Lula compra sua primeira "briga" | Fábio Campana

Lula compra sua primeira “briga”

De Clóvis Rossi na Folha de São Paulo

Ao chamar embaixador para consultas, presidente sinaliza que está pronto para radicalizar, contrariando estilo “paz e amor” nas relações internacionais

Era uma vez um tempo em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silvia dizia: “Se eu não briguei com o Bush, não vou brigar com ninguém”.
Esse tempo acabou ontem, no momento em que Lula instruiu o chanceler Celso Amorim a chamar para consultas o embaixador brasileiro em Quito, Antonino Marques Porto, no que equivale, para usar a linguagem do próprio presidente, a brigar com Rafael Correa, o presidente equatoriano.

Não deixa de ser uma ironia que o presidente que não brigou com Bush, teoricamente seu antípoda ideológico, entre em conflito justamente com um mandatário com o qual tem afinidades ideológicas, na medida em que Correa faz parte da leva de governantes de esquerda/centro-esquerda que se elegeram na América do Sul neste século, ainda que a maioria deles tenha adotado políticas que só uma licença poética poderia chamar de esquerdistas.
Mas a divergência com Correa não é de conteúdo, é de forma. Traduzindo: o governo brasileiro não questiona o direito de Correa de contestar o empréstimo de US$ 243 milhões contraído no BNDES -o motivo da “briga”.
Mas diverge radicalmente da forma como foi feita a operação. Correa não teve a delicadeza básica de telefonar para Lula ou para o Ministério brasileiro das Relações Exteriores para consultar ou, pelo menos, avisar que estava recorrendo à arbitragem internacional para tentar não pagar o empréstimo.
“Os telefones em Quito funcionam”, ironiza, por exemplo, Marco Aurélio Garcia, o assessor internacional do presidente Lula e interlocutor assíduo dos governantes sul-americanos.

Em outra moeda
O que irrita Lula é o fato de que o seu governo tratou Correa -e todos os demais governantes sul-americanos, de direita, de esquerda, de centro, de centro-esquerda- com o máximo de atenção, cortesia e disposição para ouvir queixas e tentar resolvê-las.
A atenção e a cortesia foram ainda maiores para com presidentes de países mais pobres (Bolívia, principalmente).
“Se um governo amigo nos trata dessa maneira, como seria o comportamento de um governo inimigo, se o tivéssemos?” -indaga Marco Aurélio.
O antecedente mais próximo da situação agora criada com o Equador foi a nacionalização do gás na Bolívia, pouco depois da posse de Evo Morales. Não pela nacionalização em si, que Lula disse ter entendido perfeitamente, mas pela maneira como Morales se comportou em seguida: deu uma entrevista coletiva em Viena, à margem da cúpula União Européia-América Latina e Caribe, para criticar duramente o Brasil e a Petrobras, enquanto Lula viajava de Brasília para Viena.
O presidente brasileiro, antes de responder, pediu a fita da entrevista, para não basear-se em interpretações dos jornalistas. Quando se encontrou com o colega boliviano, no dia seguinte, avisou: “Não ponha uma espada na minha cabeça para negociar”.
Evo Morales pôs a espada de lado, embora as divergências Brasil/Bolívia continuem em muitos pontos, mas todos sendo tratados em negociações nas quais o governo brasileiro não tem sido surpreendido, ao contrário do que ocorreu com Rafael Correa agora.
Exatamente pela falta de antecedentes, é difícil antecipar o que acontece agora que Lula resolveu “brigar” pela primeira vez em seus praticamente seis anos de governo.
Mas, no governo brasileiro, o que se diz é que a bola está com Correa. Cabe a ele o próximo gesto, se de apaziguamento ou de radicalização.
Ao chamar o embaixador em Quito a Brasília para consultas, Lula está implicitamente avisando que está pronto para radicalizar também, contrariando o estilo “paz e amor”, que adotou para vencer a eleição em 2002 e ampliou para as relações internacionais.


16 comentários

  1. Berko
    sábado, 22 de novembro de 2008 – 17:59 hs

    Por que o Lula, o machão, não fez nada quando a Bolívia interveio na Petrobrás?
    Quer enganar a quem? Será que quando tem que defender a Odebretch ele fica uma fera? Cadê o Zé Dirceu?

  2. sábado, 22 de novembro de 2008 – 18:33 hs

    Eles tem medo do Buxi.

  3. Mano da Vila
    sábado, 22 de novembro de 2008 – 18:58 hs

    Tirando o Chile, o restante das Republiquetas de Bananas sul-americanas que hablan español com os seus ditadorezinhos estão todas quebradas. E querendo tirar vantagens do Brasil com o nosso estimado iskerdista Lula Henrique Cardoso. Acorda Lula!

  4. LINEU TOMASS
    sábado, 22 de novembro de 2008 – 18:58 hs

    ALÔ, “ANTONIO BERKO”, CONTINUO AGUARDANDOSUA IDENTIFICAÇÃO, OU E MAIL. APAREÇA…..APAREÇA…..

    FABIO. O LULA TEM QUE TOMAR UMA POSIÇÃO DURA NESTE CASO DO ECUADOR, POIS A IMAGEM DE NOSSO PAÍS ESTÁ PREJUDICADA (HOUVE FROUXIDÃO), EM FACE DOS CASOS DA PETROBRÁS NO PRÓPRIO ECUADOR, E NO CASO DA BOLÍVIA, QUANDO O EVO PINTOU E BORDOU NA NACIONALIZAÇÃO DA REFINARIA DA PETROBRÁS.
    COMO O LULA NÃO DEU MUITA IMPORTÂNCIA NESTES DOIS CASOS, O SR. CORREA , PRESIDENTE DO ECUADOR, REPETIU A DOSE ACHANDO QUE O LULA DE NOVO IRIA ENGULIR MAIS ESTA.
    LINEU TOMASS.

  5. Vigilante do Portão
    sábado, 22 de novembro de 2008 – 19:21 hs

    Investir o dinheirinho do BNDS (nosso) em países como a Bolívia, Equador e Cuba, foi crime de lesa-pátria; Todo mundo sabe que os governantes de esquerda, sempre tiveram posição de não pagar dívida externa.
    Qual o interesse nacional em dar esses empréstimos? Acredito que seja uma forma de ganhar uma polpuda comissão, sem a fiscalização do Tribunal de Contas.
    Assim, o BNDS empresta o dinheiro para o Equador, a construtora brasileira executa a obra e paga uma comissão para as autoridades brasileiras.
    Não tem outra explicação, pois com tantas obras para fazer aqui no Brasil, investir milhões de dollares em outros países, só pode ser maracutaia.

  6. sábado, 22 de novembro de 2008 – 20:48 hs

    Que humilhação para lula não ? Elle podia aprender com essa paulada , aliás já foram tantas e o apedeuta não aprendeu, nem viu e não sabe de nada e o povo brasileiro é quem paga o “pato”.
    Agora falta Lugo do Paraguai , que está só esperando a hora certa de golpear lula marolinha da silva. Chavez , Christina , Evo e Correa já viram que lula não é de nada e já virou gazação prá eles. Mas o gabola merece.

  7. Berko
    sábado, 22 de novembro de 2008 – 22:01 hs

    Oh Lineu Tomas essa sua postura policialesca, parece até cacoete de agente da ditadura. Aliás, onde estavas essa época?
    Lineu Tomas, menos, menos. Você tá lá no PSC junto com sabe lá com quem. Meu nome é Antônio Berko, e meu e-mail eu forneço aos meus amigos e familiares e você não pertence a nenhum desses grupos. Você agora quer me impedir de dar opinião? Olha o cacoete!
    Eu repito o que disse, epero do presidente Lula a mesma postura que está tendo com Equador no caso da empreitera Odebretch que tenha com a nossa (do povo) Petrobrás. Não é o Lula que quer se comparar com Vargas?
    Se ele quer ser, deveria fazer uma Carta Testamento para depois seguir adiante.
    Lineu Tomas: estás querendo uma “boquinha” no Governo Lula? Você é conhecido por isso, já até rondou o Governo Beto Richa e Requião.
    Não enganas ninguém, Lineu. Tem soube até de muro pichado sobre você. E não é coisa boa!
    Tchau Lineu. Me esqueça!

  8. Fernandes
    sábado, 22 de novembro de 2008 – 23:29 hs

    Estão brincando?

    A Odebrecht e outras empreiteiras desviaram bilhões em reais dos cofres públicos no Brasil. Dinheiro este que foi e está sendo usado para eleger prefeitos, governadores, deputado, senadores e presidentes pelos diversos recantos do país e na América Latina.

    Como podemos esquecer que está empresa sempre esteve ligada ao que tinha de mais podre em nossa política?

    No Brasil ela faz parte de um clube, que podemos chamar de “Clube dos Corruptores”.

    Ela aprimorou bastante um sistema administrativo, no qual cada obra é tratada, dentro da holding, como uma empresa independente (centro de custo próprio, orçamento próprio, etc.). A partir daí é determinado um Gerente para a obra, o qual ganhará comissão por produtividade sobre o quanto ele conseguir reduzir o custo da obra sobre o orçamento original. Com esse detalhe já dá para imaginar o que acontece no quesito qualidade final. Mas você pode dizer que o orçamento proposto originalmente estava “gordo”. Não, ela sempre “ganha” pelo valor mais baixo. Durante a execução começam a acontecer os atrasos, aditivos ao contrato, etc..
    A equipe de advogados “especializados” é muito boa. Ela desenvolveu tão bem esse sistema que hoje o Brasil é exportador dessa falcatrua.

    Um bom exemplo das “parcerias da Odebrecht é a que ocorreu na Bahia entre o
    Norberto Odebrecht e o ACM, pois a empresa faturou muito desde que o Toninho Malvadeza foi escolhido pelos militares em 1964 para ocupar, primeiramente, a prefeitura da capital e, depois, dois mandatos como governador do Estado.

    A dupla começou construindo o Centro Administrativo da Bahia-CAB. Em seguida, fez a reforma do Centro Histórico e depois construiu a Estrada do Coco, ligando Salvador a Sergipe, entre outras obras. Contudo, a grande tacada da dupla foi a Usina Nuclear Angra II, no valor inicial de pouco mais de US$ 2 bilhões, depois aumentados para US$ 10 bilhões, o que sempre aconteceu em todas as obras executadas pela empreiteira.

    Os nossos governantes não punem essas empreiteiras, responsáveis por corromper autoridades do Executivo e do Legislativo aqui no Brasil, pelo menos no Equador o governo está fazendo isto, e é pouco.

    Quem tomou o empréstimo do BNDES foi a Odebrecht, em uma operação normal. Mas houve uma falha técnica na obra, e a empreiteira tem que arcar com os prejuízos que causou ao Equador.

    O problema é do Equador com a Odebrecht que fez um serviço de PIG em todos os sentidos.

    Não existe empréstimo do BNDES para governo nenhum, pois a legislação não permite, é sempre para alguma empresa.

    Os problemas que o governo equatoriano encontrou na obra:

    -Falta de revestimento de concreto em 1Km do túnel que alimenta as turbinas está afetando a estrutura.

    -Falta de dreno dos sedimentos antes de chegarem à hidrelétrica.

    -A água do rio Pastaza é altamente sulfatada por está próximo a um vulcão, com o tempo a água dissolve o concreto, levando sedimentos para as turbinas, as danificando.

    Todos têm culpa no cartório: projeto errado, autorização indevida, construção duvidosa, etc. Só espero que no final nós não tenhamos que pagar ao BNDES o empréstimo feito pela Odebrecht.

    E vamos agora nós ficarmos amestradamente apresentando comportamentos induzidos pela mídia paga pela santa empreiteira e desqualificando o Presidente que toma a justa atitude de proteger o patrimônio de seu povo?

    Aqui no Brasil já vi inúmeras empreiteiras executando obras de péssima qualidade, descumprindo prazos, responsabilidades etc. etc. e nada acontece.

    Rafael Correa apenas exigiu da empreiteira respeito ao dinheiro de seu povo, legalidade e decência. Até que ele deu um prazo e uma chance para que tudo se resolvesse na honestidade e respeito às cláusulas contratuais. Mas a santa empreiteira, pensando que lá era Brasil e que pagando as contas das “meninas” dos políticos tudo seria resolvido, disse que nada iria corrigir.

    O que esperavam?

    Quando vamos recuperar a capacidade de nos indignarmos, de sermos isentos e justos?

    Além de reverenciarmos o deus mercado,temos que construir altares para as “santas empreiteiras” ?

  9. Ronald
    domingo, 23 de novembro de 2008 – 9:47 hs

    O Brasil não pode admitir as bravatas demagógicas dos presidentes, que se autodenominam populares, como Venezuele, Equador, Bolívia, Paraguai, Argentina, etc. A postura deveria ser firme desde o primeiro ato do Evo, pois com aquela bobagem do Marco Aurélio Garcia de dizer que eles tinham razão em defender suas riquezas, deu no que deu. Agora todos querem tirar proveito pois perceberam que na diplomacia brasileira todos mandam. Lembram do caso dos lutadoes de boxe de Cuba que foram deportados sumariamente, sem qualquer procedimento administrativo. De que nos adianta ficar agradando estes países que em nada podem nos auxiliar ? Eles são a segunda linha da américa latina, e nós estamos no meio do caminho, tentando ir para o degrau de cima. Acorda Celso Amorim, Lula e Marco Aurélio Garcia. Isto não é um sindicato, mas sim a direção de um grade país.

  10. Zé do Coco
    domingo, 23 de novembro de 2008 – 9:58 hs

    Entre as republiquetas sul-americanas participantes do Foro de São Paulo o Lula é conhecido pelo apelido de “El Cagón”. Por isso, pensemos bem antes de engolir aquela de presidente norte-americano dizer que o Brasil é líder aqui na linha do Equador, isso não é exatamente um elogio…

  11. Henrique Solera
    domingo, 23 de novembro de 2008 – 14:36 hs

    O Berko está certo!

  12. LINEU TOMASS
    domingo, 23 de novembro de 2008 – 18:26 hs

    AO “ANTONIO BERKO.
    CONTINUA O MEU DESAFIO. APAREÇA.
    NÃO SE ESCONDA SOB ESTE PSEUDÔNIMO.

    APAREÇA……..UMA BATE PAPO ESTILO “OLHO NO OLHO” TEM MAIS VALOR, NOTADAMENTE NA OMBRIDADE DOS INDIVÍDUOS.

    PODE FALAR O QUE QUIZER “BERKÃO”, DE QUEM QUIZER. LUTEI MUITO PELO PROCESSO DEMOCRÁTICO QUE HOJE VOCÊ DESFRUTA, MESMO ESCONDIDO, PARA QUE VOCÊ PUDESSE FAZER O QUE ESTÁ FAZENDO.

    CONTINUA O DESAFIO, “BERKÃO VELHO DE GUERRA”:
    APAREÇA….APAREÇA…..CASO CONTRÁRIO, ESTE RECADO VAI CONTINUAR A CADA VEZ QUE VOCÊ DER UM PALPITE, ATÉ QUE VOCÊ APAREÇA, OU MUDE DE PSEUDÔNIMO, O QUE É MAIS FÁCIL E PROVÁVEL VOCÊ FAZER.

    LINEU TOMASS.

  13. Berko
    domingo, 23 de novembro de 2008 – 23:18 hs

    Lineu Tomass continua estilo agente do SNI. Que feio Tomas.
    De funcionário do Ratinho passa agora a ser um puxa-saco de plantão do Paulo Bernardo. Também é o que te cabe neste latifúndio da ignorância.
    Se acalme Lineu!
    Esse é meu nome. Você quer que eu passe prá clandestinidade? Hoje os tempos são outros. E pelo que sei você nos anos 70 era um alienado, como, aliás, ainda és. Desgruda cara, passa prá outra.

  14. IDEM
    segunda-feira, 24 de novembro de 2008 – 17:21 hs

    Xí, essa briguinha Lineu x Berko está interessante. Vamos lá moçada, vamos declinar umas sujeirinhas que a galera gosta. Aliás, Berko, onde se localiza o tal muro? Quem é puxa-saco de quem? Moçada, olha lá hein!, discussões sempre no campo democrático, sem apelações outras?

  15. Rafael Filippin
    terça-feira, 25 de novembro de 2008 – 12:04 hs

    O comentário do Fernandes é esclarecedor e deveria ser observado pelos demais comentaristas com mais cuidado. Brandir a “brasilidade” diante dos vizinhos sul-americanos com altas doses de testosterona é tão ridículo quanto anunciar efusivamente e agradecer a chegada de investimentos estrageiros para explorar minas, usinas e poços de petróleo. Aliás, queria ver os “machões” acima voluntariando-se para servir na Marinha quando a 4ª Frota resolver ocupar o pré-sal.

  16. JAIMENATIVO
    sexta-feira, 30 de janeiro de 2009 – 14:39 hs

    o lula nao so tem que pegar mais firme com os ditadores sulamericanos que querrem se perpetuar no poder.como tambem com esta situaçao da italia que vem forçando a barra com relaçao a estradiçao deste italiano fugitivo.se ta certo ou errado nao importa.so acho que eles tem que respeitar a soberania do nosso pais.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*