Mais uma relação "incestuosa" no governo | Fábio Campana

Mais uma relação “incestuosa” no governo

De Abraão Benício, no Jornal do Estado

O caso chegou a ser alvo de denúncias internas no governo Requião, mas graças aos esforços do secretário do Meio Ambiente, Rasca Rodrigues, foi abafado, antes que ganhasse as páginas dos jornais.

Rápida consulta ao site da empresa IGPlan – Inteligência Geográfica – mostra que a SEMA e o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) estão incluídos no seu rol de clientes. Na mesma página da internet é possível verificar que Francisco Lothar Paulo Lange Júnior, além de diretor da IGPlan, é um dos responsáveis técnicos da empresa.

Até aí tudo bem. Não fosse pelo fato de Lange Júnior ser o coordenador de Biodiversidade e Florestas – cargo nomeado – da SEMA. Ou seja, um dos homens de confiança de Rasca Rodrigues.

Lange era funcionário do antigo Instituto de Terras, Cartografia e Florestas (ITCF) – atual IAP – mas saiu para se dedicar exclusivamente a IGPlan.
O artigo 285 do Estatuto do Servidor Público do Paraná é bem claro ao estabelecer que “ao servidor público é proibido, enquanto na atividade, participar de diretoria, gerência, administração, conselho técnico ou administrativo de empresa ou sociedade comercial ou industrial, contratante ou concessionária de serviço público estadual; fornecedora de equipamentos ou material de qualquer natureza ou espécie, a qualquer órgão estadual”.
Entre outros serviços prestados ao Estado, a IGPlan participou da elaboração do estudo prévio de impacto ambiental e relatório de impacto ambiental (EIA-Rima) da polêmica Usina Hidrelétrica de Mauá, que tem a licença contestada judicialmente.
Outro famoso caso de relação “incestuosa” no governo Requião, é o da empresa Telos S/A Equipamentos e Sistemas, de propriedade da mãe e do marido da secretária de Estado da Administração, Maria Marta Lunardon.
De acordo com as denúncias, entre 2004 e abril deste ano, a Telos já faturou mais de R$ 540 mil em negócios com o governo requianista.


9 comentários

  1. ronaldo
    terça-feira, 11 de novembro de 2008 – 10:56 hs

    E essa gracinha do Ministério Público do Paraná continua fazendo cara de paisagem para esses desmando desse governinho.

  2. Emerson
    terça-feira, 11 de novembro de 2008 – 11:26 hs

    Alguns dizem que o pessoal do MP está mais preocupado em garantir aposentadoria e planejar as próximas férias.

  3. Incestipulos
    terça-feira, 11 de novembro de 2008 – 12:10 hs

    Mais uma do LRR? Podem pesquisar que deve ter mais…………

  4. SYLVIO SEBASTIANI
    terça-feira, 11 de novembro de 2008 – 13:39 hs

    Se os paranaenses eleger um Governador durão,vai sobrar penas por todo lado. Quem viver, verá !

  5. Soático Dantos
    terça-feira, 11 de novembro de 2008 – 13:58 hs

    Quem disse que o Requião não é um cara competente?
    Ele ainda conseguir transformar o escandâlo do mensalão em brincadeira de jardim de infância.
    E pior, quando a desonestidade se alia com a arrogância só pode acabar em desastre na cabeça do povão.

  6. Flávio
    terça-feira, 11 de novembro de 2008 – 14:45 hs

    E o Senhor Gediel Peres gracinha, presidente do ITCG-PR!??! É professor de DIREITO 40 horas na UFPR…. É o cúmulo. O que ele ensina aos alunos? Como acumular dois cargos públicos??

  7. Ficha Limpa
    terça-feira, 11 de novembro de 2008 – 17:53 hs

    Flávio, o Gediel Peres ensina a não roubar e nem ser corrupto no serviço público.
    Se você defende o Lange ou será que você não é o próprio. Tenha hombridade e peça a demissão. Espero que o MP investigue isso.

  8. jango
    terça-feira, 11 de novembro de 2008 – 18:13 hs

    Mais uma denúncia pública e o Parquet estadual tem obrigação de se inteirar do assunto. Até hoje estão averiguando o caso das tv laranjas, sem nenhuma conclusão à sociedade. Afinal, trata-se de dinheiro público e de desatendimento do interesse público. O Parquet não está acima do direito de informar-se e de prestar informação à sociedade que lhe paga os mais régios salários, lhe concede todas as prerrogativas para atuar e lhe disponibiliza calhamaços de leis e normas, se não quiserem tanto, uma só lei basta – a lei de improbidade administrativa. O que não pode é nunca termos conclusão de nada, numa inversão do famoso provérbio árabe: os cães passam e a caravana ladra. Isto é: nós, a imprensa, ladramos e os cães malversadores do dinheiro público passam.
    E o Parquet ….

  9. Paulo
    quarta-feira, 23 de novembro de 2011 – 15:28 hs

    Vocês que me desculpem, mais através de conexões verdadeiras, eu posso afirmar que o Lange, saiu da SEMA, pois percebeu que se ali continuasse, ele ser englobado dentro de uma politica suja e corrupta.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*