparada com o último mês, a previsão se deteriorou significativamente nas principais economias não integrantes da OCDE. China, Índia e Rússia agora também enfrentam fortes desacelerações”, afirmou a OCDE em comunicado.

    Mercado interno forte

    O indicador para a Alemanha teve a maior queda entre os países do G-7 no mês, de 95,1 para 93,5, enquanto o Japão recuou de 96,1 para 95,2. Ou seja, a economia desses países continuará crescendo, mas terá uma frenagem acentuada, de acordo com as conclusões do indicador, elaborado para detectar viradas no ciclo econômico.
    O Brasil é a única grande economia analisada no CLI (Indicador Composto Avançado, na sigla em inglês), divulgado ontem que, segundo uma previsão da organização, não terá uma forte desaceleração de sua atividade econômica nos próximos seis meses.

    Para o economista brasileiro Marcos Poplawski Ribeiro, professor de finanças internacionais do Instituto de Estudos Políticos de Paris e pesquisador do Cepii (Centro de Estudos, Perspectivas e Informações Internacionais, na sigla em francês), o cenário econômico mais otimista em relação ao Brasil pode ser explicado pelo fato de que a demanda interna continua forte no país. – A diminuição do crédito no Brasil já acontece, mas ela ainda não é tão forte como nos outros países – observou Ribeiro. – Por enquanto, os consumidores brasileiros continuam comprando, o que estimula a atividade econômica.

    A questão, segundo o economista, é saber quanto tempo o consumo interno poderá continuar aquecido.

  10. Fernandes
    terça-feira, 9 de dezembro de 2008 – 12:48 hs

    Caro Jose tal qual o “Jack o estripador” vamos por partes:

    1- Ainda bem que você concorda com pouco do que o Lula está fazendo no governo, já que é a questão da política econômica que dá o rumo para o resto e dela você -Não disse em lugar algum que concordo em tudo com o Lula,longe disso!

    2- Como é que “o Lula chegou ao governo, não ao poder”?

    Ele é o poder governando como quer e hoje ele prefere escutar o Sarney e o Delfim do que os “cumpanhero”!

    3- Quando você escreve: “Com alegria e júbilo,apenas constato que eles tem recursos e estabilidade para fazerem a economia caminhar” me leva a acreditar que estou na frente de um banqueiro, pois só eles podem estar felizes e comemorando a situação de beira de abismo em que nos encontramos, pois quanto mais miséria mais dependência ao dinheiro externo e juros a cada dia mais altos.

    4- O Meirelles é da cota de quem “cara pálida”?
    Ele é do governo de vocês e da cota de vocês, ou o “grande cumpanhero” Lula que o indicou e a ele deu o maior poder dentro do governo, o de estabelecer os rumos da economia nacional, não é cria do seu Partido?

    5- Quais conquistas?

    As de estabelecer a política populista e não popular, pois o povo não quer esmolas que é educação de qualidade e trabalho com salário digno, pois tendo isso o resto à gente constrói.

    6- O nosso salário mínimo é menor do que o praticado no Paraguai, que é de R$ 536,71enquanto o nosso é de R$ 415,00, mas segundo o DIEESE, fonte que o Lual tanto apreciava antes de ser governo, deveria ser de R$ 1.881,32, pois só com o salário neste patamar seria possível suprir as despesas de uma família com dois adultos e duas crianças com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, como prevê a Constituição.

    7- Não acredito que haja santo, mas até eu começar a apontar as mazelas cometidas do governo Lula você estava querendo responsabilizar somente o governo FHC pela situação do país, propositalmente esquecendo-se do que aconteceu com o Brasil nos 6 anos de governo Lula.

    8- Aonde nesta frase você escreve “Quem manda brasileiro ser subserviente e querer cumprir tudo certinho,ao menos no pagamento das dívidas” eu trocaria por: Quem manda o Lula ser subserviente e querer cumprir ma integra as imposições do Consenso de Washington até no pagamento das dívidas, já que eu enquanto brasileiro não assino embaixo do que considero ser uma atitude lesa pátria priorizar o pagamento de um dívida que ainda não havia vencido e que ainda não tinha sido auditada em vez de priorizar o desenvolvimento nacional

    9- Concordo que não estamos em céu de brigadeiro como digo que nunca tivemos, pois sempre pagamos os custos das crises econômicas nas superpotências e continuamos a pagar e por isto estamos hoje como sempre historicamente tivemos literalmente quebrados!

    Quando estoura uma bombinha de S. João nos EUA o efeito aqui é de um morteiro e assim mais uma vez quem irá continuar pagando pelos “erros” dos governantes de lá é o povo daqui, dos países pouco desenvolvidos!

    Espere para ver o resultado do efeito dominó que a crise de lá irá nos causar!

    10- Pare de sofismar ou ser preguiçoso e vá ver o quanto que o Lula está gastando em publicidade e depois volte aqui par fazer a sua autocrítrica!
    Porque eles os grandes empresários (banqueiros, empreiteiros, grandes agronegociantes, etc.) iriam ter medo deste aristocrata operário que tão bem os trata?
    Nunca se ganhou tanto dinheiro neste país com a especulação e superfaturamento em obras como hoje e tudo devidamente blindado pela grande mídia, que prefere transformar o corajoso delegado Protógenes em bandido do que dizer as verdades sobre o criminoso Daniel Dantas, que por “coincidência” é sócio do Lulinha.

  11. Fernandes
    terça-feira, 9 de dezembro de 2008 – 13:24 hs

    Caro Jose tal qual o “Jack o estripador” vamos por partes:

    1- Ainda bem que você concorda com pouco do que o Lula está fazendo no governo, já que é a questão da política econômica que dá o rumo para o resto e dela você -Não disse em lugar algum que concordo em tudo com o Lula,longe disso!

    2- Como é que “o Lula chegou ao governo, não ao poder”?

    Ele é o poder governando como quer e hoje ele prefere escutar o Sarney e o Delfim do que os “cumpanhero”!

    3- Quando você escreve: “Com alegria e júbilo,apenas constato que eles tem recursos e estabilidade para fazerem a economia caminhar” me leva a acreditar que estou na frente de um banqueiro, pois só eles podem estar felizes e comemorando a situação de beira de abismo em que nos encontramos, pois quanto mais miséria mais dependência ao dinheiro externo e juros a cada dia mais altos.

    4- O Meirelles é da cota de quem “cara pálida”?

    Ele é do governo de vocês e da cota de vocês, ou o “grande cumpanhero” Lula que o indicou e a ele deu o maior poder dentro do governo, o de estabelecer os rumos da economia nacional, não é cria do seu Partido?

    5- Quais conquistas?

    As de estabelecer a política populista e não popular, pois o povo não quer esmolas que é educação de qualidade e trabalho com salário digno, pois tendo isso o resto à gente constrói.

    6- O nosso salário mínimo é menor do que o praticado no Paraguai, que é de R$ 536,71enquanto o nosso é de R$ 415,00, mas segundo o DIEESE, fonte que o Lual tanto apreciava antes de ser governo, deveria ser de R$ 1.881,32, pois só com o salário neste patamar seria possível suprir as despesas de uma família com dois adultos e duas crianças com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, como prevê a Constituição.

    7- Não acredito que haja santo, mas até eu começar a apontar as mazelas cometidas do governo Lula você estava querendo responsabilizar somente o governo FHC pela situação do país, propositalmente esquecendo-se do que aconteceu com o Brasil nos 6 anos de governo Lula.

    8- Aonde nesta frase você escreve “Quem manda brasileiro ser subserviente e querer cumprir tudo certinho,ao menos no pagamento das dívidas” eu trocaria por: Quem manda o Lula ser subserviente e querer cumprir ma integra as imposições do Consenso de Washington até no pagamento das dívidas, já que eu enquanto brasileiro não assino embaixo do que considero ser uma atitude lesa pátria priorizar o pagamento de um dívida que ainda não havia vencido e que ainda não tinha sido auditada em vez de priorizar o desenvolvimento nacional

    9- Concordo que não estamos em céu de brigadeiro como digo que nunca tivemos, pois sempre pagamos os custos das crises econômicas nas superpotências e continuamos a pagar e por isto estamos hoje como sempre historicamente tivemos literalmente quebrados!

    Quando estoura uma bombinha de S. João nos EUA o efeito aqui é de um morteiro e assim mais uma vez quem irá continuar pagando pelos “erros” dos governantes de lá é o povo daqui, dos países pouco desenvolvidos!

    Espere para ver o resultado do efeito dominó que a crise de lá irá nos causar!

    10- Pare de sofismar ou ser preguiçoso e vá ver o quanto que o Lula está gastando em publicidade e depois volte aqui par fazer a sua autocrítrica!
    Porque eles os grandes empresários (banqueiros, empreiteiros, grandes agronegociantes, etc.) iriam ter medo deste aristocrata operário que tão bem os trata?
    Nunca se ganhou tanto dinheiro neste país com a especulação e superfaturamento em obras como hoje e tudo devidamente blindado pela grande mídia, que prefere transformar o corajoso delegado Protógenes em bandido do que dizer as verdades sobre o criminoso Daniel Dantas, que por “coincidência” é sócio do Lulinha.

  12. jose
    quarta-feira, 10 de dezembro de 2008 – 11:32 hs

    Fernandes,

    Me desculpe acho que vc não entende o que escrevo.

    Não se preocupe o Serra vem aí e tudo irá mudar.Os bancos não irão mandar. O PSDB não gasta em publicidade e não rouba.

    Um “cumpanheiro” operário,não pode presidir um país.

    O PT rouba demais,o Dantas é sócio do Lula .
    O Lula está no poder.

    O Brasil piorou muito nos últimos anos,é só ler os dados econômicos e a pesquisa sobre a aprovação do governo é maniipulada.

    O salário mínimo será de 2000,oo com o PSDB e este governo do PT aumentou a distância entre ricos e pobres.

    A mídia é vendida e só exalta este “sapo barbudo”

    Sua visão de mundo e Brasil me deixou abismado.

    Obrigado por todos os esclarecimentos

  13. jose
    quarta-feira, 10 de dezembro de 2008 – 14:19 hs

    EDUARDO GUIMARÃES: “GOLPISTAS CANALHAS”
    Atualizado em 06 de dezembro de 2008 às 11:14 | Publicado em 06 de dezembro de 2008 às 11:11

    por EDUARDO GUIMARÃES

    Desde o dia 15 de setembro, os brasileiros fomos submetidos a um bombardeio incessante e crescente de más notícias nos jornais, nas revistas, nas tevês, nas rádios, na internet e, em certa medida, até em nosso cotidiano. Não é por outra razão que pesquisa Datafolha divulgada hoje pelo jornal Folha de São Paulo revelou que 72% da população está ciente da crise econômica internacional.

    Desde que a crise se apoderou da mídia, também temos visto duas formas distintas de encará-la. E são essas duas formas o assunto central aqui, pois uma delas derrotou a outra, segundo o Datafolha.

    Enquanto que, do lado da mídia e da oposição a Lula, o discurso é o de que a crise mostrará que, ao contrário do que se pensa, o presidente atual é ruim e só conseguiu bons resultados econômicos até aqui porque o mundo vinha em bonança econômica – o que fica cada vez mais claro que era mentira, pois a crise já vem se espalhando pelo mundo há um ano -, do lado do governo Lula o discurso vinha sendo o de que a crise nos atingirá com muito menos força porque o país está economicamente arrumado.

    A pesquisa Datafolha publicada hoje mostra que a popularidade de Lula foi aumentando na medida em que a crise foi se agravando no mundo e, em boa medida, também aqui no Brasil. Mas o que explica esse fenômeno? Não deveria ser o contrário?

    A pesquisa em questão deverá servir para acordar a direita brasileira, ainda que no mesmo jornal que divulgou a notícia sobre a aprovação recorde de Lula (70%) tenha sido divulgado, com destaque, artigo do ex-patrão do mastim da Veja Reinaldo Azevedo, do ex-ministro de FHC Luiz Carlos “no limite da irresponsabilidade” Mendonça de Barros no qual ele, muito bondosamente, “aconselha” Lula :

    (…)Nestes momentos de insegurança em relação ao futuro, o governo deve liderar, com autoridade e responsabilidade, a sociedade. Tentar enfrentar tempos mais bicudos escondendo da opinião pública a realidade dos fatos sempre acaba muito mal. O presidente Lula e seus ministros estão fazendo uma aposta de alto risco ao vender uma economia que não existe mais.

    Quanta bondade do inimigo político de Lula, não? Vocês não ficaram comovidos? Vejam o empenho dele em “ajudar” o presidente…

    Aliás, Mendonça de Barros entende muito bem de “Tentar enfrentar tempos mais bicudos escondendo da opinião pública a realidade”. Foi seu grupo político que, em 1998, então no poder, vendeu à população a mentira de que não haveria a desvalorização do real que Lula, adversário de FHC na disputa pela Presidência, dizia então que ocorreria de uma forma ou de outra, ainda que depois das eleições. Enfim, foi o PSDB que disse que seria o petista que desvalorizaria a moeda se ele fosse eleito presidente naquele ano.

    Lula não está enganando ninguém. Mendonça de Barros sabe disso, FHC sabe disso, a Folha sabe disso, a mídia inteira sabe disso. E a pesquisa Datafolha revela que a parte mentalmente sadia da população também sabe muito bem disso e que essa parte é majoritária no país, respondendo por cerca de 70% do total dos brasileiros.

    Ora, mas há, sim, problemas na economia, dirão alguns. E eu responderei que sim, que há problemas sérios, é claro, mas as pessoas têm capacidade de discernimento, pois sabem quanto os problemas que atingem o Brasil são muito mais sérios nos países ricos do que aqui, e sabem como o país está hoje diante de como estão países poderosos e ricos, e sabem, finalmente, que estamos melhor do que a maioria porque o país é bem governado.

    Qualquer pessoa mentalmente sadia é capaz de entender que os problemas na economia vêm de fora e que só não são maiores aqui dentro porque o país está bem economicamente. Talvez seja por isso que um dos grupos sociais entre os quais Lula mais melhorou sua avaliação foi entre os mais escolarizados, apesar de que sua aprovação positiva melhorou em todos os setores regionais, por escolaridade, renda, idade e sexo.

    E não é só isso: o país também enxerga como a mídia tem que brigar com os fatos para tentar provar que estamos sofrendo e que sofreremos mais do que se pensa.

    O país que aprova Lula também demonstra estar politicamente maduro. Vê-se que as pessoas entendem perfeitamente o contexto em que o Brasil está no cenário internacional e sua posição de liderança hoje no mundo.

    Todos enxergam mais claramente agora como é ruidoso esse grupo político que se assanhou só porque elegeu um reacionário de direita em São Paulo neste ano, na cidade e no Estado mais reacionários do país. No conjunto da sociedade, porém, essa gente representa pouco. Só fala tão alto porque é dona de meios de comunicação.

    Contudo, a maioria esmagadora do país acaba de dar um recado ao Partido da Imprensa Golpista (PIG), de que não acredita no que ele diz e de que acredita no que diz Lula.

    Enfim, para resumir tudo, usarei agora um dos termos usados ontem por Lula num discurso. São termos que escandalizaram a moça da foto acima e todo o resto da imprensa golpista, sem falar na oposição tucano-pefelenta: todos essa gente “sifu”, ou seja, todos eles se deram muito, mas muito mal. O termo “sifu” descreve à perfeição o que aconteceu com esses golpistas canalhas.

  14. Fernandes
    quarta-feira, 10 de dezembro de 2008 – 15:37 hs

    Jose

    Por pura falta de argumentos não rebateu nada do que postei, mas veio com a velha cantilena de “Estão nos perseguindo”!

    COMO VOCÊ NÃO FOI PROCURAR OS NÚMEROS OU FOI E SE ASSUSTOU VOU REPASSAR OS MESMOS!

    Ou o Lula e os seus ministros são uns trouxas ou o que estamos vendo é um dos maiores acertos que um governo poderia fazer com a “mídia canalha”:

    – Em 2003 o governo petista investiu R$ 667,6 milhões na mídia “canalha” mídia.

    – Em 2004 somente a “bagatela” de R$ 956,1 milhões.

    – Já em 2005 foi a mixaria de R$ 963 milhões em propaganda.

    – No ano de 2006 deu mais um “pulinho” por causa da reeleição e a conta foi para R$ 1,308 bilhão.

    -Em 2007 este desgoverno gastou em mídia R$ 1,015 bilhão.

    Fique calminho pois os gastos com o PIG não foram somente estes, já que não é possível saber de maneira completa quanto o governo gasta com propaganda.

    As cifras divulgadas não incluem o dinheiro usado em publicidade legal (editais e balanços). Também não são conhecidos os custos de produção dos comerciais (pagos à parte para as agências). Além disso, o principal buraco negro na área de marketing estatal são os patrocínios.

    COMO A IMPRENSA “PERSEGUE” O LULA!

  15. jose
    quarta-feira, 10 de dezembro de 2008 – 16:49 hs

    ” Cada um pensa como pode”

    Quintana

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*