Vilson Goinski é absolvido pelo TRE | Fábio Campana

Vilson Goinski é absolvido pelo TRE

Por 5 votos a 1, o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná acatou o recurso do prefeito de Almirante Tamandaré Vilson Goinski, do PMDB, que pedia absolvição no caso de cassação de sua candidatura à reeleição.

A candidatura de Goinski foi cassada pelo juiz eleitoral do TRE da Zona Eleitoral de Almirante Tamandaré, Eduardo Novacki, em agosto, antes das eleições. O motivo foi abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação


8 comentários

  1. MALUCO@BELEZA
    quinta-feira, 6 de novembro de 2008 – 19:53 hs

    isso cheira tão mal, como alguém por ABUSO DO PODER ECONÔMICO em um momento é cassado e na sequência absolvido.
    Na hipótese do Sr goinski ser afastado, qual seria o procedimento? Uma nova eleição???

    O fato é que deve urgente haver mudanças nas regras, o atual sistema é desleal com os candidatos de menor poder econômico, e antidemocrático.
    O prefeito de Curitiba em todo seu mandato, irá receber 20 mil x 48 meses = 960.000,00
    Gastou 6,5 vezes mais que este valor. No entanto, a matemática que prevalece é qual o orçamento do município, ou seja 3,7 bilhões de reais x 4 anos= 14,8 bilhões.
    QUEM IRÁ FISCALIZAR TODA ESSA BUFUNFA, ESSA MONTANHA DE DINHEIRO É COBIÇADA PELOS FINANCIADORES DE CAMPANHA, POR ISSO, MUITOS CANDIDATOS FAZEM ALIANÇA ATÉ COM O DIABO, E VERÃO O QUANTO IRÁ AUMENTAR O PATRIMÔNIO PESSOAL.
    OS INSTRUMENTOS PARA EVITAREM OS ABUSOS ESTÃO AÍ, MAS , INEFICAZES, POIS, A TÚNICA DA IMPUNIDADE É MAIOR NESTE PAÍS ALTAMENTE PROTECIONISTA DAS CASTAS POLÍTICAS E ARISTOCRÁTICA.

  2. Julia
    quinta-feira, 6 de novembro de 2008 – 22:18 hs

    Uso indevido dos meios de comunicação é o que o MacCain fez com aquela estória de “heroi de guerra..”
    Vejam o que tirei do blog do Emir Sader:

    “O último livro de Michael Moore, publicado este ano nos EUA e que não chegou por aqui, tem como título original “O guia de Mike para as eleições”.

    Reproduzo para vocês alguns dos melhores momentos do livro. O primeiro, a verdadeira história da prisão de McCain no Vietnã:

    “John McCain participou como piloto de guerra de 23 bombardeios sobre o Vietnã do Norte…” Nessas ações, “as forças estadunidenses realizaram 307vôos de combate e jogaram 643.000 toneladas de bombas no território vietnamita (aproximadamente as mesmas toneladas que foram lançadas no Pacífico durante toda a Segunda Guerra Mundial).” “Isso representa mais de um 11 de setembro por mês. E isso durante 44 meses.”

    “No seu livro Faith of our Fathers, McCain lamenta que só lhe deixaram bombardear instalações militares, estradas e centrais elétricas. Na sua opinião essas restrições eram “ilógicas” e “não tinham sentido””. “Em 26 de outubro de 1967, McCain, que pilotava seu Skyhawk A-4, foi atingido pela artilharia anti-aérea dos norte-vietnamitas no momento em que disparava um míssil não contra um objetivo militar, nem contra uma unidade do exército, nem contra um buque de guerra, mas contra uma estação geradora de eletricidade que abastecia a alguns bairros. O objetivo, segundo o próprio McCain, estava em uma “zona de Hanói densamente povoada”. Densamente povoada. Um avião aparece no céu e descarrega uma chuva de mísseis em uma zona muito povoada da capital de um país.”

    “O avião de Mc Cain caiu em um lago não muito longe do palácio presidencial. Com três fraturas, ele estava se afogando e vários civis que estavam nas margens, se jogaram na água para salvá-lo. Mais ou menos o que faríamos nós com alguém que tivesse acabado de bombardear nosso povo, não?”

    E quem usa os pontos de onibus, os vidros traseiros dos onibus e as bancas de jornais com dinheiro publico durante anos para fazer propaganda , o quê é?

  3. Julia
    sexta-feira, 7 de novembro de 2008 – 7:25 hs

    Isso é moleza perto disso aqui ( do blog http://www.amigosdopresidentelula.
    “Num julgamento repleto de críticas às autoridades que atuaram na Operação Satiagraha, principalmente ao juiz Fausto Martin De Sanctis, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) , Por 9 votos a 1, o STF decidiu manter Daniel Dantas em liberdade, e que tem o direito de ter acesso ao inquérito no qual é investigado por suspeitas de envolvimento com crimes financeiros. Preso duas vezes em julho, o banqueiro foi solto nas duas ocasiões por determinação do presidente do STF, Gilmar Mendes.

    O ministro Celso de Mello afirmou durante o julgamento que Sanctis, que atua na 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, onde o inquérito tramitou, cometeu um ato insolente, insólito e ilícito ao não prestar informações ao Supremo sobre as investigações abertas contra Dantas. “Essa Corte não pode tolerar abusos”, afirmou Celso de Mello. Para justificar o fato de não informar o STF, o juiz teria dito na época que os dados estavam protegidos pelo sigilo e que, por esse motivo, ele estava impedido de fornecê-los. Celso de Mello disse que Sanctis tentou construir um feudo em sua vara. O vice-presidente do Supremo, Cezar Peluso, defendeu que o tribunal tomasse providências contra o juiz.

    Peluso afirmou que o Judiciário não pode se transformar em parte, sob pena de perder a sua imparcialidade. “O Judiciário não foi criado para condenar, mas para julgar”, afirmou Peluso. Segundo o ministro, o juiz apenas deve condenar quando houver provas. Peluso sugeriu que o STF encaminhe um ofício ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) perguntando sobre em que situação está uma representação encaminhada ao órgão para avaliar a conduta do juiz Sanctis no caso.

    Peluso também condenou o fato de Sanctis ter criticado a decisão de Gilmar Mendes de soltar Dantas. “Os juízes, muitos noviços, não são corregedores do Supremo Tribunal Federal”, afirmou o vice-presidente do Supremo. Peluso ressaltou que Sanctis chegou a errar o nome do relator do caso no STF, Eros Grau. Num ofício, enviado ao Supremo, o juiz chamou o ministro de Eros Grau de Mello.

    Os ministros também criticaram o fato de Sanctis ter decretado uma nova prisão de Dantas depois de o presidente do Supremo ter determinado, pela primeira vez, a soltura do banqueiro. Para a maioria dos ministros, isso somente poderia ter ocorrido se tivessem surgido de fato provas novas, o que não ocorreu, na opinião deles.

    Prisão desnecessária

    Conforme o STF, as prisões de Dantas, decretadas por Sanctis, eram desnecessárias. A decisão de mandar prender o banqueiro teria sido baseada em “mera suposição” de que, em liberdade, Dantas, poderia prejudicar a continuidade das investigações.

    “Prisão preventiva em situações que vigorosamente não a justifiquem equivale a antecipação do cumprimento de pena, pena a ser no futuro eventualmente imposta, a quem a mereça, mediante sentença transitada em julgado (definitiva e sem possibilidade de recurso). A afronta ao princípio da presunção de não culpabilidade, contemplado no plano constitucional, é, desde essa perspectiva, evidente”, afirmou durante o julgamento de ontem o relator do caso no STF, Eros Grau.

    “Não vivemos ainda um tempo de guerra, um tempo sem sol, embora de quando em quando o sintamos próximo a nós. Sobretudo quando os que nos cercam assumem a responsabilidade pelo combate ao crime e aos criminosos, atribuindo a si mesmos poderes irrestritos, transformando-se em justiceiros . Milícias que em outros tempos faziam-no às escondidas agora se reúnem nas casas ao lado das nossas casas, entre nossos irmãos e amigos”, criticou o ministro.

    Eros Grau disse que é necessário delimitar o papel de cada autoridade no inquérito, “cabendo à Polícia investigar, ao Ministério Público acusar e ao juiz julgar, ao passo que no sistema inquisitório essas funções são acumuladas pelo juiz”.

    Batismo das operações da PF

    Durante o julgamento desta quinta, o ministro Marco Aurélio Mello não seguiu a recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para que os juízes evitem usar em suas decisões os nomes de batismo das operações policiais. Ao votar no caso Dantas, ele citou nominalmente as Operações Satiagraha e Furacão.

    “Sob o ângulo pragmático, (o nome) viabiliza a identificação do caso”, afirmou. “Vou continuar usando”, disse. “Fico admirado com a criatividade no campo das nomenclaturas das operações”, comentou o ministro, que foi o único a votar a favor da decisão que ordenou a prisão de Dantas. “Há fundamentos diversos quanto à prisão preventiva”, disse Marco Aurélio durante o julgamento. (Leia o que diz o jornalista Bob Fernandes sobre o caso) Será coincidência? Exatamente no dia em que o STF de Gilmar Mendes se reúne para decidir se prende ou deixa solto Dantas, a mídia ganha como manchete uma investigação contra o delegado que prendeu Dantas, Naji Nahas, Celso Pitta & Cia?”

    é por issso que eu também digo:

    CHEGA DE INTERMEDIÁRIOS!
    DANIEL DANTAS 2010
    Serra Vice.

  4. Luis Konig -Contenda
    sexta-feira, 7 de novembro de 2008 – 8:18 hs

    Prefeito em releição continua no cargo e pode com isto continuar todos os programas já iniciados. Ocorre que por coincidência vários programs sociais, e pincipalmente convênios federais, a ex. distribuição de cestas básicas, são iniciados no inicio do mandato do prefeito (2005-2006), mas ficam todos para serem executados nos meses, às vésperas, da eleição. E assim ocorre em vários municípios, prefeito no cargo distribuindo cestas básicas, mochilas escolares, fornecendo condução com carros da prefeitura, tudo protegido pela lei. De resto o Judiciário com decisões que mais parecem negociadas de antemão. Infelizmente nosso sistema educacional, hoje com vários universitários de curso à distância, em aulas de uma vez por semana, com vídeos ligados para ninguém ver, só para assinar presença e pegar certificado, criará para o futuro pessoas com menos instrução e cultura para mudar tudo o que vemos.

  5. nerinho
    sexta-feira, 7 de novembro de 2008 – 11:59 hs

    Parabens Goinski, é Tamandare no Rumo Certo…………..

  6. Vergonha Tamandaré
    sexta-feira, 7 de novembro de 2008 – 12:05 hs

    QUANTO NÃO CUSTOU ISSO EM SR OINSKI??????????
    E QUEM VAI PAGAR??
    É CLARO QUE SOMOS NÓS,MAIS 4 ANOS ATURANDO .
    TOMARA QUE VC DESCEPSIONE TODAS AS PESSOAS,E ELES SE ARREPENDÃO DE TER VOTADO EM VOCE.

    ESSES 4 ANOS MORANDO EM TAMANDARÉ,E OS PROXIMOS 4 (ISSO SE VC CONSEGUIR FICAR ATÉ O FIM)VAI SER OS PIORES ANOS Q JA TIVE NA POLITICA

  7. eleitora
    quarta-feira, 19 de novembro de 2008 – 21:58 hs

    é uma vergonha msm!!!!! alguem que mora em almirante tamandaré… escrever tanta coisa errada assim… que vergonha tamandaré msm!!!! sorte q o nosso atual prefeito GOINSKI, investe na educação de nossas crianças, com isso num futuro nao muito distante nao vamos precisar ler algo com tanto erro de português!!!

  8. eleitora muito feliz
    quarta-feira, 19 de novembro de 2008 – 22:03 hs

    que vergonha mesmo!!! um morador de almirante tamandaré não saber escrever GOINSKI, o nome do prefeito… sorte nossa que nossas crianças neste momento estão tendo uma ótima educação, sendo assim num futuro não muito distante não vamos precisar ler um comentário com tanto erro de português!!!! q vergonha tamandaré, não do prefeito, mas sim dos moradores ignorantes…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*