Secretaria da Fazenda sonega informações aos deputados | Fábio Campana

Secretaria da Fazenda sonega informações aos deputados

A oposição na Assembléia ainda espera que a Secretaria da Fazenda lhe envie as informações detalhadas sobre a possível perda de receita de R$ 412 milhões que resultará da reforminha tributária do governo Requião.

Esses dados são essenciais para quantificar com precisão a necessidade de aumento da alíquota da energia e de outros produtos.

Sabe-se que R$ 200 milhões vão para o setor de supermercados. Outros R$ 40 milhões para o setor de autopeças. Resta saber para onde vão os outros R$ 172 milhões.

O governo precisa especificar, por segmento econômico e por grupamento de produtos, o quanto será a perda de receita, conforme exige o projeto de reforma.


6 comentários

  1. Jose Carlos
    quarta-feira, 26 de novembro de 2008 – 10:55 hs

    Esta quinta comarca de SP passa por um dos mais profundos períodos de escuridão, de obscurantismo e trevas medievais desde a chegada de Cabral… prepotência, arrogância, truculência, são todos professores de Deus travestidos de seres humanos, enviados à terra e ungidos pela infalibilidade… a roça, o cangaço, a caipirice e a jecaria mental…. o mau gosto, a cafonice e a falta de civilidade… criaturas saídas das páginas e das iluminuras da Divina Comédia de Dante e outros das páginas de Monteiro Lobato… mas, o sol sempre se ergue e brilha após longos períodos de breu, apesar do desejo dos poderosos de plantão… vade retro…

  2. jango
    quarta-feira, 26 de novembro de 2008 – 11:45 hs

    Salvo engano, a lei de responsabilidade fiscal não permite renúncia ou perda de receita sem compensação. Por aí já se vê que a “reforminha requiônica” é enganação, beneficia os grandes empresários supermercadistas, ferra os pequenos empresários e tira dinheiro do povo para encher os cofres do governo. Os deputados da oposição vão esperar sentados. Informações, pelos precedentes governamentais, podem não vir ou vir insatisfatórias. Sugestão: leiam o art. 10, VII e X, da Lei n. 8.429/92, que considera como ato de improbidade a concessão de benefício administrativo ou fiscal sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie, bem como ação negligente do administrador quanto à arrecadação de tributo, renda e ao que diz respeito à conservação do patrimônio público e atuem em consequência.

  3. Vigilante do Portão
    quarta-feira, 26 de novembro de 2008 – 12:45 hs

    Ao mesmo tempo em que promove um tarifaço, o governo do estado dá uma anistia para os devedores.
    É assim, os sonegadores são sempre beneficiados; Quem paga em dia, só se ferra.

  4. Zé do Coco
    quarta-feira, 26 de novembro de 2008 – 13:47 hs

    Se tivéssemos oposição de fato, há muito essa turma teria sido enquadrada criminalmente e defenestrada do cenário político paranaense.

  5. Zé do Olho
    quarta-feira, 26 de novembro de 2008 – 13:55 hs

    Considerando-se que o ano eleitoral está adiantado aqui no Paraná, e que alguem terá que custear as candidaturas para o pleito de 2010, os 172 milhões devem seguir para as usinas, já que sobe o imposto somente da gasolina e não do álcool… Pensem… E se realmente houvesse oposição, a “coisa” seria bem diferente….

  6. quarta-feira, 26 de novembro de 2008 – 14:10 hs

    Bacana Zé do Olho conclusão acertadissima. O alcool tá fora desta ??? Olha aí o golpe. Sem contar que aquele baita controle que tinha nas bombas dos postos de combustíveis foi revogado. Ninguém fiscaliza mais nada os donos de postos estão rindo a toa. Os usineiros rindo mais ainda. E o Natal vem chegando. O Requião tá esperando o Peru da Sadia. Usineiros atentos. Ô Campana ce tá sabendo desta noticia ???? A SEFA largou de mão os posteiro. Que lacrar bomba de combustível que nada. Deixa os sonegadores trabalhar. Deixa batizar o alcool a vontade. Deixa o consumidor se ralar. O CNP que faça o trabalho dele de fiscalizar 2.000 e tantos postos só no Paraná. O Requião quer é o Perú da Sadia.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*